Coletiva - SP prorroga fase de transição até 30 de junho com os mesmos horários de funcionamento 20210906

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP prorroga fase de transição até 30 de junho com os mesmos horários de funcionamento 20210906

Local: Capital – Data: Junho 09/06/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde. Muito obrigado pela presença dos jornalistas, técnicos, cinegrafistas, secretários, convidados especiais aqui na sede do governo do estado de São Paulo, no Palácio dos Bandeirantes. Hoje, quarta-feira, 9 de junho, com boas e várias notícias. Para você que está em casa nos acompanhando ao vivo, também fique atento, boas notícias sobre a vacinação aqui no estado de São Paulo. Primeira notícia de hoje, o governo de São Paulo antecipa em 15 dias a vacinação de toda a população do estado, a partir de 18 anos. Repetindo, o governo de São Paulo antecipa em 15 dias toda a vacinação da população do estado de São Paulo a partir de 18 anos de idade. Com isso, todos os grupos de pessoas por idade, sem comorbidades, serão vacinados com 15 dias de antecedência, em relação ao calendário apresentado anteriormente. E vamos apresentar também aqui este novo calendário, São Paulo tem pressa, e São Paulo vacina. Segunda informação, o governo de São Paulo inicia a vacinação de 1 milhão de pessoas com deficiência, sem benefício, a partir de amanhã, 10 de junho. Essa é uma outra boa notícia, pois o governo de São Paulo começa a vacinar a partir de amanhã, quinta-feira, 10 de junho, um total de 1 milhão de pessoas que possuem deficiência permanente, expandindo o alcance para além daquelas que recebem o BPC - Benefício de Prestação Continuada. E já estavam contempladas anteriormente no cronograma do PEI - Programa Estadual de Imunização. A nossa coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização, Regiane de Paula, vai apresentar um novo calendário de vacinação aqui do estado de São Paulo, daqui a pouquinho. Terceira informação importante, ainda sobre vacinação, o governo de São Paulo inicia a vacinação de 400 mil grávidas, e puérperas, sem comorbidade, a partir de amanhã, dia 10 de junho. Amanhã, 10 de junho, repetindo, também começaremos a vacinar um grupo de 400 mil grávidas, e mulheres que deram à luz recentemente, sem comorbidade, dando prioridade à essas mulheres no cronograma de vacinação. E nós homenageamos assim essas 400 mil mulheres e puérperas, que passam a receber a partir de amanhã a vacina da vida, a vacina do Butantan, ou outras vacinas devidamente aprovadas pela ANVISA, para esse grupo de grávidas e puérperas. E também a doutora Regiane de Paula dará mais detalhes nesse sentido. Outra boa informação ainda sobre vacinação, o governo do estado de São Paulo antecipou a vacinação de 360 mil profissionais da educação, em 40 dias, antecipamos em um mês e dez dias a imunização, que começa nessa sexta-feira, dia 11 de junho. Antes estava prevista a vacinação para ocorrer entre 21 e 31 de julho, e nós conseguimos antecipar em 40 dias essa vacinação dos profissionais da educação básica do estado de São Paulo, na faixa etária entre 18 e 44 anos, agora a imunização, repito, começa nessas sexta-feira, dia 11 de junho. O secretário de Educação do estado de São Paulo, Rossieli Soares, está aqui ao nosso lado, mas quem fará esse anúncio também será a doutora Regiane de Paula, coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização. Vale lembrar que nós também, aí é mais uma notícia, é a quinta boa notícia, antecipamos também a vacinação de pessoas de 55 a 59 anos, um público de 1,200 milhão de pessoas. Também essa antecipação será apresentada em calendário, que os jornalistas e cinegrafistas poderão fotografar a imagem, e você que está em casa, fazer com seu celular a sua fotografia da imagem na televisão, para que você também tenha o calendário no seu celular. E obviamente estará no site Vacine Já, dentro de alguns minutos. Virando a página para falarmos de economia, também boas notícias aqui em São Paulo, o que justifica a presença aqui ao meu lado, de Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo. A projeção de crescimento da economia de São Paulo, nesse ano de 2021, pode chegar a 7,6% de crescimento, no PIB - Produto Interno Bruto do estado, de São Paulo. Os números da Fundação SEADE indicam que a economia de São Paulo cresceu quase 2% no primeiro trimestre de 2021. Diante de um crescimento nacional, ou seja, do Brasil, de 1,2%, São Paulo cresceu, portanto, nesse primeiro trimestre, quase o dobro do crescimento do Brasil. Este excepcional desempenho da economia do estado de São Paulo nos três primeiros meses do ano, fez com que a projeção para 2021 pudesse ser reavaliada, e agora São Paulo pode crescer entre 6% e 7,6% nesse ano. Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Planejamento, dará mais detalhes a vocês sobre essa projeção. Outra boa notícia, o Programa Débito Parcelado, esse programa vai dar desconto nas dívidas de ICMS e IPVA para até 1,600 milhão de contribuintes no estado de São Paulo. O programa permite que pessoas físicas e empresas de pequeno porte, micro e pequeno porte, como por exemplo, bares, restaurantes e cafés atingidos pelo efeito da pandemia em 2020, tem o desconto no pagamento de suas dívidas de até 40% nos juros e nas multas de ICMS e IPVA. Um total de 1,600 milhão de pessoas, que comandam micro e pequenas empresas, dessa ordem, poderão ser beneficiadas com essa medida, desde já. A procuradora geral do estado de São Paulo, a secretária Lia Porto, dará mais detalhes na sequência, com essa boa informação. E ainda na coletiva de hoje, uma informação importante para os jornalistas que aqui estão, e para você que nos acompanha da sua casa, do seu escritório, ou do seu celular, o governo do estado de São Paulo decidiu prorrogar a fase de transição do plano São Paulo, com os atuais horários de funcionamento, e as medidas em vigor, até o dia 30 de junho. Devido ao aumento dos índices da pandemia, sobretudo, em algumas áreas localizadas aqui no estado de São Paulo, o centro de contingência de Coivd-19 recomendou prorrogar por mais duas semanas, de 14 até 30 de junho, a atual fase de transição do plano São Paulo. Uma medida de cautela, de proteção, para proteger a vida das pessoas, e termos a certeza de que estamos evoluindo de forma segura ao longo das próximas semanas. E com isso nós também estamos protegendo as pessoas, a vida, e obviamente na sequência o crescimento econômico. Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, assim como só médicos Paulo Menezes e João Gabbardo, coordenadores do centro de contingência de Covid-19, darão mais informações sobre essas medidas. E por fim, vamos atualizar os números da pandemia no estado de São Paulo, com Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde, e médico infectologista. Vamos agora então com Regiane de Paula, com as boas notícias sobre a aceleração da vacinação em São Paulo. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, governador. Boa tarde, a todos e todas. Sem dúvida nenhuma, hoje é um dia muito especial, onde nós estamos demonstrando aqui o quanto o estado de São Paulo, o quanto o PEI - Programa Estadual de Imunização tem sido rigoroso planejando as suas estratégias de vacinação, e assim podemos antecipar o nosso cronograma de vacinação. Então hoje é um dia muito especial. O cronograma ele está colocado para vocês, então nós já havíamos anunciado os trabalhadores da educação básica de 45 e 46 anos, dia 9 de junho, 80 mil pessoas, gestantes e puérperas então sem comorbidades, acima de 18 anos, 10 de junho, então amanhã, 400 mil gestantes iniciam a sua vacinação sem comorbidades. Lembrando que três municípios já iniciaram na segunda-feira essa vacinação, o município de São Paulo, São Bernardo do Campo e Campinas, com a vacina da Pfizer, e agora nós estamos trabalhando para esse grupo com a vacina do Butantan, e a vacina da Pfizer, de acordo com o que foi preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações. Pessoas com deficiência permanente, 18 a 59 anos, 10 de junho, 1 milhão de pessoas sem o Benefício de Prestação Continuada, pessoas com deficiência física, intelectual, ou sensorial, conforme o Programa Nacional de Imunizações coloca. É com grande alegria também, que a gente faz esse anúncio. Trabalhadores da educação básica, como o senhor disse, já antecipou hoje, governador, em um evento junto com o secretário Rossieli Soares, de 18 a 44 anos, dia 11 de junho, 360 mil pessoas serão vacinadas, trabalhadores da educação, possibilitando então que as crianças possam voltar com segurança às aulas. E depois o secretário fala um pouco mais sobre isso, o Rossieli. E agora adultos sem comorbidades, antecipamos em 15 dias o início desse calendário, de 55 a 59 anos, para o dia 16 de junho, 1,2 milhão de pessoas. Aqui ficam os critérios para a vacinação, para que vocês possam fotografar, eu não vou passar um a um, ele está tanto no site do governo do estado de São Paulo, como no site da Secretaria de Saúde. Então para as gestantes e puérperas esse é o critério para vacinação, para os critérios de pessoas com deficiência permanente, seja física, sensorial ou intelectual, essas definições foram feitas pelo Programa Nacional de Imunizações, e aí nós temos os critérios e quais são os documentos ou os laudos necessários para fazer essa vacinação. Então também fica para que vocês possam fotografar aí nos sites do governo. E a projeção do nosso novo calendário de vacinação em São Paulo. Então nós antecipamos a educação de 18 a 45 anos, e em 40 dias. Então essa é uma excelente notícia, e também em 15 dias, de 55 a 59 anos. Então a nossa projeção do calendário de vacinação em São Paulo, nos traz muita esperança, mostrando que do dia 16/6 ao dia 8/7, inicia-se a faixa de 55 a 59 anos. Do dia 9 ao dia 19/7, 54 anos. Do dia 20/7 ao dia 3/8, de 50 a 53 anos. Do dia 4 a 18/8, de 45 a 49 anos/ Do dia 19 a 28/8, de 40 a 44 anos. De 19/8 a 7/9, de 35 a 39 anos. Do dia 1 ao dia 17/9, de 30 a 34. De 18 a 27/9, 25 a 29. E completando as nossas faixas etárias, do aí 29/9 a 18/10, a população de 18 a 24 anos, baseado isso nas perspectivas de entregas de vacinas disponíveis no site do Ministério da Saúde. Mas estamos avançando, tanto que começamos 15 dias antes. E eu gostaria, governador, de também dizer que hoje o governo de São Paulo lança hoje o Dia da Esperança, novo recurso dentro da plataforma Vacivida, está aqui para que todos possam ver. Então a ferramenta ela foi desenvolvida pela Secretaria de Saúde, pela Secretaria de Comunicação, com o apoio da PRODESP, para garantir mais transparência e previsibilidade ao processo. O Dia da Esperança mostra o cronograma completo de vacinação no estado de São Paulo, e aponta quantos dias faltam para a imunização de cada grupo de acordo com as idades. A ferramenta já pode ser acessada no site, que é o Vacina Já, e faltam 111 dias para que possamos iniciar a imunização do último grupo, de 18 a 24 anos. De forma que todos os brasileiros de São Paulo recebam a primeira dose da vacina, o Dia da Esperança nos une em uma grande contagem regressiva pela esperança e pela vida, governador. Muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Regiane de Paula. Boas notícias, e boas informações. E aqui o nosso vacinômetro, nesse momento, atualizado às 12h56min, temos 18.600.607 milhões de pessoas vacinadas aqui no estado de São Paulo. É o maior volume, numericamente, obviamente, o número é o maior do Brasil. 12.680.980 milhões de pessoas já na primeira dose. E 5.919.627 milhões de pessoas na segunda dose. Terminaremos o dia hoje com mais de 19 milhões de pessoas vacinadas, e mais de 6 milhões de pessoas com o seu programa de vacinação completo no estado de São Paulo. Antes de passar a palavra ao Henrique Meirelles, secretário da Fazenda, quero agradecer aqui às imagens que estão sendo transmitidas ao vivo pela TV Cultura, pela Band News, pela Record News, pelo SBT News, pelo portal G1, pelo portal do Jornal O Estado de São Paulo, pelo Portal UOL, pelo Portal Terra, e pelo Portal Cidade On, todos com transmissão ao vivo aqui no Palácio dos Bandeirantes em São Paulo, muito obrigado pelo prestígio e pela informação aos que acompanham, que são os seus assinantes, leitores e telespectadores. Com a palavra, Henrique Meirelles, secretário da Fazenda do estado de São Paulo. Meireles.

