Coletiva - SP inicia entrega de vacinas do Butantan do novo contrato de 54 mi de doses ao Brasil 20211405

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP inicia entrega de vacinas do Butantan do novo contrato de 54 mi de doses ao Brasil 20211405

Local: Capital – Data: Maio 14/05/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, bom dia a todos, obrigado pela presença. Nós temos aqui ao meu lado Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde, médico infectologista, e Regiane de Paula, Dra. Regiane é a coordenadora do PEI, Programa Estadual de Imunização, e coordena também em São Paulo o Programa Nacional de Imunização.

Na manhã de hoje, nós entregamos mais 1,1 milhão de doses da vacina do Butantan, da Coronavac, para todo o país. As vacinas que estão sendo entregues hoje somam um total de 47.212.000 doses. Repetindo: As vacinas que estão sendo entregues hoje somam 47.212.000 doses da vacina do Butantan, da Coronavac, entregues ao Ministério da Saúde, para a imunização dos brasileiros. Com isso, completamos a primeira etapa do contrato, de 46 milhões de doses da vacina, e já iniciamos o atendimento da segunda etapa, dos 54 milhões de doses da vacina, comprometidos com o Ministério da Saúde. Esta é a boa notícia.

A má notícia: Nós não temos mais insumos, não temos mais IFAs para a produção de vacinas Coronavac, de vacinas do Butantan, que até aqui abasteceram 70% de todo o sistema vacinal do país. E por que não temos? Porque o governo da China ainda não autorizou, não liberou o embarque de 10 mil litros de insumos, de IFA, que estão prontos, destinados ao Instituto Butantan, pelo laboratório Sinovac, e estes 10 mil litros correspondem aproximadamente a 18 milhões de doses da vacina, absolutamente necessários para manter a frequência do sistema vacinal, acelerar e principalmente atender àqueles que precisam tomar a segunda dose da vacina Coronavac, da vacina do Butantan. Todos sabem, temos um entrave diplomático, fruto de declarações inadequadas, desastrosas, feitas pelo Governo Federal, contra a China, contra o governo da China e contra a própria vacina. E isso gerou um bloqueio, por parte do governo chinês, na liberação do embarque destes insumos. A China hoje fornece vacinas e insumos para mais de 100 países do mundo, já disponibilizou mais de 300 milhões de doses de vacinas, não apenas da Coronavac, mas de outros laboratórios chineses também. Portanto, o Brasil não é o único país a receber vacinas e insumos da China, são mais de cem países. Nesse momento, são 102 países que recebem, e é muito ruim quando temos um país cujo presidente agride um outro país, no momento em que mais precisamos de vacinas.

Portanto, boa notícia, a entrega de mais 1,1 milhão de doses da vacina, má notícia é que, a partir de agora, o Instituto Butantan não pode processar novas vacinas. E eu faço aqui um apelo para as autoridades chinesas, que, estando em Brasília, na Embaixada da China, e mesmo na chancelaria e no governo chinês, em Pequim, que os brasileiros não pensam como o presidente da República do Brasil. Os brasileiros continuam agradecendo à China por ajudar a salvar vidas no nosso país, lembrando que insumos também da AstraZeneca são produzidos na China e encaminhados ao Brasil, para a Fiocruz processar e disponibilizar a vacina AstraZeneca também para os brasileiros. E as ofensas que foram proferidas, infelizmente, repito, desastrosamente, pelo Governo Federal, aos chineses, representam não apenas ofensa ao povo chinês e ao governo da China, mas ofensa também aos brasileiros, que, sem vacina, podem perder suas vidas. Muito triste viver uma situação como essa, diante de uma pandemia tão grave, que já levou a vida de quase 430 mil brasileiros.

Nós vamos agora às perguntas, começando pela Gabriela Bridi, da TV Globo, GloboNews. Na sequência, CNN Brasil e a Folha de São Paulo. Gabriela.

GABRIELA BRIDI, REPÓRTER: Bom dia.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia.

