Coletiva RGarcia - SP entrega mais 1 milhão de vacinas do Butantan ao Brasil 20211907

De Infogov São Paulo
Revisão de 21h45min de 20 de julho de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva RGarcia - SP entrega mais 1 milhão de vacinas do Butantan ao Brasil 20211907

Local: Capital – Data: Julho 19/07/2021

Soundcloud

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: É uma satisfação começar a nossa segunda-feira pela manhã aqui no Instituto Butantan, fazendo a entrega de mais 1 milhão de doses da Coronavac, ao Programa Nacional de Imunizações. A vacina foi carregada aqui neste caminhão, e agora será distribuída ao Brasil, para que a gente possa imunizar os brasileiros. Com essa entrega de hoje o Instituto Butantan completa 56,149 milhões de doses da Coronavac, já entregues ao Programa Nacional de Imunizações. E o grande desafio é fazer a entrega do que falta, cerca de 44 milhões de doses, até o dia 30 de agosto, antecipando, portanto, em 30 dias a entrega da compra feita pelo Programa Nacional de Imunizações. O Butantan tem trabalhado todos os dias e aos finais de semana para fazer a produção da Coronavac, e o mais rapidamente possível fazer a entrega do Ministério da Saúde. Estou acompanhado aqui do nosso secretário de Saúde, doutor Jean, da nossa coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização, a doutora Regiane. E também do doutor Ruy, que é diretor executivo aqui do Instituto Butantan. Então, portanto, uma alegria começar essa semana fazendo a entrega de doses de vacina, que é a esperança de dias melhores para todos os brasileiros. Quero passar aqui às perguntas, vamos à primeira jornalista inscrita, que é a Adriana Perroni, da TV Globo, Globo News.

ADRIANA PERRONI, REPÓRTER: Olá, muito bom dia. Eu gostaria de saber o que o Instituto Butantan já tem de concreto em relação aos estudos para uma possível aplicação de terceira dose, dose de reforço da Coronavac? Preocupação grande agora, principalmente em relação à circulação da variante delta, eu gostaria de saber então o que o Butantan já tem a respeito disso.

RUY, SECRETÁRIO EXECUTIVO DO INSTITUTO BUTANTAN: Obrigado pela pergunta, Adriana. Obrigado pela pergunta. Na verdade, nós não temos estudo especificamente para a terceira dose, nós estudamos a possibilidade de ter uma dose de reforço, mesmo porque conforme já foi dito em outras ocasiões, inclusive pelo nosso secretário de Saúde, e a doutora Regiane, provavelmente ou possivelmente nós teremos sim que vacinar anualmente em relação ao Coronavírus, mas especificamente o estudo em relação à terceira dose, nós estamos muito preocupados, na verdade, em garantir a segunda dose, a primeira e a segunda dose para todos os brasileiros, esse é o nosso objetivo primordial nesse momento. Muito obrigado.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: O doutor Jean para complementar, nós já falamos disso em outras oportunidades, o objetivo é que a gente complete esse ciclo vacinal o mais rapidamente possível, aqui em São Paulo até o dia 20 de agosto, que é o dia da esperança, para na sequência vacinar adolescentes e estudar alternativas de ampliar a imunização. Por favor, Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Já foi dito na semana passada pelo professor Dimas, que a Coronavac é uma vacina que nos estudos preliminares mostrou proteção contra a cepa variante delta. Ao mesmo tempo nós temos a questão relacionada à imunização anual, assim como nós fazemos em relação à Gripe, para todos os brasileiros do estado de São Paulo. E essa nova fase da imunização para a COVID-19, irá se iniciar no dia 17 de janeiro do ano que vem, que foi exatamente o primeiro dia em que nós vacinamos o primeiro brasileiro aqui de São Paulo, Mônica Calazans. Isso não é reforço, isso é uma necessidade que nisso temos, de estar sempre anualmente fazendo uma proteção. Nós chamamos de reforço vacinal quando eu uso uma terceira ou quarta dose. Aqui nós estamos fazendo e seguindo a prerrogativa das vacinas para vírus respiratórios, como por exemplo, vírus da Gripe, que anualmente recebem uma imunização. Lembrando que a partir do ano que vem nós já teremos em produção no solo brasileiro, aqui no Instituto Butantan, de duas vacinas, tanto a Butanvac, assim que liberada para os estudos pela ANVISA, os resultados desse estudo, e ao mesmo tempo a própria vacina do Butantan, pela transferência de tecnologia da Sinovac para o Butantan. Portanto, dessa maneira conseguiremos fazer esse programa de uma forma muito mais célere, não dependendo mais daqueles Insumos Farmacológico Ativos - IFAs, que vinham do exterior.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Obrigado, Jean. Obrigado, Adriana. Vamos à segunda pergunta, que é do Antony [Ininteligível], da CNN.