HENRIQUE MEIRELLES, SECRETÁRIO DE FAZENDA E PLANEJAMENTO: Obrigado, governador. Bom, o estado de São Paulo iniciou o ano de 2021 crescendo forte, como inclusive mencionou o governador. À despeito da segunda onda da pandemia, o crescimento do estado foi quase 2%, subsequente superior, inclusive, ao crescimento nacional. Foi um crescimento forte, como nós estamos vendo ali, e com um acompanhamento forte de setores como a indústria, que cresceu 2,8%, e serviços com o crescimento de 1,2%. O comércio que cresceu muito, chega de 4% no último trimestre, teve uma acomodação no primeiro, mas mantendo um patamar elevadíssimo. Então nós temos aí uma economia crescendo, uma economia crescendo forte, robusta, agora com uma expansão maior do crescimento para diversos setores, como estamos vendo ali na indústria, ou serviços, e todos os demais setores da economia. Quer dizer, no começo nós tivemos o ano passado, uma resiliência da economia de São Paulo, que cresceu, apesar de o Brasil ter caído 4% em 2020, São Paulo cresceu, mas cresceu muito baseado como era de se esperar, no dinamismo da indústria de São Paulo, também do comércio, e dos setores de informação, de tecnologia etc., servindo à população para todas as necessidades que surgiram durante a pandemia, principalmente da tecnologia de comunicação, da informação. Agora para o primeiro trimestre esse crescimento já está disseminado por toda a economia. Em resumo, São Paulo retoma forte, e de uma maneira sustentável. No ano acumulado até abril de 21, São Paulo cresceu 8,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, quer dizer, que se nós pegarmos aqui quatro meses, eu estou acrescentando abril, quatro meses, comparado com os quatro meses do ano anterior, de 2020, nós vamos ter aqui um crescimento de 8,9%. Um crescimento forte, é um crescimento robusto, e mostra exatamente o nível pleno da recuperação da economia de São Paulo. Próximo, por favor. Aqui temos a projeção do crescimento, que pode chegar até os 7,6%. Essa é a nossa projeção, a projeção da Fundação SEADE, e ancorada em dados técnicos, e ancorada em todo o crescimento já ocorrido até agora, não só no primeiro trimestre, como até abril, onde a economia de São Paulo cresceu de forma robusta. Eu mencionei lá os quatro meses de abril em relação ao ano passado. Se nós compararmos abril de 21 com abril de 20, por exemplo, a economia cresceu 18,9%, isso é, um crescimento muito forte, onde mostra claramente a superação do ponto de vista da economia de São Paulo, da crise, apesar de todos os problemas causados pela segunda onda da pandemia. Aqui então um componente fundamental, que é o programa de vacinação do estado de São Paulo, liderado pelo governador, já mencionado aqui, onde já foram dados aí os detalhes aí da continuação do programa de vacinação. Mas isso é fundamental para a economia, porque quando a economia caiu ano passado, ela caiu como resultado da pandemia. E agora ela está subindo como resultado não só da vacinação já ocorrida, mas principalmente da perspectiva de vacinação acelerada da população, que já está dando confiança na população para consumir, dando confiança no setor empresarial para produzir. Em resumo, a vacina é a chave do crescimento para o ano de 2021. O nome do crescimento de 21 não devemos esquecer disso, chama-se vacina, quanto maior o número de vacinados no estado de São Paulo, mais o crescimento, quanto maior o número de vacinados do país, maior crescimento do país. E aí é que nós temos aí as perspectivas de crescimento do Brasil um pouco mais baixas, exatamente em virtude da questão do ritmo de vacinação não estar seguindo o ritmo de São Paulo. Nós temos exemplos internacionais disso, diversos países, quanto mais avançado o ritmo da vacinação, quanto melhor a perspectiva, melhor a perspectiva de crescimento do país. Então nós temos aí uma série de dados que confirmam isso plenamente. É isso, governador. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Henrique Meirelles, secretário da Fazenda do estado de São Paulo, pelas boas notícias. E agora vamos dando sequência com o programa Débito Parcelado, que vai oferecer um desconto especial nas dívidas do ICMS, e também do IPVA, para até 1,600 milhão de contribuintes aqui no estado de São Paulo, principalmente micro e pequenas empresas. E quem vai apresentar é a nossa secretária, e procuradora geral do estado de São Paulo, doutora Lia Porto. Lia.

