Discurso - Autorização para a implantação do Poupatempo e anúncio de moradias por meio do Casa Paulista e Governo Federal em Mogi Guaçu 20132509

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Autorização para a implantação do Poupatempo e anúncio de moradias por meio do Casa Paulista e Governo Federal em Mogi Guaçu

Local: Mogi Guaçu - Data:25/09/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos! Quero saudar o nosso prefeito anfitrião, prefeito Walter Caveanha; sua esposa, Maria Amélia Caveanha, presidente do Fundo Social de Solidariedade - um abraço da Maria Lúcia; vice-prefeito, Marçal; o vereador Tomás, o presidente da Câmara; Dr. José Fernando Steinberg, juiz de Direito, diretor do fórum; deputado Barros Munhoz, líder do governo na Assembleia; deputado Silvio Torres, secretário de Estado da Habitação; deputado Davi Zaia, secretário de Gestão Pública; Dr. José Antônio Carlos de Souza, delegado seccional; prefeito de Holambra - está tendo a Exploflora até domingo -, Fernando Godoy; São José do Rio Pardo, João Santurbano; Espírito Santo do Pinhal, Zeca Bene; Casa Branca, o Zoldan; e Pedreira ,o professor Carlos. Queria convidar o Hélio Bueno, nosso ex-prefeito para subir também. Um abraço ao Hélio Bueno, uma alegria revê-lo!

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Cumprimentar o nosso pároco, o Padre João Paulo Lelo, agradecer a sua presença; a amiga Maria Otília; secretários municipais; lideranças comunitárias; amigas e amigos! Uma grande alegria vir à Mogi Guaçu para assinarmos aqui o Poupa Tempo de Mogi, como disse bem aqui o Barros, atenderá a região. Fica pronto em fevereiro? Até fevereiro deve estar pronto e vocês vão ter aqui o Poupa Tempo que vai atender a região, então o mais bem avaliado o serviço do governo. Eu vim agora de Araras, o Dr. Brandino, prefeito dizia que depois dos 60 anos, dos 50 anos, tem que renovar a carteira de motorista, exame médico de cinco em cinco, não é isso? E que ali ele esqueceu, tinha que viajar e a carteira estava vencida. Falou: “Eu estou frito!” Aí foi no Poupa Tempo de Rio Claro.Falou: “Foi o tempo de eu... fiz a documentação, fui fazer um lanche, tomar um café, voltei, estava pronto, fui embora” Muito impressionante a qualidade do serviço! E o segundo benefício é o Detran, nós vamos ter aqui a nova Ciretran, no padrão Poupa Tempo. Nós tiramos o Detran da Polícia, da Secretaria de Segurança Pública, levamos para a Secretaria de Gestão e com isso, nós vamos liberar 1.400 policiais civis, 600 já foram liberados: delegados, escrivãs, investigadores para o seu trabalho de polícia investigativa e estamos abrindo um concurso, aliás, tivemos uma surpresa pra 1.200 vagas no novo Detran, estamos com 38 mil inscritos para 1.200 vagas para o novo Detran. Então aqui terá o novo Detran, totalmente informatizado, todo ele eletrônico, provas eletrônicas, tudo isso e também o Poupa Tempo.

A terceira boa notícia são as casas. Eu fiz a conta aqui são 1.150 casas só hoje, incluindo aqui os quatro... os quatro municípios. Então nós teremos em Mogi Guaçu, 453, nós assinamos com a presidenta Dilma, Walter, 100 mil casas e apartamentos, que a gente complementa o Minha Casa, Minha Vida. Então nós colocamos até R$ 20 mil por unidade - não é empréstimo, é a fundo perdido - para viabilizar os programas. Quatrocentos e cinquenta e três, Mogi Guaçu, nós vamos pôr do estado R$ 8,9 milhões. Pedreira, 296, R$ 5,8 milhões; Santo Antônio da Posse, 144 e São José do Rio Pardo, 212, dá 1.105 casas. Quanto é o aluguel de uma casa aqui em Mogi Guaçu? Trezentos? Quatrocentos? Quinhentos? É isso aí. É um dinheiro sofrido, não é? Vai e não volta. Aqui, vai pagar menos do que isso para ser dono da casa, novinha, zero quilômetro. Qualidade, conjunto com toda a estrutura. Aliás, São Paulo não deixa ninguém para trás: quem ganha um salário mínimo tem acesso a casa própria, porque ele não paga mais do que 15% da sua renda familiar, então ele vai pagar R$ 101,00 para ser dono da casa, quem ganha um salário. E ele tem também acesso à casa própria, vai até 10 salários. Então é um belíssimo programa que a gente faz com a Caixa Econômica Federal e com o Banco do Brasil. E nós colocamos a nossa parte para atender as famílias de renda menor.

