Discurso - 3º Fórum Regional de Barueri - 20120112

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - 3º Fórum Regional de Barueri

Local: Barueri - Data: 01/12/2012

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Cumprimentar o João Dória Junior presidente do LIDE, um homem inteligentíssimo torcedor do Santos Futebol Clube, e o João tem toda ao razão nessa questão de evitar nominatas, Estados Unidos é o [ininteligível], não há citações; mas contam que o Ronaldo Cunha Lima, governador da Paraíba indo ao interior o prefeito era muito longo nas situa citações: senhor governador, deputado federal, estadual, prefeito, vereador, presidente, diretor, aquilo eram cinquenta citações. O governador o chamou falou: prefeito, economia processual ganhar tempo, o senhor só faça duas citações. Vai numa escola, professores e alunos, vai num hospital: profissionais de saúde e pacientes, vai num local com muita gente, senhoras e senhores, olha, nunca passa de duas. Aí, passado uns meses solenidade no cemitério municipal, a secretária já veio com aquele pacote de fichas, aí ele guardou as fichas, pensou, pensou: meus conterrâneos e meus subterrâneos. [palmas] Amigas e amigos, é uma alegria voltar a Barueri. É uma alegria voltar aqui a esta capital do desenvolvimento das oportunidades, do emprego, participar aqui desse encontro importantíssimo do LIDE, estar aqui na Câmara Municipal. Eu separei aqui meia dúzia de telas aqui como colaboração para esse importante debate. A primeira mostrando um pouquinho o tamanho do Estado de São Paulo. Nós vivemos num Estado que tem tamanho de país, eu lembro que há 20 anos atrás se dizia: olha, São Paulo tem o tamanho da Argentina é o segundo país da América Sul, Brasil, São Paulo e Argentina. Hoje a Argentina tem um PIB de 447 bilhões de dólares e São Paulo 839 bilhões de dólares, quase o dobro do PIB da Argentina. Aqui nós vemos as rodovias, 44% das pistas das rodovias com mais de 4 pistas estão em São Paulo. 25% da atividade portuária de Brasil, 50% dos voos do país: carga e correio, e 51% dos voos internacionais do Brasil. Aqui uma homenagem a Barueri, esse é um ranqueamento dos municípios mais desenvolvidos do país. Então, entre os 12 primeiros, 11 são do estado de São Paulo. Só tem um, que é Lucas do Rio Verde, que é do Mato Grosso, que é mais, está entre os 12. Dos 12, 11 são do Estado de São Paulo e o primeiro do país, do Estado, é Barueri, e o primeiro do país é Barueri. Se pegar o PIB de Barueri e dividir pela população, dá 50 mil dólares de renda per capita. É impressionante, é um fenômeno. Barueri é o primeiro, Paulínia, Araraquara, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Indaiatuba, Marília, Taubaté, Itupeva, São Paulo, Santos. Então, nós temos os municípios mais desenvolvidos do país. Aqui as universidades, a USP é a melhor universidade da América Latina, está entre as 100 melhores universidades do mundo e a UNICAMP e a UNESP estão também entre as melhores universidades brasileiras. Aqui toda a área de pesquisa, desenvolvimento. Aqui a professora Laura Laganá vai falar, nós temos 210 escolas técnicas e 55 faculdades de tecnologia. Nós deveremos chegar aí, até 2014, com 223 ETECs e 66 faculdades de tecnologia. Aliás, aqui do lado tem uma belíssima ETEC, e uma belíssima FATEC, e quero aqui agradecer a ótima parceria com o prefeito Rubens Furlan. Aqui o sistema de parques tecnológicos. Eu acho que Barueri tem um site, aqui, espetacular para a gente desenvolver na região parque tecnológico. Antigamente, o que se fazia? Fazia um loteamento industrial; pegava um terreno na beira da estrada, picotava em pedaços e: “Olha, instala sua