Discurso - Assinatura de acordo para adequar o projeto do Rodoanel Norte ao do Ferroanel Norte 20132208

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Assinatura de acordo para adequar o projeto do Rodoanel Norte ao do Ferroanel Norte

Local: Capital - Data:22/08/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos. Quero cumprimentar o ministro dos transportes, ministro César Borges, senador da república, Antônio Carlos Rodrigues, deputados federais Nilton Monte e o nosso querido Paulo Freire. Deputados estaduais Pedro Tobias, André do Prado, Osvaldo Vergínio, general Jorge Fraxe, diretor geral do DNIT, Dr. Saulo de Castro Abreu Filho, secretário do estado de logística e transporte, Dra. Andréa Calabe, secretário da fazenda, Laurence Casagrande, presidente da DERSA, Clodoaldo Pelissioni, superintendente do DR, vereadores aqui da capital, Aurélio Nomura e Gilson Barreto, diretores, todos os colaboradores da DERSA, das empresas, do ministério, amigas e amigos. Hoje é um dia histórico, quando começou o Rodoanel na década de 90 já se discutia a necessidade de fazê-los juntos, Rodoanel e Ferroanel, e hoje nós estamos dando o primeiro passo concreto no sentido de tirar do papel o Ferroanel. É importantíssimo a gente fortalecer todos os modais de transporte e integrá-los. Então nós tivemos a inauguração com a presença da presidenta Dilma nesse mês de agosto do primeiro etanol duto do Brasil, o Álcoolduto ligando Ribeirão Preto até Paulínia, vai tirar 95 mil caminhões por ano das estradas. E este etanolduto vai para Uberaba, Minas, depois Jataí/Goiás, e sempre o destino o porto, esse grande instrumento de desenvolvimento e de comércio [ininteligível]. Depois assinamos com a presidenta Dilma aqui no palácio os investimentos na hidrovia Tietê/Paraná, um sonho de mais de meio século de Catullo Branco, que sempre destacava a importância da hidrovia do rio tietê/paraná com 2.400km de extensão. Assinamos 1,5 bilhão, 900 milhões do governo federal, 600 milhões do governo do estado, ministro César Borges, para alargamento das pontes, para derrocamento do trecho do canal e para o prolongamento da hidrovia até distrito de Artemes em Piracicaba, onde integra com a ferrovia lá em Piracicaba. Nós já investimos 140 milhões e agora o DNIT já está na fase final de aprovação dos projetos para gente poder dar um grande salto. Pra ter uma ideia, isso foi dito lá em Ribeirão Preto, o etanolduto, esse que nós tiramos todo o ICMS do lastro em regime especial por setor sucroalcooleiro, ele vai transportar 4,7 bilhões de litros, tem uma fórmula ali de cálculo, é equivalente a hidrovia 5,1 bilhões, a hidrovia vai transportar ainda mais que o etanolduto, claro que o etanol depois vai crescer indo até Minas e Goiás. Então segundo modal, o modal hidroviário. E o terceiro, e certamente o mais importante para o porto e para o transporte de carga e desenvolvimento que é o modal ferroviário, que atravessa pela Estação da Luz, como é que pode um trem de carga usar o mesmo trilho do trem de passageiro da CPTM, que nós estamos reduzindo de cinco minutos pra três minutos a distância entre um trem e o outro aqui em São Paulo. Quando o Mário Covas assumiu a CPTM transportava 650 mil passageiros viagem/dia, hoje transporta 2,8 milhões de passageiros viagem/dia, impossível, então a partir de 2016 não tem como passar o trem, e hoje ele passa pela Estação da Luz. Além do problema, quem toma o trem tem um espaço desse tamanho, que o trem de carga é mais largo, você tem um problema até de acesso ao trem de passageiro, depois o peso que os trens são muito grandes, alteram a dinâmica da ferrovia, dificultam operação do trem que é muito rápido que é o trem de passageiros, enfim, fundamental fazer o Ferroanel. O projeto foi ligando, ali mostra bem o quadro, sai de Perus, onde começa o Rodoanel norte, e vai até a Dutra, aliás, até Manoel Feio em Itaquaquecetuba, dando o tramo norte do Ferroanel 52km. E aí entramos numa área de stress, por que? Porque o Rodoanel andou, o trecho oeste está pronto ligando Bandeirantes, Anhanguera, Castelo Branco, Raposo Tavares até Régis Bittencourt, vai para o sul do Brasil. Trecho leste andou, aliás, trecho sul chegando na imigrante e na Anchieta, e chegando até o porto de Santos. No trecho leste está em obra, fica pronto no primeiro semestre já do ano que vem, indo... Saindo de Mauá, Suzano, antiga estrada velha de São Paulo, Poá, Ferraz, Arujá e Guarulhos, integra com Ayrton Senna e a Dutra. Privado, não tem um centavo nem do estado nem do governo