Coletiva CPignatari Mirassol - GSP anuncia Corujão da Saúde e R$ 10 mi para a região de São José do Rio Preto 20212710

De Infogov São Paulo
Revisão de 10h44min de 29 de outubro de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva CPignatari Mirassol - GSP anuncia Corujão da Saúde e R$ 10 mi para a região de São José do Rio Preto 20212710''' '''Local: São José do Rio Preto – Da...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva CPignatari Mirassol - GSP anuncia Corujão da Saúde e R$ 10 mi para a região de São José do Rio Preto 20212710

Local: São José do Rio Preto – Data: Outubro 27/10/2021

Soundcloud

REPÓRTER: Sobre esses anúncios aqui para Mirassol, o senhor também está cumprindo agenda na região hoje. Detalha um pouquinho para a gente o motivo dessa visita à nossa região.

CARLÃO PIGNATARI, GOVERNADOR EM EXERCÍCIO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Nós estamos cumprindo a agenda do governador João Doria e do vice-governador Rodrigo Garcia, onde nós estamos lançando programas de Unidades Básicas de Saúde, liberando recursos de recapeamento para os municípios, de infraestrutura, que é de extrema importância. O governo de São Paulo vem ajudando cada um dos municípios. E o que é importante? A liberação ainda de cestas básicas para atender às pessoas que precisam e necessitam da ajuda do poder público. É um prazer estar aqui. Primeiro que eu sou da região, eu sou aqui do Noroeste Paulista, sou de Votuporanga, e tenho um prazer hoje de ser governador em exercício aqui em São Paulo.

REPÓRTER: É inevitável abordar esse assunto com o senhor, que é o que tem pautado aqui a nossa região, em relação ao anúncio da ARTESP, do governo do estado, das concessões do lote Noroeste. Ontem inclusive na Câmara de Rio Preto se falava que a Feliciano Sales Cunha estaria em um projeto inicial, depois foi retirada, e até atribuíam isso à sua relação com o governador. É algo que eu acho que já não depende mais da ALESP, mas os deputados podem fazer uma intervenção a respeito disso. O senhor já tem feito alguma tratativa com o governador? Algum prefeito procurou o senhor? Alguém falou com o senhor sobre isso hoje aqui durante a visita?

CARLÃO PIGNATARI, GOVERNADOR EM EXERCÍCIO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vários prefeitos já me ligaram e fazendo esse questionamento, isso é uma proposta da ARTESP, porque nós temos duas fases, primeiro a da renovação da concessão do Triângulo do Sol, que é uma coisa, e a outra é a proposta de uma nova concessão, pode ser feita uma ou outra, esse é o momento de fazer essas discussões. A ARTESP está ouvindo todo o interior de São Paulo, hoje está em Araraquara, que é a última audiência pública, para depois abrir no site 30 dias para poder receber proposta de alterações, de mudanças em praças de pedágio, enfim. É uma discussão que nós vamos fazer ainda. Eu não sou contra pedágio, o que nós não podemos são ilhar as cidades de pedágio. Você põe uma cidade com Uchoa no meio, de um lado um pedágio, do outro lado outro pedágio, fica praticamente muito ruim para aquela comunidade. Mas é uma discussão que está sendo no órgão técnico, a hora que tiver a decisão política aí eu quero participar para defender a minha região.

REPÓRTER: Até porque, houve uma integração dessa região com a criação da região metropolitana, que inclusive o senhor encampou também esse projeto. Isso poderia até atrapalhar na prática, essas cidades serem interligadas, porque muitos municípios menores dependem de serviços da metrópole.

CARLÃO PIGNATARI, GOVERNADOR EM EXERCÍCIO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não, até acho que não atrapalhe não, eu não sou contra pedágio, o pedágio só paga quem usa, a partir do momento que você faz uma duplicação com dinheiro público todos nós, usando ou não estamos pagando. A proposta do governo de São Paulo é de você pegar a praça de pedágio que está lá em Cedral, que é R$ 16,80 e fazer duas praças de R$ 7,10, iria diminuir. É lógico que as pessoas que venham hoje de Ibirá, que vem de Tabapuã não pagam pedágio e passariam a pagar. Mas nós precisamos ver onde é que ela vai ser colocada, e isso é uma boa solução, o cara que vem para entrar em Uchoa ele vai pagar R$ 7 e não vai pagar R$ 16. Então essa pessoa será beneficiada. Mas é uma discussão que tem que ser feita ponto a ponto, para não atrapalhar o desenvolvimento urbano e econômico de nenhuma das cidades.