empresa aqui.” Hoje você tem o site, que você tem um núcleo de atendimento administrativo, institutos de pesquisa, laboratórios, IPT, universidades, as universidades, e as empresas. Mas, é uma logística mais sofisticada. Aqui, oportunidades de investimento. Aqui eu chamo atenção, porque nós vamos ter muitas oportunidades de investimento, R$ 50 bilhões de reais em possibilidade de PPP, de parceria público-privada na área de transporte. A primeira, que nós estamos lançando agora, é a Linha 6, o Jurandir vai falar, do Metrô, uma das maiores linhas de metrô. Nós fizemos a primeira PPP do país, em 2004, que é a Linha 4 do Metrô, a Linha Amarela, está em plena operação, é a mais moderna. Nós sempre defendemos as PPPs, desde a época do pagão pela ETEP, não é João? Aqui, sistema de saneamento, são R$ 2,7 bilhões de investimentos em PPP. Nós temos que a cada 4 anos agregar 5 metros cúbicos, Furlan, por segundo de água; cada 4 anos tem que trazer para São Paulo 5 metros cúbicos por segundo de água. Só tem Cidade do México igual São Paulo, com 21 milhões de pessoas na região metropolitana, a 700 metros de altura. Então, nós vamos buscar água lá em Minas Gerais, no Sistema Cantareira, e agora vamos buscar aqui, na região do Alto Ribeira, o novo sistema. Logística e Transporte, R$ 24 bilhões, e na área de habitação. Vai falar o Jurandir Fernandes, sobre metrô e monotrilho, e já está sendo feito o estudo funcional da ligação da Linha 8, da CPTM, até Alphaville; ele vai falar do projeto funcional que se destina, aqui à região. As reformas todas das estações. Aqui já foi praticamente modernizada, um espetáculo de estação de trem. E nós vamos reformar todas as estações da CPTM e ampliar o sistema de trens. Nós temos uma... Estamos preparando uma PPP, que é uma espécie de uma cruz, ela faz Americana até Santos e faz Sorocaba até o Vale do Paraíba, tudo trem e tudo através de PPP, trens de 160 quilômetros por hora, média de 120 quilômetros por hora. Todos os aeroportos ligados por trem. Estamos lançando esta semana agora, o edital da Linha 13, vai chegar dentro do Aeroporto de Cumbica e Guarulhos. E a outra, Linha 18, já está em obra, bem adiantada, do Aeroporto de Congonhas, monotrilho, para o Jabaquara e para o Morumbi. A Linha 8, que é a Diamante, essa linha aqui que atende a região, Linha 8, da CPTM, modernização da estação de Osasco, modernização da estação de Itapevi, a nova estação em Amador Bueno, o prolongamento da ferrovia até Amador Bueno, nós vamos ter mais 8 quilômetros depois de Itapevi. Eu sempre sou fascinado por essa história do Amador Bueno. Quem foi o Amador Bueno? Amador Bueno foi um espanhol, que no Século XVI, ainda na época do Império, D. João IV, tem um quadro bonito no Palácio Bandeirantes, um quadro enorme, majestoso, chamado “Aclamação de Amador Bueno”, Rei de São Paulo. Rei de São Paulo. Os espanhóis ricos da época, do Século XVI, aclamaram Amador Bueno Rei de São Paulo. Foi aclamado rei. E ele não aceitou, ele renunciou, ele foi leal ao rei de Portugal, D. João IV. Nós éramos para ter rei, mas ele foi leal ao Rei D. João IV em Portugal e não aceitou. Então, quando era primeiro-ministro da Espanha, o Aznar, ele veio a São Paulo e iniciou o discurso assim: “Fiquem tranquilos, paulistas, não venho em nome da Espanha requerer os direitos de Amador Bueno.” Amador Bueno era para ser rei de São Paulo. Nós vamos ter uma estação Amador Bueno, aliás, várias estações até Amador Bueno, que é depois de Itapevi. Aqui a extensão até Alphaville, está programado, 9,6 quilômetros, 11 estações, o Jurandir vai detalhar. Aqui o Ferroanel. Nós estivemos essa semana com o Jurandir, o Saulo, o