Discurso - Autorização do processo seletivo para o programa Residência Educacional 20130305

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso -Autorização do processo seletivo para o programa Residência Educacional

Local: Capital - Data:03/05/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Bom dia a todas e a todos. Quero cumprimentar o professor Herman Voorwald, secretário do Estado de Educação; deputado federal Duarte Nogueira; deputado estadual Osvaldo Virgílio; ministro Barjas Negri, presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação, a FDE; Sandra Lazarin, gestora do programa Residência Educacional; a Tânia de Souza Luna, que aqui expôs a importância do programa, diretora do Núcleo Pedagógico da Diretoria de Ensino de Itaquaquecetuba; Gilda Portugal Gouveia, sempre querida amiga; dirigentes, supervisores de ensino, diretores e professores, amigas e amigos. É uma grande alegria nos reencontrarmos aqui, dentro do programa Educação, Compromisso de São Paulo, fazendo mais um avanço, assinando hoje o decreto que vai abrir oportunidade para mais de 10 mil universitários que fazem faculdade, cursos de licenciatura, e o principal, vai beneficiar os alunos e vai melhorar a educação. Eu vejo que... Eu já fui professor quando era ainda estudante, de aula particular. O que é que faz a diferença? Por que é que o aluno que tem mais dificuldade, às vezes, na aula particular consegue dar um passinho a mais? É a atenção a ele. Então, se você tem mais um profissional na sala de aula, mais um estagiário, mais uma pessoa para ajudar nesse trabalho, o maior beneficiário vai ser o aluno. O aluno vai ter um ganho importante com o trabalho que hoje está sendo lançado. E segundo, o futuro professor. Quer dizer, a faculdade, ela dá uma base teórica, informação, conhecimento, diploma, mas é o dia a dia, é a prática, é a residência, como bem colocou a Tânia, que faz a pessoa ter mais experiência e de ser um profissional melhor. Eu me lembro que eu fui fazer residência média aqui no Hospital do Servidor Público Estadual. E no primeiro mês de residência, tinha o R1, que éramos nós que estávamos entrando, já formados; o E2, que já tinha um ano; e não existia naquela época R3, hoje é obrigatório três anos de residência, além dos seis de faculdade. E tinha o professor, que era o professor Dubier. Então, tinha um mineirinho, que era residente como nós, e na primeira, uma cirurgia complicada, um paciente pneumopata, cardíaco, diabético... E aí ele perguntou para o professor Dubier. Falou: “Professor, e se cair a pressão?”. Aí o professor falou: “Olha, você pega everitou, dilui em 10, injete lentamente.”. Aí: “Professor, se tiver uma bradicardia, cair a frequência cardíaca?”. “Você pegue a propina, dilua, propinize lentamente.”. “Professor, e se tiver uma arritmia cardíaca? Começar a falar?”. “Você pegue xilocaína...”. E foi indo. Quando chegou na quinta pergunta: “Professor, e se acontecer isso?”. “Aí você chame o médico, viu?”. Ou seja, nós já estávamos formados e não estávamos preparados. Isso é em toda atividade, toda, toda. Então, esta... trazer, né? Além de que estimula mais. Porque, às vezes, a pessoa vê um monte de coisa teoria e, quando ela tem a oportunidade de estar dentro, na residência, dentro da escola, isso vai estimular pra que ela seja uma melhor aluna, e futuro melhor profissional. Depois, um outro aspecto importante. Você quando tá fazendo faculdade, às vezes não tem dinheiro. Eu fui dar aula num curso de Madureza, quando eu fazia faculdade, hoje é EJA, mas, naquele temo era o Madureza. E como faz bem para a autoestima da gente você ter o seu salário, você ter o seu dinheirinho, né? Como melhora a autoestima, você se sentir útil, ser remunerado por aquilo. Então, nós vamos abrir a oportunidade pra 10.396 universitários na área de licenciatura. Aliás, chegaremos a 46 mil bolsistas no Estado de São Paulo, incluindo os vários programas Escola da Família, Ler e Escrever, os estágios da Fundap, 46 mil bolsistas no estado. Esse é o programa ganha-ganha. Ganha o aluno, ganha o estagiário, nosso universitário, e ganha a educação. Nós estamos beneficiando o aluno e ajudando na formação dos professores. Então, é pra nós uma grande alegria recebe-los. Queria cumprimentar aqui o professor Hermann pelo seu trabalho e toda a sua equipe. O Barjas Negri, na FDE, os nossos deputados, o Duarte Nogueira e Osvaldo Virgílio. Eu sempre gosto dos encontros com a Educação, que é um forte predomínio das mulheres, né? E eu tenho uma tese, viu, Hermann, em relação às mulheres. O criador foi mais generoso com as mulheres, né? Quantos presos tem no estado de São Paulo? Duzentos e cinco mil. Quantos mulheres e quantos homens? Noventa e cinco por cento homens; mulheres, apenas 5%. E esses 5% é a má companhia dos homens... Então, bom trabalho a todos.