Coletiva - SP supera 40 milhões de doses da vacina do Butantan entregues aos brasileiros 20211404

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP supera 40 milhões de doses da vacina do Butantan entregues aos brasileiros 20211404

Local: RMSP – Data: Abril 14/04/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Pessoal, mais uma vez, bom dia. Obrigado pela presença de vocês. Hoje nós estamos entregando aqui no Butantã mais 1 milhão de doses da vacina do Butantã, a vacina de São Paulo, a vacina do Brasil, mais 1 milhão de doses sendo entregues agora pela manhã, ao Ministério da Saúde aqui em São Paulo. Com isso, chegamos à casa de 40,700 milhões de doses da vacina, ultrapassamos 40 milhões de doses da vacina do Butantã, até o presente momento, para a imunização dos brasileiros. São 40,700 milhões de brasileiros que estão recebendo a vacina no braço, a vacina do Butantã. Até o final do mês de agosto, até 30 de agosto, serão 30 milhões de doses da vacina do Butantã para todo o Brasil. A vacina aqui do Instituto Butantã, onde estamos no momento, em São Paulo, para todo o Brasil. É um momento histórico, ultrapassar a casa de 40 milhões de doses dessa vacina, cada dez brasileiros, oito estão recebendo a vacina do Butantã nos seus braços, a vacina que salva, a vacina do Brasil. Aqui ao meu lado, Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo, e também Dimas Covas, presidente do Instituto Butantã. E estarão à disposição também nessa coletiva para o atendimento às perguntas de vocês. Hoje faremos uma coletiva um pouquinho mais breve, porque temos coletiva de imprensa às 12h45min, no Palácio dos Bandeirantes, e receberemos vocês com enorme prazer para essa coletiva mais ampla às 12h45min. Mas vamos agora com o Gabriel Prado, da TV Globo, Globo News. Depois com a Bruna Barbosa, da Rádio e TV Bandeirantes, e da Band News. A Maria Manso, TV Cultura. E a Isabela Palhares, da Folha de São Paulo. Começando então com o Gabriel Prado, da TV Globo, Globo News. Gabriel, mais uma vez, bom dia. Eu já sei que você é o madrugador da Globo, seja bem-vindo, sua pergunta, por favor.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Governador, com o IFA chegando da China até 20 de abril, como demoram 20 dias para serem produzidas as doses, essas doses ficam de maio para frente. Se o objetivo é entregar 46 milhões até o último dia de abril, vocês têm estoque para essa entrega, os 46 milhões? Pelo cálculo, se forem 5 milhões na semana que vem a gente chega em 45,700 milhões de doses, faltam 300 mil. Vai chegar aos 46 milhões? E o segundo lote do IFA da China chega até o final de abril, 30 de abril?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Responde Dimas Covas, presidente do Instituto Butantã. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Gabriel, você tem razão, quer dizer, nós dependemos da chegada desse IFA, de 3 mil. Ele chega até o dia 20, nós estamos com a expectativa de que ele chegue antes, e vamos iniciar a produção rapidamente. 20 dias de produção é o máximo, também estamos trabalhando na possibilidade de encurtar o prazo de liberação. O segundo lote de 3 mil ainda não tem autorização, estamos aguardando essa autorização, o material está pronto, mas nós não temos ainda a autorização para fazer a importação desse material.

