Coletiva - SP inicia a vacinação de agentes de segurança de todo o Estado contra o coronavírus 20210504

De Infogov São Paulo
Revisão de 10h45min de 20 de abril de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - SP inicia a vacinação de agentes de segurança de todo o Estado contra o coronavírus 20210504''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensaofic...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP inicia a vacinação de agentes de segurança de todo o Estado contra o coronavírus 20210504

Local: Capital – Data: Abril 05/04/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, pessoal, mais uma vez, bom dia, bom dia a todos que aqui estão, a força pública da Polícia Militar do Estado de São Paulo, muito obrigado por nos receberem aqui, e muito obrigado aos jornalistas também, que estão aqui nesta manhã, alguns eu já tive oportunidade de cumprimentar logo cedo, no Instituto Butantan. Hoje, o Governo do Estado de São Paulo inicia a vacinação dos profissionais de segurança, segurança pública do Estado de São Paulo, estamos assinando Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Técnico Científica, Corpo de Bombeiros, agentes penitenciários, Fundação Casa, guardas civis metropolitanos, guarda municipais, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, que atuam no Estado de São Paulo. A vacinação é exclusiva para os profissionais da ativa, os que estão na linha de frente, protegendo a população, protegendo o patrimônio privado, o patrimônio público, são cerca de 180 mil doses da vacina, disponibilizados a partir de hoje nos postos de vacinação, montados em unidades da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São 21 postos na capital de São Paulo, nove na grande São Paulo, sete na região de Campinas, sete na região de Sorocaba, sete na região de Ribeirão Preto, seis na Baixada Santista, seis na região de Piracicaba, cinco na região de Bauru, quatro na região de São José do Rio Preto, quatro na região de Presidente Prudente, quatro na região de São José dos Campos e quatro, duas, perdão, na região de Araçatuba. A previsão é de que, nos próximos dez dias, portanto, até o dia 15 de abril, possamos ter todos esses 180 mil agentes vacinados aqui no Estado de São Paulo. Foi o primeiro Estado a definir a vacinação dos profissionais de segurança pública em todo país, depois outros Estados, seguindo o exemplo de São Paulo, começaram a programar também a vacinação dos seus profissionais de segurança, eles também são a linha de frente, são aqueles que estão em contato com o público, e com os riscos também advindos disso, e eu queria destacar aqui todos esses profissionais e agradecer pelo esforço, pela dedicação, pelo desprendimento do que tem feito neste período da pandemia, um ano e um mês de pandemia, General João Campos, secretário de segurança pública do Estado de São Paulo, todos aqueles, todos agentes que eu nominei aqui fazem parte também dos nossos heróis, ao lado dos profissionais de saúde aqui do Estado de São Paulo e do Brasil. Queria, Jean Gorinchteyn, cumprimentar a primeira tenente PM Miranda, 22 anos de Polícia Militar, formada em enfermagem, foi a primeira profissional de segurança a ser vacinada, foi aquela que eu estive ao lado na vacinação, que começou a acontecer a partir de agora. Vamos, então, às perguntas, nós temos quatro aqui programadas, começando com Gabriel Prado, da TV Globo, depois Maria Manso, da TV Cultura, Flávia Travassos, do SBT, e a Cleisla Garcia, da TV Record. Gabriel, só localizar aqui, saber onde ele está. Gabriel, e a sua câmera.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: É a do meio ali.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Aqui.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: Isso.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Então, vamos por partes.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: Vamos lá.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Então, começamos com você, Gabriel.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: Bom dia, governador, bom dia a todos os presentes. O senhor prometeu entregar 100 milhões de doses até 30 de agosto, só que o Ministério da Saúde demonstrou dificuldade na aquisição de vacinas. A pergunta é, se ele tiver dificuldades, além dessas doses prometidas pelo Governo, o Butantan tem condição de fabricar e entregar mais doses, ou isso é o limite, até essa data de 30 de agosto?