Ministro Paulo, Bernardo Figueiredo, da empresa de projetos. Hoje o trem passa dentro da Luz; trem de carga, o pequenininho, tem 600 metros de cumprimento. Está aqui o nosso expert em ferrovia. E o trem comprido tem 1 quilômetro e 200 metros, João, passa tudo dentro da Estação da Luz. Não tem mais como passar. O prazo é 2015, acaba. Então, o Ferroanel Norte, a ferrovia que vem da região Oeste de São Paulo e do Brasil, por Campinas. Vai sair direto lá em Manuel Feio. Manuel Feio é São Paulo ou é Itaqua? A Estação Manuel Feio? Itaquaquecetuba. E o Ferroanel Sul, vai sair da lá de Embu Guaçu e vem para Rio Grande da Serra. Então, aqui está o Ferroanel Norte, aqui está o Ferroanel Sul. Nós vamos fazer uma economia para o governo federal de R$ 1 bilhão, porque eles iam fazer uma ferrovia, inclusive com muito problema aqui ambiental, no Ferroanel Norte, dificílimo esse traçado. Então, nós vamos fazer o trem, que já está licitado o projeto executivo, 20 minutos de trem, 25 minutos, Jundiaí ao Centro de São Paulo, um expresso, não tem parada, chega na Água Branca em 25 minutos. Do lado, nós vamos fazer a seção da área, para fazer o tramo aqui, até Perus. Então, o Ferroanel Norte vem aqui até Perus e aí ele segue do lado do Rodoanel, até Manuel Feio. E aqui, no Tramo Sul, ele sai aqui de Evangelista de Souza, Embu Guaçu, e vem até Rio Grande da Serra, do lado do Rodoanel Sul. Então, ajuda na logística, questões também ambientais. Aqui, uma boa notícia para a região. Quem sair de Barueri for pegar um avião em Cumbica, pela Marginal, quanto tempo leva? Três horas, se não quebrar. Bom, então a boa notícia: dia 27, presidente, João, agora, de dezembro, assino o contrato, dia 27. São 6 lotes, 6 consórcios trabalhando simultaneamente no Rodoanel Norte. Vão levar 25 minutos daqui dentro do Aeroporto de Cumbica. [palmas]. Porque aqui, quase tudo túnel. Quase tudo túnel. Hoje, o Rodoanel está parado na Bandeirantes, correto? Olha aqui está... Se você sair aqui de Barueri, você, aqui está a Castelo Branco, aqui é a Regis Bittencourt, Raposo Tavares, Castelo Branco, Anhanguera e Bandeirantes. Então, o Rodoanel para aqui na Bandeirantes, na estrada velha de Campinas, aqui. Começa dia 27 a obra, tudo aprovado, licenciamento ambiental, obra contratada, financiamento do Banco Mundial, grande parte em túnel, sob a Cantareira. Liga com a Fernão Dias e vem até a Dutra, divisa de Guarulhos com Arujá. Aqui está o Aeroporto de Cumbica. Então, o Rodoanel vai passar e ter uma pista dentro do Aeroporto de Cumbica. Então, é só pegar aqui o Rodoanel, aqui na... Continua na Bandeirantes, ao invés de ter que parar aqui e voltar para a Marginal, por tuneis, dentro do Aeroporto de Cumbica. Isso já está pronto, ajudou muito a região para o Porto de Santos. Então... Porque sai daqui, vem, aqui está a Imigrantes, aqui está a Anchieta, está parado em Mauá, o Rodoanel. Em maio de 2014, daqui 20 meses, 19 meses, nós entregaremos o trecho leste, está todo ele em execução, nem um centavo de dinheiro público, 100% iniciativa privada, por concessão. Então, está indo muito bem a obra, vai ligar Mauá a Suzano, Poá, Itaqua, a Ayrton Senna e Dutra, para na Dutra. E aí nós fechamos, 175 quilômetros de rodoanel metropolitano, tirando todos os caminhões e melhorando o trânsito em São Paulo. Aqui uma outra ligação importante, que é o Porto de São Sebastião e o pré-sal em Caraguatatuba, o gás e o litoral. Está saturada a Tamoios, nós já estamos duplicando até o alto da serra, são 50 quilômetros de duplicação, nós vamos entregar o ano que vem, prontinha a duplicação, São José, Jambeiro, Paraibuna, até o alto da serra. Licitamos em 15 