Corredores da EMTU

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar
Atualizado em: dezembro de 2011

A EMTU opera com dois corredores (Corredor Metropolitano ABD e Corredor Noroeste) que abrande cerca de 7 municípios no total e atende uma demanda de 319 mil passageiros por dia.

A meta para 2014 é atender cerca de 1,3 milhão de passageiros por dia, chegando a um aumento de 396%, por isso estão sendo construído mais 7 corredores, além da reforma do Corredor ABD e a construção da 2ª fase do Corredor Noroeste. No total serão 10 corredores que atenderão 22 municípios das regiões metropolitana de São Paulo, de Campinas e inclusive da Baixada Santista com o SIM (Sistema Integrado da Região Metropolitana da Baixada Santista).

O investimento previsto para as obras é de R$ 1,8 bilhão.

Corredores em Operação EMTU
Corredores em planejamento e instalação 2011/2014 EMTU
Indicadores Existentes 2011 Futuro - 2014 - Rede Total
RMSP
RMC
Total
RMSP
RMC
RMBS
Total
Aumento %
Corredores
Corredor ABD
Corredor Noroeste
Corredor ABD
Itapevi-São Paulo
Guarulhos-São Paulo (Tucuruvi)
"Corredor Jacu-Pêssego"
Corredor Itapevi-Cotia
Arujá-Itaquaque-cetuba
Corredor Alphaville
Corredor Noroeste
SIM - Sistema Integrado RMBS
Extensão
45,0
7(*)
52,0
45,0
30,4
21,0
26,8
8,5
13,0
27,0
26,0
14,9
212,6
409%
Demanda (Passageiro por dia útil - Milhares)
257
62
319
284
130
200
153
146
89
104
86
70
1.262
396%
Status
Em operação
Em operação
Status
Status
Status
Status.
Status
Status
Status
Status
Status
Municípios Atendidos
São Paulo, Santo André,

Mauá, São Bernardo

e Diadema
Campinas e Hortolândia
7
São Paulo, Santo André, Mauá, São Bernardo e Diadema
Itapevi, Jandira,

Barueri, Carapicuíba, Osasco e

São Paulo
Guarulhos e São Paulo
Guarulhos e São Paulo
Itapevi e Cotia
Arujá e Itaquaquecetuba
Cajamar, Santana de Parnaíba, Barueri, Carapicuíba
Campinas, Hortolândia,

Sumaré, Nova Odessa, Americana

e Santa Barbara
Santos e São Vicente
22
314%
Redução do Tempo de Viagem
Tempo atual de deslocamento (minutos)
123
21
123
60
88
108
27
52
60
92
60
Tempo de deslocamento futuro - 2014 (minutos)
123
21
123
50
65
77
23
36
43
79
42
Horas economizadas por ano pela população (milhares)
0
0
0
0
3.358
11.883
12.253
1.509
3.679
4.567
2.888
3.255
43392
Investimento(Milhões R$ )
Corredor existente
Corredor existente
Corredor existente
R$ 316,01
R$ 223,16
R$ 187,29
R$ 50,50
R$ 77,00
R$ 159,00
R$ 144,50
R$ 680,25
R$ 1.837,71

Corredor Guarulhos – São Paulo (Tucuruvi) - Em Obras

Atualizado em: 12 de dezembro de 2014
Características terá 20 km de extensão e suprirá importante demanda de transporte público sobre pneus na ligação entre a capital e o segundo município mais populoso do Estado, além de interligar os usuários ao sistema metroviário. Foi concebido para reestruturar o transporte metropolitano na região com faixas exclusivas para ônibus, redistribuição das paradas e readequação dos semáforos ao longo do traçado.
Investimento previsto nos três trechos R$ 195 milhões.
Demanda diária 250 mil passageiros (trechos Cecap-Vila Galvão e Vila Endres-Ticoatira).
Benefícios
  • Maior mobilidade aos usuários com a integração entre o novo corredor e as linhas municipais, a Linha 1-Azul do Metrô, na estação Tucuruvi, e a Linha 12 - Safira da CPTM, na futura estação Ticoatira/Penha.
  • Redução do tempo de viagem com as construções de corredor exclusivo de ônibus e terminais que farão integração com outros modos de transporte coletivo.
  • Mais segurança e conforto por conta dos terminais de integração que terão todos os itens de acessibilidade para pessoas com deficiência, plataformas de embarque, banheiros públicos e bicicletários.
Integrações:
Trecho Taboão – Cecap: (Em funcionamento) As obras do primeiro trecho foram iniciadas em julho de 2010, com a construção dos Terminais Taboão, que foi inaugurado em maio de 2012 e CECAP inaugurado em setembro de 2012. As obras viárias (3,5 km) entre os dois terminais foram inauguradas no dia 03 de julho de 2013.

Investimento total: R$ 39,7 milhões

Cronologia:

  • Terminal Taboão foi inaugurado em maio de 2012.
  • Terminal Cecap: inauguração em 24 de setembro de 2012.
  • Viário (3,5 km) entre os terminais Taboão e Cecap: inaugurado no dia 03 de julho de 2013.
Trecho Cecap – Vila Galvão Características: com 12,3 km de extensão envolve a construção do Terminal Vila Galvão, duas Estações de Transferência (Vila Endres e Emilio Ribas) e 16 Estações de Embarque e Desembarque, mais três faixas por sentido, sendo uma exclusiva para ônibus em pavimento rígido. Instalação de ciclopasseio.

Valor contratado: R$ 78,7 milhões.

Licitação: em 09 de janeiro de 2013 foi publicado no DOE o vencedor da licitação (Consórcio Ferreira Guedes – Araguaia) para a execução das obras. O contrato foi assinado em 31 de fevereiro de 2013 e a ordem de serviço em 22 de fevereiro de 2013, com o vencedor da licitação que iniciou as obras em 15/08/2013.

Prospecção Arqueológica o plano de prospecção foi publicado em 30/04/2013 e concluído em 13/07/2013. O relatório final com os resultados deste trabalho foi protocolado junto ao IPHAN e à Secretaria de Cultura do município.

Status: as obras começaram no dia 15 de agosto de 2013 e o trecho está com 85% concluído. Dos 12,3 km previstos inicialmente, serão finalizados em dezembro de 2014: 10,1km de corredor exclusivo de ônibus e nove pontos de parada; e os outros 2,2km vão receber sinalização vertical e horizontal de compartilhamento do viário existente, em razão das orientações da autoridade de trânsito local, entre a Vila Sorocabana e rua IV Centenário. A previsão de conclusão é até março de 2015.

Terminal Vila Galvão: Inaugurado no dia 12 de novembro de 2014, com o Investimento de R$ 8,1 milhões. Passarão por lá duas linhas intermunicipais e nove municipais, com previsão de circulação de 15 mil usuários/dia.

