Coletiva - SP lança Delegacia da Diversidade Online e amplia combate a crimes de intolerância 20212608

De Infogov São Paulo
Revisão de 15h25min de 27 de agosto de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - SP lança Delegacia da Diversidade Online e amplia combate a crimes de intolerância 20212608''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensaoficial...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP lança Delegacia da Diversidade Online e amplia combate a crimes de intolerância 20212608

Local: Capital – Data: Agosto 26/08/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Nós demos transparência a esse evento com a presença da imprensa, nós temos três jornalistas aqui elencados para fazer suas perguntas, eu vou fazer só encarecidamente um apelo a vocês, à TV Cultura, à CNN, à TV Globo, Globo News, vamos nos ater a esse tema, é tão difícil termos uma oportunidade de tratar desse tema, de tratar da liberdade, de tratar da diversidade, que teremos outras oportunidades para falar de saúde, de vacina, de questões de segurança pública, de manifestações. Então faço um apelo a vocês, evidente que cada jornalista tem a sua liberdade, mas por favor, se puderem se ater a esse tema, de novo, é tão raro termos um momento como esse no Brasil, não é em São Paulo, que seria também uma prova de apreço e de respeito pela liberdade que nós tratássemos preferencialmente deste tema. Então vamos com você, Adriana Cimino, da TV Cultura. Bom dia.

ADRIANA CIMINO, REPÓRTER: Bom dia, a todos. Eu estou aqui com o site da delegacia eletrônica aberto, e eu gostaria só de um esclarecimento com relação ao momento de se fazer o registro da ocorrência, por exemplo, quando for um crime contra à mulher, porque existe opção de violência doméstica contra a mulher, e a aba da delegacia da adversidade online, em que os crimes contra gênero estão incluídos. Então eu gostaria de um esclarecimento e possíveis exemplos de quais crimes devem ser denunciados, em quais abas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Ótima pergunta, Adriana. Todas as perguntas são ótimas, mas ela é esclarecedora, portanto, agradeço ao questionamento feito por você, doutor Ruy Ferraz responderá à sua pergunta.

RUY FERRAZ, DELEGADO-GERAL DA POLÍCIA CIVIL DE SÃO PAULO: O crime onde a mulher figura como vítima, deve ser acessado através da DDM online, ali nós vamos cuidar de transferir para a área correta quem vai se responsabilizar pela investigação quando a vítima é a mulher, e sofreu a violência em decorrência da relação de família, com o autor do crime. Quando o crime atinge a pessoa em razão do gênero dela, deve ser feito pela Delegacia da Diversidade online. Se houver qualquer equívoco por parte da pessoa que está tentando fazer o registro, a delegacia vai se incumbir de fazer a transferência necessária, e atender todo mundo, independentemente do que a pessoa está tentando transferir como noticia, ninguém vai deixar de ser atendido porque errou o clique de um botão.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, até pedi para colocar o site, Ruy, para ficar mais fácil na visão, aliás, que a Adriana teve o cuidado de acessar para ficar mais fácil a verificação do procedimento. A gente pode ir rodando devagarzinho, porque aí permite também quem quiser pode fazer a fotografia. Adriana, muito obrigado. Vamos agora para a Manuela Niclevicz, da CNN. Manuela, bom dia. Sua pergunta, por favor.