federal, este é totalmente investimento privado, e o concessionário ainda pagou 380 milhões para ter a concessão, foi concessão onerosa. E o norte é obra pública, 1/3 federal, 2/3 do estado, concorrência pública internacional, vieram empresas do mundo inteiro, conseguimos desconto de 23% e estamos com seis frentes de trabalho. e aí vejam ali que ela já está incluída 3,6km pra entrar dentro do aeroporto de Cumbica, então o Rodoanel chega a pista dentro do aeroporto. Nós vamos ligar o maior aeroporto brasileiro, que é Cumbica, com o maior porto brasileiro, que é Santos, 180km de anel no entorno dessa mancha de 22 milhões de pessoas que é a terceira metrópole do mundo. As obras em pleno andamento e um problema, se não fazermos juntos se perderia a oportunidade de fazer junto o Ferroanel e de ter uma economia e de 1,2 bilhão para o governo federal e termos esta sinergia e pior, um impeditivo para o futuro, aliás como aconteceu no Rodoanel sul, o Ferroanel sul deveria ter sido feito junto o Rodoanel sul, mas se perdeu a oportunidade. Então hoje nós estamos assinando o contrato de R$ 332 milhões nós vamos doar, o governo do estado está participando, vamos doar para o governo federal a área desapropriada, porque a nossa área desapropriada é maior, então ela já inclui também o Ferroanel, nós doamos a área desapropriada. É feita já toda a terraplanagem, aproveitando tudo, drenagem, movimento de terra, tudo. Enquanto isso, a Dersa, contratada pela Empresa de Projetos e Logística, EPL, Bernardo Figueiredo, já está fazendo projeto e licenciamento ambiental, para que aí a LTT faça a licitação para a ferrovia, o tramo norte 52 km de ferrovia, ligando Perus até Manoel Feio, em Itaquaquecetuba. E já temos que trabalhar o Ferroanel Sul, e aí nós vamos ter praticamente com o tramo norte e o tramo sul, que são os mais prioritários, além do Rodoanel o Ferroanel. A carga em Santos era só 6% por trem, hoje é 12%, dobrou em 10 anos, e nós temos que chegar no mínimo a 30% o mais rápido possível, até porque não entra mais caminhão lá embaixo no porto, é impossível fazer um porto com caminhão levando carga. Medida extremamente importante, estruturante. E colocou bem o Ministro César Borges, beneficia São Paulo; Goiás, que usa o porto; Minas Gerais, sul de Minas, Triângulo Mineiro; Mato Grosso do Sul; Mato Grosso. Desenvolvimento para o país, redução de custos, eficiência, integração desses modais. Quero agradecer aqui a presidenta Dilma, nós assinamos quatro convênios importantes: Hidrovia, General... vai agora dar um empurrão forte lá com o Ministro César Borges; Rodoanel, tudo em obra; Ferroanel, assinado hoje, fielmente, depois de 20 anos; e “Minha Casa, Minha Vida” com a casa paulista. Nós viabilizamos 100 mil moradias aqui no estado de São Paulo. Quero agradecer ao General [ininteligível], que tem sido um lutador lá; agradecer aos nossos deputados estaduais, está aqui o Osvaldo Virgínio, André Do Prado e o Pedro Tobias; agradecer aos deputados federais, Paulo Freire, e em especial o Milton Monti, ele que se empenhou bastante; agradecer ao senador Antônio Carlos Rodrigues. O senado é rápido, nós... a nossa dívida caiu, ministro, nós tínhamos uma dívida de duas 2,2 vezes a receita corrente líquida. A Lei de Responsabilidade Fiscal diz que não pode passar de duas vezes. Ela foi caindo 1,8/1,5 hoje é 1,3. A dívida de São Paulo despencou, então abriu um espaço fiscal pra gente poder fazer mais investimento, e precisa ter a aprovação do senado. Nós tivemos um caso de um financiamento aprovado em 24 horas. E quero aqui agradecer ao senador Antônio Carlos Rodrigues, um grande senador por São Paulo, que tem nos ajudado muito lá em Brasília. Agradecer ao Saulo e toda sua equipe. O Saulo faz as coisas com garra, com espírito público, com emprenho; ao Laurence, ao Clodoaldo, toda equipe aí da secretaria. E em especial agradecer ao ministro César Borges, o mais paulista dos baianos. Nada como ter um ex-governador, um engenheiro, né, um homem que faz as coisas saírem do papel, e a gente poder avançar em benefício da população. todo mundo viu aqui a presença do Papa Francisco, mas o antecessor dele o papa João XXIII dizia: “O desenvolvimento é o novo nome da paz”. Não há paz verdadeira onde não há emprego, não há oportunidade para as pessoas. E isso não é obra do acaso, é fruto de trabalho, eficiência, logística, redução de custo, infraestrutura, ainda mais num país continental como o Brasil. E hoje damos um grande passo com o início já do Ferroanel Norte, muito obrigado. Capital