Discurso - Desocupação da Cadeia Pública de São Roque e liberação de recursos do Dade 2013 20130304

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Desocupação da Cadeia Pública de São Roque e liberação de recursos do Dade 2013

Local: São Roque - Data:03/04/2013


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: O governador do nosso estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos! Dizer da alegria de estarmos aqui em São Roque, cumprimentar o prefeito, o nosso anfitrião. Prefeito Daniel de Oliveira Costa, prefeito de São Roque; presidente do Fundo Social de Solidariedade, Elenice Rodrigues de Oliveira; juiz de Direito, diretor do Fórum, Dr. Cássio Pereira Brizola; promotor de justiça e secretário da promotoria de São Roque, Dr. Wilson Velasco Júnior; vice-prefeito, João Paulo de Oliveira; secretário da administração penitenciária, Lourival Gomes; secretário de turismo, Claudio Valverde; deputado federal, Arnaldo Jardim; deputados estaduais, João Caramez, Gilmacir Santos e Osvaldo Verginio; Dr. Maurício Blazeck, delegado geral de polícia; Dr. Júlio Gustavo Vieira Guebert, delegado diretor do DINTER 7 de Sorocaba; prefeito de Alúminio, José Aparecido Tiséo; delegado seccional de Sorocaba, Dr. Marcelo José Carriel Júnior; coordenador das unidades prisionais, o Luiz Carlos Catirse; Padre Benedito Aparecido Cesário, pároco aqui da paróquia da Igreja de São João Batista; nossos pastores aqui presentes; capitão Emerson; o presidente do Conseg, o Roque Tadeu Dias. Queria saudar também aqui o delegado, Dr. Marcelo, né? Cadê o Dr. Marcelo? Aqui o Dr. Marcelo. Que é o delegado aqui titular da cidade. Como é que chama a delegada que cuidava dos presos? Doutora Luciane também tá aqui? Sobe aqui Dr. Luciane, vem aqui. Cumprimentar também a Dr. Luciane, todos os delegados. Vejo aqui a Dra. Marilda, que preside a associação também dos delegados, cumprimentar os investigadores, escrivães, agentes policiais, enfim, toda a Polícia Civil, Militar, Científica. Cumprimentar o nosso querido coronel. O chefe da Casa Militar do Mário Covas; amigas e amigos. Uma boa notícia, né? Nós chegamos a ter aqui, dizia a doutora, quantos presos? Duzentos e quarenta presos, um cubículo verdadeiro. Uma vez, eu vi uma entrevista de um ex-presidiário na televisão, no programa da Marília Gabriela, ele escreveu um livro e aí foi lançar o livro, e ela entrevistou, o sujeito ficou 10 anos preso. Aí, ela perguntou pra ele: O que você viu de melhor, e o que você viu de pior no tempo que você esteve preso? Ele falou: “Olha, de melhor foi a penitenciária de Pirajuí”. É uma penitenciária do estado, do lado de Bauru, que é uma fábrica penitenciária, todos os presos trabalham, é uma indústria, faz móvel, carteira de escola, mesa, faz toda a parte de mobiliário do estado através da FUNAP. E o que você viu de pior? Ele falou: “Pior não é a penitenciária, o pior é cadeia”. Imagine você entrar num elevador lotado, você fica contando ali os segundos pra sair do elevador. Agora, você imagina você morar num elevador lotado; isso é cadeia. São Paulo tinha quanto? Noventa mil presos, 35 mil em cadeia, mais de um terço, quase 40% dos presos do estado de São Paulo estavam em cadeia, inclusive cumprindo pena em cadeia, não era preso provisório aguardando julgamento, cumprindo pena em cadeia. Uma vez, eu reuni a Polícia Civil e perguntei: O que é que nós poderíamos fazer de mais rápido, que ajudasse a melhorar a eficiência da Polícia Civil, Polícia Investigativa, Polícia Judiciária? E o delegado geral na época falou: “Olha, tira os presos da cadeia, tire os presos dos distritos policiais, das delegacias, o senhor vai ver como vai melhorar o trabalho da polícia”. E nós começamos esse trabalho. Hoje, nós temos 203 mil presos, e 4.400 em cadeia, um por cento seria 2.200, são 2%. Em agosto, zera preso