Gráfico
Guarulhosmaio.jpg
Trecho Vila Endres – Tiquatira/Penha Características:Trecho de 4,08 km que ligará o futuro terminal Metropolitano Vila Endres, em Guarulhos, à futura Estação Tiquatira da CPTM, no bairro da Penha, em São Paulo. Serão construídas mais oito estações de Embarque e Desembarque, o nova Ponte Migrante Nordestino e a transposição subterrânea da linha da CPTM. A previsão é de que 40.800 passageiros sejam transportados neste trecho. Serão duas faixas por sentido com pavimento rígido nas paradas.

Investimento previsto: R$ 76,5 milhões

Status: A EMTU/SP vai aguardar o projeto acordado entre Metrô, CPTM e SPTrans, que planeja um terminal municipal na região do Tiquatira, junto à estação da CPTM. O Metrô está seguindo em direção à Guarulhos e deverá fazer as desapropriações necessárias para a implantação. A EMTU/SP vai esperar as alterações para depois construir o novo viário que fará parte do Corredor Guarulhos/São Paulo.

Gráfico
Ticoatira.jpg
Trecho Vila Galvão/Estação Tucuruvi do Metrô Características: com 4,5 km, o projeto executivo desenvolvido entre Vila Galvão, em Guarulhos, até Tucuruvi, em São Paulo, está em fase de revisão e previsão de contratação no primeiro trimestre de 2015.

Fonte: Assessoria de Imprensa da EMTU, Sérgio Leal Maia


Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo/Butantã - Em Obras

Atualizado em: 01 de outubro de 2013

O que é: O Corredor Metropolitano Itapevi tem seu ponto inicial no futuro Terminal Itapevi, junto à Estação da CPTM, e segue até o terminal Vila Iara, na divisa entre Osasco e São Paulo.

Extensão: O Corredor Metropolitano Itapevi tem seu ponto inicial no futuro Terminal Itapevi, junto à Estação da CPTM, e segue até o terminal Vila Iara, na divisa entre Osasco e São Paulo.

Valor total do empreendimento: R$ 325 milhões.

Obras: o trecho prioritário prevê a construção de novo viário entre Itapevi e Jandira, de aproximadamente 5 km, fazendo a interligação das estações da CPTM Itapevi, Engenheiro Cardoso, Sagrado Coração e Jandira.

Jandiraosaco.jpg


Trecho prioritário Itapevi – Jandira (5 km)

Obras: começaram em abril de 2011, as obras de construção do trecho prioritário de 5 km entre as cidades de Itapevi e Jandira, fazendo a interligação das estações da CPTM Itapevi, Engenheiro Cardoso, Sagrado Coração e Jandira. Nesse trajeto o projeto prevê a construção do Terminal Itapevi e de mais três estações de transferência, novo viário com duas faixas por sentido, 10 pontos de parada nos dois sentidos, viaduto sobre a via férrea (Rua Ameríndia), passarela sobre a via férrea e calçadas compartilhadas com ciclovia.

Status: o edital de contratação da execução das obras remanescentes foi republicado em 14/06/2013. A licitação para a construção desta primeira fase da obra foi vencida pela empresa Emparsanco S/A. As obras devem começar na segunda quinzena de outubro de 2013, com termino previsto para agosto de 2014.

Terminal Itapevi e estação de transferência de Jandira: as obras envolvem a construção Terminal Itapevi e estação de transferência de Jandira que estão com 60% das obras concluídas. Considerando todas as intervenções previstas no contrato (descrição acima), 35% das obras estão concluídas. Status: publicação do edital de obras ocorreu em agosto de 2013 e sessão pública para a entrega das propostas está marcada para 09/10/2013. Início de obras está previsto para novembro de 2013 e conclusão para outubro de 2014.


Itapevi.jpg


Trecho Jandira - Osasco Km 21 (10,4 km)

Esse projeto prevê a construção de 2 terminais (Carapicuíba/Cento e Osasco KM 21) e da Estação de transferência de Barueri. Beneficiará cerca de 30 mil usuários/dia.

Cronograma:

  • Audiência Pública: ocorreu em maio de 2012
  • Edital de pré-qualificação: o edital das empresas interessadas em participar da licitação de obras foi publicado em 10/08/2012, mas a licitação ficou suspensa de dezembro de 2012 a fevereiro de 2013 por decisão judicial. A entrega das propostas foi realizada em março de 2013 e a classificação das empresas foi publicada no DOE em maio/2013. A homologação das empresas classificadas foi publicada no DOE em 29/06/2013.
  • Projeto executivo: concluído em dezembro de 2012.
  • Licença Prévia(LP): protocolada em 22 de fevereiro de 2013 na CETESB. Somente com a sua obtenção pode-se publicar o edital de obras.
  • Publicação de liberação da LP: 28 de junho 2013.
  • Publicação do edital de obras: novembro de 2013.
  • Previsão de início das obras: dezembro de 2013.
  • Término: agosto de 2014.


Trecho entre Osasco km 21 - Terminal Vila Yara (Osasco)

18 pontos de parada nos dois sentidos e duas faixas de viário nos dois sentidos.

Cronograma:

  • Projetos: contratação dos projetos básico, executivo, licenciamento e desapropriação publicado em 10/05/2013.
  • Início das obras: agosto de 2014.
  • Término: julho de 2015.


Itapevi14.jpg


Corredor Metropolitano Vereador Biléo Soares - 2ª fase - Em Obras

Atualizado em: 11 de dezembro de 2014
Mudança de nome O governador Geraldo Alckmin aprovou a lei que altera o nome do Corredor Metropolitano Noroeste, que agora passa a se chamar "Corredor Metropolitano Vereador Biléo Soares". O homenageado que morreu em 2011, vítima de câncer, foi um dos fundadores do PSDB campineiro e recebeu a distinção pelo projeto apresentado pela deputada Célia leão.
Obras previstas 2ª fase A extensão total desta segunda fase é de 24,5 km de corredor. Mais 4,7 km de obras remanescentes da primeira fase. A previsão de demanda é de 45 mil passageiros por dia no novo trecho, ligando Nova Odessa a Santa Bárbara D’Oeste.

As obras previstas incluem a implantação de ligação de Nova Odessa a Santa Bárbara D´Oeste - passando por Americana -, três novos terminais (Sumaré, Americana e Santa Bárbara), reforma do terminal de Nova Odessa, implantação de pontos de parada, ponte de transposição Ribeirão dos Toledos em Santa Bárbara e alargamento de via de transposição sob a rodovia Luiz de Queiroz em Americana.