GABRIEL PRADO, REPÓRTER: Então não tem estoque aqui para garantir os 46 milhões? Tem que chegar o IFA da China agora?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Exatamente, estamos guardando essa chegada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Obrigado, Gabriel. Bruna Barbosa, Rádio e TV Bandeirantes, Band News.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Eu queria saber se o governo de São Paulo foi sondado, procurado pelo Ministério da Saúde, para que um outro contrato fosse firmado após essa entrega das 100 milhões de doses em agosto? A gente sabe que o país vive uma escassez de vacinas, o Brasil está basicamente nas costas, dependendo do Instituto Butantã, para que novas doses sejam entregues. Então eu queria saber se o governo já foi procurado para um novo contrato? Se eu puder fazer uma outra pergunta, governador, sobre kit intubação. O governo de São Paulo já fez vários apelos para o Ministério da Saúde pedindo ajuda, e há informação de que o estoque que a gente tem no estado só é suficiente para as próximas 24 horas. Queria saber como é que esse problema pode ser solucionado? Se vai faltar kit intubação no estado de São Paulo?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bruna, respectivamente Dimas Covas e Jean Gorinchteyn responderão à pergunta. Mas eu quero mencionar em relação ao novo contrato, nós deixamos muito claro que o Butantã fará a entrega das 100 milhões de doses da vacina do Butantã, conforme previsto, conforme programado, até o final do mês de agosto, até 30 de agosto, antecipando, inclusive, de fato, o contrato era até 30 de setembro. O Butantã está trabalhando em quatro turnos, 24 horas por dia, sete dias por semana, para a entrega das vacinas. Mas a partir de setembro é o governo do estado de São Paulo que é o comprador, nós já autorizamos a aquisição de 30 milhões de doses da vacina do Butantã, após cumprir o nosso contrato com o Brasil, com o Ministério da Saúde, e a partir de setembro serão 30 milhões de doses para a imunização dos brasileiros que residem em São Paulo. E volto a afirmar que aqui em São Paulo nós vamos imunizar, vamos vacinar todos os brasileiros que podem ser vacinados, que podem ser imunizados até 31 de dezembro desse ano. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Nós temos esses 60 milhões, incluindo os 30 milhões de São Paulo, mais os 30 milhões do ministério, estão já acordados com a Sinovac, e o que nós pretendemos nesse momento é que o volume de matéria-prima seja aumentado. Então nesse momento a participação do governo chinês tem sido fundamental, exatamente nesse sentido, a Sinovac começa a já colocar em funcionamento uma terceira linha, e, portanto, com uma grande capacidade de produção e isso pode melhorar muito os aspectos quantitativos de vacinas a partir do segundo semestre.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Em 40 dias a Secretaria de Saúde mandou o quantitativo de nove ofícios para o Ministério da Saúde. Ontem foi o último ofício que nós mandamos, porque nós precisamos do apoio do Governo Federal para a aquisição centralizada dos kits intubação. São dois grupos de medicações que realmente causam disputas para todos os entes federais, e também os municipais, de neuromusculares e anestésicos. Dessa forma o governo do estado de São Paulo tem ajudado os municípios que frente à estamos requisição emergencial administrativa, que foi feita pelo ministério, acabou impactando os municípios e também as nossas reservas. Nós não podemos deixar os municípios desamparados, mas eles também, assim como o governo estadual, a secretaria de estado está tendo problemas para aquisição junto aos distribuidores e os fabricantes, os municípios mais ainda. Então nós precisamos que o Governo Federal nos ajude. O governo do estado de São Paulo, sob orientação do governador João Doria, autorizou a realização de atas para compras internacionais, mas isso demanda tempo. Nós precisamos algo centralizado para todos os estados. Isso não é uma prerrogativa e necessidade somente de São Paulo, é uma necessidade de todo o país.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Mas até chegar vai faltar em São Paulo?

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Nós temos medicações na rede estadual que confortam para alguns dias, mas nós precisamos apoiar também os municípios. Nós criamos através de chancelas dadas pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia, e Associação de Medicina Intensiva Brasileira, alternativas para essas medicações. Não existe um determinado produto, pode ser utilizado outro com a mesma eficácia e o mesmo fundamento clínico.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Obrigado, Dimas. Obrigado, Bruna. Vamos agora à Maria Manso, da TV Cultura. Cadê você, Maria? Aqui. Bom dia.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Bom dia. Doutor Jean, eu vou continuar nesse assunto do kit intubação. Esses outros sedativos que substitui o que estão em falta, nós temos estoque para quanto tempo? A compra deles é mais fácil? Desculpe, mas para a população está começando a ficar uma ideia de que o Governo Federal e Ministério da Saúde estão só empurrando a responsabilidade de um para o outro, e os pacientes nos hospitais precisam do remédio, simples assim. Por favor.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Primeiro que todas as ações que são feitas no estado de São Paulo visam a assistência da população, para que a população não esteja desassistida. Portanto, já há 40 dias nós estamos fazendo esses ofícios reiterados ao ministério, para aquisição do produto. Em paralelo nós não estamos aguardando, nós estamos criando novas estratégias, tanto com a possibilidade de outras medicações que estão disponíveis, até porque, até então elas não eram tão solicitadas, portanto, estão sendo atribuídas nas estratégias de tratamento atuais. E ao mesmo tempo fazendo essas novas aquisições, seja através dos distribuidores, mas em um quantitativo mínimo, que faz com que nós precisemos fazer rearranjos diários. Nós estamos nos equilibrando com esses rearranjos para os municípios há várias semanas, e nenhum município deixou de proceder intubação adequada dos seus pacientes. Então são duas medidas, uma administrativa, no sentido de podermos ter um quantitativo muito maior que nos dê literalmente fôlego, mas por outro lado, a assistência ela tem sido garantida aos municípios.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Maria, você sabe que eu tenho enorme respeito por você como jornalista, mas eu não posso aceitar a informação ou a colocação de que um joga para o outro. Quem fez o confisco, quem fez o sequestro dos insumos de todos os fabricantes no Brasil foi o Ministério da Saúde, ainda na gestão de Eduardo Pazuello como ministro. Isso não foi mudado com o atual ministro Queiroga. Então continuam os fabricantes sequestrados, eles não podem vender nem para municípios, nem para governos estaduais, nem para instituições privadas, apenas para o Ministério da Saúde. Ora, se houve esse sequestro, se houve o confisco, cabe ao Ministério da Saúde sim a responsabilidade de distribuírem insumos para todos os estados brasileiros e os municípios também. Não há embate, há irresponsabilidade do Ministério da Saúde, que determinou um confisco de todos os insumos fabricados no Brasil. E não distribuiu esses insumos. Então que libere os fabricantes para vender diretamente aos governos estaduais e aos governos municipais, e às instituições privadas, aos hospitais privados, que também estão com dificuldade nos insumos. Então me perdoe, mas carinhosamente, não é jogar de um lado para outro, é a irresponsabilidade do Ministério da Saúde, pela determinação de um confisco, que não produziu nenhum resultado, exceto o drama da dificuldade de termos insumos para a intubação em todo o Brasil, não é um problema de São Paulo, é um problema de todos os estados brasileiros, estados e municípios. Então cobrem do Ministério da Saúde atitudes corretas e a liberação dos fabricantes, nada de estabelecer mais sequestro. Libere, se não tem capacidade ordenativa, nem financeira e nem logística, deixe que os estados sabem fazer. Vamos agora à Isabela Palhares, da Folha de São Paulo. Cadê você, Isabela? Desculpa. Bom dia, Isabela.

