Discurso - Anúncio de liberação de recursos para conclusão das obras do Hospital Regional - 20122206

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição do discurso no Anúncio de liberação de recursos para conclusão das obras do Hospital Regional

Local: Itapetininga - Data: 22/06/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: [ininteligível] um abraço Maria Leite; deputado Edson Giriboni, nosso secretário de Saneamento e Recursos Hídricos; os prefeitos, Zé Dito, de Campina do Monte Alegre; Sandro [ininteligível]; Ramiro Cesário Leite; o Antônio [ininteligível], o Ari de Sarapuí; o Dr. João Márcio Garcia, diretor Regional da Saúde; os nossos diretores aqui do hospital; [ininteligível], diretora administrativa, [ininteligível], diretor clínico; Eduardo [ininteligível], diretor Técnico; o Antônio Rugolo Junior, diretor do AME aqui de Itapetininga; Marcelo Mora, nosso delegado [ininteligível]; Major Ulisses, Comandante do Batalhão; [ininteligível], a pessoa de quem eu quero saudar todos os partidos, toda a comunidade. Dizer da alegria de está conosco [ininteligível] aqui também da região. Cumprimentar as lideranças aqui da comunidade, o corpo clinico. Todos os colegas profissionais da área de saúde daqui do hospital. Dizer da alegria viu Roberto, de vir aqui a Itapetininga. E eu tive aqui em 2004, exatamente nessa obra a tua esquerda, que foi a primeira fase. Hoje nós estamos liberando 6,5 milhões para a segunda fase, não é pra conclusão. Nós ainda vamos ter outras etapas. Mas estamos melhorando e vai integrando, porque há uma rede básica de saúde que são as unidades básicas de saúde, as UBS, né? Os programas de saúde da família: médico, enfermeira, auxiliares, técnicos, agentes comunitários. Depois tem o AME, que é o atendimento secundário, são as especialidades, né? [ininteligível] então diagnósticos, exames, pequenas cirurgias, especialistas. E aí se precisar do hospital para operar ou para internar, o hospital de retaguarda. Esse é o modelo ideal: atendimento primário pela UBS. O atendimento secundário dos especialistas que é o AME. E o atendimento terciário que é o hospital pra caso de internação ou cirurgia. [ininteligível] nós vamos ter aqui cabine primária de força, elevadores, lavanderia, obras físicas, equipamentos, como disse o Roberto para as oito salas de cirurgia, quatro de cirurgia, quatro de obstetrícia. Equipamento para os dez leitos de UTI neonatal que é muito importante como retaguarda da região. Três leitos de cuidados intermediários. Sala de recepção neonatal, vestiário de médicos, seis leitos de recuperação pós-anestésica enfim. Essa segunda etapa vai ser muito importante. E hoje a gente respira um terceiro investimento aqui para o hospital. Então, trazer uma palavra sobre educação. Nós temos aqui além do ensino da educação básica que começa com a creche. E você assinou ontem, né? Já assinou a creche. Nós estamos liberando recurso, a prefeitura o terreno, nós damos o dinheiro para construir o prédio [ininteligível] entregar prontinho. A creche de 150 vagas, 120 e 170, de acordo com o tamanho da cidade. [ininteligível] as famílias, né, como a creche é importante. Porque criança pequena precisa ter muito cuidado. Eu fui na quinta-feira a Washington assinar o contrato de BID, para terminar o Rodoanel Metropolitano de São Paulo. R$ 2 bilhões, o Banco Interamericano de Desenvolvimento. E veja como são as coisas, né? O Governo paga juros para o Governo Federal, nós pagamos para o Governo Federal, IGPDI de juros por ano. IGPDI índice de infração tá -5%, mais 6%, da 11%. As capitais, muitos estados pagam o IGPDI +9%, então dá 14% para o Governo Federal nós pagamos todo o mês [ininteligível] da divida. São cinco ou seis bilhões por ano. Assinamos o contrato do Banco Interamericano de Desenvolvimento, 0,8% ao ano. 0,8%. [ininteligível] é 0,4%. Mas estou dizendo isso porque depois voltando [ininteligível] Banco Interamericano [ininteligível] empresários [ininteligível] que