Coletiva - Visita técnica a SP-346 + Centro Dia do Idoso 20141707

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Visita técnica a SP-346 + Centro Dia do Idoso

Local: Espírito Santo do Pinhal - Data:Julho 17/07/2014

REPÓRTER: Governador, como que o senhor avalia o andamento das obras na SP-346, Pinhal/Santo Antonio do Jardim?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a obra está indo muito bem. Ela está com mais de 90% executada. É uma obra importantíssima, porque ela faz a ligação desta região aqui de São Paulo com o sul de Minas Gerais. Então vai ligar Espirito Santo do Pinhal, Santo Antonio do Jardim, a Andradas, em Minas Gerais, Poços de Caldas, também Minas Gerais. Então uma ligação estratégica. São 36 milhões de investimento, quase 17 km de rodovia. Uma parte dela duplicada, aqui em frente Espirito Santo do Pinhal, em frente Santo Antonio do Jardim também duplicada. 11km de terceira faixa, recapeamento completo, acostamentos, passarelas pra evitar acidentes, desastres, atropelamentos, passarelas, rotatórias como aqui na entrada de Espirito Santo do Pinhal. Então é uma vacina pra evitar desastre. E promove o desenvolvimento de uma região. Essa região vai crescer muito e precisa estar preparada do ponto de vista de logística e transporte.

REPÓRTER: O senhor vai também visitar o Centro do Idoso. O que tem lá? O que o senhor vai fazer por lá?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: São Paulo é um estado amigo do idoso. Então o que nós estamos fazendo? Os 645 municípios do estado terem o CCI, que é o Centro de Atendimento ao Idoso. Então tem um local que pode ter reunião, festas, programa de geração de renda, lazer, entretenimento, todas as cidades. E aqui tem também. Além do Centro de Convivência do Idoso, nós fizemos também, é importante também essa divulgação, as pessoas com 60 anos ou mais de idade podem viajar por todo estado de São Paulo, é o passe livre do idoso. Cada ônibus tem que deixar duas cadeiras, duas poltronas para os idosos. A única exigência é ter que reservar 24 horas antes. Então pode ir de Espirito Santo do Pinhal para Campinas, para Águas de Lindóia, pra São Paulo, pra Pindamonhangaba, enfim, pode ir, só reservar 24 horas antes. Os ônibus às vezes tinham ociosidade, então você deixar duas cadeiras, duas poltronas reservadas, o custo é zero praticamente, as pessoas viajam de graça, podem visitar um parente, conhecer uma cidade, fazer turismo em São Paulo, melhora a sua saúde. Então uma iniciativa também importante.

REPÓRTER: Governador, lá em Campinas acontece agora uma reunião do CEAGESP com algumas indústrias a respeito da crise hídrica. Eles temem que com a escassez de água afete a produção deles. O que o senhor tem a falar sobre isso?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós estamos fazendo um acompanhamento diário. Foi feito todo um trabalho pra garantir o abastecimento do Cantareira. Nós disponibilizamos 182 milhões de metros cúbicos de água, foi disponibilizada a chamada reserva técnica. Nós entendemos que com isso nós chegaremos a época das chuvas. Eu aprendi com meu pai que chove mês com "r". Então o último mês que chove é abril. Aí não chove mais maio, junho, julho e agosto. Setembro é mês com “r”, então voltam as chuvas. Então a reserva técnica é suficiente. Nós ainda temos mais... A reserva é de 400 milhões. Então nós ainda temos mais 220 milhões de metros cúbicos. E como é que nós reduzimos praticamente 5 metros cúbicos... Aliás, mais, 6 metros cúbicos de retirada do Cantareira? Nós fizemos uma redução muito forte, foi com o bônus que demos nas regiões metropolitanas. Os municípios operados pela SABESP, quem reduzir 20% o consumo tem 30% de prêmio. A conta baixa 50% e sua adesão foi 86%. A população está ajudando pra valer. E depois com nova gestão. Nós estamos tirando em São Paulo inúmeros bairros... Hoje tira Vila Alpina, para ser atendido pelo Guarapiranga e Alto Tietê. Então a gente tira e vai aliviando Cantareira. E aumentamos a água pra Campinas de 3 metros cúbicos pra quatro. Nós estamos economizando em São Paulo e aumentando aqui em Campinas. Agora, há uma expectativa boa, do ponto de vista meteorológico, que nós deveremos ter um El Niño, que nós teremos na época das aguas, inclusive grandes chuvas. E a outra, nós estamos estudando até manter o bônus também na época da chuva, pra manter esse uso racional, não ter desperdício, né? A pessoa não tomar banho e deixar o chuveiro ligado enquanto está se ensaboando, torneira aberta enquanto faz a barba, torneira aberta enquanto escova o dente, enfim, evitar desperdício. Até nas águas, pra ajudar a recompor as represas. E a outra, são obras estruturantes da região. A obra do canal de interligação do Paraíba do Sul com o Cantareira, ou seja, a represa de Jaguari, lá em Igaratá, com a represa de Atibainha, em Nazaré Paulista, isso vai interligar as duas bacias hidrográficas, e as obras também em Campinas.

