Discurso - Entrega de moradias para famílias originárias de cortiços 20132804

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Entrega de moradias para famílias originárias de cortiços

Local: Capital - Data:28/04/2013

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Palavras do nosso governador Geraldo Alckmin!

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom dia! É uma alegria estarmos juntos. Cumprimentar o Marcos Penido, secretário adjunto da Habitação; o deputado Osvaldo Verginio, deputado Stangarlini, deputado Milton Flávio, vereador Gilson Barreto aqui da capital; o Dr. Antônio Carlos do Amaral Filho, presidente da CDHU, que morou aqui no Belém; o Fábio Lepique, diretor da CPOS; a Nair Delatim, conselheira da Habitação da Consehab, a Nair tá aqui atrás. Vem aqui, Nair, dá um passinho aqui para o pessoal te ver. A Nair é do Consehab, do Conselho de Habitação. A Janete [ininteligível] dos Santos, futura moradora. Jaceline, a Neide, o Eduardo Odilaque, o Giovanni Dicicco, presidente da Sociedade Amigos do Belém; os moradores e moradoras, as famílias que vão, daqui a alguns dias, já estar mudando para cá. Olha, governo dá trabalho, dá aborrecimento; a gente, às vezes, perde o sono, perde o cabelo, fica careca... Dizem que é dos carecas que elas gostam mais, né? Mas também dá alegria. Então, a gente tem a alegria de entregar um hospital, uma escola, uma estrada... Mas eu diria que a entrega da chave do apartamento é o melhor. Não tem coisa mais bacana e que realize mais a tarefa de governar. Não tem nada mais importante e que nos dê mais alegria. E aqui foi bem dito, gente rica, a gente abre a revista, o jornal: “Fulano comprou uma casa de R$ 5 milhões, R$ 6 milhões, mansão...”. Não falta casa para quem tem dinheiro. Agora, quem ganha um salário, dois salários, três salários, vive de salário, não é fácil comprar um imóvel. Precisa ter poupança, prestação muito alta, então é difícil. Então, São Paulo, nós brasileiros em São Paulo podemos nos orgulhar, porque dos 27 estados do Brasil, só um, é São Paulo, põe 1% do ICM para moradia. Então é moradia para quem não tem casa e tem subsídio. A prestação é pequena, só paga uma parte do imóvel, a outra parte o governo tá pagando. Então habitação de interesse social, quem ganha um, dois, até cinco, seis salários, é a nossa faixa. Então eu queria três palavrinhas: a primeira, a qualidade aqui, do apartamento. Então nós temos aqui, dormitório, sala, cozinha, banheiro, lavanderia, piso cerâmico em todos os cômodos, azulejos nas paredes hidráulicas de banheiro e cozinha, esquadrias metálicas de alumínio, medição individualizada de água e energia elétrica. Então a qualidade da obra. Depois o residencial, que vocês vão morar. Nós temos aqui, salão de festa, paisagismo, as redes separadas. Então... Depois o bairro, esse bairro é campeão, né, o Belém. O Belém tem aqui, em frente, um hospital e maternidade Leonor Mendes de Barros, nós vamos fazer aqui, já começamos, um grande investimento, para as mamães e para as crianças. Depois tem aqui, onde era a FEBEM, não existe mais, acabou a FEBEM. E a região ganhou um grande parque. Um grande parque a região ganhou, um parque belíssimo, que é o Parque do Belém. Aliás, vocês lembram, tinha também o presídio do Carandiru, não existe mais. Nós transformamos lá, onde tinha nove mil presos, no Parque da Juventude, um belíssimo parque e a maior biblioteca de São Paulo, que é a Biblioteca São Paulo. Aqui, o Parque do Belém, Parque do Belém, e ao mesmo tempo a Etec, então jovens vão poder estudar de graça, aqui em frente, uma belíssima Etec, e fábrica de cultura, para todas as idades. Então curso de violão, música, teatro, dança, cursos gratuitos, na fábrica aqui, de cultura. E aqui, essa região valorizadíssima, né. Quanto é o aluguel de um apartamento aqui no Belém? Quanto? R$ 500? Diz que vai de R$ 500 a R$ 1.200. Sabe quanto vão pagar para ser dono do apartamento? R$ 118. R$ 118. Então... Eu digo isso porque, realmente, esse é um programa para quem não tem casa, estava em submoradia, ou área de risco ou cortiço, cortiço no caso aqui, poder realizar o sonho da casa própria. Então por isso que tem... não pode, não é para vender. Não é para pegar e vender, mas é para ter o imóvel, para família. Então fico muito feliz. Nós estamos entregando 62 apartamentos. E vocês devem ter amigos, parentes, pessoas conhecidas que ainda não conseguiram pegar a chave, não é isso? [ininteligível] é o seu caso. Então uma boa notícia, nós vamos fazer no centro expandido: Belém, Mooca, Pari, Brás, Bom Retiro, Glicério, Bela Vista, Bexiga, Sé, nós vamos fazer no centro expandido 20 mil apartamentos, 20 mil unidades habitacionais, para quem não tem casa, e só no centro expandido, por quê? Porque tá perto do emprego. Tem água, esgoto, escola, hospital, telefone, sistema de trem, metrô, creche, e tem emprego. Tá perto do emprego. Então nós vamos fazer 20 mil unidades. As primeiras por PPP, parceria público/privada. Precisa explicar o que é PPP porque senão vão achar que é Pagão, Pelé e Pepe. Aliás esse é o ano do peixe, né. O estádio aqui do lado, aqui do lado, nós vamos ter lá em Itaquera, o estádio do...

PLATEIA: Corinthians.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Corinthians. O estádio do Corinthians, e os gols do Neymar. Mas olha, deixar um abração para vocês aqui. Dar os parabéns aqui, às famílias. Agradecer aos nossos deputados. Cadê o Osvaldo Verginio? Osvaldo Verginio é um grande deputado, tem nos ajudado muito na Assembleia Legislativa de São Paulo. O Stangarlini. O Milton Flávio. O nosso queridíssimo secretário adjunto, Penido. O Amaral, morador aqui, que foi aqui do lado, o Amaral morava há duas ruas aqui do lado. A equipe toda da CDHU, a diretoria. O Gilson Barreto, vereador em São Paulo, é senador, né? Cumprimentar aqui, o Gilson Barreto. O Panão, o Panão, ele quando tá inspirado, ele levita, ele chega subir quase dois metros de altura. É sério.

PLATEIA: Aumentou.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não é isso? Eu falo: “Panão, cuidado que um dia você vai direto, né.” Mas ele levita, ele é... ele é... o Panão não é fraco, não. [ininteligível]. Mas deixar um abração... Diz que na vida a gente vive de sonhos, não é isso? Quando a gente é criança, sonho... eu vejo a minha netinha lá, a boneca, o ursinho, dorme com aquele monte de boneca, sonha com sorvete, com chocolate, né. Me lembro que quando eu era menino, pegava bicicleta na roça, andava três quilômetros para comprar uma paçoquinha, né, você sonha com doce, depois sonha com o... futebol, com a namorada, com o namorado, sonha com os filhos, com os netos. E o sonho da família é a casa, é o abrigo. E a casa é segurança. E essa é uma casa num dos melhores lugares de São Paulo. É difícil um bairro tão bom aqui, quanto Belém. Deus abençoe. Felicidades.