já mora há quatro anos no México, casou e teve a Carla, a mulher dele, teve gêmeos. Então são dois garotos, dois meninos, então tem um ano e pouquinho. Aí no domingo, agora, o Geraldinho meu filho falou: olha, pai, vou com a Carla no supermercado, o senhor toma conta dos dois? Ah, vô é para isso, né? Deixa por minha conta que eu faço aqui. Aí eu fiquei com os dois lá. Bom, coloquei os dois sentados no tapete, eles vão ficar calminhos e quietinhos aí e eu no computador trabalhando. Daqui a pouco o primeiro já levantou foi no armarinho e puxou a gaveta. [ininteligível] vai cair à gaveta no pé do moleque. Corri lá e socorri. Aí já puxei o telefone. Aí encontrei dois carrinhos assim, aquele que fica meio sentado andando [ininteligível] carrinho, e eu estou calmo aqui. Aí, pá, peguei o carrinho, peguei outro. Voltei para o computador. Daqui a pouco um sai do carrinho e pá, trombou na mesa e caiu o vaso em cima dele, molhou o moleque inteiro, né? [ininteligível] agora tem que trocar de roupa. Aí eu já pensei para os pais voltarem, né? Vamos chegar logo aqui para me salvar. Ou seja, criança pequena precisa ter cuidado, alimentação na hora correta, higiene, cuidado. Porque criança se machuca, você precisa estar atento. Então as mulheres querem trabalhar, precisam ter renda, ter utilidade, então a creche é uma segurança, belo investimento, né? Ai já vem pra escola e a criança já entra no primeiro ano do ensino fundamental já interligada para alfabetização. Depois criamos a segunda Etec. Nós queremos, Roberto, aqui ter um grande centro técnico e tecnológico . Já tinha uma Etec aqui, agora uma segunda escola técnica. São poucos municípios de São Paulo que tem duas Etecs uma já é antiga Etec agora mais uma para os serviços aqui foi citado saúde, gera muito emprego, área de serviço [ininteligível] falta mão de obra, falta recursos humanos. A [ininteligível] investimento de 0,5 bilhão aqui em Itapetininga. Então é importante a indústria madeireira, moveleira, compensados, né, extremamente fortes, gerando muito emprego agrega valor. E a Fatec. O aluno pode fazer a Etec tudo de graça, já tem o diploma de técnico, de cada cinco, quatro já sai empregado, e depois vai fazer a Fatec, fazer o curso superior, tecnólogo já dá mais um passo. Hoje todo mundo estuda e trabalha, eu estudei e trabalhei; então da para estudar, já tem uma renda para ganhar e vai fazendo o curso técnico, tecnológico, universidade, enfim, avançando nos seus estudos. Depois nós temos aqui o município agrícola e grande, Itapetininga é o terceiro maior município do Estado de São Paulo, qual é o primeiro? Em extensão territorial? Iguape. Os três primeiro são com a letra I, Iguape, Itapeva e Itapetininga, o quarto é Eldorado, aqui no Vale do Ribeira. Um município grande em extensão territorial, choveu, estrada rural é um problema. Então está aqui o nosso presidente de Codasp, nós vamos liberar aqui quatro estradas: José [ininteligível], bairro Areôa, seis quilômetros de melhor caminho; bairro Luís Bernardo à Rocinha, seis quilômetros; bairro Capão Alto a [ininteligível], oito quilômetros e bairro [ininteligível] ao Distrito de Morro Alto, oito quilômetros; então vai dar 28 quilômetros de estrada recuperada no melhor caminho, fica perfeita aqui a estrada. Nós liberamos a ordem de serviço aqui na região para SP-252, que é Guapiara - Ribeirão Branco, passamos pela ligação com a [ininteligível], que está em obras, entrada da cidade está tendo obras, Tatuí também, estragada velha, que passa pela [ininteligível], trecho também está em obras, SP-129 e incluímos no programa do BID o novo programa que nós vamos fazer, Itapetininga - Ourinhos, são mais de 200 quilômetros que nós vamos recuperar, e não é só recapeamento, nós vamos modernizar trechos de duplicação, trechos de terceira faixa, acostamento, recapeamento, obras de artes, isso vai ser de R$ 300 a R$350 milhões de investimentos que vai gerar muito emprego também aqui na região, está indo