LIA PORTO, PROCURADORA GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom, boa tarde, a todos. O Programa Débito Parcelado ele vem de uma hipótese de transação tributária, que foi instituída pela lei o ano passado, de ajuste fiscal, de reforma administrativa do estado, que o governador João Doria fez. Ele deu essa possibilidade para débitos inscritos entrarem no programa de transação tributária. A pedido do governador, e sabendo que esses setores foram muito impactados pela pandemia, nós criamos uma hipótese extraordinária para comércio varejista, bares e restaurantes, micro e pequenas empresas e empresas de pequeno porte. Parcelamento em até 60 meses de débito de ICMS, do ano de 2020, inscritos em dívida ativa, e dando desconto de até 40% em juros e multa. Isso já está vigente, já está no site da procuradoria, o site está aí embaixo, todas as adesões são feitas diretamente pelo site. Também temos um parcelamento de até 24 meses para IPVA, agora sim do ano de 2017 a 2020, inscritos em dívida ativa, pessoas físicas, proprietários de carro, de moto, de caminhão, que tiveram dificuldade para pagar o seu imposto agora de 2017 a 2020. Desconto de 40%, e entra dia 15 de junho no nosso site, e a informação está aqui embaixo. As adesões são sempre eletrônicas, rápidas, e nós esperamos que isso desafogue um pouco, e que dê o socorro a esses setores que passaram dificuldade. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Lia Porto, nossa procuradora geral. Uma medida para apoiar, principalmente, repito, micro e pequenos empreendedores aqui no estado de São Paulo, aqueles que mais sofreram ao longo deste período da pandemia, especialmente na área da economia criativa, e na área da gastronomia aqui no estado de São Paulo. Outros setores também, não há seletividade, todos os setores atingidos podem solicitar o débito parcelado, conforme aqui anunciado pela doutora Lia Porto. Ainda falando sobre desenvolvimento econômico e medidas adotadas nesse momento, vamos falar com Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do estado de São Paulo. Patrícia.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Muito obrigada, governador. Boa tarde, a todos e à todas. Hoje é um dia muito importante, principalmente com esse anúncio da antecipação do cronograma de vacinação para mais de 3 milhões de pessoas. Não há uma retomada econômica mais sustentável que não passe pela vacinação em massa, que está chegando a todo o Brasil, graças à liderança do governador João Doria. E agradeço aqui em nome de todos os empreendedores que estão lutando durante essa pandemia. A doutora Lia também trouxe um alento muito importante com esse trabalho do ICMS e do IPVA. Essa renegociação beneficiará, e tem o potencial de beneficiar, pelo menos, 1,600 milhão de contribuintes, são muitas pessoas que hoje estão inscritas na dívida ativa, que tiveram dificuldade durante a pandemia, e que podem utilizar esse recurso nesse momento. Além disso, o secretário Penido, doutor Benedito Braga, também anunciaram a extensão dos benefícios de suspensão de cortes, e renegociação de débitos, para clientes comerciais e de serviços, também os estabelecimentos impactados, aqui são mais de 600 mil estabelecimentos, que terão, como está descrito também na próxima página, uma possibilidade agora de não interrupção de serviços de água pela Sabesp, com a vigência a partir agora do começo de junho, até o dia 31 de agosto. Não haverá interrupção, e também os débitos existentes poderão ser renegociados, com condições especiais, e prazos de parcelamento de até 12 meses, com a repactuação de todos os saldos em aberto. E não haverá também inscrição na dívida, podendo apoiar esses empreendedores no processo de abertura de empresas, e também de concessão de créditos. Lembrando que inclusive um esforço muito grande tem sido feito pelo secretário Meirelles, da Desenvolve São Paulo, Banco do Povo, que juntos ofertaram durante a pandemia, mais de R$ 2 bilhões em crédito e microcrédito para micro, pequenas e médias empresas. Além disso, houve um trabalho em parceria com o Sebrae, para apoiar o empreendedorismo, a formalização das empresas. E com a Junta Comercial o governador João Doria foi o primeiro governador a isentar a taxa de abertura de empresas, nós iniciamos isso durante a pandemia, como uma campanha, e agora é a regra. E na próxima página, um resultado disso, é que durante esses primeiros meses do ano nós registramos três recordes de abertura de empresas, foram os melhores meses da história do estado de São Paulo, em formalização de empresas. E aqui não são somente MEIs, são empresas na Junta Comercial. Então nós estamos falando de EIRELI, LTDA, empresas que empregam. Lembrando que mais da metade dos empregos no estado de São Paulo vem das micro e pequenas empresas, que estão sendo beneficiadas nesse processo com crédito, com a isenção das taxas, com apoio da formalização. E mostrando a sua força na retoma econômica de São Paulo, que se traduziu nos números compartilhados pelo secretário Henrique Meirelles, do PIB do nosso estado, em todos os setores, puxando a retomada econômica de todo o Brasil. Para finalizar, um último ponto, que é esse momento importante de compromisso de todos nós, essa extensão, por mais duas semanas, até o dia 30 de junho dessa fase de transição, onde as regras ficam mantidas, aqui de funcionamento de todos os setores, de todas as áreas, das 6h da manhã às 21h, com o toque de recolher das 21h às 5h da manhã. Eu reforço o ponto do toque de recolher, que tem sido fundamental para contenção e redução da aceleração aqui da pandemia nesse momento, que ainda requer cautela, mas que nós estamos mostrando no estado de São Paulo, que é possível controlar a pandemia, trabalhar para vacinas, investir na pesquisa, vacinar a população, e ao mesmo tempo também ter uma retomada econômica próspera. Muito obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Agora vamos a João Gabbardo e Paulo Menezes, respectivamente. João Gabbardo que é coordenador executivo do centro de contingência do Covid-19, médico, ex-secretário geral do Ministério da Saúde. E na sequência, Paulo Menezes, coordenador do centro de contingencia de Covid-19. Gabbardo.

JOÃO GABBARDO, COORDENADOR EXECUTIVO DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. O centro de contingência vê com preocupação o momento que nós estamos enfrentando, da pandemia, como manutenção de casos, uma elevação, ainda que em uma velocidade pequena, do número de internações hospitalares, internações em leitos de UTI. E por isso então recomendou a manutenção dessa fase de transição, por mais duas semanas. E o centro de contingência sugeriu ao governo redução de horário de funcionamento de determinados setores econômicos, comércio, em algumas regiões. Então o governo encaminhará aos municípios que estão com uma taxa de ocupação acima de 90% dos leitos de UTI, para que os municípios avaliem a necessidade, avaliem a pertinência de tomar medidas mais restritivas do que aquelas que já estão estabelecidas no plano de contingência do estado de São Paulo. Então ficará aos municípios essa recomendação, de avaliação, de medidas como essa sugerida, de redução de horário de funcionamento, e outras que o município achar pertinente para o mais efetivo combate à pandemia. Então era isso, governador, essa recomendação, e será feito então uma sugestão a todos os municípios com mais de 90% de ocupação de leitos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Gabbardo. Paulo Menezes.

