Coletiva - SP entrega mais 2,2 milhões de doses da vacina do Butantan aos brasileiros 20211806

De Infogov São Paulo
Revisão de 15h47min de 24 de junho de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - SP entrega mais 2,2 milhões de doses da vacina do Butantan aos brasileiros 20211806''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensaoficial.com.br/i...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP entrega mais 2,2 milhões de doses da vacina do Butantan aos brasileiros 20211806

Local: Capital – Data: Junho 18/06/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Mais uma vez, bom dia, a todos. Hoje o governo do estado de São Paulo, o Instituto Butantan, entregam mais 2,200 milhões de doses da vacina do Butantan, a Coronavac, a vacina da vida, para o Ministério da Saúde. Agora são 52,200 milhões de doses da vacina, entregues para aplicação no braço dos brasileiros. Até 30 de setembro, repito, nós estaremos entregando 100 milhões de doses da vacina do Butantan, da Coronavac, para o Programa Nacional de Imunizações. É São Paulo acelerando a entrega de vacinas, e acelerando também a vacinação. Aqui ao meu lado, como todos sabem, doutor Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo; Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan; E Regiane de Paula, que é a coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização, e também do Programa Nacional de Imunizações, aqui em São Paulo. Vão nos ajudar também nas respostas às perguntas de vocês. Vamos começar então com a Bruna Barbosa, da TV Bandeirantes, Rádio Bandeirantes. Bom dia, mais uma vez, sua pergunta, por favor.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Bom dia. Bom dia, a todos. Antes eu queria só pedir para o doutor Dimas Covas deixar claro para a gente se a produção com a entrega de hoje fica parada, ou não? Porque é a última remessa com o IFA que tinha disponível, então para a produção até a chegada da nova remessa. Governador, a gente aguarda ainda esses 6 mil litros, inclusive se o senhor puder dizer para a gente quando é que chega, a promessa era dessa divulgação hoje, para a semana que vem. São 6 mil litros, mas ainda faltam 24 mil litros para o Butantan entregar, completar o contrato com o Ministério da Saúde. Como é que estão as tratativas com a China, se esse quantitativo não chegar também, ou continuar atrasado, como a gente está vendo desde o início do ano? O nosso cronograma pode ser, de certa forma, afetado? O governo de São Paulo conta muito mais com a Coronavac, hoje, para cumprir o cronograma até 15 de setembro, ou conta com todas as outras vacinas? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Bruna. Começo a responder, depois Dimas Covas. Nós vamos receber agora no próximo dia 26, portanto, na semana que vem, 6 mil litros do IFA, o insumo para a vacina Coronavac, a vacina do Butantan. Isso significam 10 milhões de doses da vacina. O Instituto Butantan vai fazer um esforço adicional ao esforço que já tem feito para tentar reduzir, pelo menos, em dois dias, o tempo necessário para a produção dessas 10 milhões de doses da vacina. Lembrando que o Butantan já trabalha 24 horas por dia, em quatro turnos, mas ainda assim, Dimas Covas e a sua equipe tentarão antecipar, pelo menos, em 48 horas. Mas é uma boa notícia a chegada desses insumos da China, no próximo dia 26. E já na sequência, a produção das doses da vacina do Butantan. E posso também antecipar, ao lado do Dimas Covas, que até 30 de setembro será cumprida a meta de entrega de 100 milhões de doses da vacina do Butantan, para o Programa Nacional de Imunizações. Em relação à expectativa de São Paulo, a expectativa é de que todas as vacinas são importantes, todas as vacinas aprovadas pela ANVISA são adequadas, todos devem tomar a vacina que estiver disponível no Posto de Saúde, no posto de vacinação, aonde os paulistas, os brasileiros de São Paulo se dirigirem para serem vacinados. E o Butantan continuará tendo essa permanece com uma parcela considerável, mais de 50% da vacinação dos brasileiros, com a vacina do Butantan. Então estamos dentro do cronograma, vamos manter o compromisso de até 15 de setembro fazer a vacinação de todos os brasileiros e paulistas de São Paulo, pelo menos, com a primeira dose. Lembrando que há um distanciamento entre a primeira e a segunda dose, de algumas vacinas que chega a 90 dias, mas já será o primeiro estado do país a ter a imunização completa até o dia 15 de setembro. Completa na primeira dose da vacina. E se tivermos condições e tivermos segurança, poderemos até rever esse prazo para menos, para mais, não.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Primeira dose de qualquer vacina, então?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: De qualquer vacina, sim. Aliás, Bruna, nós somos aqui defensores das vacinas, desde o início eu tenho dito, assim como Jean Gorinchteyn, a Regiane e o próprio Dimas, que somos favoráveis à todas as vacinas, quanto mais opções de vacinas aprovadas pela ANVISA, melhor, mais rapidamente vacinaremos os brasileiros, não só os de São Paulo, como também de todo o país. A nossa torcida é para que o Brasil acelere a vacinação, e que o Brasil consiga superar esse momento tão difícil e triste, que infelizmente, provavelmente hoje estaremos superando a casa de 0,5 milhão de brasileiros que perderam a vida para o vírus, para a COVID-19.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Mas há uma expectativa de uma antecipação ainda, então, novamente, desse calendário, se eu entendi certo?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Sim, o nosso calendário está mantido, 15 de setembro.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Antes disso, não?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Quem sabe? Vamos, como me lembra sempre o nosso doutor Jean Gorinchteyn, vamos por partes. Mas 15 de setembro confirmado. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Bruna, o Butantan não para, quer dizer, terminou a etapa de produção da Coronavac. Não sei se a hora que vocês chegaram ali vocês viram duas grandes carretas em frente à fábrica, descarregando ovos para a produção da Butanvac? Nós não paramos, nós temos a maior produção de vacinas e soros do Brasil, nós temos o compromisso, e isso o ano inteiro, de manter essa produção. Então nós não estamos em absoluto parados, pelo contrário, estamos trabalhando sete dias por semana, quatro turnos por dia.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. E nós já temos, até uma informação, Bruna, puxada pela sua pergunta, já temos 8 milhões de doses da Butanvac prontas, armazenadas, refrigeradas e protegidas aqui no Instituto Butantan. E vamos continuar a produzir até chegarmos a 40 milhões de doses, aguardando a aprovação da testagem um, dois e três, e obviamente a aprovação da ANVISA. Tão logo seja feita a aprovação da ANVISA para a Butanvac, nós já teremos prontas 40 milhões da Butanvac, e a capacidade de produção do Instituto Butantan é de 1 milhão de doses por dia. Portanto, temos razões para um otimismo moderado em relação ao programa de vacinação não só em São Paulo, mas também no Brasil. Vamos agora ao Marcos Vinícius, da TV Globo. Cadê você? Tá aqui. Mais uma vez, bom dia, obrigado pela sua presença.