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Gabriel, essa foi a encomenda feita pelo Ministério da Saúde, depois de muita insistência, diga-se, do Governo de São Paulo, e do Instituto Butantan, originalmente, o Ministério da Saúde negou a compra das vacinas, vamos lembrar que este foi o fato, e negou por determinação do presidente da República, nós insistimos e conseguimos, finalmente, que o primeiro lote, de 46 milhões fossem adquiridos, depois mais 54 milhões, com muito atraso, diga-se, fossem também adquiridos. O nosso compromisso é por entrega de 100 milhões de doses da vacina do Butantan, elaborada em conjunto com o laboratório Sinovac. Havendo novas manifestações do Ministério da Saúde, o Butantan vai estudar e vai analisar com o mesmo cuidado, o mesmo zelo com que produziu as vacinas que hoje estão vacinando os brasileiros, nove, praticamente nove em cada dez brasileiros, neste momento, estão recebendo a vacina do Butantan. E vale lembrar também que nós temos a Butanvac em desenvolvimento, nesse momento com os procedimentos sendo avaliados pela Anvisa, para, mediante aprovação, iniciarmos imediatamente a testagem, e se tudo correr bem, e na velocidade que uma pandemia exige, e a urgência do momento, já no segundo semestre teremos uma vacina brasileira, que é a Butanvac, complementando a vacina do Butantan, que é a CoronaVac, vamos torcer pra que o Ministério da Saúde possa adquirir outras vacinas, de outros laboratórios, e acelerar a vacinação em todo Brasil, nós torcemos por mais vacinas e esperamos que não só a Astrazeneca, como de outros laboratórios, também sejam disponibilizados aqui no Brasil para vacinação dos brasileiros, quanto mais brasileiros imunizados, mais brasileiros serão salvos, mais rapidamente voltaremos à normalidade e a ativação da nossa economia. Vamos agora para Maria Manso, da TV Cultura, Gabriel, muito obrigado. Maria, bom dia, mais uma vez, onde está sua câmera? Aqui. Pronto.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Bom dia a todos. Governador, como é que o senhor viu a polêmica da abertura ou não dos templos religiosos? Depois que o ministro autorizou, a gente já viu uma aglomeração num templo evangélico.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Maria, eu sou católico, e praticante, e não de hábito, mas frequento uma igreja próximo da minha casa, aqui em São Paulo, compreendo que a natureza daqueles que gostam de frequentar templos, igrejas e pontos onde o culto e a celebração são feitas regularmente, sintam necessidade, sintam vontade disso, em São Paulo nós liberamos que as pudessem, com a limitação física, no limite de 30%, frequentar templos e igrejas, mas não em celebrações, não em cultos, houve uma determinação do Supremo Tribunal Federal, do Ministro Cássio Nunes, e nós aqui temos que obedecer a lei, e estamos obedecendo, mas me parece que isto será reavaliado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal, pois o próprio Supremo Tribunal Federal determinou que os Estados, portanto, os governadores, tivessem a responsabilidade da gestão destes temas e não o Supremo Tribunal Federal, e não o Governo Federal, por enquanto há que se cumprir o que determina a lei, e se ela for reavaliada pelo Supremo, vamos ver o resultado disso, mas volto a recomendar que as pessoas, mesmo aquelas que são evangélicas, católicas, ortodoxas, anglicanas, de religiões africanas, ou qualquer outro tipo de manifestação religiosa, se puderem, por favor, fiquem em suas casas, façam suas celebrações, as suas orações em casa, ao lado dos seus familiares, e protegidos, evitem ir a templos, igrejas, ou outras celebrações, isso põe em risco a sua saúde, e colocando em risco a sua saúde, a sua vida, coloca em risco também a vida e a saúde de outras pessoas, orar é importante, a oração traz esperança, pacifica o coração, mas num momento tão grave da pandemia, é melhor fazer isso em casa, do que em templos, mas, repito, vamos seguir a orientação e obedecer a lei, até que ela seja modificada. Obrigado, Maria.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Desculpa, governador, só, como já aconteceu uma aglomeração, que foi registrada pela imprensa, o Governo também vai fiscalizar a lotação de templos?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: É difícil fiscalizar, são centenas de templos só na capital de São Paulo, e são milhares de templos em todo Estado de São Paulo, o que denota, mais uma vez, a responsabilidade das instituições, da igreja católica, da igreja evangélica, anglicana, ortodoxa, igrejas de origem africana, pra que elas próprias também façam a fiscalização, quem fiscaliza não é o Governo do Estado, é a prefeitura, são as prefeituras municipais, mas é sempre muito constrangedor entrar numa igreja, entrar num templo, fazer a fiscalização e determinar a cessação do culto, ainda que temporariamente, a saída de pessoas que ali ocupam aquele espaço, repito que a medida que foi deliberada monocraticamente, pelo ministro Nunes, certamente será avaliada pelo plenário do Supremo Tribunal Federal até a próxima quarta-feira, aí sim teremos uma decisão final, por enquanto, a melhor recomendação que podemos oferecer às pessoas é, por favor, fiquem em casa, e façam suas orações em casa, acompanhem cultos e missas, que são transmitidas pela televisão, hoje os canais de televisão, abertos, fechados, assim como através da internet, oferecem todas as condições pra que as pessoas façam suas orações protegidas em suas casas, e esta é a nossa recomendação. Vamos agora a Flávia Travassos, do SBT, Flávia, sua câmera.