Obras remanescentes no trecho Hortolândia-Campinas (1ª fase do corredor) obras de transposição (Hortolândia – Av. Santana); duplicação da Av. Emancipação (Hortolândia) – 2 km; Instalação das paradas 2 e 3 da Av. Lix da Cunha (Campinas).
Benefícios A estimativa é que passem pelo Corredor 2,7 milhões de passageiros mensalmente, após a sua conclusão. Os sete municípios que compõem a Bacia Noroeste são responsáveis por 75% das 140 mil pessoas que chegam diariamente a Campinas. O grande benefício da obra será racionalizar a rede de transporte, ampliando a oferta de viagens, principalmente na hora de pico, e assim reduzir o tempo de deslocamento de passageiros em 15%.
Redução na quilometragem percorrida As empresas de ônibus percorrem hoje cerca de 34 milhões de km anualmente. Quando o corredor metropolitano estiver totalmente implantado e os serviços de transporte reorganizados, haverá redução de 31% na quilometragem percorrida por esses veículos. Essa economia também representará uma redução na emissão de 13 toneladas de dióxido de carbono por ano.
Investimento
Previsão de investimento total nas obras R$ 239,3 milhões.
Projeto apresentado em Brasília O governador Geraldo Alckmin se reuniu no dia 8 de julho de 2013, com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília, para mostrar o projeto de mobilidade urbana. O projeto contempla a 2ª Fase do Corredor Noroeste que liga Santa Bárbara e Americana até a região de Sumaré. Porém, no dia 31 de julho de 2013, a presidente Dilma em São Paulo, não liberou o repasse para a obra.
Edital de Pré-qualificação Edital de pré-qualificação: o edital das empresas interessadas em participar da licitação de obras foi publicado em 10/08/2012, mas a licitação ficou suspensa de dezembro de 2012 a fevereiro de 2013 por decisão judicial. A entrega das propostas foi realizada em março de 2013 e a classificação das empresas foi publicada no DOE em maio/2013. A homologação das empresas classificadas foi publicada no DOE em 29/06/2013.
Trecho Nova Odessa, Americana e Santa Bárbara D’Oeste
Características
  • Extensão: 24,3 km
  • Demanda: 35 mil passageiros por dia
Investimento previsto R$ 145 milhões
Obras previstas:
Projetos: Elaboração dos Projetos: em dezembro de 2011 foi contratada, por meio de licitação pública, empresa para a desenvolvimento dos seguintes projetos:
  • Projeto Funcional do trecho Sumaré – Santa Bárbara D’Oeste: já concluído.
  • Projeto Básico e Executivo: consolidação dos projetos Funcional, Básico e Executivo em março de 2013.
Licenças:
  • Protocolo Pedido DUP: protocolado em março de 2013.
  • Publicação DUP: publicado no dia 08 de junho de 2013 (é condição para protocolar o pedido de LP – Licença Prévia).
Licenciamento ambiental:
  • Protocolo Licença Prévia: protocolado o RAP na Cetesb em 25 de fevereiro de 2013.
  • Emissão Licença Prévia: emitida em 16/08/2013
  • Emissão Licença de Instalação: 27/12/2013
  • Licença de Operação: julho de 2014.
Obras concluídas 5,7km de viário e 2 estações de embarque em Nova Odessa.
Cronograma da obras:
  • Início das obras: 06 de janeiro de 2014
  • Previsão de conclusão de obras:
Janeiro 2015
  • Nova Odessa – uma Estação de Transferência (Nova Odessa), 3 estações de embarque (de seis previstas), ciclovia e reforma do Terminal Rodoviário. Sta. Barbara D’Oeste – Terminal Rodoviário
Abril de 2015
  • Duas estações de Transferência (Amizade e São Paulo) e sete estações de embarque nos municípios de Americana e Sta. Barbara. Viário com 7,9km de faixa exclusiva entre Americana e Sta. Barbara. Compactação de rede aérea da CPFL
Setembro 2015
  • 10,7 km, sendo 5,4 km em Americana e 5,3 km em Sta Bárbara. Além do novo Terminal de Americana e pontos de parada no município
Trecho Campinas - Sumaré
Características 4,7 km de extensão e uma demanda diária prevista de 60 mil passageiros
Investimento R$ 94,3 milhões (A ser equacionado orçamentária e financeiramente)
Obras previstas
  • Extensão da Av. Olívio Franceschini - Hortolândia
  • Estação de Transferência Km 110 da Rod. Anhanguera - Sumaré
  • Parada III da Av. Lix da Cunha – Campinas
  • Terminal Metropolitano Rosolém – Hortolândia
  • Estação Transferência Peron – Hortolândia
Projetos:
  • Projetos Funcional, Básico e Executivo: edital publicado em 29 de dezembro de 2012.
  • Habilitação e homologação: em 02 de julho de 2013.
  • Assinatura do contrato: julho 2013 (escolhida a empresa ENCIBRA-SISTRAN conforme comunicado publicado em 25/07 no DOE)
  • Início da elaboração dos projetos: julho 2013
  • Conclusão dos projetos: abril 2014
Licenciamento ambiental Licença de Instalação e Operação em vigência.
Cronograma:
  • Publicação de Edital de Preço: 10 de agosto de 2012
  • Publicação da habilitação e homologação das empresas classificadas para participar do edital de licitação de obras em 29/06/2013 (encerrada).
  • Publicação do edital obras: 22 de maio de 2014
  • Sessão pública: previsão para o dia 25 de junho de 2014
  • Assinatura do contrato e emissão da Ordem de Inicio (OI) da obra em novembro de 2014 com prazo de 16 meses para execução.
  • Status: serviços preliminares de terraplenagem em execução na estação de Transferência dos Pinheiros, em Hortolândia Conclusão da obra: previsão para o 1º semestre de 2016.
Obras complementares II (variante Sumaré-Hortolândia)
Características com 5,5 km de extensão, contribuirá para redistribuir 60% da demanda de veículos do eixo da Via Anhanguera, aliviando o tráfego na região; revitalização da Av. Rebouças, incluindo nova iluminação e implantação de ciclovia
Obras previstas Ligação das avenidas Rebouças e Olívio Franceschini; sete pontes; viaduto estaiado sobre a linha férrea e o Ribeirão Quilombo
  • Status: Execução de obras depende da aprovação do projeto pelo CONDEPHAAT, que indeferiu dois estudos elaborados pela EMTU/SP com aval da Prefeitura de Sumaré.
Gráfico
Corredorno.jpg