Aqui também nós temos aqui R$ 1,6 milhões de infraestrutura de adução de água, distribuição pro Vale do Redentor, um a quatro; Dionísio Guedes Barreto, Natal Merlin, I e II; Rio Pardo I e II; Jardim São Bento e Nova Esperança. É isso? Fica pronto agora em janeiro, no comecinho de ano. Também temos implantação de duas escolas de tempo integral, nós queremos ter professor em tempo integral, escola em tempo integral. O aluno entra às 7h30 da manhã, sai 4h30 da tarde, tem três refeições e o professor além do salário, das 40 horas, ele tem 75% a mais por ficar em tempo integral na escola. Aqui temos também a creche, está liberado para a prefeitura um ônibus, nós vamos liberar duas ambulâncias zero quilômetro aqui para o Caveanha, ele veio...

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Só não é aquela ambulância de cinema, não é? No filme, a gente abre a porta da ambulância, Barros, sai uma morena e uma loira de dentro, não é? Mas, novinhas, virão as duas ambulâncias. A prefeitura, essa região é uma região maravilhosa, tem muita empresa querendo vir para cá e se tiver terreno, é mais fácil de atrair as empresas. Então nós temos uma área aqui de dois mil alqueires do Instituto Florestal. Uma parte - perto de 800 alqueires - é APA, portanto, não pode ter nenhuma outra atividade a não ser preservação dos recursos naturais, mas tem uma outra parte que pode. Então nós vamos achar uma maneira jurídica de transferir para o município, sempre precisa haver um lado jurídico. Eu estou saindo de Araras, perdão que eu estou desde ontem com soluço. O meu consolo é de que teve um Papa que tinha soluço e depois o Papa foi canonizado!

[RISOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Meu únicos consolo aqui, Eu faço Acupuntura como médico, quando eu saí do governo - eu sou anestesista de residência médica - mas não quis voltar para anestesia e fui para a Escola Paulista de Medicina e fiz acupuntura e gosto muito, faço até como paciente também. Então se eu tivesse algumas agulhinhas aí, eu já curava, mas não tenho. Mas eu queria dizer o seguinte, nós vamos achar uma maneira jurídica de uma parte da fazenda do Instituto Floretal transferir para a prefeitura e com isso...

[APLAUSOS]


