Coletiva 20110811a

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva Plenária da Agenda Metropolitana de Santos Local: Santos Data: 11/08/2011

JORNALISTA: Governador, essa [ininteligível] do túnel que o senhor espera anunciar, o custo é um bilhão e 400 milhões de reais. Gostaria de saber qual que é a diferença desse valor [ininteligível] da ECOVIAS [ininteligível] três túneis, três viadutos [ininteligível]?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, primeiro dizer da alegria de estar aqui na baixada santista, hoje trabalhando junto com a região metropolitana da baixada santista, os nove municípios, fruto de um longo trabalho com uma Agenda Metropolitana. Uma Agenda Metropolitana que inclui habitação, são mais de dez mil unidades habitacionais na região; saneamento básico, mais de um bilhão que vão ser investidos em reforço do sistema de água, produção de água e término do Onda Limpa, nós chegaremos a 84% de coleta de esgoto e 100% do esgoto coletado tratado; investimentos importantes na saúde, além do que nós já tínhamos anunciado, estamos avançando, incluímos o apoio ao Hospital dos Estivadores, 25 milhões nós vamos transferir para a prefeitura para poder ser feito a reforma física e adequação do hospital, um grande hospital, 260 leitos, para atender o SUS. Teremos em outubro o funcionamento do Hospital Emílio Ribas II, lá onde era o Ana Parteira, no Guarujá. Tivemos essa semana já a inauguração do AME, amanhã cedo vamos assinar um termo aditivo com a Santa Casa para construção da Casa Mata, e teremos desde Bertioga até Peruíbe forte ampliação de leitos e resolutividade na área de saúde. Segurança pública, nós teremos aqui mais 300 policiais agora em outubro, com os 290 que chegaram são 590, grande reforço Guarujá e Praia Grande, com bases comunitárias da Polícia e a ROCAM, também aqui para fortalecer a região. Na área da Agricultura, os programas para o pescador aqui da região e a reforma da APTA, do Instituto Pesca Marítima e do museu, também do instituto, inclusive com acessibilidade. Os recursos do DADE estão todos liberados para as instâncias turísticas, dá 77 milhões em orla da praia, ciclovia, teatro, infraestrutura urbana, enfim, cada prefeitura escolhe a sua prioridade. Na questão educacional, estamos liberando a Escola Estadual Cesário Bastos para a Engenharia da Poli aqui da USP aqui para a região. A construção da ETEC lá do Guarujá e a Hospedaria dos Imigrantes, que nós vamos fazer uma grande parceria com a PETROBRAS, para ter praticamente a Universidade PETROBRAS, como qualificação, formação profissional, técnica, para atender toda a região. E na área de transporte metropolitano, o VLT. Como da última vez deu deserto, nós não tivemos interessados, nós não queremos correr mais o risco, o Governo vai fazer 100% a obra com financiamento público. A primeira etapa, 15 km, Valongo, Porto, até Barreiros, São Vicente, então o primeiro trecho. Amanhã sai o edital de contratação do projeto executivo, e a gente espera no meio ano que vem ter todas as licenças ambientais e ter a obra física já sendo feita para em 2014 já estar operando aqui o VLT na região e podendo depois ser ampliado em uma segunda fase. As obras de transporte, de logística da região, a obra mais aguardada, 70 anos é a ligação seca, Guarujá até Santos, fizemos um trabalho muito técnico para ter a melhor solução, pesquisa de origem e destino, quem são as pessoas que utilizam a balsa, de onde elas vêm, para onde elas vão, para poder decidir um projeto que atendesse a maioria, trabalhadores, trabalhadoras, a pé, bicicleta, carro, ônibus, e até o VLT no futuro poder ir para o Guarujá. A localização, a conclusão foi o meio do canal, que é aonde nós temos o maior atendimento à população de ambas as regiões, do Guarujá e de Santos, e o modelo, o túnel, porque a ponte teria que ter uma tal altitude em razão dos navios, para não comprometer o futuro do porto, que ela seria uma obra muito grande sobre as cidades, com grandes desapropriações e deterioração, desvalorização muito grande de áreas. O túnel passa pessoas, que não vão pagar nada, que hoje pagam na travessia, bicicleta, ciclovia, motocicleta, carro, ônibus e no futuro VLT.

JORNALISTA: Vão ser “pedagiados” os carros?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: As pessoas só vão pagar no veículo aquilo que hoje paga na balsa, só isso. O que você paga na balsa você vai pagar quando fizer a travessia, nenhum...

JORNALISTA: A mesma tarifa?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Mesma tarifa...

JORNALISTA: Mas vai esvaziar a balsa...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Pelo contrário, hoje paga o passageiro, não vai pagar, e quando nós falamos 1,3 bilhão, é o túnel, são as desapropriações, as compensações ambientais e as obras viárias que vão ter que ser feitas no Guarujá e em Santos.

JORNALISTA: Governador, o senhor falou... E vão ter a melhoraria nas balsas. Eu queria que o senhor falasse sobre isso.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Exatamente. Então eu pediria ao Dr. Saulo... Dr. Saulo fala em seguida, nós vamos investir 80 milhões, reforma de balsa, balsas modernas, atracadouros. Então, como não é em 24 horas, nós vamos manter um serviço de melhor qualidade até a conclusão da obra.

JORNALISTA: Existe a possibilidade de o túnel ser uma construção também?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Pode ser, mas o importante é o seguinte: se precisar, o Governo vai fazer, como nós estamos fazendo no caso do VLT.