Características Inaugurado em 1988, liga o bairro de São Mateus, no extremo leste da capital paulista, ao Jabaquara, na zona sul, atravessando quatro municípios do ABCD (Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo e Diadema).
Extensão total 45 km.
Cronologia A extensão Diadema – São Paulo (Morumbi/Berrini) foi entregue em julho de 2010 como parte do Corredor ABD. O Corredor também permitirá integração com a Linha 5-Lilás, do Metrô, na futura estação Brooklin-Campo Belo, e para isso conta com cinco Estações de Transferência que farão no futuro, integração com linhas do Metrô e CPTM.
Concessão As 13 linhas do sistema são operadas pela Concessionária Metra, desde 1997, resultado da primeira concessão do país no setor de transporte público. As atribuições do Estado voltaram-se diretamente para o gerenciamento do sistema, enquanto que a operação, a manutenção e a conservação da infraestrutura e do sistema viário ficaram a cargo da iniciativa privada pelo período de 20 anos.
Cartão BOM no corredor ABD Desde o dia 02 de janeiro de 2012, a Concessionária Metra aceita o cartão BOM.
O trecho Diadema – São Paulo (Morumbi-Berrini) Conta com 12 km de faixas de ônibus exclusivas
Terminais O Corredor Metropolitano ABD possui nove terminais metropolitanos, gerenciados pela EMTU:
  • São Mateus
  • São Bernardo do Campo
  • Santo André (Leste e Oeste)
  • Piraporinha
  • Diadema
  • Sônia Maria
  • Ferrazópolis
  • Jabaquara
Gráfico
Abd.jpg
Investimentos realizados Os investimentos do governo do Estado em melhorias somam cerca de R$ 90 milhões. São eles: a substituição da atual bilhetagem eletrônica – SBE (bilhetes Edmonson) - por outro sistema que possibilite a implantação do Bilhete do Ônibus Metropolitano (BOM), visando implementação da integração do Corredor ABD com os demais ônibus metropolitanos, municipais, Metrô e CPTM; reforma e adequação da acessibilidade dos terminais (Jabaquara, São Bernardo e Sonia Maria já foram reformados); a eletrificação dos 11 km que restavam entre Jabaquara e Piraporinha em Diadema foi completada; a repotencializacão de 23 km com a substituição das estações retificadoras foi contratada; e melhorias a serem iniciadas como a substituição do fio trolley e a construção e operação da CCE - Central de Controle de Energia.
Eletrificação As obras de eletrificação do trecho de 11 km entre os terminais Piraporinha e Jabaquara do Corredor ABD começaram em 2009 e foram entregues em junho de 2011. O Governo do Estado investiu R$ 22 milhões nesta obra. A frota de trólebus nesse novo trecho está sendo incluída gradualmente pela Concessionária Metra que também é responsável hoje pela manutenção da rede aérea de alimentação para a operação dos trólebus.
Frota operacional A frota operacional do Corredor ABD é de cerca 267 ônibus, sendo 85 veículos elétricos. São transportados no corredor cerca de sete milhões de usuários por mês. Da frota total 62% apresentam itens de acessibilidade como piso baixo, área reservada para cadeirantes e pessoas com cão guia.
Inclusão de ônibus novos e seminovos desde o início da gestão Desde 2011, já foram incluídos 104 ônibus no corredor, sendo 89 novos e 15 usados.
Investimento na renovação da frota: o investimento na renovação da frota do Corredor Metropolitano ABD foi de R$ 62 milhões. A Concessionária Metra transporta em torno de 5,5 milhões de passageiros por mês e os novos veículos transportam mais de 50% desses usuários.
20 novos trólebus entregues Com a entrega das obras de eletrificação (abril 2012) do trecho de 11 km que liga Piraporinha, em Diadema, a Jabaquara, em São Paulo, a Concessionária Metra incluiu 20 trólebus zero quilômetro e mais 30 ônibus superarticulados para substituir o veículos mais antigos que estavam em circulação. Todos os veículos novos estão em operação desde de julho de 2013.
Novos Trólebus de 18 metros Os novos trólebus de 18 metros de comprimento substituíram os de 12 metros, propiciando mais oferta de lugares. São veículos de última geração que contam com modernas inovações tecnológicas como motor e inversor refrigerados a água, que deixa o sistema de tração muito mais leve e compacto. A vedação mais resistente utilizada no motor permite que o veículo passe por trechos de enchente e o sistema autônomo de baterias viabiliza a operação sem o ônibus elétrico estar conectado à rede aérea, portanto com menor possibilidade de interrupção da operação por falta de energia, por exemplo.
Superarticulados de 23 metros Os superarticulados de 23 metros substituíram os ônibus 18 metros. São veículos de última geração e tecnologia de ponta, com piso Low-entry (piso baixo), ar condicionado, motor Euro 5 que emite menos poluentes que os convencionais e suspensão pneumática. Possuem com ar condicionado e são silenciosos, além de contar com tomadas internas de uso do passageiro para carregamento de celulares, notebooks, etc.
Extensão Diadema - São Paulo (Morumbi) Para a operação de trólebus no trecho de 12 km da Extensão Diadema, o projeto executivo de eletrificação do trecho está pronto, mas não foi colocado em prática porque a Prefeitura de São Paulo não queria interferência na rede aérea daquela região. Optou-se então por uma outra tecnologia em que essa interferência não exista.
Reposicionamento do Corredor em Diadema Encontra-se em elaboração, pela empresa contratada, o Estudo Funcional Preliminar, elaboração dos Projetos Básicos e Executivos, Licenciamento Ambiental e Decreto de Utilidade Pública (DUP) para o reposicionamento do Trecho de 1km do Corredor Metropolitano ABD, na Avenida Fábio Eduardo Ramos Esquivel, na região central do município de Diadema – SP. O objetivo do empreendimento, com investimento previsto de R$ 1 milhão, é melhorar a fluidez do tráfego e proporcionar mais segurança a usuários e pedestres que circulam diariamente na região. A previsão de conclusão dos projetos é dezembro de 2014. As obras estão previstas para começar no primeiro trimestre de 2015.
Testes com os ônibus elétrico Desde dezembro de 2013, a EMTU realiza testes com um ônibus elétrico movido a bateria (E Bus) no trecho Diadema – Brooklin do Corredor Metropolitano ABD , projeto realizado em conjunto com a Mitsubishi Heavy Industries (MHI), concessionária Metra e Eletra. Em fevereiro de 2014, o veículo começou a operar com passageiros e até o momento o desempenho dessa nova tecnologia tem apresentado resultados positivos, principalmente porque alcança os mesmo índices de um ônibus a diesel, com a vantagem maior de ser totalmente limpo. O veículo continuará em demonstração operacional até o 1º trimestre de 2015. Após essa data será definida a nova etapa do projeto.
  • Mitsubishi Heavy Industries - MHI: a Mitsubishi Heavy Industries - MHI, do Japão, desenvolveu o sistema de baterias de tração que foi integrado a um veículo de propriedade da concessionária Metra (articulado, com 18 metros de comprimento e capacidade de carregamento de 124 passageiros). As baterias são compostas por íons de lítio recarregáveis, do tipo das utilizadas em equipamentos eletrônicos portáteis, capazes de armazenar muito mais energia do que as baterias de tração mais comumente utilizadas.
Ônibus a Hidrogênio Até janeiro de 2015 mais três novos ônibus movidos e hidrogênio vão iniciar testes no Corredor ABD. O contrato foi firmado pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) e o Consórcio que, desde 2010, desenvolve o Projeto Ônibus a Hidrogênio, coordenado pela EMTU/SP. Os ônibus a hidrogênio emitem índice zero de poluição, liberando no meio ambiente apenas vapor de água.
Repotencialização 100% dos trabalhos de repotencialização que envolvem obras civis e instalação de equipamentos estão concluídos. Até fevereiro de 2014 os equipamentos passarão por testes operacionais. Final dos ajustes previsto para março 2014. As obras de repotencialização da rede aérea existente no trecho de 22 km, entre Piraporinha e São Mateus, em São Paulo, aliadas à eletrificação do trecho de 11 km entre Piraporinha e Jabaquara, concluída em junho de 2011, permitirão que o corredor seja totalmente operado com veículos elétricos, com emissão zero de poluentes. Trata-se de um investimento total de R$ 51 milhões (eletrificação + repotencialização).
Acessibilidade nos terminais Obras concluídas: Jabaquara, Diadema, Piraporinha, São Bernardo do Campo, Santo André Leste e Oeste, Sonia Maria, Ferrazópolis e São Mateus. Investimento: R$ 7,9 milhões
Para atender as normas de acessibilidade Aviso de licitação publicado em 03/09/2014, no Diário Oficial do Estado, prevê a contratação de empresa para a execução das obras civis complementares com a instalação de seis elevadores e duas plataformas elevatórias, para atender as normas de acessibilidade nos Terminais Metropolitanos de Ferrazópolis, Diadema, Piraporinha, Santo André Oeste e São Mateus.