homem, zera agora em agosto; e as mulheres, as mulheres seriam antes, é que a empresa, uma empresa construiu duas, dois conjuntos de penitenciárias, a empresa quebrou e nós tivemos que relicitar a obra, então isso atrasou um pouquinho. Mas até o meio do ano que vem, zeram as mulheres também, aliás, mulher é pouco. Dos 203 mil presos, quantos por cento é homem e quantos por cento é mulher? Deveria ser 51% mulher, né? Se correspondesse à população. Não. quantos por cento é Lourival? Seis por cento, 94% é homem, mulher é só 6%. Ainda é a má companhia dos homens, né, não é isso? Então até o ano que vem zera, e aqui na região nós vamos já zerar tudo, praticamente Sorocaba não tem mais preso em cadeia; São Roque tinha 204, zerou; Capão Bonito, 71, zera; Buri, 34, zera; Itapeva, 111, zera; Pilar do Sul, 17, zera; Porangaba, 16, zera. São Paulo já não tem também, Campinas não tem, Guarulhos não tem, Osasco não tem, as grandes cidades. E mais cinco meses, zeram os homens, e até o ano que vem zeram as mulheres. Presos aguardam julgamento, CDP – Centro de Detenção Provisória, foi julgado, tá absolvido, vai embora; tá condenado, vai cumprir pena em penitenciária. Quantos presos trabalham hoje dos condenados? Cinquenta e cinco mil presos já estão trabalhando, cada três dias de trabalho tem remissão de um dia de pena. Quantos estudam, Lourival? Dezesseis mil estudando. Nós estamos ampliando tanto, agora a Secretaria da Educação tá indo pra dentro das penitenciárias pra poder levar longe a escola de jovens e adultos. E queremos a maior parte dos presos, todos trabalhando, e adquirindo uma profissão pra quando voltar ao convívio da sociedade, estarem preparados. E trabalhamos com os egressos, se nós não cuidarmos deles o crime cuida, então nós trabalhamos com os egressos, dá a mão quando sai, poder se encaminhar na vida, poder arrumar um trabalho, se capacitar profissionalmente. E agora a Polícia Civil, não tendo mais nenhum preso, aqui só vai ficar uma cela de passagem, a hora que a polícia prende alguém, já vai pro CDP. Se for fim de semana, fica sábado e domingo, segunda-feira já vai pro CDP, só passagem, o restante todo derruba as celas, cada cidade dá um destino adequado aí a esse espaço, de acordo aí com os objetivos da Polícia Civil. Nós vamos ganhar muito em termos de investigação, esclarecimento dos crimes e prisão dos criminosos. O ser humano não é melhor ou pior num país ou outro. Olavo Bilac dizia que há no interior de cada homem, ou de cada mulher, um demônio que ruge e um Deus que chora. O ser humano é imperfeito no mundo inteiro. Por que é que em alguns lugares tem menos criminalidade? Porque não tem impunidade. O sujeito rouba automóvel porque ele acha que não vai ser pego, porque se ele tivesse certeza que ia ser preso, ele não roubava; ele acha que ele vai escapar. O crime do colarinho branco, só comete crime, né, políticos cometem crime porque acham que não vão pra cadeia. A diferença é que em outros países, milionário é pego dentro do avião, tira e leva pra cadeia, milionário, não tem prisão pra pessoas pobres não, é pra todo mundo. Então, não pode haver impunidade, pra não ter impunidade, tem que ter investigação e esclarecimento dos crimes, não tem crime perfeito, a gente fica triste quando vê uma injustiça ser cometida e não acontecer nada, nada. Não é possível! Isso estimula a atividade criminosa, o sujeito vai dizer: “Ah, não vai pegar”. Então, infelizmente é ruim ter 200 mil presos, mas é por isso que a criminalidade cai. São Paulo tinha 13 mil homicídios por ano, baixou pra 12 mil, 11 mil, 10 mil, 9 mil, 8 mil, 7 mil, 6 mil, 5 mil, o ano passado foi 4.800, e nós não estamos satisfeitos, queremos baixar mais ainda. E por isso é Polícia Militar na rua 24h, eu tô indo agora, vou passar por Sorocaba, já vai ter Atividade Delegada, pra gente ter mais policiais