PAULO MENEZES, COORDENADOR DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: Obrigado, governador. Só complementando as colocações do meu colega Gabbardo, eu quero reforçar a importância desse momento em termos de alta transmissão do vírus em todas as regiões, em especialmente em algumas regiões, principalmente do interior do estado, que apresentam taxas mais significativas de casos e internações. Eu quero dizer que quando a gente olha os números de incidência por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, felizmente, da semana passada para essa semana, nós tivemos uma boa estabilidade nos números, o que mostra que não temos aquela velocidade que nós observamos em março e abril, que realmente foi extremamente difícil. Mas que também mostra que a circulação do vírus e a transmissão com novos casos ainda é muito alta, hoje nós estamos trabalhando com entorno de 400 casos por 100 mil habitantes, a cada 14 dias, praticamente igual ao que nós tínhamos semana passada. Dessa forma a recomendação para toda a população continua, de que é preciso muito cuidado, é preciso muita colaboração. Não podemos ter aglomerações de forma alguma, precisamos continuar com todas as medidas que reduzem a chance de transmissão do vírus, incluindo distanciamento social, uso de máscaras, higienização. E que as pessoas podem sim retomar o seu trabalho com todos os protocolos, mas mantendo esses cuidados. A vacinação anunciada hoje nos deixa muito satisfeitos, acho que vamos ter um impacto em breve, já temos um impacto importante, porque a velocidade que nós observamos nas internações, hoje é muito menor do que a que nós tínhamos há dois meses atrás. Chegamos a ter um crescimento de até 3% ao dia, no número de pacientes internados em UTI, em março. Hoje nós temos nos últimos 15 dias, cerca de 0,5% de crescimento. É um crescimento, mas ele é muito mais modesto, infelizmente. De forma que com o avanço anunciado hoje, inclusive, da vacinação, nós olhamos para frente com perspectivas positivas, mas temos que continuar o nosso trabalho, o nosso enfrentamento, e a colaboração de todos nesse sentido. Muito obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Paulo Menezes. Antes de passar ao Jean Gorinchteyn, para a última intervenção, atualizando a semana epidemiológica, mencionar que aqui estão presentes também Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, e Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional, além de Rossieli Soares, secretário da Educação, e estarão, evidentemente, também à disposição dos jornalistas para responder perguntas na sequência. Jean Gorinchteyn.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DA SAÚDE: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Estamos na vigésima terceira semana epidemiológica do ano de 2021. São Paulo contabiliza 3.382.448 milhões de casos de Covid-19 diagnosticados. Sendo que, infelizmente, tivemos 115.960 mil pessoas que perderam a sua vida em decorrência da Covid-19. O estado de São Paulo tem como taxa de ocupação, 82,1%, e a grande São Paulo, 79,4%, portanto, ainda mantemos patamares elevados, isso faz com que o governo do estado de São Paulo tenha e se mantenha absolutamente alerta, e por isso manter essa fase de transição por mais 14 dias, garantindo que a restrição da circulação das pessoas, a ocupação restrita em 40%, o toque de recolher às 21h, garanta que diminuir circulação de pessoas é também diminuir a circulação do vírus. Antes nós falávamos fique em casa, enquanto arrumamos a saúde, hoje nós falamos para as pessoas, saiam com responsabilidade, evitem as aglomerações, usem a máscara, façam o distanciamento social. Isso é absolutamente importante. Nós temos hoje internados 11.189 mil pacientes. Na semana passada nós tínhamos 11 mil pacientes internados, portanto, tivemos um incremento, mas esse incremento mostra um crescimento gradual, vagaroso, e por isso uma atitude responsável do governo se faz de forma imperiosa. Próximo. Nós temos aqui um incremento no número de casos comparativamente à vigésima segunda semana epidemiológica, portanto, a semana passada, em relação à vigésima primeira semana, semana retrasada. Esse aumento do número de casos tem duas justificativas, nós estamos testando mais, mas por outro lado, nós tivemos um problema da plataforma e-SUS, e todos aqueles pacientes que não haviam sido alocados foram então alocados na semana passada, e por isso o incremento do número de casos. O número de internações teve um leve aumento de 0,6%, como já foi apresentado anteriormente. Lembrando que nós temos também muitos desses pacientes internados, estão internados nas nossas enfermarias, mostrando o impacto da vacinação. A vacinação ela pleiteou especialmente aquela população muito mais vulnerável de risco de desenvolver forma grave, e perder a sua vida em decorrência ao Covid-19, e dessa forma com a ampliação da vacinação, mais pessoas estarão protegidas contra o Covid-19. O número de óbitos apresentou um descenso, de 19,5%, mas nós também temos que ressaltar que na semana passada nós tivemos um feriado, e esses números podem ser aportados nos próximos dias. Talvez a queda tenha realmente existido, mas também não nesse percentual apresentado. Eu quero, governador, agradecer a presença e o apoio da professora Rosana Francisco, professora Rosana que é coordenadora de obstetrícia do Hospital de Clínicas, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, e é também presidente da SOGESP - Associação de Obstetrícia e Ginecologia do estado de São Paulo, que tanto nos apoiou nessa medida, que vai garantir a proteção tanto das gestantes, quanto das puérperas, em um momento tão dramático da história da pandemia. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo. Queria aproveitar aqui a oportunidade de mandar um beijo para a senadora Mara Gabrilli, que está nos assistindo agora da sua residência, ao vivo aqui direto do Palácio dos Bandeirantes. Um beijo para você, Mara. Eu sei o quanto você está feliz com os anúncios que estão sendo feitos hoje aqui nessa coletiva. Vamos agora com os jornalistas inscritos, hoje teremos apenas presencialmente perguntas, começando pela Rádio e TV Bandeirantes, e Band News, Rádio e Band News TV, com a jornalista Maira Djaimo. Obrigado, boa tarde, sua pergunta, por favor.

