Discurso - Assinatura dos contratos para as obras do Rodoanel Mario Covas - Trecho Norte 20130702

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Assinatura dos contratos para as obras do Rodoanel Mario Covas - Trecho Norte

Local: Capital - Data: 07/02/2013


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Bom dia a todas e a todos! Quero cumprimentar e agradecer ao ministro de estado dos Transportes, Paulo Passos; cumprimentar o nosso secretário de Estado e da Casa Civil, deputado Edson Aparecido; do Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita; da Habitação, Sílvio Torres; do Planejamento, deputado Júlio Semeghini; do Desenvolvimento Econômico, Luiz Carlos Quadrelli; procurador-geral do estado, Dr. Lourival da Silva Ramos; Moacir Rocetti, secretário adjunto de Logística e Transporte; deputados federais: Carlos Roberto, Milton Monte, Vicente Cândido, Edinho Araújo, membro da comissão de Viação e Transporte do governo federal; deputados estaduais: João Caramês, Samuel Loureira, Orlando Moranu, André Du Prado, Marcos Zerbini, Beto Trípoli, Celino Cardoso - que falou em nome dos seus colegas, Edmir Chedid, presidente da Comissão de Transporte da Assembleia, Regina Gonçalves, Gilson de Souza; prefeito de Arujá, Abel Larini; de Caeiras, o Roberto Hamamoto; de Guarulhos, o Sebastião Almeida - que falou em nome dos seus colegas prefeitos; Francisco Morato, o Marcelo Cecchettini; de Franco da Rocha, Kiko Celeguim; Santana de Parnaíba, Antônio da Rocha Cezar; [ininteligível], o Zé Carlos; Biritiba-Mirim, o Inho; Cristais Paulistas, Miguel Marques; João Antônio, secretário de Relações Governamentais da capital, representando o prefeito Fernando Haddad; Dr. Ricardo Rossi Madalena, superintendente do Denit aqui em São Paulo; Lawrence Casagrande, presidente da Dersa; Clodoaldo Pelissioni, superintendente do DER; Karla Bertocco, diretora-geral da Artesp; Dr. Antônio Carlos do Amaral Filho, presidente da CDHU; Dr. Arnaldo Hossepian Júnior, subprocurador-geral de Justiça do Ministério Público do estado de São Paulo; vereador Claudinho de Souza; Norival de Almeida Silva, presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas do Estado; professor, nosso ministro José Goldemberg do Instituto de Eletrotécnica da USP, nosso ex-secretário do Meio Ambiente; dirigentes e colaboradores da Dersa, do ministério dos Transportes, representantes das empresas responsáveis pelas obras de implantação do trecho norte do Rodoanel; amigas e amigos. Estamos começando o último trecho, ministro Paulo Passos, para a gente fechar os 178km do Rodoanel metropolitano, interligando as 10 autoestradas que chegam em São Paulo. O trecho Oeste interligou Bandeirantes, Anhanguera, Castelo, Raposo e Régis Bittencourt. O trecho Sul chegou a Imigrantes e Anchieta e deu acesso ao porto de Santos. O trecho Lestees tá em obras. Nós queremos entregar em março do ano que vem, daqui a 14 meses. A Dra. Karla Bertocco garantiu. Então, março do ano que vem... Aí, está parado o Rodoanel em Mauá, nós chegaremos à Ayrton Senna e à Dutra, entre Arujá e Guarulhos. E hoje damos início, assinamos os seis contratos, os seis trechos do Rodoanel Norte, aí saímos da Dutra, entre Guarulhos e Arujá, atendemos ao aeroporto em Cumbica, e está previsto na obra dos 44 km no trecho norte, mais 3,6km para chegar dentro do aeroporto. O acesso ao aeroporto já está incluído na obra que hoje está sendo assinada. Interligamos a Fernão Dias e chegaremos novamente a Bandeirantes e aí fecha os 178km do Rodoanel metropolitano e tiramos o trânsito de passagem. Só o trecho Norte deve tirar 17 mil caminhões/dia das marginais, de passar por dentro de São Paulo. Então, tem um impacto muito positivo na mobilidade urbana, melhorando o trânsito em São Paulo, a logística, interligando o maior aeroporto do país, que é Cumbica, o ano passado chegou a 35,5 milhões de passageiros/ano, e o maior porto da América do Sul, que é o porto de Santos. É uma obra de importância para o país todo. Queria cumprimentar também o prefeito de Vargem, o Aldo Moisés, e o deputado federal Roberto de Lucena. O ministro Paulo Passos colocou bem a eficiência. Eu acho que foi um