FLÁVIA TRAVASSOS, REPÓRTER: Aqui, olha.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Aqui, tá bem em frente. Flávia, bom dia, mais uma vez, por favor.

FLÁVIA TRAVASSOS, REPÓRTER: Bom dia, governador, bom dia a todos, governador, o senhor havia anunciado que comprou, que o Governo do Estado fechou 30 milhões de doses com o Butantan aqui, pras pessoas que moram em São Paulo, quando essas vacinas vão estar disponíveis? Só depois que o Butantan fornece para o Ministério da Saúde? Com essa corrida toda atrás de vacinas, é possível antecipar esses 30 milhões pra acelerar a vacinação pelo menos no Estado, governador? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Flávia, repito o que já disse, em São Paulo nós vamos completar as 100 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde, faremos a entrega até 30 de agosto, esse é o compromisso, e o compromisso será cumprido, esperamos que os insumos cheguem em tempo aqui, fornecidos pela Sinovac, com sede em Pequim, na China, que não haja nenhuma interrupção no processo de encaminhamento desses insumos para que o Butantan possa processar, envasar e distribuir a vacina do Butantan e completar, conforme previsto, até 30 de agosto. Lembrando que o prazo original contratado era 30 de setembro, nós já antecipamos 30 dias para 30 de agosto, mas o prazo original era 30 de setembro, e a partir de setembro, eu repito, nós já determinamos e formalizamos a aquisição de 30 milhões de doses da vacina do Butantan para a imunização dos brasileiros que vivem em São Paulo, e aqui, volto a insistir, nós pretendemos imunizar 100% de todos os habitantes aqui do Estado de São Paulo, que precisam ser imunizados até o dia 31 de dezembro deste ano, e torcemos, Flávia, torcemos muito pra que mais vacinas cheguem, de outros laboratórios, para complementar esses 100 milhões de doses da vacina do Butantan, até hoje, dia cinco de abril, a média é de praticamente nove vacinas do Butantan pra cada dez brasileiros que recebem a vacina, nós desejamos que mais vacinas possam ser adquiridas pelo Ministério da Saúde, de outros laboratórios, para acelerar a vacinação no Brasil, hoje ela está muito dependente da vacina do Butantan, nós, repito, precisamos de mais vacinas. Vamos agora a Cleisla Garcia, da TV Record, tudo bem, Cleisla? Sua câmera. Aqui. Já localizei. Obrigado, Cleisla.

CLEISLA GARCIA, REPÓRTER: Bom dia. Bom dia a todos. Pelo estoque que já se tem, governador, o senhor acredita que será possível antecipar outros grupos prioritários e essa antecipação deve passar primeiro pela saúde, uma vez que os pais estão muito preocupados com a questão da volta às aulas e também os professores?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Cleisla, quem define isso é o nosso PEI, é o grupo do programa estadual de imunização, aqui representado pela Dra. Regiane de Paula, que é a coordenadora-geral do nosso Programa Estadual de Imunização. Sim, essa avaliação está sendo feita, aliás, diariamente, o centro se reúne virtualmente, e semanalmente temos uma reunião presencial, da qual eu participo fisicamente, que é às quintas-feiras, e esta é uma decisão que é constantemente reavaliada, nós temos um resultado muito bom de vacinação até o presente momento, em São Paulo, vou tomar a liberdade pra complementar a sua pergunta, Cleisla, de pedir o depoimento da Dra. Regiane de Paula, do número de pessoas já vacinadas até o presente momento, nós temos transparência absoluta nas informações de vacinação, com o vacinômetro, ele é atualizado a cada cinco minutos, com a transparência absoluta, tanto na primeira dose, quanto da segunda dose, aqui no Estado de São Paulo. Numericamente, São Paulo é o Estado que mais vacinou, o que mais vacina e seguirá sendo o Estado com maior número de pessoas vacinadas. Temos um sistema robusto preparado com as prefeituras municipais para esta vacinação, isso é um histórico, ou seja, nos últimos 30 anos isso já aconteceu, os programas de vacinação em massa, da vacina contra a gripe, contra sarampo, entre outras, organizado pelo SUS, Sistema Único de Saúde. A Dra. Regiane dará detalhes atualizados pra você sobre a vacinação até o presente momento. Regiane.

CLEISLA GARCIA, REPÓRTER: Obrigada, governador.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA-GERAL DO PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO DE SÃO PAULO: Obrigada, governador. Até o presente momento, nós temos 6.470.722 doses aplicadas, sendo que primeira dose 4.896.740 doses e de segunda dose 1.648.992 doses, lembrando que cada dose aplicada precisa ser registrada na plataforma VaciVida, como o governador colocou, nós temos dois sistemas, o Vacina Já, que é o pré-cadastro, e a partir do momento que você toma a vacina, a plataforma, então, você insere esse dado nominalmente, pra que a gente possa saber quem foi vacinado, onde essa pessoa está, dando total transparência a gestão da vacinação no Estado de São Paulo. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dra. Regiane. Obrigado, Cleisla, pela sua pergunta. Muito obrigado a todos, mais uma vez, se não nos encontrarmos, na quarta-feira teremos a coletiva de imprensa, às 12:45 no Palácio dos Bandeirantes, por favor, se protejam, fiquem bem, tenham uma boa semana, muito obrigado.