muito bem de Itapetininga para Sorocaba [ininteligível]. As licenças ambientais estão saindo dentro do prazo, então não está atrasando mais, em 18 meses nós devemos ter a obra também totalmente duplicada. De Itapetininga a Raposo à Sorocaba [ininteligível], não tem dinheiro do estado, é obrigação da concessionária; de Itapetininga para Ourinhos não vai ter nenhum pedágio, porque será feito com dinheiro do governo, será feito com recursos do próprio estado. Enfim, quero deixar um grande abraço e dizer a alegria de estarmos juntos, [ininteligível] tem um poema muito bonito, chamado [ininteligível] e ele disse que a própria dor na terra Natal dói menos. Então o que a gente puder resolver aqui em Itapetininga, não vão para São Paulo, lá a gente vira ficha, vira número, aqui estamos perto da família, das pessoas queridas, as pessoas nos conhecem, então a própria dor na terra natal dói menos. Então eu vou ficar muito feliz se a gente puder fazer a segunda, a terceira, a quarta, todos os investimentos aqui para gente ter uma retaguarda hospitalar importante, mas não podemos ter uma visão hospitalocêntrica, hospital é pra cirurgia ou internação, o que precisa funcionar bem é a rede básica que vai resolver 80% dos problemas e as especialidades no AME, e hospital de retaguarda pra casos de cirúrgicos, casos de internação e terapia intensiva, casos que demandam cuidados maiores. Quero agradecer aqui ao nosso deputado, Giriboni, que é deputado da cidade, da região, que nos ajuda muito na Secretaria de Saneamento; nós estamos saindo agora de São Roque. São Roque tratava 0% do esgoto e coletava 60% e ainda não tinha água, estava complicada a situação lá. Resolvido o problema de água, 100% de água tratada, o esgoto em dois anos vai passar de 60 pra 100% o esgoto coletado e vai passar o tratamento 0 pra 100%, ajudando a bacia do médio Tietê; e nas comunidades rurais aqui da região, do Sudoeste, do Alto Paranapanema, aqui do Vale do Ribeira, nós estamos lançando a semana que vem o programa Água é Vida, pra levar esgoto na zona rural, nós vamos levo fazer junto com as prefeituras o programa do tratamento de esgoto para as comunidades rurais, nós vamos é pequenas estações, poças sépticas enfim, um programa de saneamento para a zona rural. Agradecer ao Giriboni, agradecer ao Frederico que me ajuda também ela em São Paulo, agradecer e cumprimentar aqui aos prefeitos, agradecer ao time da saúde, Dr. João, ao professor Giovanni Cerri, que teve que ficar em São Paulo pra resolver um problema, mas já está liberado aí o recurso para gente fazer a obra; agradecer Ângela, trazer um abraço aqui da Lu e é muito importante o Polo de Modas porque é um belo programa de geração de renda, um belo programa de geração de renda; e cumprimentar o Roberto Ramalho, estamos aqui firmes viu, Roberto, para gente trabalhar juntos em benefício da nossa coletividade. Eu sempre que venho a um hospital, fico tentado a fazer anestesia né? Mas não quero nenhum [ininteligível] corajoso não viu? Eu fiz três mil anestesias. E quando eu era prefeito, eu dava plantão, nos éramos quatro colegas anestesistas então a gente rodava, segunda à noite era um, terça à noite o outro, quarta à noite era outro, quinta a noite o outro e aí sexta a noite, sábado a domingo era direto. E aí em casa sem telefone, naquele tempo não tinha celular e eu era prefeito da cidade, e aí dava plantão direitinho junto com os colegas; aí um fim de semana, me telefonam pra fazer uma cesariana, meia noite, uma hora da manhã, peguei o carro, fui para Santa Casa, máscara, gorro, me paramentei todo, fiz uma raquizinha, e tal, já estava no final da cirurgia e eu ali quietinho, acompanhando pulso, [ininteligível], pressão, tudo bem e aí a paciente virou e falou: doutor e no bairro de Jardim Resende, quando é que o senhor vai pôr rede de esgoto? Prefeito é cobrado até na cirurgia. Grande abraço a todos.


MESTRE DE CERIMÔNIA: Essa foram as palavras do governador Geraldo Alckmin.