nas ruas, policiamento ostensivo, progressivo, não é polícia no quartel, é polícia nas ruas ostensivamente, preventivamente, repressivamente, e Polícia Civil investigando rapidamente, Polícia Científica com perícia técnica, nós vamos equipar muito a Polícia Científica pra ter perícia rapidamente e a gente poder prestar bons serviços à sociedade. E o Lourival, que toma conta dos 200 mil presos, tem lama, quando ele anda nas penitenciárias, né, ele fala: “Estou contigo e não abro”. A segunda boa notícia é que São Roque é uma instância turística, então nós estamos liberando aí, o Claudio Valverde tá aqui. Cadê o Claudio? O Cláudio, ele é primo daquela moça bonita, Isis Valverde, vocês conhecem? Você diz que é prima, eu estava espalhando, né? Eu tinha uma tia em Guaratinguetá, Tia Janira, que tinha muito Alckmin lá no Vale do Paraíba, porque é família de Minas, né, Minas Gerais. Então, quando perguntava: Dona Janira, o fulano, o rapaz aí é seu primo, Alckmin? Ela dizia: “Como é que ele é”? Ah, é um rapaz muito honesto, muito trabalhador. “Esse é primo, viu”? Mas, dava uma investigada antes, né? Mas o Cláudio tá fazendo ali um bom trabalho e tá liberado aí, prefeito, pra você caprichar ainda mais aqui na cidade pra ficar São Roque, e ofereço um vinho pra gente depois aí. E olha, já foi investido aqui, R$ 16 milhões. Em 2007, a estrada, pavimentação da Estrada do Saboo; 2008, foi pra requalificação da área central; 2009 foi conclusão do sistema arterial, o centro, Jardim Renê, bairro Taboão; 2010, Av. Bandeirantes; 2011, conclusão do sistema arterial; 2012, revitalização da área central. E o prefeito vai definir agora 2013, nós vamos investir quanto nas instâncias turísticas? Duzentos? Duzentos e oitenta e oito milhões de reais. Turismo é emprego, emprego direto, na veia, né? Emprego direto. Então, turismo, quanto mais cresce, todo mundo trabalha, né, no restaurante, hotel, serviços, táxi, é emprego na veia. A indústria robotiza; Volkswagen tinha, 30 anos atrás, 42 mil funcionários, era uma cidade, hoje fabrica muito mais carro, tem um terço dos empregados. A agricultura mecaniza, você colhe tudo com máquina, tudo com máquina, passa a máquina, até café, que antigamente precisava muita gente pra colher café, tem uma máquina, chacoalha o pé de café, tem uma rede embaixo, recolhe. O emprego no mundo moderno é o setor terciário da economia, serviço. Por isso, nós fizemos aqui, uma terceira boa notícia, a FATEC aqui em, já tinha a ETEC, agora vamos fazer, já fizemos a FATEC, tem um curso já que é técnico de sistemas para a internet, é TI, é internet, é informática. E teremos no segundo semestre, segurança do trabalho, então, já terá um segundo curso aqui na FATEC. Então, aqui, a FATEC é mais serviços, a FATEC de Sorocaba mais indústria; metal mecânica, toda a parte de automobilística. Então, em Sorocaba a FATEC mais industrial, aqui mais serviços. E depois, tem uma quarta boa notícia que é a creche, o prefeito já assinou o termo de adesão. Depois temos uma quinta boa notícia que é o saneamento básico, nós estamos investindo aqui R$ 37,7 milhões na SABESP pra obras de coleta e tratamento de esgoto, ser uma cidade 300%, 100% de água tratada, 100% de esgoto coletado, 100% de esgoto tratado. Tem uma sexta boa notícia, que é a Defesa Civil, nós estamos liberando prapente sobre o Rio Aracaí, R$ 726 mil, a obra já está licitada, deve começar nos próximos dias, é a ponte que caiu, não é isso? Temos também , temos melhor caminho, 11,5km de estrada rural, Capela do Cepo ao Bairro Ponte Lavrada, Caetê. É isso? Estão fazendo, está concluindo já a obra. Temos obras importantes também na Raposo Tavares, e tem um problema aqui que eu tô vendo, obra paralisada no terreno Distrito Mailasqui. O que é que houve com a escola lá que parou? É a empresa, será? Tá errada a minha informação?