MARCOS VINÍCIUS, REPÓRTER: Muito obrigado, ao senhor, também ao doutor Dimas. E a todos. Começo então a minha pergunta dirigida ao doutor Dimas Covas. Ontem o senhor tinha afirmado que a Butanvac pode produzir até o dobro de anticorpos da Coronavac, queria que os explicasse melhor isso. E também a respeito da testagem da Butanvac, que vai ser feita com três doses.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Bruno, esses estudos são baseados nos estudos pré-clínicos, em animais, que esse desempenho é fantástico. Nós dependemos agora da confirmação desses resultados nos estudos em humanos. Estamos muito próximo de iniciar a aplicação, de fato, já dentro do estudo, ainda faltam alguns detalhes que estão sendo colocados em ordem. E todas as expectativas de que essa vacina seja, de fato, uma das melhores vacinas, se não for a melhor vacina, em termos de capacidade de imunização disponível. Com relação à terceira dose, na realidade, eu mencionei a dose de reforço, quer dizer, nós não consideramos uma necessidade de completar o esquema vacinal, com uma terceira dose, mas nós temos que lembrar que a dose de reforço, nesse momento, tudo indica que ela será necessária para todas as vacinas. Já tem países da Europa, dentro da União Europeia, já programando o início da vacinação de reforço, já em outubro desse ano. Então é uma previsão que tem que ser feita. E o Brasil vai ter necessariamente que fazer essa dose de reforço, provavelmente no começo do próximo ano, já acoplando aí junto com a vacinação da Gripe, que seria o ideal. Nesse sentido o Butantan também já está tentando colocar em uma fase adiantada o desenvolvimento, uma vacina que seja única, para a Gripe e para o COVID-19. Então é um desenvolvimento importante, e que se conseguirmos isso será seguramente a primeira vacina nessa condição do mundo.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Marcos, você pegou um lead aí importante, você deu a pergunta e levou um lead e ofereceu para os seus colegas aqui também. Obrigado, Marcos. Vamos agora com você, Beatriz Manfredini, da Rádio Jovem Pan. Bom dia, mais uma vez, Bia.