MAIRA DJAIMO, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Bom, minha pergunta é na área da educação. Eu queria saber agora com a vacinação dos professores, sexta-feira, se muda alguma coisa na prática, na volta às aulas, se por exemplo, mais crianças serão permitidas dentro da sala de aula? Se haverá alguma mudança? Por favor, secretário. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Maira. Com você, Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Bom, primeiro bom dia, a todos. Antes de responder à pergunta, obviamente não poderia deixar de registrar esse dia novamente memorável para a educação, com esse anúncio, governador, hoje tivemos a oportunidade de estar com diretores de escola, com professores, estudantes, em um evento onde já tinham 100% das pessoas vacinadas. O que é importante. E hoje anunciar para todos os profissionais da educação, é importante sim para o profissional da educação, mas é muito importante para as mães, para os pais que estão aí olhando e preocupados com o futuro das crianças. Então obviamente que a vacinação impactará sim em um processo de volta, mais segura, e, portanto, também certamente nos permitindo avançar nesses próximos meses. Obviamente nós daqui na próxima semana, nosso objetivo é acelerar o máximo a vacinação, na próxima semana devemos estar aqui falando sobre a volta às aulas. Estamos estudando junto com a nossa comissão médica, e vamos apresentar ao centro de contingência na próxima semana a nova proposta em relação à metodologia de volta às aulas, que deverá estar mais ligada ao distanciamento entre os jovens dentro da escola, e a capacidade física, sim. Mas ainda vamos aprovar isso com o centro de contingência, algo que a gente tem amadurecido e discutido, e obviamente com a vacinação isso vai impactar muito. É um grande momento para a educação, e um momento, uma dose de esperança, governador, para parafrasear, para as mães, para as mulheres, especialmente, que são sempre aquelas que estão mais preocupadas com a educação. E eu queria deixar isso muito registrado. Porque a gente fala da importância para o professor, mas todos aqueles que desejam e sonham em ter seus filhos voltando ao processo educacional, interromper essa lástima que acontece na educação, passa pela esperança da vacina que hoje é um grande anúncio. E lembrando que hoje, 45 e 46 anos estão sendo vacinados, 18 a 44 a partir de sexta-feira. E lembrando a todos os profissionais da educação, precisa fazer o cadastro no vacinaja.educacao.sp.gov.br, para fazer o cadastro para que possam ter o QR Code para esse processo de vacinação. Muito obrigado, e boa tarde a todos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Rossieli. Obrigado também, pelo evento que eu tive o privilégio de participar hoje pela manhã, no Memorial da América Latina, no auditório, com distanciamento, com as regras sanitárias obedecidas, temperatura antes de entrar no auditório. Todos de máscara, todos com distanciamento marcado nas poltronas, mas tinham ali centenas de professores, professoras, gestores e gestoras da educação. Fiquei, sinceramente, emocionado em dar essa notícia, entre outras, mas principalmente essa, aos professores da rede pública de ensino. Eu que estudei em uma escola pública, Escola Estadual Professora Marina Cintra, com sede aqui da capital de São Paulo, na Rua da Consolação, esquina com Antônio de Queiroz. Complementei os meus estudos ali à noite, trabalhando durante o dia, estudando à noite. Minha gratidão ao ensino público de São Paulo, às professoras, professores, gestores e gestoras do ensino público em São Paulo. vamos agora, com Daniela Salerno, da TV Record. Boa tarde, bem-vinda. Sua pergunta, por favor.

DANIELA SALERNO, REPÓRTER: Boa tarde, até todos. Governador, há duas semanas atrás, aqui na coletiva, vocês colocaram para a gente que 1 milhão de testes rápidos tinham sido adquiridos para serem distribuídos nos 645 municípios. Minha pergunta é se desses 1 milhão, quanto que já foram testados? Se a gente tem um balanço de quantos deram positivo, negativo, enfim, como que está esse programa de testagem no estado de São Paulo? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Daniela, pela pergunta. Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde, responderá. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DA SAÚDE: Daniela, no dia 1 agora, no início do mês de junho, nós iniciamos toda a parte burocrática, dos ritos legais que são necessários, para aquisição desses testes. Esses testes estarão sendo adquiridos a partir da próxima semana, e já distribuídos para os 645 municípios. Outras atas também estarão sendo abertas, para que esse quantitativo ainda seja maior. Nós entendemos que esse teste de antígeno vai apoiar as várias regiões do estado, em especial àquelas em que a circulação do vírus é muito maior, em que as taxas de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva também estão superiores a 90%, dando dessa forma um controle da epidemia em paralelo ao programa de vacinação, e também às estratégias do próprio plano São Paulo, com essa fase de transição estendida.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Daniela, muito obrigado. Vamos agora para a TV Cultura, com você, Maria Manso. Na sequência, a CNN Brasil, Rádio Jovem Pan, TV Globo e Globo News. Maria Manso, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Boa tarde, a todos. O Doutor Gabbardo e o doutor Paulo frisaram o perigo das aglomerações, e que devem ser evitadas. Mas a gente já tem duas mega manifestações marcadas aqui em São Paulo, a primeira já para dia 12, chamada inclusive pelo Presidente da República. E uma outra no final de semana seguinte, dos opositores do Presidente da República. Como é que o governo de São Paulo vai lidar com essas mega manifestações? E serviço Presidente da República repetir a conduta de não usar máscara ele vai ser multado ou não?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Maria Manso, nós teremos hoje uma reunião do conselho de segurança do estado de São Paulo, aqui presente está o General Campos, nosso secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, onde nós avaliaremos as circunstâncias dessas duas manifestações já anunciadas. Quero apenas mencionar que a manifestação que já houve, de oposicionistas ao governo Bolsonaro, todos estavam com máscara, pelo menos, as informações, e o que nós visualizamos em imagens e fotografias, as pessoas respeitaram a determinação do governo do estado de São Paulo, e é lei, a obrigatoriedade do uso de máscara. Portanto, se o Presidente Jair Bolsonaro, eu imagino que pelo fato de ser Presidente, vem à São Paulo, participar de um movimento de rua, seja qual for a razão, e o motivo, e não usar máscara, ele será multado, como qualquer outro cidadão que não usar máscara, e principalmente em uma circunstância como essa. O restante, João Gabbardo, poderá responder, já que ele foi mencionado por você, no centro de contingência do Covid-19.