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Não, está relativamente correta. Na verdade, existia uma demanda de R$ 500 mil que era uma contrapartida pra finalizar, contrapartida dos municípios, e nós tivemos um problema que ainda não passou pela Câmara que nós precisamos de mais um dia útil pra passar, pra fazer...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Então, é uma escola nova no Distrito de Mailasqui, que depende só da prefeitura, e aí conclui a escola. O prefeito também deixou aqui alguns pleitos que nós vamos analisar com todo empenho, mas eu queria aqui agradecer ao Lourival, mais um ótimo trabalho, Lourival dorme 24h com o celular ligado, né? A disposição 24h aí pra trabalhar pela população, é um servidor, quantos anos de administração penitenciária? Quarenta anos. Entrou como? Oficial administrativo. Quarenta anos de carreira, galgando passo-a-passo até ser o secretário de estado da administração penitenciária. Um belo exemplo aí, do nosso Lourival Gomes. Queria agradecer aos nossos parlamentares, passou aqui o Arnaldo, o Arnaldo Jardim, que é deputado federal, um dos melhores deputados federais de São Paulo, grande deputado federal, tem nos ajudado muito lá no Congresso. Nossos deputados estaduais, Osvaldo Verginio, nós temos o slogan “É dos carecas que elas gostam mais”. Jilmaci, Jimaci também, bom companheiro nosso na Assembleia Legislativa, tem nos ajudado muito. João Caramez, cadê o Caramez? Aqui. Falou o nome dos seus colegas, agradecer o Claudio, secretário de turismo. Cumprimentar aqui os nossos delegados, Dr. Blazeck. Cadê o Dr. Blazeck? Toda a equipe da Polícia Civil. Nós viemos buscar aqui na região o delegado geral, que ele era o diretor aqui da região, então viemos buscar aqui a pessoa responsável pela delegacia geral da polícia de São Paulo. Hoje, eu tive de manhã com o primeiro ministro da Bélgica, e ele perguntou quantos policiais tinha São Paulo, e eu respondi, militar, civil e científica, 140 mil policiais na ativa, fora os aposentados. Não acreditou, né, no tamanho e a força policial que nós temos em São Paulo. E podem confiar, a polícia vai responder forte, no sentido de melhorar todos os nossos indicadores em benefício da população. Abraçando o Dr. Blazeck, quero abraçar toda a Polícia Civil aqui presente, também a Polícia Militar e Científica. E dizer pro Daniel que conte com a gente, viu, Daniel? Vamos somar esforços aí no sentido de trabalhar pela população. Quando a gente une os esforços, a gente faz mais, faz melhor em benefício da população. E pra mim, é uma alegria voltar a São Roque, cidade tão gostosa, tão bonita, tão hospitaleira, tão acolhedora. Ah, muito obrigado! Voltarei sim, e bastante. É a vice-campeã do estado de São Paulo. Por quê? Por que vice-campeã? A primeira, óbvio, é Pindamonhangaba, né? A primeira é sempre a nossa aldeia, né? Mas, é uma belíssima cidade, eu me sinto em casa. Muito obrigado!