BEATRIZ MANFREDINI, REPÓRTER: Bom dia, a todos. Antes da minha pergunta, eu gostaria de pedir para confirmar com o doutor Dimas Covas sobre a produção da Coronavac, a gente sabe que o Butantan não para, que a Butanvac continua sendo produzida, mas da Coronavac, para a gente dar a informação correta, a gente pode falar que a fábrica aguarda agora a chegada dos novos insumos? E ainda sobre a vacinação, o Ministério da Saúde falou novamente que a chegada da Janssen vai atrasar. Eu queria saber o quanto o nosso calendário aqui do estado de São Paulo conta a chegada da Janssen, se isso pode impactar no nosso cronograma? E se me permite, governador, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, acabou de anunciar, claro, a gente sabe que lá a prefeitura é diferente, no governo estadual, que o calendário lá vai antecipar, vão vacinar todo mundo até agosto. O senhor acabou de falar que quem sabe aqui a gente tenha uma possibilidade parecida. Queria um pequeno comentário sobre isso, então, por favor. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Beatriz, começo então pela última, são três perguntas. Na sequência, Dimas Covas, e a Regiane de Paula. Bem, essa é a corrida pela vida, é uma corrida bem-vinda, desde que de forma segura. Eu saúdo o prefeito do Rio de Janeiro, meu amigo Eduardo Paes, por estar acelerando a vacinação na cidade do Rio de Janeiro. E eu já assumi publicamente, inclusive, essa boa disputa, essa saudável disputa com ele pela vacinação. Quanto mais brasileiros no Rio de Janeiro, e brasileiros em São Paulo, vacinarmos, melhor. Mas eu quero terminar aqui dizendo, Eduardo Paes, me aguarde. Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Na realidade, Beatriz, a chegada do IFA agora para o dia 26 nos permite prever a entrega já dessa nova produção, a partir do dia 15 de julho, 6 milhões, 10 milhões. Então a partir de 15 de julho nós pretendemos já iniciar a distribuição desse lote que será produzido.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Regiane.

REGIANE, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia, governador. Bom dia, a todos e todas. Beatriz, nós contávamos com a vacina, mas com um certo cuidado, eu vou dizer assim. Então não impacta a nossa campanha, não impacta os dados e o prazo que o governador colocou, e que nós colocamos para o PEI - Programa Estadual de Imunização, o dia da Esperança, 15 de setembro. Porque nós já tínhamos uma ideia de que isso iria acontecer, como várias entregas do Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Imunizações, também não se cumpriram. Então nós não temos, queremos muito que essa vacina chegue, é importante, mas não atrasaremos por conta de mais uma não entrega do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Caminharemos e vamos avançar na vacinação até o dia 15 de setembro, o Dia da Esperança. Obrigada. Ah, sobre o Eduardo Paes, o prefeito do Rio de Janeiro, a gente fica muito contente sim, com essa notícia, como o próprio governador falou, mas é importante a gente visualizar todas as coberturas vacinais, nós teremos aí novidades, né, governador? Na próxima coletiva de imprensa. Então vamos trabalhar. E saúdo o município do Rio de Janeiro, por esse momento. E vamos trabalhar como todos, para vacinar o brasileiro, e chegarmos lá no nosso dia da esperança, hoje é 15 de setembro. Quem sabe, governador, poderemos ter outras notícias, mas hoje a gente mantém a nossa expectativa. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Beatriz Manfredini, eu término aqui dizendo, Eduardo Paes, me aguarde. Essa é a mais saudável das corridas, é a corrida pela vida, pela vacina, é o que nós temos prazer em fazer. O Eduardo, eu, e outros governadores também, quando São Paulo se antecipa e anuncia a aceleração da vacinação, eu percebo que nós ajudamos e influenciamos prefeitos, governadores, e até o Ministério da Saúde, a acelerar o programa de vacinação. Isso é muito bom, isso é muito saudável. Então continuamos na pista. Pessoal, muito obrigado mais uma vez. Bom dia, bom final de semana. Semana que vem temos mais notícias, e quarta-feira temos a coletiva de imprensa. Passem um bom final de semana, protegidos, fiquem em paz, fiquem com Deus. Muito obrigado.