Discurso - Assinatura de concessão do Centro de Exposições Imigrantes 20132108

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Assinatura de concessão do Centro de Exposições Imigrantes

Local: Capital - Data:21/08/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde a todas e a todos! Quero saudar o secretário de estado do Planejamento, Júlio Semeghini; do Meio Ambiente, o deputado Bruno Covas; do Turismo, Claudio Valverde; Dr. Andrea Calabi, secretário da Fazenda; Dr. João Carlos Meireles, de Assuntos Estratégicos. Cumprimentar a Cibele Franzese, secretária adjunta; o Rubens Resek, do Meio Ambiente; o Dr. Alberto, da Agricultura. Cumprimentar o Dr. Artur Repsold, presidente da GL Events Brasil; Dr. Damian Império, diretor da GL Events; os nossos deputados: a Regina Gonçalves, deputada estadual; o deputado Beto Trícoli; deputado Carlos, Pastor Carlos César, deputado Carlão Pignatari; prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa. O centro de eventos já está ali na descida, todo mundo para ir para Vila Belmiro, já está pertinho ali. Prefeito de Boraceia; o Marcos Lancieri; o diretor geral do Instituto Botânica, Dr. Luiz Mauro Barbosa; o presidente da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, Paulo Bressan; presidente executivo da Ubrafe – União Brasileira dos Promotores de Feiras, Armando Campos Mello; presidente do Grupo Couromoda, Francisco Santos; presidente da Associação dos Criadores de Gado Jersey do Brasil, Henrique Salzano; Magrão, Evaldo Coratto, coordenador estadual dos Consegs; empresários do setor de feiras, de eventos, colaboradores; amigas e amigos. Hoje é um dia, essas 24 horas aí estão sendo relevantes, nós assinamos pela manhã, talvez, a maior PPP na área de água. São Paulo tem 22 milhões de pessoas a 700 metros de altura, muita gente, pouca água. Sistema Cantareira, a gente vai buscar água lá em Minas Gerais, não tem no mundo uma megalópole que não esteja perto do mar nessa altura, só nós e a cidade do México. E a cidade de São Paulo cresce e os 38 municípios em volta crescem mais ainda, são 200 mil pessoas a mais por ano. O mundo moderno é urbano e é metropolitano, isso é a tendência mundial. Então, nós estamos, não temos mais água aqui em São Paulo, então lançamos uma PPP e vamos buscar água lá em Juquitiba, em São Lourenço, 83 km de distância, e em quatro anos nós vamos ter 4,7 metros cúbicos por segundo a mais, garantindo o abastecimento da região metropolitana de São Paulo. Foi um sucesso absoluto a PPP, Parceria Público Privada, também com todos os cuidados ambientais, a água vai subir uma torre Eifel para passar a Serra de Paranapiacaba, mas um total sucesso. Amanhã assinaremos a primeira PPP do país na área de medicamentos para operação da fábrica, nova fábrica da Furp do estado em Américo Brasiliense, ao lado de Araraquara. E hoje, a concessão do centro de eventos Imigrantes, ele venceu, nós tivemos inúmeros consórcios interessados, normalmente ganha quem já está lá, não ganhou, ganhou quem, o novo que vai entrar. Fizemos um modelo de concessão onerosa, então o estado vai receber R$ 201 milhões, além de 1% do faturamento e investimentos, em um setor que é essencial, é a vocação de São Paulo, grande capital mundial de eventos, de feiras, de congressos, de exposições. Hoje, o setor terciário, que é serviços, turismo, comércio, é o que mais gera emprego, emprego, distribui renda. E será, como disse bem o nosso presidente, o Repsold, será o maior, hoje tem 74, 75 mil metros quadrados o Anhembi, Center Norte, outros tem 40 mil. Nós temos lá 45 mil metros e passaremos a ter 100 mil metros quadrados, será o maior de São Paulo e do país, e vai ser reformado e modernizado todo o centro que já existe, que é de 1978, ele é antigo, tem mais de 40 anos. Teremos um novo pavilhão, mínimo de 50 mil metros quadrados; um novo centro de convenções, com a área mínima de 10 mil metros quadrados; estacionamentos; hotel no mesmo local com 252 apartamentos, em um local privilegiado porque está aí as margens da Imigrantes, do lado do Rodoanel, do lado do metrô que vai chegar em Diadema, terra da Regina, então vai passar ali o monotrilho. Uma logística extraordinária, do lado de um parque que é o maior fragmento de Mata Atlântica de São Paulo, com mais de 500 hectares de Mata Atlântica, e metade do ônus da concessão vai ser para a região, e a comunidade da zona sul, dos parques, que vai decidir. Então, uma parte importante vai, por exemplo, Bruno Covas, para o Jardim Botânico. E quero aqui agradecer ao Instituto de Botânica, grande parceiro nos estudos, nas condições técnicas para o bom encaminhamento aqui desse trabalho. Então, metade