dias o contorno de Caraguatatuba, para Ubatuba, para Massaguaçu, e até dentro do porto. Aqui terá também muita coisa em túnel. Também já está licitado este trecho. E depois fica faltando a serra, que são só 20 quilômetros, mas tem que ser uma nova estrada, que nem Imigrantes, uma sobe, a outra desce, não dá para fazer do lado, porque... Serra do Mar. Aqui os aeroportos, nós temos 31 aeroportos estaduais, do DAESP, estamos ampliando todos eles. A Embraer está indo aqui para Sorocaba. Toda a área de manutenção dos aviões da Embraer vão ser aqui em Sorocaba. Nós vamos ampliar os aeroportos e alguns deles vamos fazer concessão com a iniciativa privada. Aqui, o sistema de saneamento, nós queremos, Barueri e região, 300% em saneamento: 100% de água tratada, 100% de esgoto coletado, 100% de esgoto tratado. Então, nós temos na região, aqui, R$ 327 milhões em investimento em esgoto, em coleta e tratamento de esgoto. Até 2015 nós teremos todas as cidades da região aqui Oeste praticamente 300%. São Paulo vai ser o primeiro estado brasileiro a universalizar o saneamento. Dois mil e catorze todo o interior 300%, 2016 todo o litoral e 2018, toda a região metropolitana. Mas aqui está mais adiantado o investimento. Aqui, só para dar um exemplo, na área automotiva, nós temos quatro montadoras novas no estado. A Toyota inaugurou em Sorocaba. A Hyundai inaugurou há 15 dias em Piracicaba. A Cherry, chinesa, está em construção, uma grande fábrica em Jacareí. E a Comil, de ônibus, em Lorena. E vejam que tanto a Hyundai quanto a Toyota, estão em parque tecnológico. Estão em parque tecnológico. Aqui, para encerrar, a penúltima, é petróleo. A Bacia de Santos tem o pós-sal, que é o que nós... A Petrobras hoje tira, e o pré-sal, que é o futuro. O pós-sal, ele é mais perto da costa, então você verifica que o pós-sal está aqui a 150 quilômetros, 200 quilômetros da costa. O pré-sal está a 300 quilômetros, 350 quilômetros da costa. A área do pré-sal é essa aqui, o verdinho e amarelo, aqui. Ele está muito mais longe da costa. O pós-sal está a 2 mil metros da linha d’água. Ele está acima da camada de sal; o pré-sal está a 5 mil metros abaixo da linha d’água. Fura o sal e está abaixo do sal, o que é muito mais complexo a operação, porque está mais longe da costa, apoio de helicópteros, infraestrutura, é muito mais difícil e muito mais profundo. É um óleo de muita qualidade protegido pela camada do sal, por que existe essa camada de sal? Isso aí... E por que tem lá o petróleo, lá em baixo? A milhões de anos atrás, América e a África era o mesmo continente, era tudo emendado a América e África. Então, morriam animais, morriam vegetais. Animais, vegetais compostos orgânicos, compostos de carbono, né, química orgânica que é química do carbono, então vai morrendo animal, vai morrendo vegetal você vai depositando carbono. A hora que separou a África da América, a hora que separou essa camada de carbono foi pra baixo da água, e em cima dela se depositou o sal do mar, então você tem uma camada de sal e embaixo dela o carbono, né? Os derivados do petróleo são todos carbonos, né, até cinco carbonos é gás, de cinco a quinze é liquido, enfim, é tudo carbono. Então a Bacia de Santos como chamada, ela pega cinco estados: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, a Bacia de Santos. A Bacia de Santos são jazidas de gás e óleo pegam os cinco estados, mas o forte está em São Paulo e Rio, olha aqui, ó! O forte do pré-sal está aqui ó, São Paulo e? Rio de Janeiro, então ela vem até aqui em Santa Catarina: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio e Espírito Santo. Mas, o forte está aqui, nós deveremos ter até 