A licitação fracassou em função de incorreções técnicas apuradas na documentação dos concorrentes. Novo edital será publicado em data ainda não definida.

A aquisição desses equipamentos faz parte do Programa de Acessibilidade da EMTU/SP que já promoveu a readequação e reforma dos terminais metropolitanos.


Atualizado em: 05 de dezembro de 2014
Características Com dois terminais previstos (Arujá e Ferraz de Vasconcelos), mais a adequação do Terminal Cidade Kemel, em Poá. Serão implantadas 18 estações de embarque na ligação Arujá e Itaquaquecetuba e mais oito entre Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos
Extensão 13,5 km (Arujá – Itaquaquecetuba) mais 7,4 km em Ferraz de Vasconcelos, somando 20,9 km
Integração Integração com as Linhas 12 Safira e 11 Coral da CPTM no futuro Terminal Ferraz de Vasconcelos.
Investimento total previsto R$ 336,8 milhões, sendo R$ 244,4 milhões para obras e R$ 92,4 milhões em desapropriações
Demanda diária prevista 47 mil passageiros
Benefícios O tempo médio de viagem atualmente é de cerca de 70 minutos. Com o corredor, o percurso será feito em 50 minutos - economia média de 30% no tempo de viagem -, melhorando a qualidade de vida dos usuários, que terão mais tempo para lazer ou descanso. A redução da quilometragem será de dois milhões km/ano, com ganhos ambientais da ordem de 2,6 milhões de toneladas/ano de CO2.
Frota Previsão de uma frota de 67 veículos, sendo 55 articulados e 12 padron.
Status O projeto funcional foi revisado e estão em elaboração os projetos Básico, Executivo e de Licenciamento Ambiental. A publicação do edital de obras está prevista para o primeiro semestre de 2015.
Trechos do projeto
O Trecho 1 - ligará o futuro Terminal Metropolitano Arujá, no início da Av. Renova dos Santos, ao início do binário da SP-056 a ser implantado às margens do Córrego Caputera no prolongamento da Av. Angelo Anunciato Neto, em Arujá. Terá 1,8 km e duas estações de embarque.
O Trecho 2 - ligará Arujá, da Avenida Renova dos Santos/Avenida Benedito Manuel dos Santos, no início do binário, à futura Estação de Transferência Monte Belo, em Itaquaquecetuba. Contará com um viaduto, um novo viário de 0,8 km às margens do Córrego Caputera. O trecho do BRT inclui ainda a duplicação de 10 km da Rodovia SP-056, cujo projeto está em finalização pelo DER, além de 14 estações de embarque e duas Estações de Transferência: Estrada do Corredor e Monte Belo.
O Trecho 3 - ligará Itaquaquecetuba, Poá e Ferraz de Vasconcelos ao longo de 7,4 km, da Estação de Transferência Monte Belo ao futuro Terminal Metropolitano de Integração Ferraz de Vasconcelos, junto à estação da CPTM, e contará com sete estações de embarque e dois terminais metropolitanos: o Ferraz de Vasconcelos e o Terminal Cidade Kemel, que será reformado para atender ao BRT. Também será construído um viaduto de transposição da via férrea para possibilitar o acesso dos ônibus municipais e intermunicipais ao novo Terminal Metropolitano.
Cronograma
  • Projetos funcional (trecho 3) básico e executivo contratados em fevereiro de 2014 - Consórcio Projeto BRT Arujá (empresas VETEC e Walm) com conclusão prevista para dezembro de 2014
  • Edital de pré-qualificação obras: previsão de publicação junho de 2014
  • Publicação do edital de preço (obras): segundo semestre de 2014
  • Previsão de conclusão das obras: 2015
Gráfico
Itaquace.jpg


Atualizado em: 10 de dezembro de 2014
Características Terá 26,7 km de extensão e contará com faixas exclusivas para ônibus com ultrapassagem nas 17 estações de embarque e desembarque, oito passarelas e integração com a CPTM na futura a Estação de Transferência Dom Bosco.O projeto foi dividido em três trechos:
Trecho 2 (Prioritário)
Características Dois terminais, sendo o CECAP, em Guarulhos e o intermodal São Mateus, 13 estações de embarque e desembarque, nove passarelas e Estação de Transferência Dom Bosco que permitirá integração com os trens da CPTM.
Extensão terá 14,4 km de extensão ao longo da Av. Jacu-Pêssego
Conexão Interligando os Corredores Metropolitanos Guarulhos – São Paulo (em construção) e o ABD (São Mateus - Jabaquara). O trecho está compreendido entre o limite do município de Guarulhos e São Paulo até a nascente do Aricanduva. Contará com faixas exclusivas para ônibus com ultrapassagem nas estações.
Demanda estimada 175 mil passageiros/dia
Investimento previsto R$ 280 milhões.
Projeto apresentado em Brasília O governador Geraldo Alckmin se reuniu no dia 8 de julho de 2013, com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília, para mostrar o projeto de mobilidade urbana. O projeto contempla o Corredor Perimetral Leste - Jacu Pêssego. Porém, no dia 31 de julho de 2013, a presidente Dilma em São Paulo, não liberou o repasse para a obra.
Status O contrato do projeto básico foi assinado em 23 de outubro de 2013, com o CONSÓRCIO PROJETO BRT LESTE, formado pelas empresas Vetec Engenharia Ltda. e Setepla Tecnometal Engenharia S.A. O projeto básico foi concluído no início de novembro de 2014. Em 30/07/2014 a CETESB emitiu a LP n°2.358, porém, a publicação do edital de Obras aguarda o provisionamento de verba para o empreendimento.
Audiência pública Foi realizada em 11 de junho de 2012.
Edital de pré-qualificação Edital de pré-qualificação: o edital das empresas interessadas em participar da licitação de obras foi publicado em 10/08/2012, mas a licitação ficou suspensa de dezembro de 2012 a fevereiro de 2013 por decisão judicial. A entrega das propostas foi realizada em março de 2013 e a classificação das empresas foi publicada no DOE em maio/2013. A homologação das empresas classificadas foi publicada no DOE em 29/06/2013.
Cronograma dos Projetos:
  • Projeto funcional: foi concluído no final de maio de 2012.
  • Audiência pública do empreendimento: foi realizada em 11 de junho de 2012.
  • Edital de Pré-Qualificação: publicado no dia 10 de agosto de 2012.
  • Edital para contratação de Projeto Básico: publicado em 15 de março de 2013.
  • Sessão pública de abertura de propostas: realizada no dia 13 de maio de 2013.
  • Publicação da habilitação e homologação: 24 de setembro de 2013.
  • Início do Projeto Básico: novembro de 2013.
  • Conclusão Projeto Básico: novembro de 2014.
Cronograma das Obras
  • Habilitação das empresas pré-qualificadas: 23 de março de 2013.
  • Publicada a Homologação das empresas pré-qualificadas: 29 de junho de 2013.
  • Previsão de publicação do edital de obra: Em 30/07/2014 a CETESB emitiu a LP n°2.358, porém, a publicação do edital de Obras aguarda o provisionamento de verba para o empreendimento.
Gráfico
Corredorp2014j.jpg
Trecho 1
Características Do Terminal Metropolitano CECAP, no limite do município de Guarulhos/São Paulo, com 7,7 km de extensão. A responsabilidade pelo trecho será da prefeitura de Guarulhos, junto ao PAC
Trecho 3
Características A construção dos 4,6 km de viário ao longo da Avenida Ragueb Chohfi, em São Paulo, será executada pela SPTrans.
Projeto Funcional do Terminal São Mateus A EMTU/SP contratou o projeto funcional de remodelação do Terminal Metropolitano São Mateus, que inclui a construção de um Complexo Intermodal e estudo de micro simulação da circulação e a requalificação urbana na região. Os estudos devem ficar prontos no 1º trimestre de 2015.

