Discurso - Entrega das obras do terminal de passageiros do Aeroporto Estadual e descerramento de placas do Programa Creche Escola 20161803

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Entrega das obras do terminal de passageiros do Aeroporto Estadual e descerramento de placas do Programa Creche Escola

Local: [[]] - Data:Março 18/03/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos. Quero cumprimentar o prefeito, o nosso anfitrião, Dr. Valdomiro Lopes; a Ivani Vaz de Lima, vice-prefeita; vereador Fábio Marcondes, presidente da Câmara, saudando todos os vereadores; deputado federal Duarte Nogueira, secretário de Estado, Logística e Transporte; nossos sempre deputados federais, Dra. Eleuses Paiva, o João Dado; deputados estaduais, o Orlando Bolçone, o Vaz de Lima, Silmado(F) Marcelo Gonçalves; o Jura, prefeito de Nova Aliança e presidente da AMA; prefeitos, de Mendonça, o Japonês; Sales, o Charles; Itajobi, Gilberto Roza; Altair, Dr. Antônio; Riolândia, Roberto Mega; Catanduva, Geraldo Vinholi; Neves Paulista, o Tavinho; Bady Bassitt, o Edmur Pradela; Novais, a Dulce; Ipiguá, o Emílio; José Bonifácio, o padre Edmilson; Cajobi, o Marcio Donizete; Adolfo, a Rose; Monte Aprazível, o Maurinho; Nhandeara, o Dr. Odilon; Nipoã, Luciano; Palestina, o Nandão; Guapiaçu, Nego Pulici; Onda Verde, João Henrique; Ricardo Volpi, que dirige o Departamento Aeroviário do Estado; o Álvaro Cardoso Júnior, diretor de aeroportos do Daesp; a Vanda Bolçone, administradora aqui do nosso aeroporto estadual; a coronel Helena, comandante do CPI-5; tenente-coronel Vicente, comandante do Batalhão; Dr.Osni Marchi, delegado seccional; Dr. Bruno Rigotti, delegado da Polícia Federal; João Buzzo, da Casa Civil; Cleuza Alves Ribeiro, diretora de Ensino; Emerson Grigoletto, diretor do DER; Cláudia Monteiro, diretora da Saúde; Dulcimar Donizete de Souza, diretor geral da nossa faculdade de medicina; provedor da Santa Casa, José Anadin Cury(F); Henrique Prata, nosso grande presidente do Hospital de Câncer de Barretos; Frei Francisco Belotti, da Associação Lar São Francisco de Assis; nosso amigo Coca(F) Manuel Gonçalves; todos colaboradores do Daesp; amigas e amigos. Quatro boas notícias aí. A primeira boa notícia, nós estamos em parceria com as prefeituras, entregando hoje uma creche aqui no município de São José do Rio Preto, a Creche Escola Lealdade e Amizade, mais uma creche escola para as mamães. Ensino infantil, crianças de zero até cinco anos de idade. Também estamos entregando hoje mais quatro creches, aqui na região, creche escola, Riolândia, Mendonça, Sales e Votuporanga. Depois, estamos hoje entregando essa ala nova, aqui do terminal aeroviário. Aqui será o check-in e o embarque; e do outro lado ficará o desembarque. Estamos entregando hoje a ala nova. Começa a funcionar segunda-feira, e até dezembro, a área antiga será toda ela modernizada. Entregamos uma obra, começamos a outra obra, que deve ficar pronta em nove meses. Aqui, nós passamos para 1.200 metros quadrados de área de embarque e desembarque, estacionamento de veículos, ampliação do estacionamento, sistemas de esteiras, sinalização de pista, caminhões novos para o Corpo de Bombeiros, enfim, toda estrutura para atividade aeroportuária. Disse que no passado, Valdomiro, você que é um estudioso das cidades, uma cidade para crescer tinha que estar à beira-mar, Santos, São Vicente, Rio de Janeiro, Salvador, se a gente pegar São Paulo, as cidades mais antigas, Cananeia, São Vicente, Santos, Ubatuba, Iguape, Itanhaém, tudo na beira do mar. Depois, o segundo fator de desenvolvimento foram os rios, as entradas, as bandeiras, Piracicaba, Tietê, Pindamonhangaba, tudo na beira do rio, a entrada dos rios. Depois, a ferrovia, a ferrovia teve um papel indutor do desenvolvimento, especialmente para a região oeste do nosso estado, as autoestradas Washington Luís, Castelo Branco, Bandeirantes. E, hoje, o fator mais importante de desenvolvimento são as aerovias, por isso há um termo chamado aerotrópolis, as cidades que se desenvolvem entorno dos aeroportos. Não é por acaso que depois da capital, a maior cidade do estado de São Paulo seja Guarulhos, Cumbica tem 40 mil funcionários. É uma cidade