Coletiva - Santos Export 2012/Fórum Intenacional para Expansão do Porto de Santos - 20121308

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Santos Export 2012/Fórum Intenacional para Espansão do Porto de Santos

Local: Guarujá - Data: 13/08/2012


Parte 1


JORNALISTA: Eu queria que o senhor fizesse uma avaliação da campanha do Serra para prefeito de São Paulo.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, só uma palavrinha que eu acho que é importante aqui para o evento Santos Export. A segunda pista da Imigrantes foi muito importante para o porto; Rodoanel Metropolitano, os 180 quilômetros de anel vai integrar o mais importante porto do país com o mais importante aeroporto do país, que é Cumbica, melhora muito a logística. A travessia Santos-Guarujá, que é uma das maiores travessias marítima, um dos maiores do mundo, do mesmos canal do porto, a ligação seca, o túnel vai ajudar enormemente e à medida que não é ponte, é túnel, não limita o porto. Nós já contratamos o projeto executivo, pretendemos licitar já a obra física o ano que vem, em 2013. O Ferroanel, estamos otimistas que possa ser anunciada já na quarta-feira.


JORNALISTA: Anunciado como concessão?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Então, esse é o modelo que está sendo estudado pelo Governo Federal. Nós demos todo o apoio, porque como nós vamos fazer o Rodoanel norte, o Rodoanel norte, amanhã sai a pré-qualificação do Rodoanel norte, são 18 consórcios do mundo inteiro disputando seis lotes e do lado você pode fazer o Ferroanel. Então, estamos otimistas, a DERSA e a Secretaria dos Transportes têm participado, isso é esse essencial para o porto porque hoje o trem de carga passa na Estação da Luz. Ele passa no mesmo trilho do trem de passageiros, só que o trem de passageiros passou de 600 mil para 2,7 milhões de passageiros/dia. Não tem mais espaço para a carga, não tem espaço. Nós passamos de 600 mil, em 15 anos, para 2,7 milhões, então tem que tirar urgentemente o trem de carga. Isso vai dar um salto no transporte ferroviário extraordinário. E eu ainda destacaria a Hidrovia Tietê-Paraná, 2.400 quilômetros de hidrovia, que nós pretendemos triplicar o transporte de carga de sete milhões pra 21 milhões de toneladas ano, através de hidrovia. Assinamos um convênio com a presidenta Dilma, 1,5 bilhão e as obras já estão aceleradas, as pontes, melhorar a eclusagem, aprofundamento derrocamento e trazer até Piracicaba a hidrovia, até o Distrito de Artêmis, em Piracicaba, então estamos bastante otimista em relação à logística toda melhorando o transporte, reduzindo custo, melhorando logística, eficiência que vai ajudar muito o porto.


JORNALISTA: Governador, com relação ao PAC das concessões, qual a sua expectativa em relação ao marco regulatório do setor portuário? Os empresários criticam bastante hoje a falta de autonomia das companhias que acabam engessando investimentos, acabam não permitindo uma agilidade, não dá a resposta que o mercado às vezes demanda. O que o senhor espera?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu acho que desburocratizar é o nosso desafio. Nós temos, infelizmente, uma cultura cartorial, então a desburocratização é importante, e maior participação da iniciativa privada, eu acho que esse é bom caminho.


JORNALISTA: O senhor acredita na privatização das companhias docas?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, privatização é diferente. É você... A concessão sim.


JORNALISTA: Das companhias, da administração [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Pode ser, privatização acho que não, porque privatização significa você vender um ativo. Por exemplo, privatizou a EMBRAER, concessão é o que foi feita no Aeroporto de Cumbica. É do Governo, só que durante um período, o setor privado que vai operar, isso tudo precisa ser amadurecido.


JORNALISTA: Governador, a minha perguntinha.


Parte 2


JORNALISTA: Como está sendo a campanha do seu aliado?


JORNALISTA: Campanha Serra.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu acho que está indo bem, né? A campanha vai ser curta, porque ela começa mesmo com o horário eleitoral do rádio e da televisão, 21 de agosto, aí que começa para valer, quando muda o horário da novela, então todo mundo: “Opa, onde é que eu guardei meu título de eleitor?” E a decisão de voto é depois da parada, parada militar, sete de setembro, aí é que começa a definir o voto. Eu acho que está indo bem, eu acho que o Serra tem um percentual alto, portanto, deve estar no segundo turno, tudo indica, e estamos otimistas. É um bom candidato, preparado, conhece São Paulo, enorme capacidade de trabalho, está caminhando.


JORNALISTA: O senhor acha que a alta rejeição ao Kassab pode colar no Serra?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, o Serra tem... Primeiro, essa questão de rejeição, eu acho que campanha, esclarecimento, mostrar o que foi feito, isso tende a reduzir. Segundo, o Serra tem voo próprio, ele tem... A população o vê como uma liderança importante.


JORNALISTA: Governador, quando o senhor fala em [ininteligível], se fala também em segurança. Há um índice muito alto de roubo de carga. O Governo do Estado está fazendo alguma coisa para inibir ou controlar esse tipo de ação?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, sim. Investigação, inteligência policial. Acabamos de nomear mais 200 delegados de Polícia, já foram nomeados, já tomaram posse. Agora, é 90 dias de academia e já vão estar na ponta trabalhando. Isso é investigação policial, trabalho da Polícia Civil, Polícia Investigativa Judiciária e a Polícia Militar. Nomeamos e demos posse a mais 920 soldados. Aí Polícia ostensiva, preventiva, repressiva e quero destacar aqui esse trabalho da investigação de um crime ocorrido aqui no Guarujá, de um ex-secretário que foi covardemente assassinado e que meses e meses de trabalho, de escuta telefônica, de investigação cuidadosa chegou aos suspeitos, eles já foram presos e agora cabe, então, a Polícia fazer todo o inquérito e aguardar a decisão judicial.


JORNALISTA: Uma pergunta: é melhor o Haddad ou o Russomanno no segundo turno?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Adversário não se escolhe, a campanha do Serra é focada não no adversário, mas no povo, nas pessoas.