JOÃO GABBARDO, COORDENADOR EXECUTIVO DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: Maria Manso, esses eventos com aglomeração devem ser evitados, sob todos os aspectos, e sob qualquer razão. A recomendação do centro de contingência é que não ocorra esse tipo de atividade. E isso aumenta o risco de contaminação, isso com certeza prorroga o período que nós temos de enfrentamento à pandemia, e não existe nenhuma recomendação para que seja feito. Do ponto de vista do centro de contingencia, somos absolutamente contrários a qualquer tipo de manutenção, seja do lado A, seja do labo B.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, dito e respondido. Agora, Tainá Falcão, da CNN Brasil. Boa tarde, bem-vinda. Sua pergunta, por favor.

TAINÁ FALCÃO, REPÓRTER: Oi, boa tarde. Doutor Dimas, é para o senhor a pergunta, já que o senhor tem sido mencionado com bastante frequência na CPI. Ontem mesmo o ministro Queiroga falou que está em contato com o senhor, fez vários elogios à Butanvac, e disse que recebeu uma oferta do Butantan. Qual será, de fato, a participação do Ministério da Saúde? O que o Butantan espera de investimento do Governo Federal na Butanvac? Só pegando o gancho também, a Coronavac, houve a liberação na China para as crianças a partir de três anos de idade, o senhor pretende pedir essa autorização à ANVISA aqui no Brasil?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Tainá, em relação à declaração do ministro Queiroga, na realidade, ele me passou uma mensagem de Whatsapp na segunda-feira, perguntando se na eventualidade da Butanvac ser aprovada, ele poderia fazer aquisição, principalmente mandar uma solicitação anterior de 30 milhões de doses. Eu simplesmente respondi: "Perfeitamente, ministro". Quer dizer, então não houve nenhuma troca de negociação, ainda não houve uma reunião, embora essa reunião possa acontecer a qualquer momento. Então nesse momento não existe nenhuma negociação ou nenhuma oferta em curso. Com relação ao uso da vacina em crianças, lá na China foi autorizado, mas as crianças não estão sendo vacinadas, quer dizer, a prioridade em primeiro lugar é a população adulta, e obviamente quando esses resultados forem oficialmente encaminhados, nós vamos encaminhar à ANVISA para fazer parte do dossiê. Então isso é uma boa notícia, a primeira vacina que teve esse espectro de três a 17 anos avaliado, e agora aprovado. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Obrigado, Tainá. Agora, penúltima pergunta é da Rádio Jovem Pan, com você, Nani Cox. Obrigado, Nani.

NANI COX, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Alguns meses vocês colocaram que a educação é prioridade do governo, de fato, sempre as escolas estiveram abertas, mesmo em épocas mais complicadas. Mas a gente já tem aí uma transição que está acontecendo há algumas semanas, com até alguns estabelecimentos com até 40% de ocupação. Então eu queria saber por que não aumentar já nesse momento a ocupação, se existe alguma preocupação adicional das autoridades? Enfim, por que ainda tem esses meses que as escolas estão com essa ocupação de 35%? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Nani. Vou pedir à Patrícia Ellen, e complementarmente, o doutor Paulo Menezes, para a resposta à sua pergunta, Patrícia.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Obrigada, governador. Hoje a política que nós temos vigente do plano São Paulo é de 40% de ocupação, e temos o modelo do horário. Mas a educação ela tem um funcionamento à parte, e inclusive que será impactada agora pela antecipação da vacinação. O secretário Rossieli nesse momento, inclusive, ele tem um grupo de especialistas da saúde, específico, que eu apoio, acho que ele pode complementar a informação. Além do centro de contingência, tem o núcleo de epidemiologistas dedicados especificamente à educação, para que possamos fazer esse redesenho, e com esse grande anúncio da antecipação do cronograma, muito pode ser feito agora na educação, para que passamos avançar nessa retomada nos próximos meses.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Paulo Menezes.

PAULO MENEZES, COORDENADOR DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: Eu só queria acrescentar que os protocolos da educação têm sido muito bem desenvolvidos pela equipe liderada pelo secretário Rossieli, e pelo comitê de saúde constituído na Secretaria de Educação, que inclusive tem como componente membros do centro de contingência. Os protocolos da educação são desenvolvidos, são apresentados, e devem ser apresentados, como foi falado aqui, semana que vem, para que o centro de contingência dê o aval para essas propostas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Paulo. Nani, o Rossieli Soares quer pegar uma carona também, e ajudar na resposta. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Obrigado, governador. Esse tema obviamente para a gente é muito importante, no ano passado, no mês de junho a gente anunciou pela primeira vez a discussão de debate à volta às aulas, aqui eu tinha saído do hospital, logo depois a gente fez pelos dias 20 e tantos, falando pela primeira vez. Desde então a gente está firme nesse debate. Uma das coisas que a gente tem aprendido, e que a gente tem discutido com a nossa comissão médica, com as nossas equipes, é que, primeiro, o momento é importante, e a gente está falando de um momento que estamos muito próximos do fim do primeiro bimestre. De que adiantaria, por exemplo, nesse momento, onde as avaliações estão sendo focadas, por exemplo, na rede privada, onde a maioria absoluta das escolas privadas entram em férias agora em poucos dias. Não teria porque fazer uma mudança absoluta, mesmo a rede pública tem 15 dias de férias no meio ali, para o fim de julho. Então a nossa estratégia está em organizar a vacinação, revisar sim todos os protocolos, como vamos apresentar na próxima semana. E fazer uma mudança com grande estabilidade no processo educacional. Não adiantaria absolutamente nada fazer a mudança, por exemplo, de 35% para 40%, no meu entender, nesse momento, traria mais desinformação, mais confusão, sendo que as escolas estão organizadas com suas bolhas, com os seus fluxos nesse momento. Então o nosso entendimento no debate é, de que forma sustentável nós conseguimos dar um grande passo para a volta às aulas. Eu acho que essa é a discussão que conduziu a vacinação dos professores desde abril, lembrando, desde o dia 10 de abril. Hoje mais um passo importante, e por isso, Nani, a educação continua sendo prioridade, mas não valeria apena, nesse momento, no meu entender, fazer uma mudança pela mudança. Obviamente eu sempre quero poder ter mais crianças dentro da escola, estamos brigando por isso. Mas eu acho que apresentar isso de forma mais consolidada para vocês, na próxima semana, e para toda a sociedade, especialmente olhando o médio e o longo prazo, será fundamental. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Nani, muito obrigado mais uma vez. E agora a última pergunta é da TV Globo, Globo News, com o jornalista William Cury, popularmente como Will Cury. Com você, Will.