verdadeira, 40 mil. A segunda maior cidade depois da capital é Campinas, é Viracopos. Então, os aeroportos têm um fator indutor do desenvolvimento, e aqui ainda com maior importância, pela distância de São Paulo. Quem está ali na altura de Sorocaba... O custo/benefício não é tão grande do avião, a diferença entre o carro e o avião não é tão grande, mas Rio Preto é estratégico para o desenvolvimento regional. Então, hoje, entregamos toda essa área nova, a área inclusive externa, e já começamos a segunda etapa, que é na área antiga. E a outra boa notícia, nós já estamos autorizando, Valdomiro Lopes, os deputados aqui presentes, o Projeto Executivo para fazermos uma outra grande obra. Há grandes congestionamentos da Washington Luís com a BR-153, a Transbrasiliana, no final de tarde, começo da manhã. Então, nós estamos autorizando o Projeto Executivo, ele deve ficar pronto em até cinco meses. Nós vamos tentar fazer em quatro meses. De Mirassol até Rio Preto, marginais e trechos de terceira faixa; em Rio Preto, obras de arte também; e de Rio Preto até Cedral, as terceiras faixas, as novas faixas. Também melhorando muito o desenvolvimento da região. Aqui será, então, por terra, céu e mar, porque a Hidrovia Tietê-Paraná já está retomada também para chegar ao Porto de Santos. Retomamos a hidrovia, e estamos licitando o pedral de Nova Avanhandava, 10 quilômetros serão implodidos, aprofundando a calha da Hidrovia Tietê-Paraná, para mesmo com seca, muito intensa, não interromper a hidrovia mais. Nós vamos aumentar muito a capacidade da hidrovia, com novas obras. São Simão até Pederneiras, que leva cinco dias, os comboios levarão quatro dias; e de Pederneiras até o Porto de Santos sem um caminhão, somente trem. Então, é navegação e trem trazendo toda a soja da região oeste de São Paulo e do centro-oeste brasileiro até o Porto de Santos. Eu quero agradecer ao nosso secretário, Duarte Nogueira, tem feito ótimo trabalho na Secretaria de Transportes, um engenheiro dedicado, homem público exemplar. Agradecer aos nossos deputados, que nos ajudam muito na Assembleia Legislativa, o Orlando Bolçone e o Vaz de Lima. Também aqui trazer um abraço do senador Aloysio Nunes, que disse que ia fazer uma pequena cirurgia na mão, e eu ainda falei para ele: “Olha, capriche mesmo”, porque eu era prefeito, Valdomiro, você que é fisiatra, e num jogo de futebol, eu tive uma fratura cominutiva, cominutiva é aquela fratura que não é em dois pedaços, ela é em vários fragmentos, uma fratura cominutiva de rótula. Aí, médico da Santa Casa de Pinda, operei na Santa Casa de Pinda, aí antes de operar, me liga o professor Silvano Raia, falou: “Geraldo, esse negócio de joelho, articulação é muito delicado, venha para São Paulo operar aqui no Hospital das Clínicas”, eu falei: “Eu não posso, eu sou anestesista em Pinda, sou médico da Santa Casa, e eu vou operar lá mesmo”. Toda vez que eu vou subir um morro, eu lembro do Silvano Raia. Então, ele está fazendo uma cirurgia de mão, de articulação, mas pediu para trazer também um grande abraço aqui a todos vocês. E agradecer o Dr. Valdomiro Lopes, grande parceiro em todas as obras aqui da cidade, e encerrar aqui com uma história de aviação. Lá em Pinda tinha uma história, Valdomiro, de um sujeito que tinha muito medo de voar, tinha muito medo de avião, então, ele não queria ir de jeito nenhum, mas a mulher dizia: “Não, bem, vamos que não tem perigo. Vamos que não tem perigo. Vamos. Não tem problema”, aí insistiu tanto que ele foi. Entrou no avião, a aeromoça falou: “Em caso de pouso na água, seu banco é flutuante”, ele falou: “Olha, mulher, olha que barbaridade, olha: ‘Em pouso na água’”, “Não, isso aí é só segurança de voo. Não tem problema”, aí decolou. Chegou lá em cima, a aeromoça falou: “Apertar os cintos de segurança, vamos atravessar uma área de turbulência”, ele falou: “Está vendo mulher, chacoalhar 20 mil metros, 10 mil metros de altitude. Eu não devia ter vindo”, “Não, bem, não tem perigo. É normal”. Passou mais um pouco, o comandante falou: “Olha, observem à sua direita, estamos passando sobre Uberlândia, aqui quem fala é o comandante Juarez”, aí ele gritou: “Juarez, Juarez, olha para frente Juarez”. Parabéns a todos. [[]]