2020, mais ou menos, 200 bilhões de investimentos na indústria de petróleo e gás. Nós inauguramos uma fábrica em Piracicaba agora, só de geradores, só de geradores para gerar energia nas plataformas de petróleo. Então, não e só no litoral que vai dar emprego, vai dar emprego em toda infraestrutura, indústria metalomecânica, indústria eletrônica, indústria de equipamentos e logística. O nosso Aeroporto de Itanhaém, hoje não cabe mais nem helicóptero, como que ficou pequeno. Finalmente a Copa do Mundo, o setor de serviços está indo bem, 2014 está chegando, o estádio, ele é totalmente privado, não tem um centavo de dinheiro público, veja bem, olhem o exemplo de São Paulo! Você tem estádio em outros estados aí, 100% de dinheiro público e vai ficar ocioso! E vai ficar ocioso, estão querendo levar jogo de São Paulo, lá, tudo dinheiro público. Aqui, nenhum centavo de dinheiro público, o que nós vamos fazer é para o povo, é pra Zona Leste é o trem que já está lá vai... É de 5min a diferença entre um trem e outro, aqui também, vai passar para 3min, e o metrô que é 120seg vai baixar para 85seg o espaço entre o metrô e outro. O alargamento da Radial Leste, e o entroncamento com a Jacu-Pêssego, enfim são obras viárias para cidade, mas nada no estádio! A única coisa que tinha pendente era a instalação móvel, porque o Estádio do Corinthians vai ter 47.000, 48.000 lugares não é isso, Furlan? Só que pra abrir a Copa precisa ter mais de 60.000, 65.000, o Corinthians falou, ‘ó, eu não tenho interesse em ter um estádio de 65.000 lugares, o meu é de 48.000!’, quem paga... É móvel, monta, depois desmonta é só para o evento, foi R$ 35 milhões, se calcula tudo: 20.000 lugares e mais a infraestrutura, sanitários, tal. Conseguimos um pool de empresas lideradas pela Ambev, ela se incumbiu de liderar, e vai ser tudo financiado pela iniciativa privada, não terá um centavo também, da questão da arquibancada móvel para a abertura da Copa do Mundo. Esse vai ser o maior evento mundial. [palmas] E quantas seleções do mundo participam da Copa do Mundo? Trinta e duas. Exclui o Brasil, 31 seleções vão ter que fazer aqui, ficar um mês aqui. São as chamadas cidades que vão ter os centros de treinamento. A candidatíssima é Barueri, porque tem tudo aqui, candidatíssima. [palmas] Então, para onde vai a seleção da Alemanha? Da Espanha? Da França? Para onde vão as seleções? São trinta e uma. Nós achamos que quase metade delas ficarão no estado de São Paulo. Capital, Barueri, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Sorocaba. Tem que ter aeroporto perto, rede hoteleira e ginásio de esportes, centro esportivo com infraestrutura para isso. Então, a Copa do Mundo não vai beneficiar só São Paulo, ela vai beneficiar o estado inteiro. Mogi das Cruzes, candidatíssima. Águas de Lindóia. Itatiba, Atibaia que tem o... Qual o hotel bom lá? Atibaia, enfim. Vai beneficiar porque... Aliás, elas já estão escolhendo. Não somos nós que escolhemos, nem o governo. A gente apresenta a lista: “Olha, estas aqui estão aprovadas.” Sessenta cidades estão aprovadas. E eles é que escolhem. Então, nós achamos que a gente pode ter de 40% a 50% das chamadas cidades sede de centro de treinamento. Aqui é o que eu falei, os aeroportos todos. Guarulhos, ligado por trem, Linha 13, vamos licitar agora, chegar dentro do aeroporto e Congonhas. Congonhas também ligada através das linhas de trem. Mas quero agradecer, dizer da alegria de participar aqui deste encontro é tudo o que o Brasil precisa. Num momento que a economia fragilizou um pouco, é hora de redobrar os trabalhos e esforços para ajudar o desenvolvimento. Bom trabalho a todos. [palmas].