GABRIELA BRIDI, REPÓRTER: Eu queria saber de que forma essa paralisação na produção da Coronavac vai impactar o calendário de vacinação aqui de São Paulo, inclusive com a aplicação da segunda dose.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Gabriela. Vou pedir à Dra. Regiane que possa responder.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Bom dia, Gabriela, bom dia, governador, bom dia a todas e todos. Nós temos um cronograma, que, até agora, tudo que foi, na quarta-feira, que nós anunciamos, nós temos vacinas para poder fazer essas entregas, conforme foram comprometidas. Claro que nós precisaríamos de mais vacinas, para que a gente tivesse, de forma clara, uma celeridade no processo vacinal. Então, nesse momento, nós estamos revendo e trabalhando de forma muito, com muito planejamento, para que a gente não tenha, do que já foi anunciado, nenhum tipo de perda, não possamos cumprir com aquilo que foi anunciado, temos isso muito criteriosamente, mas precisamos de mais vacinas. Aquilo que o governador diz, que o Dr. Dimas e o secretário colocam, é a grande realidade. Vivemos um momento muito difícil ainda no Brasil, a pandemia ainda está causando inúmeras mortes, mais de 430 mil mortes, infelizmente, já aconteceram, e a gente se solidariza com todas essas mortes, mas nós precisamos que o Governo Brasileiro, de fato, tome uma atitude para que, além de trazer mais vacinas, possa fazer com que os IFAs que são necessários cheguem ao Brasil para a produção da vacina. Não é possível que o Instituto Butantan, nesse momento, tenha uma paralisação da sua vacina, da sua produção, por uma questão burocrática. As vidas são muito mais importantes do que a burocracia. Precisamos de mais vacinas. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Gabriela, obrigado. Vamos agora com Tainá Falcão, CNN Brasil. Tainá, bom dia.

TAINÁ FALCÃO, REPÓRTER: Bom dia. Dr. Dimas, acho que o senhor é o mais indicado para responder, porque diz respeito ao contrato. Eu queria entender o que o contrato com a Sinovac diz a respeito desses atrasos, quais são as penalidades previstas ao laboratório? É possível acioná-lo juridicamente, ou até mesmo o governo chinês, por conta disso?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Bom, Tainá, em primeiro lugar, deve-se ressaltar a seguinte questão: o primeiro contrato, ele foi cumprido com 12 dias de atraso. Portanto, do ponto de vista contratual, absolutamente normal, 12 dias de atraso num volume de 46 milhões. O segundo contrato está em andamento. Começamos a entregar na quarta-feira, já no segundo contrato. Com a entrega de hoje, elas já serão 1.212.000 doses do segundo contrato. Segundo contrato que foi assinado em fevereiro. Portanto, quer dizer, fevereiro assinou o contrato, nós disparamos as negociações, em termos dos volumes. E nesse momento o que se atrasa é a previsão. Quer dizer, nós tínhamos uma previsão de entregar em maio 12 milhões de doses, vamos entregar um pouco mais de 5 milhões. E em junho, temos a previsão de 6 milhões de doses. Se o IFA chegar muito rapidamente, vamos cumprir, vamos cumprir, recuperar o cronograma de maio e cumprir o cronograma de junho. Então, do ponto de vista da nossa relação contratual com a Sinovac, não temos nenhum problema. O problema é com a liberação, que tem que ser o mais rápido possível. Então, nesse aspecto, nós estamos tranquilos. Com relação ao Ministério, sim, nós oferecemos a eles uma programação de entrega, essa programação pode sofrer atraso, vai sofrer atraso em maio, e que poderá ser recuperado em junho, na dependência da liberação do volume de IFA. Esses 10 mil litros correspondem ao que falta para maio e ao que está previsto para junho. Com isso, a gente mantém do contrato, como combinado com o Ministério. Então, essa é a situação. No dia de hoje, já pela manhã, eu já conversei com os chineses. Não houve, de fato, a liberação. Existe a notícia oficial da Fiocruz, que ela teve uma liberação para embarque, no dia 22, e isso é uma boa notícia. Quer dizer, se começou a liberar, é possível que a gente também tenha uma boa notícia nos próximos dias.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, obrigado, Tainá, obrigado, Dimas. Vamos agora ao Arthur Rodrigues, da Folha de São Paulo, mais uma vez, bom dia, Arthur.