REPÓRTER: Ou seja, as indústrias não precisam temer ficar sem água e não conseguir produzir?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, toda prioridade é para o consumo humano, depois pras atividades econômicas. Mas tudo está preparado pra gente chegar ao período das águas sem problema. Agora, a região de Campinas precisa ter mais reservação. Isso é necessário. Porque hoje, com as mudanças climáticas, quando chove, chove demais, e quando faz seca, faz demais. Então precisa ter maior reservação pra guardar água no período da cheia.

REPÓRTER: E como está a discussão na revisão dos preços dos pedágios? Essa é uma discussão antiga, o que o senhor pode dizer a respeito? Porque o pessoal acha o valor do pedágio muito alto. Por exemplo, Pinhal/Mogi-Guaçu, R$ 7 pra ir, R$ 7 pra voltar.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, primeiro é importante destacar que das 20 melhores autoestradas do Brasil, 18 são no estado de São Paulo. Das 20 melhores do país. Nós temos o melhor sistema viário do Brasil. A outra, vou dar o exemplo do Rodoanel, nós acabamos de entregar o Rodoanel Leste, ele vai de Mauá até a Ayrton Senna. São 40 km de rodovias duplicadas, viadutos, túneis, obras de arte, obras de segurança, conceito de rodovia viva, call box, ambulância, tudo. Quanto o governo investiu? Zero. Nem desapropriação, nem compensação ambiental, nada. Nenhum centavo. E o concessionário ainda pagou para o governo pra ganhar a licitação R$ 387 milhões. Foi uma concessão onerosa. E ainda vai pagar ao longo do tempo uma parte dessa tarifa. Então o concessionário tem três obrigações: a primeira é fazer obra... A Imigrantes nova, nós não pusemos um centavo. Foi feita em 30 meses. Então, investimento. Segundo é manutenção. As estradas tem padrão AA, as melhores rodovias. A terceira é atendimento ao usuário, está incluído atendimento mecânico, furou o pneu, já chega uma equipe pra trocar, quebrou o carro, já chega uma equipe pra socorrer. Teve um acidente, já chega a ambulância, equipe médica, call box, emergência, segurança, carro pra polícia, tudo isso. A tarifa, nos últimos dois anos, o reajuste que nós fizemos foi 40% da inflação. Porque o ano passado foi zero. Nós não reajustamos. E este ano, quando a gente verifica os dois anos, dá 40%. Então 60% da inflação, chamados meio s de produtividade, nós passamos para o usuário da rodovia. Só acrescemos 40%. A inflação é que está mais alta. E a outra, é a revisão do equilíbrio econômico financeiro do contrato. Pra não dizer que nós rompemos contrato, não respeitamos contrato, o que nós fizemos? Fizemos uma revisão e fomos pra justiça. Então está na justiça, nós já entramos dos contratos antigos, na justiça, contra cinco concessionárias, com todos os nossos argumentos, e a justiça vai definir. E aí, se a justiça der ganho de causa, como nós temos certeza, pode demorar um pouco, o que nós pretendemos fazer? Duas coisas: reduzir a tarifa e aumentar investimento.

REPÓRTER: Governador, uma reivindicação de Pinhal, reivindica mais policiais militares, policiais civis. O último investigador que esteve aqui faz 15 anos que o estado mandou pra cá. O que senhor pode dizer para os pinhalenses reivindicando mais policiais militares e policiais civis?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Para Espirito Santo do Pinhal, eu vou verificar. O que nós estamos fazendo? Nós vamos ter a maior contratação da história da Polícia Civil, delegados, investigadores, escrivães, agentes policiais. E a maior contratação da Polícia Técnico Científica. Está tudo em concurso público. Tudo concurso público e o trabalho. E na Polícia Militar nós estamos fazendo Atividade Delegada. Muitos municípios entram na Atividade Delegada, aumenta a presença da polícia nas ruas ou a DEGEN, nós estamos contratando o policial na jornada extraordinária, no período de folga dele, a gente paga pra ele trabalhar. Campinas está incluída também na DEGEN. Tá bom?

REPÓRTER: Obrigada, governador. Região de Campinas