Fonte: Assessoria de Imprensa da EMTU, Adriana Vilaça



Atualizado em: 26 de novembro de 2014
Projeto Ligará os municípios de Carapicuíba, Barueri, Santana de Parnaíba e Cajamar (bairro de Polvilho), servindo a áreas de perfil industrial – como o setor industrial de Alphaville – e áreas residenciais nos municípios de Santana de Parnaíba, Barueri e Cajamar. O Corredor terá integração física no Terminal Carapicuíba da CPTM (Linha 8), recém reformado e modernizado, e dois terminais previstos.
Extensão 28,9 Km
Terminais Carapicuíba, Polvilho e Estação de Transferência Santana de Parnaíba.
Estações de Embarque 33.
Investimento previsto R$ 433,2 milhões.
Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada (MIP) As empresas Promon Engenharia Ltda., Ballard Power Systems, Linde Gases Ltda. e CAIO Induscar Indústria e Comércio, entregaram, em 09 de novembro de 2012, ao Conselho Gestor da PPP, uma Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada (MIP) para Estudos para Implantação de Corredor de Ônibus a Hidrogênio no Trecho Antônio João – Alphaville – Santana do Parnaíba. O trecho faz parte do futuro Corredor Alphaville - Cajamar.

No documento protocolado, estas empresas manifestam interesse em promover estudos de viabilidade técnica, econômico-financeira e jurídica, bem como o desenvolvimento de modelos de concessão (Parceria Público Privada, administrativa, patrocinada ou comum) visando à construção, operação e realização de investimentos necessários para implementação de Corredor de Ônibus no eixo Antônio João – Alphaville - Santana de Parnaíba. O Conselho Gestor das PPPs e a Secretaria dos Transportes Metropolitanos estão analisando as informações e a modelagem proposta.

Status o projeto funcional está concluído e os projetos básico e executivo do primeiro trecho que liga Cajamar a Santana de Parnaíba, de cerca de 12 km de extensão, começaram a ser elaborados em junho de 2014. As conversações para o segundo trecho Santana de Paranaíba até Barueri para consolidação do projeto funcional continuam com a Prefeitura de Santana do Parnaíba e Barueri.
  • Início elaboração dos projetos: fevereiro 2014
  • Previsão conclusão dos projetos: 2º semestre 2014
  • Publicação Pré-qualificação de obras: junho 2014
  • Previsão início obras: 1º semestre 2015
  • Conclusão obras: previsão 2º semestre 2015
Gráfico
Cajamar.jpg


Corredor Metropolitano Itapevi – Cotia - Em Projeto

Atualizado em: 07 de novembro de 2014
Projeto Extensão de 9,4 km. Fará ligação perimetral entre os dois municípios, conectando o eixo operacional da Rodovia Raposo Tavares com o futuro Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo/Butantã, com integração física à Linha 8 - Diamante da CPTM. Demanda diária (previsão): 68 mil passageiros. Ciclovia: 9,14 km de extensão entre Cotia e Itapevi.
Investimento previsto R$ 160 milhões
Terminais Terminal Engenheiro Cardoso e adaptação do Terminal Cotia.
Estações de embarque 17.
Estação de Transferência 1 em Itapevi (integração física com a CPTM)
Status A classificação de propostas técnicas dos projetos Básico, Executivo, Ambiental e de Desapropriação publicada no DOE em 18/12/2013. A empresa contratada foi o CONSÓRCIO BRT OESTE (empresas Encibra S.A. Estudos e Projetos de Engenharia e Sistran Engenharia Ltda.)
Cronologia
  • Início elaboração dos projetos: abril 2014
  • Previsão conclusão dos projetos: março de 2015
  • Previsão início obras: junho de 2015
  • Conclusão obras: previsão dezembro de 2015
Gráfico
Cotia.jpg


Veículo Leve sobre Trilhos - VLT

Atualizado em: 18 de dezembro de 2014
Características do Trecho Prioritário Ligação entre São Vicente (Terminal Barreiros) e Santos (Terminal Porto), operada com a tecnologia VLT (Veículo Leve sobre Trilhos - Metrô Leve). Com a expectativa de atender cerca 70 mil passageiros/dia útil, será integrado às linhas de ônibus metropolitanos e municipais. Contará com obras de infraestrutura como terminais, estações de transferência, pontos de parada, dispositivos de acessibilidade, intervenções no viário e construção de ciclovias.
Gráfico Vlt.jpg
Investimento Total previsto R$ 1,29 bilhão, incluindo obras civis + rede aérea, sistemas de sinalização/comunicação, material rodante, projetos e desapropriações. Foi aprovado na 1ª quinzena de dezembro 2013 um aditamento de R$ 69 milhões - R$ 43 milhões referem-se à implantação do trecho de 1,5 km da Av. Conselheiro Nébias ao Pátio do Porto, a fim de assegurar local adequado para recebimento e testes dos primeiros veículos.
Financiamentos: O governador Geraldo Alckmin garantiu, no dia 06 de março de 2013, em Brasília, financiamento de R$ 3 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2). Para o VLT e o Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo/Butantã no trecho Jandira-Vila Iara. O recurso de financiamento é de cerca de R$ 600 milhões.
  • No dia 12 de setembro de 2013, o governador garantiu investimento de R$ 181,7 milhões do Banco do Brasil para o VLT. o encontro aconteceu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, na sede da Presidência da República, em São Paulo.
Extensão 19 km.
Benefícios no trecho São Vicente (Barreiros) / Santos (Porto)
  • Redução de 23% na frota de ônibus.
  • Redução do número de linhas de 52 para 32.
  • Redução de tempo gasto com transporte e integração tarifária.
  • Com menos ônibus circulando, a expectativa é de uma economia de aproximadamente R$ 21 milhões/ano em gastos como acidentes e manutenção.
  • Redução da emissão de poluentes na atmosfera.
trens Características dos veículos: 2,65m de largura por 44m de comprimento; capacidade para 400 usuários; velocidade média de 25km/h (a máxima é de 80km/h); ar condicionado e piso 100% baixo, facilitando a movimentação de usuários com dificuldade de locomoção. Investimento: R$ 209 milhões ( 9,5 milhões por veículo).