ARTHUR RODRIGUES, REPÓRTER: Bom dia, governador, bom dia a todos. Eu só queria deixar claro, complementando a primeira pergunta que foi feita, com os insumos que a gente tem até agora, quando que a vacinação seria paralisada, se não for liberado? A gente já tem uma data? É o dia 21 ali que é o último? E só queria tirar uma dúvida sobre esse fluxo. Se os insumos tivessem chegado, quantas doses a gente já teria até agora?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, são duas perguntas complexas. Eu vou pedir à Dra. Regiane que tente responder e, se necessário, com ajuda do Dimas Covas, Arthur. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Arthur, veja, nós até agora temos vacinas, e ontem... O que eu posso colocar de forma bem concreta? As frustrações em relação à vacina da AstraZeneca, elas são sucessivas, elas vêm ocorrendo de forma sucessiva, desde o primeiro anúncio que foi feito em janeiro. Então, só para vocês terem uma ideia, nessa semana, nós tínhamos uma expectativa de receber quase 1 milhão de doses da vacina da Fiocruz. Recebemos metade, metade desse quantitativo, quase 40% a menos desse quantitativo. Então, claro que nós precisamos, o tempo todo, ter um planejamento, para que a gente possa, de forma, com muito cuidado, muito zelo, sabendo que a população, ela aguarda com muita intensidade que essa vacina chegue no braço do seu pai, da sua mãe, do seu filho, do seu irmão, nós precisamos então ter isso de forma muito clara. O posicionamento que o Dr. Dimas acabou de colocar, que a Fiocruz faz, que chegará IFA, em muito nos deixa feliz, porque significa que teremos vacina da AstraZeneca e, provavelmente, o IFA, e nós torcemos por isso, reiteradamente os pedidos do governador, do secretário, do Dr. Dimas, para que a gente possa ter o IFA chegando para a vacina do Butantan, é uma realidade. Então, hoje, com essa perspectiva de chegada de IFA, inclusive, esperamos que o IFA chegue ao Instituto Butantan, e que nós possamos rapidamente começar a nova produção com esse novo IFA. Mas há, da parte do Butantan, e também da questão da Pfizer, expectativas. Então, nós trabalhamos sempre em cima de expectativas e todo momento a gente tem que redimensionar isso, uma vez que, como eu falei hoje, nós tivemos menos 40% de doses enviadas a todos os Estados, inclusive ao Estado de São Paulo. Então, organizamos com muito cuidado para que a gente não tenha as pessoas se frustrando ainda mais, precisando da vacina e não tendo, e vendo a pandemia caminhar e levar cada vez mais vidas em todo o Brasil. Então, trabalhamos... quando vamos parar? Nós esperamos de fato que o Programa Estadual de Imunização do Estado de São Paulo não pare. Podemos diminuir o ritmo, mas nós, até esse momento, não paramos, como nenhuma outra capital, podemos diminuir o ritmo, mas esperamos que o Governo Federal se sensibilize, com todos os brasileiros, e tome as atitudes que deve tomar. É isso, obrigada, obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Era só pra complementar, Arthur. Quer dizer, pra maio, como eu mencionei, a previsão era de entregar 12 milhões de doses, até o final de maio, e que, portanto, a rigor, a rigor, o mês ainda não terminou, nós não estamos, até então, oficialmente atrasados. Nós estamos dizendo que vai atrasar, porque não vai ter mais IFA. Então, isso é um ponto que tem que ficar bem claro. Segundo, a questão da segunda dose, ela não é dependente do Butantan. Segunda dose, em muitos Estados, foram políticas locais. Quer dizer, a dificuldade da segunda dose, que não ocorre no Estado de São Paulo, ocorre em outros Estados porque houve, num determinado momento, uma orientação do Ministério da Saúde para uso de todas as doses. Então, vai ter um atraso em alguns locais, exatamente por isso: todas as doses foram usadas naquele momento. Uma informação complementar, governador, eu acho que é importante eu mencionar, quer dizer, hoje também o Butantan completa a entrega de 50 milhões de doses da vacina da gripe. Quer dizer, nós estamos no meio de uma campanha da gripe, que é tão importante como doença respiratória quanto o Covid, caso a vacina não seja utilizada. Então, inclusive acho que nós devemos enfatizar que as pessoas têm, sim, que vacinar com a gripe, as vacinas estão disponíveis e é importantíssimo que essa vacinação ocorra. Eu acho que é relevante, e nós devemos também olhar para a vacinação da gripe.

