Discurso - Agenda: Medalha JK 20131209

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Agenda: Medalha JK

Local: Minas Gerais - Data:12/09/2013

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Governador do Estado de São Paulo!

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Quero cumprimentar o nosso governador anfitrião, prof. Antônio Anastasia; vice-governador, Alberto Pinto Coelho; presidente da Assembleia Legislativa, deputado Vinicius Pinheiro; desembargador Joaquim Herculano Rodrigues, presidente do Tribunal de Justiça; senadores da República, meu querido irmão e amigo, Aécio Neves; senador Ciro Nogueira; governador Esperidião Amin, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, mineiro de Governador Valadares; deputado Samuel Moreira, cujo o pai, avós e bisavós são aqui de Diamantina; prefeito anfitrião Dr. Paulo Célio - quero cumprimentá-lo aqui pelas suas palavras; prefeito da capital Márcio Lacerda, em nome de quem eu quero saudar a todos os prefeitos da região; General Vicente Gonçalves de Magalhães; arcebispo de Diamantina, João Bosco Oliver; embaixador Sérgio de Queiroz Duarte; querida Maria Estella Kubitschek; ministros dos tribunais superiores: o Poder Judiciário e o Ministério Público; Parlamentares federais, estaduais e municipais; secretário dos estados e dos municípios; homenageadas, homenageados aqui hoje em Diamantina; amigas e amigos! É uma grande honra receber a medalha que generosamente me foi conferida pelo Governo do Estado de Minas Gerais e pelos méritos que possui, está sendo outorgada também a personalidades de destaques da sociedade brasileira aqui de Minas, o que aumenta ainda mais o seu valor. Esse valor é acrescido também quando se considera a trajetória do homem que ela celebra, o ex-presidente Juscelino Kubitschek. Maria Estella, JK tendo vindo ao mundo em 12 de setembro de 1902, Juscelino foi o primeiro presidente que nasceu no século XX. Entretanto, em sua vida pública, ele se antecipou ao seu tempo, expressando em muitos aspectos uma visão própria ao século XXI, o que assegurou legitimidade ao lema de seu governo: “50 anos em cinco”. O Brasil de Juscelino foi o Brasil do otimismo com a Copa do Mundo de 58, com as vitorias de Maria Ester Bueno no tênis; da seleção masculina de basquete no Mundial do Chile; foi o Brasil do cinema novo e da Bossa Nova. Aliás, pelo seu estilo descontraído e informal, esse presidente que era um famoso Pé de Valsa, que descalçava os sapatos, até em circunstâncias formais, que era um fã das serenatas dessa cidade de Diamantina tão musical, terminou sendo ele mesmo chamado de “presidente Bossa Nova”. Tendo o prazer de vir hoje à Diamantina, Acho que descobri, Dr. Paulo, um dos mistérios da simpatia e da cordialidade de Juscelino Kubitschek. Creio amigos, que o senador Aécio Neves e o governador Antônio Anastasia personificam com exatidão o cerne do legado do presidente JK. Refiro-me...

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Refiro-me ao legado de encontrar o fino equilíbrio de governar. Entre governar não apenas para os homens e mulheres do presente, mas também para as gerações futuras. Nisso trazem em suas veias a mesma força da transformação que marcou o quinquênio de JK, no qual a nação idealizou, planejou e executou as mais importantes mudanças estruturais de sua história, consolidando-as, conciliando-as com um clima inédito de harmonia e otimismo. Refiro-me, por exemplo, ao programa de metas de JK; às suas políticas públicas e projetos de investimento voltados à formação de infraestrutura, especialmente a de Energia e de Transportes. A mesma que tragicamente, volta a ser hoje o obstáculo à emancipação econômica brasileira. Entre os atributos que lhe são comuns, JK, Aécio, Anastasia têm consciência da enormidade dos desafios que a vida pública lhes colocou à frente. Desafios estes, amigos, que nunca são e nunca serão transpostos por ludibriosos produtos de marquetagem,

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pois, planejar o país... Pois, planejar o país não é criar os slogans. Planejar o país é cuidar de pessoas, equipá-las para buscar o seu próprio destino; não é criar filmes ou siglas de ficção. É construir os pilares do crescimento; não é reforçar interesses corporativos. É realizar o bem geral. Planejar o país é equilibrar o eterno dilema entre implementar políticas desenvolvimentistas que elevem as taxas de crescimento sem comprometer as estruturas econômicas ou ideais democráticos do país. Vale lembrar que assim como fizeram os meus amigos Aécio e Anastasia, JK também [ininteligível] e ainda governador de Minas, já tinha eleito o binômio Energia e Transporte como metas de desenvolvimento. Já tinha, portanto, antes mesmo de ser presidente, as mesmas prioridades que vejo com tanta nitidez nos dois exemplos públicos aqui presentes. Aécio e Anastasia, cujas gestões tem elevado Minas, honrando o legado de JK e elevando a qualidade da política mineira! JK sabia a missão que lhe reservava. Enquanto carregava nas mãos o presente dos brasileiros, guardava na cabeça o futuro do Brasil. Nsso meus amigos, o Brasil continua contando com Minas, porque Minas é uma usina de planejadores. Mas não planejadores frios, leitores de planilhas, mas planejadores que entendem que o Brasil é feito de pessoas, de indivíduos. Indivíduos que formam um coletivo, mas não um coletivo formado por interesses corporativos localizados, ocultos, mas um coletivo feito por seres humanos humildes, com sonhos próprios, vontades legítimas e orgulhosos de seus esforços pessoais. Por perceberem a complexidade da natureza humana, os planejadores de Minas são também exímios conciliadores!

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Conciliadores entre pessoas, conciliadores entre gerações; conciliadores entre raças, entre credos. Quero, ao prestar essa homenagem dizer que Minas mantém os mesmos ideais e o mesmo material humano que fizeram de JK o presidente dos sonhos dos brasileiros. Assim como JK, assim como JK, sou também um médico que o destino conduziu à política. Acreditem, portanto, no meu diagnóstico: Minas sempre guardará em seus homens públicos o entusiasmo do presente e a chave do futuro. Muito obrigado! Minas Gerais