Discurso - Caism - Água Funda 20132602

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Caism - Água Funda

Local: Capital - Data: 26/02/2013

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN : Bom dia a todas e a todos! Quero saudar o nosso secretário de Saúde, o professor Giovanni Guido Cerri; a nossa secretária da Justiça e Defesa da Cidadania, professora Eloisa Arruda; o nosso secretário de Esporte, Lazer e Juventude, Dr. José Auricchio Junior; a Dra. Cláudia Kotait, diretora técnica aqui do Caism; e Dr. David Capistrano aqui da Água Funda; o Dr. Sebastião André De Felice, coordenador de saúde da Secretaria de Estado de Saúde; Professor Ronaldo Laranjeira, grande autoridade reconhecida internacionalmente na área de saúde mental, especificamente dependência química;Dr. Marcos da Costa, presidente da OAB, seção de São Paulo; Dr. Cid Vieira de Souza Filho, conselheiro seccional e presidente da Comissão Antidrogas da OAB; Dr [ininteligível], também da OAB. A OAB tem sido grande parceira do povo de São Paulo. Muito obrigado! Capitão Samir, representando o Batalhão aqui da região do Ipiranga; o capitão Sanches também aqui da região; membros do corpo clínico; profissionais da área de saúde; corpo administrativo; pacientes; comunidade aqui da região. É uma grande alegria vir aqui ao Caism, aqui da Água Funda, um centro especializado na área da saúde, da saúde mental. Abrir aqui mais 20 vagas para jovens. Aliás, de todas as idades, a partir de 18 anos de idade, do sexo masculino, mais 20 leitos. Nós chegamos então, a 910 leitos públicos ou contratados. Nós criamos nesses dois anos, 665 leitos, chegamos a 910. E quero assumir aqui um compromisso com vocês: os recursos que precisarem: humanos, materiais, financeiros, vagas, todo esforço vai ser feito! E é uma tarefa coletiva, primeiro de multiprofissional, de médicos, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, enfermagem, farmacêuticos, fisioterapeutas, nutricionistas, técnicos em reabilitação física, cirurgião-dentista, área administrativa, apoio. É o trabalho multiprofissional! Muito mais difícil e complexo do que as outras áreas da saúde. Quando alguém tem apendicite, você anestesia, opera, tira o apêndice, costurou: bye, bye, acabou o problema. Aqui é diferente, você tem que ter um acompanhamento. Família, é muito importante a sua participação, reinserção no Mercado de Trabalho, qualificação profissional. Por isso está aqui o secretário de Esportes; participa o secretário do Trabalho, Emprega São Paulo, tem que viabilizar emprego, crédito, apoio, apoio social, Casa Transitória, acolhimento, Comunidade Terapêutica. Então, nós não vamos desistir. Quer dizer, o trabalho ele não se encerra com a internação, mas ela é uma fase importante. E estamos frente a um fato novo da saúde no mundo, especialmente no Brasil. Se a gente analisar a questão epidemiológica, ela tem momentos da vida. Pegar no começo o século passado, o grande desafio da saúde pública era a moléstia infecto-contagiosa, porque não existia antibiótico. O problema é que as pessoas morriam de gripe. Gripe Espanhola, matou 300 mil brasileiros; tuberculose, veja a quantidade na... Eu sou do Vale do Paraíba, lá em Campos de Jordão tinha 16 sanatórios só para tratar tuberculose, hoje... E as pessoas morriam de tuberculose. Hoje você trata em casa com antibiótico. A química avançou muito. Mas você vai tendo outros desafios; O desafio do câncer, há cem anos atrás, pouco se conhecia, pouco também se podia fazer e a incidência era menor, porque o câncer é muito ligado à idade. Como mudou o perfil demográfico no mundo, as pessoas estão vivendo mais, aumentou a incidência de neoplasia: já é a segunda causa de morbimortalidade. E outro fato novo é o problema da dependência química, que se agravou inclusive com a questão do crack, que é uma droga mais barata e onde a dependência é muito rápida e com grandes transtornos. Por isso o nosso compromisso, nós viemos aqui, Dra. Cláudia, e para vocês aqui do Caism´, dizer que nós queremos o Caism aqui da Água Funda mais ampliado ainda, com todas as condições de prestar um bom trabalho, todo o governo está empenhado, todas as secretarias, não é só a Saúde. Os poderes de São Paulo: Judiciário, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil - e quero agradecer aqui a participação cidadã da OAB - a Defensoria Pública, as nossas várias secretarias, nesse esforço permanente para a gente enfrentar o problema, dar a mão a quem precisa e tratar. Há preconceito em relação à saúde mental, preconceito atrasado. Nós temos é que investir, oferecendo possibilidade de tratamento. Há casos que é apenas ambulatorial, outros casos precisam de internação e todos precisam de um acompanhamento ao longo do tempo, frente a uma doença que é crônica e recidivante. E é um esforço coletivo da sociedade e principalmente a participação das famílias. Então, contem conosco! Nós hoje estamos dando mais um passo: 20 vagas numa instituição especializada, como é aqui o Caism, o Dr. David Capistrano, aqui na Água Funda. E estamos chegando aí a 910 vagas no estado. O CRATOD fez uma ampliação, inclusive, com uma Unidade Social para ter melhores acomodações. Nós queremos todas as prefeituras integradas com os chamados CAPs-AD, que são os ambulatórios específicos de álcool e droga. A participação das igrejas também são importantes, porque elas trazem, agregam também um valor importante. As Casas - Abrigo, as casas transitórias, as comunidades terapêuticas, enfim, um trabalho coletivo. A gente quer é trazer um abraço, dizer do nosso compromisso com a saúde da população e especialmente de quem mais precisa. E agradecer a todo esse esforço coletivo, especialmente aqui no Caism de Água Funda. Muito obrigado!