ISABELA PALHARES, REPÓRTER: Bom dia, governador. Eu queria saber se vocês já têm uma previsão de ampliar a vacinação de professores? Agora a categoria que está sendo vacinada é até os 47. Esse número representa quanto da categoria aqui no estado de São Paulo? E se há a previsão de ampliação para os mais jovens?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Isabela, na hora do almoço nós teremos o Rossieli Soares, mas eu posso antecipar a resposta a você. Nós estamos vacinando 350 mil professores nessa faixa etária acima de 47 anos, a vacinação segue em um bom ritmo, a previsão é até o final desse mês todos os professores e profissionais de ensino. Aí não só os professores, profissionais que atuam nas escolas públicas e privadas, estão sendo também vacinados diretamente, os que são ativos, evidentemente. E serão 350 mil até o final desse mês. Nós vamos completar essa fase, e o PEI - Programa Estadual de Imunização, vai avalia a continuidade e oportunamente isso será anunciado. Mas são 350 mil os profissionais que estão sendo vacinados nesse momento. E também dar uma boa notícia, que até esse final de semana nós concluiremos a vacinação completa de todos os profissionais de segurança no estado de São Paulo, policiais militares, policiais civis, Corpo de Bombeiro, Polícia Científica, Polícia Técnica, os agentes penitenciários, Polícia Rodoviária estadual, Polícia Rodoviária Federal, e os policiais federais que atuam aqui em São Paulo, até esse final de semana a previsão é que estejam todos devidamente vacinados. Será o primeiro estado do país a ter todas as forças de segurança vacinadas de forma completa até o final desse mês de abril. Foi o primeiro estado a vacinar professores e profissionais da educação do país, o primeiro estado a vacinar os profissionais de segurança, e o primeiro estado a concluir a vacinação dos profissionais de segurança até o final do mês de abril. Outra boa notícia, para finalizar aqui a nossa coletiva, é que nós iniciamos a entrega da vacina contra à Gripe, que é integralmente produzida pelo Instituto Butantã. Quantas vacinas já foram entregues, Dimas?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: 15 milhões, hoje à tarde entregamos 2,800 milhões.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Então vamos para 17,800 milhões. 15 milhões hoje?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: 15 milhões.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Portanto, 15 milhões de doses da vacina contra à Gripe, e entregues até o final do dia de hoje para o Ministério da Saúde, para o programa de imunização contra à Gripe em todo o país. O Butantã é o único fornecedor da vacina contra à Gripe, e já começou em larga escala a entrega dessa vacina para a imunização contra à Gripe, em todo o país. Nos veremos daqui a pouquinho, às 12h45min. Mais uma vez, muito obrigado pela presença de todos. Até já, se protejam, fiquem bem. Boa tarde, pessoal.