Discurso - Assinatura de Autorizo para início das obras de recuperação de estradas nos Quilombos no Vale do Ribeira e de Convênio para a Execução de Projeto Inserção do Mel de Agricultores Familiares do Vale do Ribeira - 20121709

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição do discurso na Assinatura de Autorizo para início das obras de recuperação de estradas nos Quilombos no Vale do Ribeira e de Convênio para a Execução de Projeto Inserção do Mel de Agricultores Familiares do Vale do Ribeira

Local: Capital - Data: 17/09/2012

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde a todas e a todos! Estimada secretária da Justiça, Eloíza Arruda, secretária da Agricultura, Mônika Bergamaschi, secretário da Meio Ambiente, deputado Bruno Covas, secretário da Saúde, professor Giovanni Cerri, deputado Samuel Moreira, líder do governo na Assembleia Legislativa; prefeitos de Iguape, a Beth, de Eldorado, o Zetinho; o Jairo de Almeida Machado Júnior, presidente da Codasp, Marco Pilla, diretor-executivo da Fundação Itesp, Luiz Mauro Barbosa, diretor-geral no Instituto de Botânica; Alberto José da Silva Duarte, diretor-geral do Instituto Adolphe Lutz; Olavo Reino Francisco, diretor-executivo da Fundação Florestal; Marco Antônio Zito Alvarenga, Dr. Zito, presidente do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra no estado de São Paulo; Ditão, Benedito Alves da Silva, líder do Quilombo Ivaporunduva de Eldorado, comunidades, membros aqui da comunidade dos quilombos de São Paulo, funcionários do Itesp, amigas e amigos. É uma grande alegria nos encontrarmos hoje aqui pra assinatura desse convênio. Eu, que morei até os 16 anos, não na cidade, mas na área rural, sei o que é questão de estrada e de falta de acesso no período de chuva, dificuldade de locomoção, problema de saúde aqui bem relatado pelo Ditão. Então, nós já liberamos R$ 7 milhões; a Codasp é campeã em matéria de estrada rural, preservando o meio ambiente, dando o destino adequado das águas, abaulando a estrada, recuperando a estrada. Isso dura bastante, então, é uma perenização da estrada. São 132 km em 20 quilombos e sete municípios: Eldorado, Iguape, Registro... Quais os outros aí? Iporanga, Jacupiranga, Itaoca, Barra do Turvo. E, se ficou... Se precisar ampliar um pouco, Ditão, vocês passam aí pro Marco Pilla e pra Eloisa, que a gente amplia. Superimportante. E ele destacou bem a questão da qualidade de vida, da saúde, do turismo, que é hoje o ecoturismo, muita possibilidade... Turismo pedagógico, educativo, escolas, né? Então, os estudantes, professores, estudo da história, da cultura, da cultura dos quilombos, do conhecimento de uma região maravilhosa de Mata Atlântica, que é o Vale do Ribeira, então, turismo, produção de produtos agrícolas, como o mel, né, da apicultura. O Bruno Covas me passava ali que o Dr. Paulo Nogueira Neto, que é um dos grandes cientistas e um dos mais respeitados ecologistas, com reconhecimento internacional, é um grande entusiasta da apicultura da Mata Atlântica, da nossa abelha... da nossa abelha da Mata Atlântica, até pra melhorar o meio ambiente, melhorar a nossa flora. E a semana passada teve aqui comigo um amigo que é um grande produtor de carnes, né, de frigorífico, e ele dizendo que lá em Barretos conheceu um rapaz, isso há uns dez anos atrás, e mexia com mel. E aí resolveram... Então, ele resolveu apoiar o rapaz, lá, um senhor, coisa local. E, pra resumir a história, a China, o mel encontrado contaminado, com antibiótico, com produto químico... Teve um problema no mel da China e foi proibido o mel da China. E a China é uma das grandes produtoras de mel do mundo. E eles aproveitaram aquele problema do mel da China e explodiu a empresa. Então, um negócio que era pequenininho, de repente, virou um negócio enorme. Aí, depois de uns anos, a China voltou. Falei, e aí, como é que ficou? Ele falou: “Aí nós fomos pros nichos, certificação, mel de laranja, pomar de laranja, mel de eucalipto, mel silvestre... aí nós fomos pros nichos.”. Mel da Mata Atlântica, você ter uma certificação dessas é fantástico. E nós já podemos, Eloíza e Mônika, já comprar nos programas de compras governamentais. Nós regularizamos o PPas, e vamos comprar, né, pras escolas, pra unidades prisionais, pra todos os nosso programas, hospitais, pros nossos, nós temos mais de 80 hospitais. A gente pode comprar esses produtos. Vamos ter a certificação aí do Adolphe Lutz, do Instituto de Botânica, né, das instituições mais renomadas, então, é uma importante fonte também de renda. E no fim do ano, Samuel, nós vamos lá inaugurar a primeira ETEC em Quilombo, no Quilombo André Lopes, lá em Eldorado. Quando o Serra era o governador, eu era o secretário, nós fomos lá lançar a primeira ETEC voltada ao ecoturismo e as atividades todas ecológicas lá no Quilombo e agora tá ficando pronto agora no fim do ano. Então, nós vamos lá inaugurar a primeira Escola Técnica dentro do Quilombo. Então, isso é importante também para formação de professores e para a região. E a boa notícia, Ditão, a fundação Itesp já abriu a contratação de 57 técnicos para a fundação Itesp, então uma parte deles vai para o Vale do Ribeira pra dar uma boa assistência técnica lá pra [ininteligível]. Quero aqui agradecer aos nossos secretários. Eu sempre feliz quando eu vejo assim quatro secretários juntos. O Mário Covas um dia falaram que ele viu lá uns 10 secretários. Aí ele falou: Mas, o que é que é isso? Falou: Não, a Dona Lila reuniu lá os 10 no programa. Aí ele foi lá. Poxa, só você Lila pra conseguir reunir os 10 secretários aí. Então, fico super feliz, porque é isso que precisa, integrar as politicas públicas, integrar as várias ações do governo em benefício da conectividade. Então agradecer a Eloísa, a Mônica, o Bruno e o professor Giovanni. Agradecer ao nosso time aqui, o Marco Pila, da nossa fundação. Nós vamos reforçar muito a fundação Itesp. Aliás, Eloísa. Eloísa é uma grande professora de Direito. Dr. Zito também, homem do Direito. Vamos acelerar com o reconhecimento das áreas de Quilombo, a parte institucional. Acelerar ao máximo a gente poder ter o reconhecimento jurídico das áreas de Quilombo. Agradecer ao Jairo, né? Um dia desses, eu fui inaugurar uma escola e estava a professora Laura Laganá, aí o deputado não era o Samuel não, viu? Um deputado querendo elogiar a Laura falou: Essa mulher é um trator. Aí eu... Diga ao menos que é uma Ferrari, né? Bom, trator... Mas o Jairo a gente pode dizer: Esse é um trator, né? então vai caprichar nas estradas aí. Agradecer a Fundação Florestal, ao Instituto Adolfo Lutz, ao Instituto Botânica. Agradecer, matar a saúde aqui de nossos prefeitos. Cumprimentar o Samuel, nosso líder, grande deputado lá na Assembleia. Cumprimentar todos vocês e convidar pra um cafezinho. Muito obrigado.