Anuncio da compra: em 21 de dezembro de 2012, o governador Geraldo Alckmin autorizou, em Santos, a compra de 22 Veículos Leves Sobre Trilhos (VLT) para a Baixada Santista. À ocasião, o governador destacou que 100% dos investimentos são bancados pelo Governo do Estado.

Edital: o edital para a compra dos trens (VLTs) é uma concorrência internacional, publicada em31 de maio de 2012. Duas empresas e dois Consórcios entregaram as propostas, em 27 de julho de 2012. O nome do vencedor foi publicado no DOE de 23 de novembro de 2012 (Consórcio TREMVIA SANTOS, formado pelas empresas TRANS SISTEMAS DE TRANSPORTES S.A. e VOSSLOH ESPANÃ S.A. No valor de R$ 251.887.649,31, cerca de R$ 33 milhões a menos do que o valor previsto no edital). A empresa CAF entrou com mandado de segurança para que seja declarada vencedora. Juiz concedeu decisão favorável à EMTU em 03 de dezembro de 2012 e o processo foi retomado, com o agendamento da data para assinatura do contrato.

  • Status: O 1º VLT desembarcou no porto de Santos em 22/05/14 e foi transportado para a Estação Nossa Senhora das Graças, em São Vicente, onde está passando por testes dinâmicos e de integração de sistemas no trecho entre as Estações Nossa Senhora das Graças e José Monteiro, em São Vicente, desde 30/08. Todos os trens serão entregues até agosto de 2015.

Fabricação: os três primeiros serão fabricados na Espanha e os demais serão montados na fábrica do Consórcio TremVia em Três Rios (RJ), com componentes fabricados na Europa. Até março de 2015, será iniciada a operação comercial entre Barreiros e Porto, com uma frota de 10 VLTs.

Sistemas de Comunicação Sinalização
  • Publicação do edital: o edital foi publicado no dia 22 agosto de 2012. A sessão pública para a entrega das propostas ocorreu no dia 22 de outubro de 2012 e o contrato com o vencedor foi assinado em janeiro de 2013.

O contrato com o ganhador da licitação de fornecimento dos sistemas de energia, sinalização, telecomunicações, controle de arrecadação e de passageiros foi assinado em janeiro de 2013.

  • Vencedor: CONSÓRCIO VLT RMBS, formado pelas empresas: Construtora Ferreira Guedes S.A., Trans Sistemas de Transportes S.A., Adtranz Engenharia e Sistemas Ltda. e Brascontrol Indústria e Comércio Ltda.
  • Projeto: O projeto executivo foi finalizado e equipamentos estão sendo instalados nas estações concluídas ao longo do primeiro trecho do VLT.
  • Status: Contratação de empresa para o fornecimento e instalação de Sistema de Portas nas Plataformas (PSD) para as estações do trecho entre a estação Barreiros, em São Vicente e a Estação Porto, em Santos: em sessão pública realizada em 24/11/14, foram recebidas quatro propostas de preço, que estão em análise pela Comissão da EMTU/SP.
  • Investimento: R$ 123 milhões ( para os dois trechos)

Operação do Sistema Integrado Metropolitano (VLT + Reestruturação do Sistema de Ônibus Intermunicipal) por meio de PPP

A operação do sistema integrado metropolitano (VLT + reestruturação do sistema de ônibus intermunicipal) será por meio de Parceria Público Privada (PPP) voltada à prestação de serviços de transporte intermunicipal, incluindo ônibus, Veículo Leve Sobre Trilhos, além do fornecimento de sistemas e de veículos (ônibus e VLTs), operação e manutenção nos nove municípios da Baixada Santista.

O prazo de vigência da concessão é de 20 anos. O investimento privado previsto é de R$ 666 milhões e inclui implantação de equipamentos e sistemas, bilhetagem eletrônica, aquisição de frota de ônibus e material rodante adicional para operar no trecho Barreiros – Samaritá do VLT, em São Vicente.

O edital da PPP do SIM foi publicado em 03/10/2014 e a sessão pública foi realizada em 25/11/2014 na sede da EMTU/SP em São Bernardo do Campo, o Consórcio BR Mobilidade Baixada Santista, formado pelas empresas Comporte Participações S.A. e Viação Piracicabana Ltda, apresentou proposta e foi homologada no dia 17/12/2014. A previsão de assinatura do contrato está previsto para fevereiro de 2015.