Um outro ponto é em relação... vocês, quando entraram aqui, viram que os caminhões estão descarregando ali ovos para a produção da Butanvac. Quer dizer, nós já temos 6 milhões de doses da Butanvac em processo, eles estão já produzidos, a primeira parte já foi produzida. Agora, nós estamos aguardando o controle de qualidade. Após o dia 20, 22, nós vamos já estar disponíveis, já estarão disponíveis essas 6 milhões de doses, e a produção continuará ainda sendo feita, até atingirmos 18 milhões de doses, em junho. Ontem, nós recebemos mais um lote de questionamentos da Anvisa, nós recebemos mais 15 questões. Já estamos trabalhando e vamos responder a esses questionamentos, o mais rapidamente possível, para que nós possamos iniciar o estudo clínico com essa vacina, porque é essa vacina que vai nos trazer independência total no segundo semestre. Quer dizer, nós temos uma grande capacidade de produção e podemos ajudar muito o país com essa vacina, que não dependerá da importação de matéria prima.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Arthur, eu vou pedir ao Dr. Jean Gorinchteyn também para complementar a resposta às suas perguntas, mas antes, aproveitando para mencionar a vocês a importância da Butanvac, porque ela nos dá, como disse o Dr. Dimas, absoluta autonomia, do ponto de vista de insumos. Nós não dependeremos de insumos importados, nem da China, nem da Índia, nem da Grã-Bretanha, nem de parte alguma. Os insumos serão produzidos aqui e as vacinas produzidas aqui, com a maior fábrica de vacinas do Hemisfério Sul, que é a vacina contra a gripe, H1N1 e Influenza, que o Butantan tem mais de 20 anos de experiência em produção, e uma capacidade produtiva também muito elevada. Dr. Dimas mencionou que nós já autorizamos a produção de 18 milhões de doses, e depois complementaremos 40 milhões de doses, ainda até o final deste ano, e 6 milhões já estão em produção, ou seja, autonomia plena, disponibilidade, velocidade e, com absoluta certeza, a eficácia desta vacina para proteger os brasileiros. É a Butanvac, essa deveria ser uma aposta e um senso de urgência também por parte da Anvisa, obedecidos os seus critérios científicos e de análise, para liberar o mais rapidamente possível, para que possamos ter uma nova vacina, repito, integralmente produzida no Brasil, para imunização dos brasileiros. Agora, o Jean Gorinchteyn, complementando ainda a demanda feita pelo Arthur.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE: Essa semana, o Butantan entregou mais de 4 milhões de doses da Coronavac Butantan para o Programa Nacional de Imunização. Isso, para o Programa Estadual nosso aqui, do Estado, vai garantir a possibilidade daqueles que, por algum motivo, não receberam a sua segunda dose, possam fazê-lo. E é dessa forma que ocorrerá. Todas as grades que são estabelecidas, elas são tomadas a partir de todas as previsões de chegada. Se nós temos dúvidas da chegada, essas grades não são determinadas, porque nós não podemos criar expectativas nas pessoas, que, eventualmente, nós não poderemos consagrá-las. Então, nós precisamos que as doses que foram colocadas, tanto da Pfizer quanto da AstraZeneca, Fiocruz, definidas pelo Ministério da Saúde, sejam realmente respeitadas, para que todas essas grades sejam ministradas e assim possamos dar continuidade, sem qualquer interrupção, no processo vacinal no Estado de São Paulo.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Obrigado, Arthur. Pessoal, muito obrigado pela presença de todos. Aproveito pra desejar um bom final de semana, em paz e, sobretudo, protegidos. Muito obrigado a todos.