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: E com isso poderem vir mais empresas pra cá e mais emprego, desenvolvimento para a região, que é extremamente próspera! Precisamos achar uma maneira jurídica. Eu fui agora à Araras, o prédio da Câmara de Araras é do Estado, quando foi constituída a SPPrev que é a aposentaria dos funcionários, uma série de bens do estado foram pra SPPrev para capitalizar a SPPrev. Então eu fui verificar lá por telefone lá em Araras e o prédio da Câmara é hoje da SPPrev, então não pode doar porque ele é patrimônio do servidor do Estado, então o Estado tem que pagar à SPPrev e aí faz o que quiser, pode doar, mas a SPPrev não pode, porque não é do Estado, é do patrimônio do funcionário público, mas aqui não é, aqui é do Instituto Florestal, nós precisamos só achar o lado jurídico aqui para resolver. A questão da Unicamp, todo o nosso apoio. Nós estamos procurando, até estamos fechando para lançar um programa para aumentar a residência médica porque o que mais falta hoje é residência médica. Então você tem até um número de formandos razoável, mas não tem nem metade das vagas, então a maioria do pessoal sai da faculdade e não tem residência e aí tem grande dificuldade. O que acontece hoje na Saúde? É a ‘empurroterapia’. Capacidade de resolutividade ficou lá embaixo. O camarada não assume, tem medo de processo, não assume, ele manda para frente, ao fulano de tal, e pede exame, manda para frente, a resolutividade é baixa. Pela má formação. O que acontece com os advogados? O cara sai da faculdade, pega o diploma, 80% não vai exercer a profissão, não passa no exame da Ordem. Então 80% é só bacharel, só tem diploma, mas não consegue exercer a atividade. O médico não tem prova, ele saiu, pode cair na vida no dia seguinte. só que ele não está preparado, então ele vai para as grandes cidades que ninguém vê, então a cidade menor: “Opa, esse caboclo aqui está fazendo besteira!” E é mais perigoso um médico mal formado do que alguém até não ter, é muito mais grave. Existe uma coisa hoje chamado doenças idiopáticas, o que é doença idiopática? É aquela que é ocasionada pela intervenção. Se o cara não tivesse feito nada ele nã tinha tido aquela doença. Então Campinas, num hospital particular, chique, morreram três pessoas, fazendo o quê? Ressonância magnética. Ressonância magnética cura alguém? Não. Não cura ninguém, é só um dado a mais para o médico basear: “Olha, com esse exame aqui eu acho isso, eu acho aquilo”. Não cura ninguém, não cura absolutamente nada, mas dá uma informação a mais, morreram os três, todos com menos de 40 anos de idade. Se não tivessem ido fazer a ressonância magnética, estavam todos aí vivendo bem. Então nós precisamos ter cuidado porque o número das chamadas doenças idiopáticas, que você contrai por exame, por cirurgia. Eu conheço cidade de 40 mil habitantes, o prefeito foi lá me reclamar de fila. Eu falei, me dá aqui a fila, eu sou anestesista, a fila de cirurgia: Cento e vinte e nove pacientes para operar de coluna. Impossível! Posso garantir para você que dos 129, não tem 10 que precise operar, não faz sentido isso! Quer dizer, operar de coluna vai dar problema, depois na segunda cirurgia ninguém quer fazer mais. Mas o cara põe placa. Quanto ganha na placa? Então a quantidade de intervenções... não se cuida mais de saúde, não se cuida de saúde, só cuida de doença, ninguém promove saúde, o ser humano ele envelhece, isso é normal, isso é normal, doença é desequilíbrio. Ninguém pode fazer mais pela própria pessoa do de que ela própria, porque a maioria das doenças são maus hábitos.

E não é fácil ficar doente, come errado a vida inteira e não fica doente; fuma a vida inteira, demora pra ficar doente; bebe, demora para ficar doente. O ser humano tem uma capacidade de resistência impressionante, aliás é auto cura, o organismo é feito para se auto curar, você precisa dar a ele o quê? Exercício, sono adequado, alimentação correta, baixar estress e nos casos necessários, você ter uma boa assistência. Quanto o estado investe em educação? A lei no Brasil? Quanto que é obrigado a investir? 20 e? 5! Então se a prefeitura de Mogi Guaçu investir menos de 25%, o prefeito será condenado, ficará inelegível por oito anos - está cheio de prefeito condenado aí. O estado, quanto que tem que investir? 25%. No Brasil inteirinho, tem um ente federativo, um só, não tem dois, não existe um município no Brasil que invista 30%, nenhum. Não tem um estado no Brasil que 30%, só o estado de São Paulo. Só. 30%. Como é povo de São Paulo, porque o dinheiro não é do governo, o dinheiro é do povo, como é que o povo de São Paulo investe esses 30%? 20% para cinco milhões de alunos, é uma população maior do que o Uruguai, 5 milhões de crianças do Ensino Fundamental - 1ª à 9ª série; do Ensino Médio e 10% para 120 mil que são os alunos da USP, da UNESP e da Unicamp, assim que é distribuído. 10% para 120 mil e 20% para 5 milhões. Aí, a Unicamp promete tudo, desde que você aumente o percentual dela. Ou seja, eu vou tirar dinheiro de 5 milhões da base da pirâmide que é Ensino Fundamental e Ensino Médio para por no top? E só entra na universidade, nessas universidades, família rica. Óbvio, só pegar o perfil, não vai entrar. Eu sou o típico caso de classe média baixa: estudei em escola pública, aí não entrei nem na USP, nem na UNESP, nem da Unicamp e fui fazer faculdade particular, pagando uma fortuna - meu pai era funcionário público, não tinha como pagar Medicina - dava aula toda noite no cursinho para poder pagar. Então as universidades têm 9,57% do ICMS por lei, USP, UNESP, Unicamp. Aí você fala: “Precisa abrir um curso X”, não vou nem falar em Medicina porque é caríssimo, “Precisa abrir um curso de Engenharia de Produção”. Ótimo. Quanto vai aumentar o percentual? Não tem jeito.

