Discurso - Convênio com a Prefeitura de São Paulo para ampliação do Programa de Enfrentamento ao Crack 20132604

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Convênio com a Prefeitura de São Paulo para ampliação do Programa de Enfrentamento ao Crack

Local: Capital - Data:26/04/2013


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos! Quero saudar o prefeito da nossa capital, o prefeito Fernando Haddad; a secretária da Justiça, a professora Eloísa Arruda; o secretário da Saúde, o professor Giovanni Cerri; o secretário de Desenvolvimento Social, o Rodrigo Garcia; o secretário de Esportes, o dr José Auricchio Júnior; o secretário Municipal de Saúde, o José de Filippi Júnior; o secretário de Desenvolvimento Social, a Luciana Temer; o secretário de Comunicação Executiva, o Nunzio Briguglio; deputados estaduais, o Osvaldo Vergínio e o Orlando Morando; o vereador da capital, o Ari Friendebach; coordenador estadual de políticas sobre drogas, o dr. Mário Sérgio Sobrinho; coordenadora de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Estado, a dra. Rosangela Elias; o dr Cid Vieira de Souza Filho, presidente da Comissão de Estudos sobre Prevenção de Drogas da Ordem dos Advogados do Brasil, da OAB; profissionais da área de saúde mental; representantes de entidades; da sociedade civil; amigas e amigos!

Hoje é um dia especialmente importante! A questão da dependência química, ela envolve saúde, ela envolve a questão social, com as famílias, ela envolve Segurança Pública, ela tem inúmeras faces. No caso do crack, ela é recente – até a década de 80, praticamente não existia o problema do crack – tem menos de 25 anos este problema grave de saúde pública e hoje nós estamos aqui celebrando um convênio para unir os esforços da prefeitura, que tem uma boa rede: 25 CAPs AD, só de álcool e droga, na cidade de São Paulo; o estado, que tem o CRATOD no Bom Retiro, que é o Centro de Referência do combate ao Álcool, Tabaco e Outras Drogas; e uma rede hospitalar. Nós tínhamos 300 leitos para dependência química, hoje estamos com 1004 leitos para dependência química. Em praticamente dois anos, nós triplicamos o número de leitos e retaguarda. No CRATOD, quero aqui agradecer a OAB, Dr. Cid, a Justiça, o Poder Judiciário, o Ministério Público e a Defensoria estão juntos com a equipe de saúde lá no CRATOD. Nós fizemos 658 internações, 10%, 60, involuntárias e 90% voluntárias. Mais de 3 mil abrigamentos, casa transitória, comunidade terapêutica, e 23 mil telefonemas que... Onde foram orientadas pessoas, famílias que são vítimas, que sofrem junto com os seus dependentes, especialmente as mães. E hoje, a gente fica muito feliz porque as equipes da Saúde, o senhor Giovanni e o Filippi, do Desenvolvimento Social, a Luciano, o Rodrigo, a Heloísa, o Auricchio, todo mundo integrado aí para a gente fazer o máximo de benefício para a população. Prefeito Haddad colocou bem: a prefeitura amplia com os CAPs AD 24 horas. Hoje tem 5, vai passar para 10 CAPs AD 24 horas. Este ano ainda vai 15, 20 chegar a 30 CAPs AD. Nós estamos dando 100 leitos de suporte.Então ficarão 6 leitos, aí, de suporte para a prefeitura, no caso de haver necessidade de internação. O SAMU AD, acho que é o primeiro do país, o SAMU para fazer o resgate no atendimento específico, especializado em álcool e droga, dividindo, aí, as despesas. O serviço de Call Center também, que vai ser instalado para poder fazer a regulação, a regulação de leitos de atendimento de saúde e social e a ampliação por parte também da prefeitura, dos consultórios de rua. Enfim, nós vamos integrar o atendimento primário do município com a retaguarda hospitalar do estado, com uma regulação conjunta e um SAMU conjunto para a gente poder aproveitar melhor os nossos recursos e ampliar esse atendimento para quem precisa. Houve uma explosão de demanda, praticamente, porque quantas famílias hoje têm um filho, às vezes um pai até, um irmão, uma pessoa passando por dificuldade.

Não é um trabalho fácil, é diferente de apendicite: você operou, costurou, bye-bye! Dependência química é doença crônica, recidivante, tem que envolver a família, tem que ter um novo plano de vida, é um trabalho de equipes multiprofissionais, com enorme dedicação, mas acho que São Paulo vai fazer toda a diferença neste trabalho em benefício de quem mais precisa. Muito obrigado!