Gráfico
Bsv.jpg
Trecho Barreiros – Porto (Lote 1)
Características
  • Extensão: 9,5km.
  • Estimativa passageiros/dia: 45 mil.
  • Infraestrutura: duas estações de transferência (Barreiros e Conselheiro Nébias) e 14 estações de embarque/desembarque.
  • Investimento: R$ 383,2 milhões, considerando a inclusão do trecho de 1,5 km entre a Estação Conselheiro Nébias ao Terminal Porto, anteriormente previsto no Lote 2 de obras. A transferência foi necessária para garantir os testes operacionais e área adequada para o recebimento dos primeiros veículos.
Projetos
  • Projeto Básico concluído
  • Projeto executivo concluído
Licenciamento ambiental
Edital de Pré-qualificação Em abril de 2012, foi retomado o processo de licitação (o certame havia sido suspenso pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) para a entrega da documentação técnica e de habilitação para a pré-qualificação das empresas interessadas em participar da licitação pública para a execução das obras do trecho prioritário São Vicente (Barreiros) – Santos (Porto) e a extensão Conselheiro Nébias a Valongo, em Santos.
Sessão pública de abertura das propostas A sessão pública de abertura das propostas de preço foi realizada em 12 de abril de 2013, com participação de cinco consórcios. A menor proposta foi do Consórcio Expresso VLT Baixada Santista, formado pelas empresas: Construtora Queiroz Galvão S.A. e Trail Infraestrutura Ltda. Valor: R$ 313.505.850,90.
Obras concluídas
  • Estação Mascarenhas de Moraes - São Vicente
  • Estação São Vicente – São Vicente
  • Estação Emmerich – São Vicente
  • Estação Nossa Senhora das Graças - São Vicente
  • Estação Jose Monteiro - São Vicente
  • Estação Itararé, em São Vicente
  • Estação João Ribeiro, em São Vicente
  • Estação Nossa Senhora de Lourdes, Santos
  • Estação Pinheiro Machado, Santos
  • Estação Porto, Santos
  • Viaduto Emmerich com viário inferior completo, em São Vicente
  • Ponte 1, em São Vicente
  • Pontes 2 e 3 no Canal 1, em Santos
  • Trecho de via permanente com rede aérea entre as estações Mascarenhas de Moraes, em São Vicente, e Bernardino de Campos, em Santos (6,5km), exceto Túnel José Menino.
  • Ciclovia 3,5 km entre Estações Mascarenhas de Moraes e José Monteiro
cronograma das obras
  • Assinatura do contrato: abril de 2013.
  • Início das obras: Lote 1 - 29 de maio de 2013.
  • Previsão de conclusão: março de 2015.
Status O VLT começou a Operação Visita Controlada em 18 de novembro de 2014. No dia 1º de dezembro o programa foi ampliado com viagens entre as estações Mascarenhas de Moraes a José Monteiro, num percurso médio de 17 minutos (ida e volta). A Operação Visita Controlada será concluída em 20 de dezembro de 2014.
Obras em andamento Previsão para o dia 30 de Dezembro
  • Chegada prevista do segundo VLT

Janeiro 2015

  • Entrega do Túnel José Menino (Santos)
  • Entrega das pontes 4, 5 e 6, no Canal 2
  • Estação Bernardino de Campos, em Santos

Fevereiro 2015

  • Assinatura do contrato de Concessão PPP
  • Chegada do terceiro VLT

Março 2015

  • Início da operação precursora entre as estações Mascarenhas de Moraes, em São Vicente, e Bernardino de Campos, em Santos
  • Chegada do quarto VLT
  • Estação Conselheiro Nébias, em Santos
  • Pátio do VLT
  • Edifício administrativo (Pátio Porto)
  • Edifício da subestação de alimentação elétrica (Pátio Porto)
  • Estacionamentos (Pátio Porto)
  • Guaritas (Pátio Porto)
Trecho Conselheiro Nébias - Valongo(Lote 2)
Características
  • Extensão: 8km (Conselheiro Nébias – Valongo)
  • Infraestrutura: um terminal (Valongo), uma Estação de Transferência (Conselheiro Nébias) e 14 estações de embarque/desembarque.
  • Estimativa passageiros/dia útil: 40 mil (trechos Barreiros-Conselheiro Nébias e Conselheiro Nébias - Valongo)
Estimativa passageiros/dia útil 40 mil (trechos Barreiros-Conselheiro Nébias e Conselheiro Nébias- Porto - Valongo)
Investimento R$ 215 milhões
Projetos: O Consórcio Projetos SIM RMBS, contratado pela EMTU/SP, tem no seu escopo elaboração dos Projetos Básico e Executivo do Trecho Conselheiro Nébias – Valongo, com cerca de 8km, Projeto Básico do Trecho Barreiros – Samaritá, cerca de 7,4km e Projetos Funcionais do Trecho Conselheiro Nébias – Ponta da Praia, com cerca de 4,4 km e do BRT Litoral Sul, com cerca de 18km, na ligação de São Vicente (futura estação São Vicente- área insular) até Praia Grande (Vilas Caiçara e Samambaia
Licenciamento ambiental
  • Consulta prévia protocolada na CETESB em 16 de setembro de 2011 - Parecer protocolado naEMTU em 24 de outubro de 2011.
  • Conclusão Elaboração RAP Nébias-Valongo: protocolado na CETESB em 20 de março de 2013.
  • Obtenção LP Nébias - Valongo: abril de 2013.
  • Obtenção LI Nébias - Valongo: junho de 2013.
  • EIA-RIMA: A Cetesb exigiu para o trecho Cons. Nebias/Valongo um EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental) ao invés de um Relatório Ambiental Preliminar (RAP). Em janeiro de 2014 foi publicado no DOE aviso de contratação de empresa especializada para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental – EIA e respectivo Relatório de Impacto Ambiental – RIMA do Projeto de Implantação do Sistema Integrado Metropolitano – SIM e do Veículo Leve sobre Trilhos – VLT. Sessão Pública: 07/03/2014.
  • Audiência Pública: em 31/10/2014 foi realizada audiência pública em Santos para apresentação do trecho.
  • Empresa Contratada: Em junho de 2014 foi publicada no DOE a homologação da empresa WALM ENGENHARIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL LTDA como ganhadora da licitação. O contrato foi assinado em julho de 2014.
  • Previsão de conclusão da EIA-RIMA: 1º trimestre 2015
Cronograma das obras Somente depois da conclusão da RIMA é possível definir o cronograma das obras
Trecho Complementar Conselheiro Nébias - Porto)
Características Trecho de 1,5km entre a Estação de Transferência Conselheiro Nébias e o Terminal Porto, incluindo o Pátio. A publicação será possível porque já há uma LP emitida para o trecho Barreiros até o Porto.
Valor previsto da obra R$ 118,7 milhões
Obras previstas Edificações, complementação do Pátio de estacionamento e manobras do VLT, oficinas e equipamentos de manutenção, via permanente para estacionamento dos VLTs.
Cronograma
  • Abertura de envelopes: 07/05/2014
  • Habilitação: maio 2014.
  • Assinatura de contrato de obras trecho Conselheiro Nébias - Porto: julho 2014.
  • Início de obras: agosto 2014
  • Conclusão de obras: março 2015
Observação A operação dos primeiros veículos, da avenida Conselheiro Nébias até a Estação Porto, será viabilizada em via única até que seja concluído o trecho complementar Conselheiro Nébias – Terminal Porto (março 2015), quando terá início a operação comercial do VLT. As obras dessa via única já estão em execução pelo Consórcio Expresso VLT Baixada Santista, responsável também pelo trecho Barreiros- Conselheiro Nébias.
Trecho Barreiros - Samaritá
Características Extensão: 7,5km. 4 estações projetadas. Custo estimado do empreendimento: R$ 320 milhões
Status O projeto básico desse trecho está em elaboração. Em agosto de 2014 foi assinado o contrato com a empresa WALM ENGENHARIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL LTDA responsável pela elaboração do Estudo de Impacto Ambiental – EIA e respectivo Relatório de Impacto Ambiental – RIMA do trecho. Previsão de conclusão do licenciamento ambiental: 1º semestre de 2015 Em 29/10/2014 foi realizada audiência pública em São Vicente para apresentação do trecho.
Gráficos
Bsvmaio.jpg
Bsv2012.jpg

Fonte: AI EMTU


Ver também

Links externos