Então, olho no olho. Se isso significar aumentar dinheiro para o Ensino Universitário, nós não vamos dar um centavo nem para a USP, nem para a UNESP, nem para a Unicamp.

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Aliás... A USP tem em caixa R$ 3,2 bilhão; a Unicamp tem em caixa R$ 1,5 bilhão e a UNESP tem em caixa R$ 1,4 bilhão. Então toda a cidade que eu vou, eu chego lá, olha, a UNESP abre aqui, tal. Faz tudo, desde que aumente o recurso. Ou seja, eu tenho que falar para os professores do Ensino Médio e Fundamental que o deles vai diminuir. E já é 10% para alunos 120 mil alunos e 20%, não é para 240 mil: é para 5 milhões de alunos. Nós vivemos no Brasil o auge do corporativismo. Auge do corporativismo. Nunca vi um corporativismo tão grande! É um pedaço querendo tirar do outro, é um corporativismo assim extremado. Quem sofre é o pequeno porque ele não tem lobby, ele vai ser massacrado. É preciso ter a visão do conjunto. Falta no país espírito público. Público. Público é coletivo, é o compromisso com o bem comum. Não com as partes, por mais importante que as partes sejam. Democracia não é a ditadura das partes sobre o todo, mas é o todo cuidando do coletivo. Onde falta recurso é na Saúde. Na Saúde. Porque a população envelheceu, o Brasil não é mais um país jovem, é um país maduro caminhando para ser um país idoso, a Medicina ficou muito cara, a formação é péssima, péssima e as coisas ficaram complicadas. O Governo Federal sai do financiamento da Saúde, ele não corrige a tabela do SUS há 10 anos. Então, uma consulta médica ele paga R$ 10,00 se o médico atender 10 pacientes num dia ele vai ganhar R$ 100,00 ele vai ganhar por mês R$ 2.400. Evidente que não vai ter, então sobra médico para o setor privado e não tem médico para o SUS. Óbvio que não vai ter. As Santas Casas quebrando, hoje a soma da dúvida das Santas Casas chega a R$ 15,5 bilhões. Todo mundo quer fazer hospital. As Santas Casas - só no Estado de São Paulo - elas ocupam hoje 34% dos seus leitos, está tudo ocioso, tudo ocioso, não falta hospital nenhum. Não tem é leito para o SUS. Pegar uma Santa Casa de 100 leitos, ela opera com 40 leitos, 60% vazio. Porque quanto mais ela atender, mais prejuízo ela vai ter. Fez uma cirurgia, custou R$ 1.000, recebeu 500, prejuízo de R$ 500; fez um atendimento, custou 600, recebe 300, prejuízo: R$300. Está tudo ocioso. Tem prédios sobrando para todo lado, mas não consegue por para funcionar. O problema é custeio. Olha o Poupatempo: Custa R$ 1,2 milhão para inaugurar e custa R$ 1,5 milhão por ano para funcionar. Então se for abrir o Poupatempo, o Poupatempo vai quebrar o estado, porque o problema não é inaugurar, não é fazer prédio, o problema é custeio. Esse é o problema da Saúde. Então eu estou fazendo essa ponderação porque a questão da Saúde, nós precisamos é ter mais financiamento. Esse é um desafio mundial, financiamento da área federal. Imagine uma casa: três sócios, R$ 1000,00 cada um. Ele é o mais rico, é o federal, ele fica com 2% do dinheiro de imposto do Brasil. Mil, mil e mil. Aí vem a inflação, comendo solta. Precisa aumentar para R$ 1.100, o Governo Federal fala: “ Eu não ponho mais um centavo” Nós pomos R$ 1.100 cada um. Passou mais um pouco, precisa aumentar, pomos R$ 1.200. Daqui a pouco precisa aumentar. Uma hora a casa cai, é óbvio. Então, quanto você gasta hoje com Saúde? Deve estar 28%. Araras eu perguntei agora, 26%. Ou seja, há uma crise de financiamento. Tudo na vida tem um lado bom e um lado ruim. O lado bom é que as coisas melhoraram. Ou seja, no Brasil, expectativa de vida em 1940 era 43 anos de idade Quarenta e três anos de idade. Hoje é 73. São Paulo é 75. Passou dos 30 vai para mais de 80, porque você sai da vulnerabilidade juvenil. Morre muito jovem não de doença, mas de acidente em fim de semana: Droga, moto, carro, tiro, enfim, causa externa. A expectativa de vida disparou. Mortalidade infantil que é o índice mais importante da Organização Mundial de Saúde. No Brasil era, 80 anos atrás, 143 mortes para mil nascidos vivos. Era comum uma mamãe dizer: “ Tive cinco filhos, vingaram três, Vingaram quatro” Morria muita criança. Hoje é raríssimo. Mortalidade infantil em São Paulo é 11. Difícil uma criança morrer. E se os médicos ajudarem, melhor ainda. Porque o grande problema é excesso de cesariana. Um dia desse eu fui num hospital particular em São Paulo e perguntei: “Quantos por cento de cesariana?”, ele falou: “99%”. Eu falei: “Por que não é 100%?”, ele falou: “O elevador quebrou. Não deu tempo de chegar, nasceu antes da hora, não deu tempo de chegar no centro cirúrgico”.

[RISOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Então aí... O que acontece com tanta cesariana? Prematuridade. CalculaM na tabelinha, não é? Aí tira a criança, o pulmãozinho não está maduro, Síndrome de Membrana Hialina, vai ter que ir para a UTI Neonatal porque tinha que ter esperado um pouquinho mais. Enfim. Mas o fato é que melhorou muito, nós estamos vivendo mais e vivendo melhor. O outro lado: a Medicina ficou mais cara e mais sofisticada. Governar é escolher. O dinheiro nunca dá para tudo, então você tem que escolher. Nós escolhemos: Saúde. É o dia inteiro você está arrumando recurso, colocando recurso. Mas infelizmente, a área federal saiu do financiamento da Saúde. Esse é um fato real e isso ocorre do Oiapoque ao Chuí, país inteirinho é o mesmo quadro. São Paulo ainda tem uma situação melhor que o resto do Brasil porque o estado banca. Um dia desses eu vi na televisão: um paciente casa na UTI do Incor. Ele fez um transplante de coração. Apaixonado pela mulher, já vivia com ela há algum tempo, achou que podia morrer então ele casou na UTI. O transplante de coração foi um sucesso total, já teve alta, já foi embora. Quem é o paciente? Mineiro! Aí, duas criancinhas xifópagas, grudadas, duas pequenininhas. Vieram as duas para São Paulo, cirurgia dificílima. Geralmente, sobrevive um e falece o outro. As duas se salvaram, perfeitas. De onde são as duas meninas? Ceará. Aí a televisão pega agora mais xifópagas de Alagoas, grudadinhas. A televisão foi lá no Ceará pegou os pais e as menininhas correndo e levou para dar uma força para os outros dois que vão ser operados. Tudo aqui em?

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: São Paulo

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Ninguém volta. E não vem gripe para cá, só vem caso complicado e a gente segura a peteca. E você ainda tem decisões judiciais questionáveis. O prefeito de Araras, que é um grande cirurgião, especialização nos Estados Unidos, Dr. Brambilla, me dizia que uma decisão judicial na semana passada, o juiz mandou ele pagar R$ 128 mil, um remédio que a Anvisa ainda nem aprovou. Nós estamos gastando 1,2 bilhão de decisões judiciais, o estado, 1,2 bilhão. A média é de 3 a 4%, por região; Ribeirão Preto 28%, Rio Preto 32%. Como é que pode? A região mais pobre, que é o Vale do Ribeira 0,9%, a região mas rica tira dinheiro público? 32%. Lobby de advogado com ONG, óbvio: é uma máquina de ganho tirar dinheiro do povo, é uma máquina de sangrar, sangrar dinheiro público! Juntam aos advogados e ações judiciais ininterruptas, R$ 100 mil, R$ 200 mil, R$ 300 mil, R$ 400 mil. Aí você não tem uma ambulância pra levar uma atropelado para um hospital, você não tem Novalgina, você tem dificuldades de salários, enfim, Mas nós viemos aqui por outros motivos, celebrar aqui o Poupatempo, celebrar o Detran, as casas aqui da Casa Paulista, trazer aqui as ambulâncias, vamos viabilizar o terreno para as indústria aqui de Mogi Guaçu

[APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: E vamos dizer para Unicamp o seguinte: Ela entra com a parte educacional e nós entramos com a parte da saúde. Um abraço a todos!

[APLAUSOS] Região de Campinas