ANTONY, REPÓRTER: Isso aí. Bom dia, gente. Secretário, a pergunta mais direcionada para você. Eu sei que os testes clínicos da Butanvac acabaram de começaram, mas pelo menos, nesse primeiro momento você já tem alguma atualização a respeito dos testes clínicos da Butanvac? Eu queria que você explicasse mais uma vez o cronograma da vacina, vamos dizer assim, para o resto do ano até a documentação ser entregue para a ANVISA.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: A Butanvac ela começou agora no dia 9 de julho, em Ribeirão Preto, nós estivemos em presença do governador João Doria, Dimas Covas, para a primeira fase, que, na verdade, é a fase A, com o recrutamento de 418 voluntários, em uma fase B teremos maiorias 5 mil voluntários que serão avaliados, essas vacinas estarão sendo avaliadas tanto em relação à eficácia, à segurança. Nesse momento o que estão realmente sendo feitas são as validações de segurança e dosagem. Quais são as dosagens que deverão ser realmente utilizadas para a formulação das ampolas? Lembrando que hoje nós já temos praticamente 20 milhões de doses já produzidas da Butanvac aqui no Butantan, em material, que nós chamamos Insumos Farmacológico Ativos, e elas serão envasadas a partir desse primeiro estudo, dessa primeira fase que definirá qual a miligramagem a ser recebida. E dessa maneira, quando após 17 semanas de estudo, se consagrar pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a segurança, a efetividade, para a proteção contra o COVID-19, aí de forma imediata nós já teremos 40 milhões de doses da vacina, que serão disponibilizadas para todos os brasileiros inicialmente do estado de São Paulo, com a possibilidade, à medida que tivermos uma produção ainda maior para todo o país.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Obrigado, doutor Jean. Vamos à sequência aqui, que é o Vinícius Passareli, da CBN. Vamos lá, Vinícius, pois não.