trabalho feito de maneira eficiente. O edital foi uma saraivada de análises por todos os lados e ficou incólume, não foi mudada uma letra. Tivemos uma grande participação, empresas do México, Coreia do Sul, Estados Unidos, Espanha, a Europa inteira: Itália, França, as grandes empresas brasileiras, todas elas, e eu sempre defendo a tese que a gente precisa por a Economia de Mercado a serviço do povo, a concorrência é sempre positiva. E com isso, nós economizamos R$ 1,2 bilhão. A obra estava prevista em R$ 5,8 bilhões, estamos assinando os contratos por R$ 3,8 bilhões. Então, uma economia de R$ 1,2 bilhão na obra. O empreendimento todo é de R$ 5,6 bilhões; nós temos desapropriações e já estamos trabalhando com a Secretaria da Justiça e o SIC, família por família já sendo cadastrada, verificando documentação, documentação da [ininteligível], auxílio moradia, construção dos conjuntos habitacionais... Queria agradecer também ao ministro Paulo Passos, porque ele incluiu, pediu ao Ministério das Cidades para incluir o Minha Casa, Minha Vida. Nosso programa de reassentamento, que a gente faz junto com a Casa Paulista; temos a parte de Meio Ambiente, 1,6 milhões de árvores vão ser plantadas. Seis meses de trabalho... Quero agradecer aqui ao Bruno Covas e ao Otávio Okano, da CETESB. Seis meses de trabalho do Instituto de Botânica, com a Dersa. Foram levantadas 200 espécies de fora, da Serra da Cantareira, vão ser cultivadas, preparadas as mudas, e vão ser plantadas 1,6 milhão de árvores em águas degradadas da Serra da Cantareira para recuperar com mata nativa da região, e toda a parte de projetos. O prazo da obra é 36 meses. Lutar para que ela seja entregue até dezembro. O prazo é janeiro de 2016, mas dezembro de 2015, se não tiver na [ininteligível] do BID, que é um dos nossos financiadores. A gente espera 10 de março estar iniciando a obra. Iniciou, 36 meses ela deve estar concluída. São mais de 7 km de túnel, então o mínimo impacto ambiental possível e uma obra de grande importância para logística e nós estamos na terceira maior megalópole do mundo: 22 milhões de pessoas na Grande São Paulo, é só atrás de Tóquio e Nova Déli, na Índia. Região Metropolitana de São Paulo é a terceira maior metrópole mundial. E o problema da mobilidade urbana vai ser muito melhorado, melhorando a qualidade de vida das pessoas e a saúde, porque é o trânsito ruim e o escapamento de caminhão, combustível fóssil que prejudica muito a qualidade do ar aqui na Região Metropolitana. Melhora a segurança, melhora praticamente tudo. Quero agradecer... Pedir ao ministro Paulo Passos que agradeça a presidenta Dilma, o nosso convênio inicial era de 1,2 bilhão, foi aumentado para 1,7 bilhão de reais, que é a participação do governo federal, que é muito importante e a gente espera, no menor prazo, estar entregando esta grande obra em benefício do país, que nós vamos estar interligando o maior aeroporto, que é Cumbica, com o maior porto, que é Santos, ajudando a reduzir custo-Brasil, melhorando a eficiência e estimulando investimentos. Só essa obra vai gerar 15 mil empregos, entre empregos diretos e indiretos. Inclusive já assinamos um convênio com a FUNAP, para 600 egressos do centro penitenciário poder fazer um trabalho de reinserção, de reinclusão social, poder também participar. Quero agradecer aos nossos secretários, agradecendo ao Edson Aparecido, ao Dr. Saulo que está em viagem ao exterior, aqui representado pelo [ininteligível]; [ininteligível] Casa Grande, toda a equipe da Dersa, que tem uma engenharia competidíssima para grandes obras estruturantes. Agradecer aos nossos prefeitos, desde o prefeito da capital aqui representado, pelos nossos prefeitos todos aqui na Região Metropolitana; agradecer os nossos deputados federais que trabalham e defendem os interesses do povo de São Paulo em Brasília, no Congresso; e os deputados estaduais, aqui na Assembleia Legislativa; e em especial, ao governo federal, destacando a boa parceria com o Ministério dos Transportes e através do ministro Paulo Passos, agradecendo. Mãos à obra, se Deus quiser, 36 meses, uma grande obra em benefício do desenvolvimento de São Paulo e do nosso país.