JORNALISTA: Governador, [ininteligível] que fosse feito lá final do canal ou no começo, dependendo do ponto de vista, para que atendesse ao porto. Aqui no meio atende só a essa área urbana, por que essa decisão de atender a área urbana e não o porto? Como é que fica a expansão do Porto?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Na realidade, o que acontece? Podia ser na entrada do canal, na ponta da praia, que era o projeto original, poderia ser no meio do canal, como o que nós fizemos, ou lá no fundo, no estuário. O que nós procuramos fazer então para tomar essa decisão? Uma decisão técnica, contratamos os melhores especialistas e fizemos uma pesquisa acurada de origem e destino para você atender o maior número de pessoas, trabalhadores, trabalhadoras, população, carro, bicicleta, atender todo mundo, e vai ajudar muito o porto, por quê? Porque se não suprimir, vai ficar muito pequena a travessia de balsa, que hoje é um grande problema, você tem uma das maiores travessias de balsa do mundo em um canal cada vez mais movimentado por navios. Não pode continuar essa travessia desse jeito.

JORNALISTA: O senhor anunciou o aumento do efetivo policial, qual vai ser o critério para a divisão entre as cidades?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Esse é um critério técnico, a região receberá 300 policiais militares a mais, aí o comando da Polícia Militar faz o critério técnico, aonde mais precisar. E queria também anunciar que agora cedo nós divulgamos o aumento para 204 mil funcionários do Estado, da área de saúde e da chamada Lei Complementar 10/58. Então, todos, aposentados, pensionistas e ativos vão ter reajuste retroativo à 1º de julho, retroage à 1º de julho, aumentos variando de 10% até 40%, porque reorganiza as carreiras da área da saúde do Estado.

JORNALISTA: O ICESP II?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O ICESP II o professor Giovanni deve estar aí...

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Tá em obras.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Já está sendo feito, ele e o David Uip podem detalhar. Nós temos para inaugurar o ICESP e a Rede Lucy Montoro. O que vai inaugurar já em outubro é o Hospital Emílio Ribas.

JORNALISTA: Governador, referente ao Hospital [ininteligível] o estado havia pedido um prazo até o dia 15 pra fazer os repasses, eu gostaria que o senhor falasse efetivamente quando que virão esse repasse.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Nós já acertamos com o Hospital de São Vicente um aumento por cinco meses de R$ 280 mil de custeio...

JORNALISTA: Referente ao de Praia Grande.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Por mês. E Praia Grande o professor Giovanni Cerri e o David Uip vão acertar um aumento de oferta de vagas para a região. Isso está sendo feito, questão de dias, aí resolve.

JORNALISTA: Em relação Roda São Paulo, o senhor podia explicar um pouquinho pra gente, esses ônibus que estão...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O Roda São Paulo é uma frota de ônibus de dois andares para fortalecer o turismo, vem para cá no verão e vai até o carnaval, vai ficar 75 dias fazendo várias rotas, vários roteiros aqui. Nós pretendemos 150 mil turistas poderem conhecer os pontos turísticos aqui da região.

JORNALISTA: Governador, o túnel, ele vai atender, em relação ao porto, basicamente o vira, né, o caminhão que vai de uma margem para outra, esvazia a possibilidade de uma nova ponte, de uma nova ligação?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não. Nada impede que amanhã você tenha uma ponte, uma mudança no sistema viário, nada impede. Essa é uma região que vai crescer tanto, vai ter tanto desenvolvimento que vai demandar muito investimento e infraestrutura e logística, ainda mais com o maior porto da América Latina. Agora, neste momento, nós temos um problema, que é o quê? Que é a balsa que precisamos resolver, então os estudos indicaram que aonde você mais atendia a população era no meio do canal e através de túnel, para não ser limitante, nem pro porto nem pro aeroporto. Se você faz uma ponte estaiada do outro lado, você limita o aeroporto.

JORNALISTA: Governador o senhor falou com relação a Piaçaguera e Guarujá [ininteligível] Domenico Rangoni e a Anchieta, ali também tem um gargalo, queria que o senhor falasse sobre isso.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não. Nós temos um grande gargalo na Anchieta com a Cônego Domenico Rangoni, muito caminhão, muito congestionamento, atrapalhando a região e dificultando o pólo petroquímico e o Porto. Então, nós vamos praticamente ampliar muito o trevo da Anchieta, quase R$ 150 milhões, e ampliar a rodovia Cônego Domenico Rangoni e também o viaduto, ex - 31 de março, e as outra obras serão na Imigrantes. Ampliação da Imigrantes-Cubatão, chegando em Praia Grande, e eliminar seis semáforos em São Vicente, através de grandes viadutos que vão eliminar esses semáforos e construção de passarelas, Itanhaém-Peruíbe, para evitar acidentes.

JORNALISTA: Essa dos semáforos pra quando governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O semáforo, o DR vai licitar a obra, não vai ser. Nós vamos fazer por licitação o governo vai pagar a obra. Então, o Dr. Saulo ou Clodoaldo detalham a...

JORNALISTA: Governador, o senhor disse que o edital do projeto executivo, o projeto de VLT vai ser publicado amanhã, e o do túnel?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O do túnel, março de dois mil... O projeto executivo?

JORNALISTA: É, quando vai ser lançado o edital?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Eu acho que no... Setembro, começo de setembro.

JORNALISTA: Do pacote R$ 5 bilhões...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Cinco e 300.

JORNALISTA: Quanto representa o túnel e o VLT separadamente?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O túnel, um vírgula... Não é o túnel, é a ligação seca, túnel, desapropriações, sistema viário, compensações ambientais, R$ 1,3 bilhão. VLT nós só vamos saber depois de licitado, mas em torno de R$ 600 milhões.

JORNALISTA:...passado para as cidades da baixada santista, qual o valor dessa verba?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: R$ 5,3 bilhões.