dos recursos ficarão ali na própria comunidade para a gente poder melhorar o parque, zoológico, Jardim Botânico, acessibilidade, toda a parte ambiental; e de outro lado, a outra metade para o turismo, para a gente apoiar o turismo no interior, poder fazer um trabalho grande para expandir as atividades turísticas no estado. Interessante essa questão nova hoje! Meu pai, minha família, nós temos em Pinda, eu não tenho casa na cidade, só lá no bairro da Colmeia, há décadas e em um bairro chamado Colmeia, um sitiozinho. E ali é passagem de cavalo, o povo que vai para Aparecida e o pessoal que vem de Minas, São Paulo, aqui da grande São Paulo, de tudo quanto é lugar. A última parada é Pindamonhangaba, eles param ali na Colmeia e param os cavalos, tem um local ali de descanso, meia noite partem, aí chegam as seis da manhã em Aparecida. Dizem que rezam, não é? Mas, dão uma parada na Colmeia. O boteco da Colmeia tinha a dona, uma senhora maravilhosa, uma moça de garra, a Rosângela, e vendia o nosso aguardente lá de Pinda. Só, era uma meia porta ali! Hoje, eu brinco que é um shopping, um shopping lá do nosso bairro, porque é um complexo na verdade: restaurante, hotel, supermercado, centro de lazer, local para os cavalos, parada de romeiros. Aquilo ali gera mais emprego que a região inteira junta ali, é impressionante, impressionante! Parada do romeiro que vai para Aparecida. Aparecida recebeu o ano passado 11 milhões de romeiros, é serviço, é turismo, é o setor terciário da economia que nós vamos, que vai garantir o emprego e a renda. Esse é o fato extremamente relevante! E esse é a vocação de São Paulo! Nova York não tem mais indústria para todo lado, Nova York é um grande centro no setor de serviço, é a vocação de São Paulo, das grandes metrópoles. E nós estamos perdendo muito evento importante por falta de local, e um investimento rápido, não é uma coisa que vai fazer. Não, assina hoje, amanhã já está funcionando, e funcionando, vai ampliando. E a Secretaria da Agricultura, que estava mal localizada, um prédio inadequado, desajeitado, uma coisa meio fora de contexto, foi para o coração de São Paulo, está atrás do Teatro Municipal, no Hotel Esplanada. Então, levamos a Secretaria da Agricultura para o centro, ajuda a revitalizar o centro de São Paulo, 1.300 funcionários e lá vira tudo o centro de eventos. Quero cumprimentar o deputado Rodrigo Moraes, que está aqui conosco, lembrando aqui Santos, todas as convenções, exposições, tudo ligado, por exemplo, ao Pré-Sal e ao petróleo. Você pode ter ali uma referência também importantíssima, enfim. Agora, assinado o contrato, é mãos à obra e ao trabalho! E quero cumprimentar aqui, agradecer a Assembleia Legislativa, que foi extremamente cuidadosa para que a gente consiga mostrar o que é desenvolvimento sustentável. É desenvolvimento, é emprego, renda, progresso, mas de outro lado, de maneira sustentável, preservando o meio ambiente, aplicando os próprios recursos disso, na melhoria do parque, esse maravilhoso parque do estado, o Jardim Botânico, no Zoológico, enfim, em toda a área de preservação que nós temos. Está garantido também tudo o que já vinha sendo feito, continua, eu vejo aqui a associação, essa raça maravilhosa, que é o Jersey, aliás, se tiver algum problema, pode fazer aqui no Palácio dos Bandeirantes a exposição, porque Jersey é um animal educadíssimo, você pode levar até para hotel, não é? Aliás, mexendo com o Henrique Salzano aqui, o Jersy é uma vaquinha pequena. Meu pai, que era veterinário, era um grande apaixonado pelo Jersey. Dr. Vieira, sogro aqui do Bressan, e o meu vizinho lá em Pinda, tinha uma fazenda muito chique, é o gado holandês, tudo PO, transplante de embrião, gado importado. E o tourinho Jersey de casa pulou a cerca e “crau” naquela vaca rica e chique lá do vizinho. Aí ele ficou uma arara! Aí foi lá reclamar. Ele falou: “Olha”. Me chamava de compadre! “Compadre, esse negócio de criar Jersey, quem não tem competência para criar holandês, tem vergonha de criar cabrito!”. Mas o fato é que o Jersey é imbatível, imbatível, é campeão! E essas exposições maravilhosas de grandes e pequenos animais, tem pequenos animais também, são importantíssimas! São Paulo é terra da diversidade econômica, agricultura, agronegócio, agroindústria. Indústria vai desde avião, as quatro fábricas estão em São Paulo, até a indústria mais simples. Agricultura: nós somos o maior produtor do mundo de cana-de-açúcar, de laranja, o maior produtor brasileiro de ovo, de borracha, de madeira, de frutas, de máquinas agrícolas. E o grande centro de serviços, centro econômico e centro de turismo de negócios da América Latina. Bom trabalho! Capital