MANUELA NICLEVICZ, REPÓRTER: Bom dia, governador. Tudo bem? Bom dia, à todas as autoridades. Primeiro eu gostaria de saber se a gente tem algum balanço hoje no estado sobre esse tipo de ocorrência, já eu sei que isso está entrando no ar agora, mas se a gente tem algum balanço até esse momento, de qual que é a média desse tipo de situação que chega, de ocorrências que chegam nesse tipo. E pedindo a licença, eu sei que o senhor acabou de fazer aí o pedido, eu gostaria de pedir para fazer uma pergunta em um outro hall, ainda dentro da segurança pública, mas não sobre esse tema em específico, sobre as manifestações que estão agendadas para acontecer aqui na primeira quinzena de setembro. O governador se pronunciou essa semana sobre isso, tinha falado que a princípio, no dia 7 de setembro aconteceriam manifestações pró-governo, no dia 12, contrárias ao Governo Federal, e ontem à noite a gente teve uma decisão aí de alguns grupos que querem fazer a manifestação contrária ao Governo Federal no dia 7 também, e vão solicitar a realização dessa manifestação no Vale do Anhangabaú. Ainda eu sei que não foram feitas reuniões com os órgãos de segurança, mas qual que seria a opinião do governo do estado de São Paulo sobre isso, se é possível garantir a segurança destes dois eventos em um mesmo dia, porque são dois locais relativamente próximos também. Muito obrigada, e desculpa de fugir um pouquinho aí do tema.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Manuela. Antes de pedir ao doutor Youssef, que é o nosso secretário executivo pela Polícia Civil, a resposta à sua primeira questão, eu imagino que o Youssef tenha... Você registrou a pergunta da Manuela? Eu vou responder a segunda pergunta, assim dou tempo também ao Youssef de preparar a sua resposta. A Secretaria de Segurança Pública, nesse momento, tendo o Coronel Camilo, que está aqui à frente, eu vou passar a palavra a ele na sequência, tomou a decisão no Conselho de Segurança Pública de administrar as duas manifestações, primeiro respeitando amas, as manifestações são democráticas, gostem ou não, desta ou daquela pessoa, mas elas democraticamente têm o direito de expressarem isso. Só não a conveniência de que grupos antagonistas se manifestem no mesmo dia, ainda que em locais diferentes, isso põe em risco a segurança dos manifestantes, e obviamente divide o esforço de segurança pública do estado de São Paulo para concentradamente atuar em uma área, em um movimento, e em outra data para outro movimento. Portanto, houve a negativa solicitação pela Secretaria de Segurança Pública, na utilização do Vale do Anhangabaú, ou no Larga da Batata, ou de qualquer outra área não só na capital, mas no estado de São Paulo para manifestações desta ordem no dia 7. No dia 12 de setembro, sim, essa será a data para as manifestações dos que são contrários ao Presidente Jair Bolsonaro, e no dia 7 de setembro aqueles que se manifestarão a favor. Não há vínculo de data, e preferência de data, o fato de se manifestar no dia 7 de setembro, as pessoas sejam mais importantes do que aquelas que se manifestarão no dia 12 de setembro, cada voz é uma voz, cada pessoa representa a sua individualidade e a sua liberdade, seja em 12 de setembro, 7 de setembro, 15 de novembro, 25 de dezembro, não importa a data, importa a manifestação das pessoas. Portanto, teremos manifestações no dia 7, na Avenida Paulista, e concentradamente ali, dos que são apoiadores do Presidente Jair Bolsonaro. E no dia 12 de setembro, também na Avenida Paulista, dos que são adversários e contestam as posições do Presidente Jair Bolsonaro. E jornalistas, principalmente televisão e sites, terão a oportunidade de avaliar também o tamanho e a dimensão e ordem dessas manifestações. Eu vou passar ao Coronel Camilo, para que ele possa complementar, antes de passar na sequência já ao Youssef para fazer o uso da palavra. O que nós desejamos é que as manifestações sejam em ordem, sejam pacíficas, sem nenhum tipo de violência, de nenhuma ordem, nem entre as pessoas, e muito menos sem agressão ao patrimônio público ou privado. Camilo.

CORONEL CAMILO, SECRETÁRIO INTERINO DE SEGURANÇA PÚBLICA: Governador, conforme a sua determinação também, nós vamos proteger, e esse é o papel da polícia, seja qual for a manifestação, e seja a favor, seja contra, a polícia vai fazer e vai garantir o direito de manifestação. Soubemos também nesse pedido pelo Anhangabaú, vamos chamar os organizadores para conversar com eles, para que eles façam a utilização do dia 12, que seria o melhor dia, aliás, ganharia até mais vulto todos fazendo no dia 12, porque o objetivo é comum. E evitaria uma duplicidade aí da polícia ter que fazer um controle de dois locais diferentes, isso poderia colocar em risco até a população de São Paulo. Serão chamados, estamos abertos ao diálogo, vamos conversar sobre as manifestações. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Coronel Camilo, secretário de Segurança Pública em exercício. Youssef Chain, é o nosso secretário executivo de Segurança Pública aqui em São Paulo. Youssef.

YOUSSEF, SECRETÁRIO EXECUTIVO DA POLÍCIA CIVIL: Obrigado, governador. Respondendo à sua questão, nós temos uma estatística dos últimos dois anos, em uma média de registro de mil casos por ano no estado. Então veja bem, o que pode acontecer, esses mil não temos como dividir entre diversidade e intolerância, porque nós não tínhamos essa estatística separada. Agora com a delegacia da adversidade, nós vamos ter, com certeza, um aumento significativo no número de registros, por quê? Além da facilidade, que agora todos vão encontrar para o registro, com certeza a divulgação do serviço vai estimular e encorajar essas denúncias, como aconteceu quando nós criamos a DDM online. Os números aumentaram, aí até nos perguntavam: "Está aumentando a violência?". Não, está aumentando o registro, a violência sempre existiu, e eu acredito que será nesse mesmo caminho com relação à Delegacia Eletrônica da Diversidade. É isso, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Youssef. Obrigado, Manuela. Vamos agora à última pergunta, da Cíntia Toledo, da TV Globo, Globo News. Cíntia, cadê você?