VINÍCIUS PASSARELI, REPÓRTER: Bom dia, vice-governador, secretário, todos presentes. Primeiro eu queria uma atualização do senhor, imagino, que esteja em contato constante com o governador João Doria, sobre o estado de saúde dele, se ele ainda apresenta alguns sintomas, como que ele está se sentindo? E também esclarecer com o doutor Jean, com relação, o senhor já deu uma data, 17 de janeiro para um reinício da vacinação da COVID-19, deixar claro se isso seria um novo ciclo mesmo vacinal, com primeira e segunda dose? E se isso é para estado de São Paulo, ou se isso depende de um Programa Nacional de Imunizações a partir dessa data que o senhor deu? É isso, obrigado.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Bom, o governador João Doria passa muito bem, inclusive ontem nós terminamos a última reunião virtual com ele cerca das 22h, uma reunião no domingo, para definirmos a agenda de prioridades dessa semana. Nesse momento virtualmente ele coordena a reunião de secretariado do governo de São Paulo. Portanto, o governador João Doria passa bem, e na minha opinião, assintomático, ele teve sintomas leves até no sábado, pela manhã, mas ontem já completamente assintomático. E hoje está coordenado a nossa reunião de secretariado, virtualmente. E agora o doutor Jean, para falar sobre a campanha vacinal de 2022, separando bem o próximo ano, do que já foi feito nesse ano de 21.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: O estado de São Paulo, seguramente, vai iniciar essa campanha de uma nova fase de vacinação para COVID-19 a partir do dia 17 de janeiro do próximo ano. Nós entendemos que essa articulação junto com o próprio Ministério da Saúde, e o próprio CONASS, que é exatamente esse Conselho de Secretários da Saúde, também terão esse entendimento para que possamos expandir essa nova fase de transição, não apenas para São Paulo, mas para todo o país. Nós precisamos fazer com que haja uma proteção da nossa população de uma forma constante, uma vez que o Coronavírus, assim como lá em 2009, o H1N1, que é o vírus da Gripe, chegou para ficar, e ele aí está, e ainda está no nosso meio, ele, o Corona, também estará. Então dessa forma nós manteremos de forma constante a proteção da nossa população. E lembrando que como a formulação da vacina ela permite a associação de novas cepas, é capaz até que tenhamos dentro de uma própria vacina, ou de uma próxima vacina, dois ou três tipos diferentes de vírus, dando sim uma proteção constante para a nossa população.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Obrigado, doutor Jean. Vamos à última pergunta, que é da Iandara Freitas, do Portal Metrópoles.

IANDARA FREITAS, REPÓRTER: Olá, bom dia, a todos. Eu gostaria de saber se houve alguma atualização na documentação enviada à ANVISA, para permitir a vacinação de adolescentes com a Coronavac, se houve algum avanço nessa autorização?

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Doutor Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Eu vou começar a pergunta, vou dividir essa pergunta inclusive com o professor Ruy, que é o diretor executivo aqui do Instituto Butantan. Foram mandados vários estudos para a própria ANVISA analisar a autorização da vacinação de um grupo etário de três a 17 anos. Lembrando que esse estudo lá na China, com mais de 600 crianças mostrou efetividade, segurança, e uma resposta, uma imunização até maior do que várias faixas etárias, inclusive de adultos. Dessa maneira alguns questionamentos foram feitos, complementações que foram solicitadas para a China, até a sexta-feira à noite ainda tinham alguns documentos a serem enviados, talvez o professor Ruy saiba atualizar essa demanda. E dessa maneira a gente acredita que até essa semana esses documentos estejam aqui, e a análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária seja bastante aprofundada e positiva, para que possamos vacinar mais a nossa população, inclusive a própria faixa etária de pediátrica.

RUY, SECRETÁRIO EXECUTIVO DO INSTITUTO BUTANTAN: Confirmo as informações do doutor Jean, de fato, nós estamos aguardando um retorno dessas informações, da Sinovac, para encaminharmos à ANVISA, é essa a situação no momento. Obrigado.

REPÓRTER: Vice-governador, posso fazer uma pergunta? A maioria das pessoas que estão aqui hoje estavam com o governador na quarta-feira, [Ininteligível]?

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Todas as pessoas que tiveram contato próximo desprovido de máscara, eventualmente que possam ter acontecido, sejam de serviçais do palácio, da residência do governador, sejam os próprios secretários, que naquele momento do cafezinho baixaram a máscara e tiveram essa proximidade, foram testados e todos vieram negativos. As demais pessoas elas não são consideradas contactantes de risco, houve um distanciamento entre elas, todos usavam máscara, e dessa forma não haveria, e não haverá necessidade de testar a todos, e sim apenas como disse, os contactantes, aqueles que tiveram, seja no seu ambiente familiar, social ou profissional, essa proximidade.

RODRIGO GARCIA, VICE-GOVERNADOR: Bom, pessoal, então muito obrigado pela presença de todos, até a próxima entrega, se tiver frio dessa forma vamos fazer no Sol, viu? Obrigado, pessoal. Um abraço.