WILLIAM CURY, REPÓRTER: Boa tarde, pessoal. Tudo bem? Minha pergunta é sobre a situação da pandemia aqui em São Paulo, nos hospitais, e também para o lado do plano São Paulo. A gente superou a marca de 11 mil pessoas em UTI aqui em São Paulo, no estado, e tinha sido um limite do próprio governo para ascender um sinal de alerta mais problemático, que seria já um pico previsto para uma eventual terceira onda da Covid-19. Eu queria saber o que as projeções dizem agora, e o que se pretende fazer, se esse número de 11 mil internados, ele ao invés de baixar até o fim do mês, que é até quando vão as atuais regras do plano São Paulo, ele aumente um pouco ainda. Pode ser que tenhamos então uma regressão de fases aqui em São Paulo, ou volta atrás não está mais nos planos do governo? O que se pretende fazer caso esse número de internados ele se mantenha ou aumente até o fim do mês? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Will, muito respeitosamente, você está pessimista, nós aqui trabalhamos no realismo, obviamente com planejamento e com dados, mas não no sentimento do pior, nós trabalhamos para oferecer as melhores condições. Vou pedir ao doutor Paulo Menezes que possa contribuir na resposta, e à Patrícia Ellen, como secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, a pergunta formulada, pelo William Cury, Will, da TV Globo, Globo News. Paulo.

PAULO MENEZES, COORDENADOR DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: Obrigado, governador. 11 mil era a projeção que nós tínhamos há três ou quatro semanas atrás, e de fato, é onde a gente está hoje, nós não estamos saindo muito fora daquilo que havia sido projetado. Dessa forma nós vamos continuar acompanhando os números, ao longo das próximas semanas, temos a expectativa de que haja ainda algum crescimento, mas eu acabei de mencionar que a gente cresce na taxa de cerca de 0,5% ao dia, que é muito distinto da situação que nós tivemos há dois meses atrás, de forma que o sistema de saúde, talvez se o secretário Jean quiser complementar os meus comentários nesse sentido, nós vemos que o sistema de saúde, apesar de estar pressionado, ele está em condição de responder às necessidades da população. E dessa forma nós mantemos essa recomendação de extensão da fase de transição, com as regras atuais. Muito obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Paulo. Jean Gorinchteyn, você foi convidado a entrar no jogo aqui da resposta, com você.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DA SAÚDE: Muito bem, nós temos uma responsabilidade do governo do estado de São Paulo de manter a vigilância sobre os números, dessa forma essa fase de transição que vem se mantendo já há várias semanas, e se prolongará mais duas semanas, ela permite exatamente uma métrica, que diminua a circulação das pessoas, e a ocupação nos locais em 40%, além do toque de recolher às 21h. Da mesma forma, todas as regras de distanciamento social, uso de máscaras, são uma exigência, exigência legal, por lei, isso é lei, a utilização de máscaras. Ao mesmo tempo, todo o sistema de saúde ele vem mantendo o número de leitos que foram incrementados. Para você ter uma ideia, nós tivemos o incremento de quase 4.500 mil leitos de Unidades de Terapia Intensiva no estado de São Paulo só no mês de fevereiro. E esses leitos continuam mantidos, eles continuam abertos, exatamente para acolher os pacientes mais graves, que assim necessitarem. Para você ter uma ideia, nós tivemos no dia 1 de abril, uma ocupação dos nossos leitos nas Unidades de Terapia Intensiva, de 13.120 mil pessoas, nós temos 2 mil pacientes a menos nas nossas Unidades de Terapia Intensiva, hoje o estado como um todo tem 81% na ocupação das UTIs, enquanto lá no dia 1 de abril nós tínhamos 93% de ocupação. É óbvio que todas as medidas continuam sendo tomadas e mantidas, mas nós seguramente continuamos em um platô elevado, nós não estamos em uma terceira onda. E mais, estamos evoluindo no nosso processo de vacinação, a consequência disso será em breve nas próximas semanas uma redução no número de internações, e também uma redução no número de mortes, uma vez que maior parte da população do estado de São Paulo passa a ser imunizada, passa a ser protegida contra o Covid-19.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn, Paulo Menezes e Patrícia. William Cury, obrigado pela pergunta. Mas está claro para você que nós trabalhamos aqui com a realidade dos fatos, e não com a ampliação dos fatos, nem para menos, nem para mais. E é por isso que temos um centro de contingência com 21 médicos, que apuram, identificam, utilizam dados, informações, pesquisas, e também os riports que são feitos pelas prefeituras através dos departamentos regionais de saúde, ordenados por Jean Gorinchteyn. Muito obrigado, mais uma vez. A todos que estão aqui, jornalistas, cinegrafistas, fotógrafos, técnicos, secretários, secretárias, nossos convidados que nos prestigiam hoje nessa coletiva, um bom dia, a todos. Por favor, continuem usando as suas máscaras, álcool em gel, lavem as suas mãos, sempre que possível preservem a sua saúde e a saúde dos seus familiares. Muito obrigado, um bom dia, a todos. Fiquem com Deus.