CÍNTIA TOLEDO, REPÓRTER: Estou aqui, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Aqui aonde?

CÍNTIA TOLEDO, REPÓRTER: Porque eu sou baixinha.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Agora te vi. Bem-vinda.

CÍNTIA TOLEDO, REPÓRTER: Obrigada. Bom dia, bom dia para todos. Governador, começando então por esse novo programa, queria saber em relação às vítimas que optarem por fazer o registro online, como é que depois vai seguir a investigação, se elas vão ser procuradas? Porque muita gente reclama disso nos registros online que ficam sem um retorno depois da polícia. E também queria pedir licença para fazer pergunta de um outro tema que é muito importante, que é a questão da vacina, teve essa declaração do Ministério da Saúde, dizendo que se os estados não seguirem a recomendação nacional, a recomendação do ministério, vai faltar dose e ele falou inclusive em demagogia vacinal. Queria ver a opinião do senhor sobre isso, e se tem como garantir que em São Paulo não vai faltar dose, já que São Paulo está seguindo um calendário próprio.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, começando pela primeira pergunta da Cíntia, vou pedir ao doutor Ruy Ferraz para responder, mas eu vou acrescentar, ou melhor, antecipar que nós já temos uma delegacia online, que é a Delegacia da Mulher, a DDM online, que já funciona praticamente há um ano, com enorme sucesso aqui em São Paulo, esse exercício de funcionamento da Delegacia da Mulher, que nos permitiu criar agora a Delegacia da Diversidade online, com eficiência plena. E sobre isso também o doutor Ruy pode lhe expor. Já há uma Delegacia da Mulher, e todas as ameaças, e obviamente crimes, mas sobretudo, as ameaças que são objeto de denúncia mais intensa, são absolutamente investigadas, e o grau de satisfação das mulheres que recorrem à DMM online é bastante elevado. Hoje nós não estamos aqui com a nossa delegada responsável por esse programa, mas o doutor Ruy, como delegado geral, pode responder. Ruy, as duas questões vinculadas nesse primeiro tema.

RUY FERRAZ, DELEGADO-GERAL DA POLÍCIA CIVIL DE SÃO PAULO: Eu vou me apropriar da resposta brilhante do governador, e informar que todos os casos relatados na DMM online, e não são poucos, são atendidos, todos. E nesse mesmo diapasão serão atendidas todas as denúncias que chegarem na adversidade sexual, desde que sejam crimes cometidos contra transgêneros, contra a questão transgênera e homofóbica. Não tenha dúvida que todos os casos foram atendidos, como todos são atendidos na DMM online. Obviamente nós não temos 100% de alcance em tudo dentro do estado de São Paulo, mas nós temos dado a resposta necessária. Na prática, o contato, o registro é distribuído pela unidade responsável pela investigação, a unidade vai se encarregar de fazer o contato, e trazer com hora agenda a pessoa para ser ouvida, e depois daí estabelece as diligências de campo que vão trazer o autor do crime para dentro da delegacia para que ele seja punido, na prática é assim que funciona.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Ruy. E agora respondendo à sua segunda pergunta, Cíntia, para o governo do estado de São Paulo a vida importa, e as vacinas também. Aqui, diferentemente do Governo Federal, nós não compramos Cloroquina, nós compramos vacina, nós aqui entendemos o valor da ciência e a proteção à vida, e não a ignorância. E por que, Cíntia? Porque a ignorância mata e a ciência salva. Aqui o secretário de Saúde do estado de São Paulo recomenda o uso de máscara, e o governo do estado de São Paulo torna obrigatório por lei o uso de máscara, isso nos difere de um ministro que entende que o uso de máscara não é obrigatório, isso nos difere de um governo que aderiu ao negacionismo, e que homenageia um chefe de estado negacionista, exaltando os seus valores exatamente por desrespeitar a vida. Estamos em outro campo, o campo em São Paulo é o campo da ciência, é o campo da vida. Pessoal, muito obrigado, a todos, tenha um ótimo dia. Viva à vida. Viva à diversidade. Obrigado.