Discurso - Entrega do EIA-Rima do túnel Santos-Guarujá 20130309

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Entrega do EIA-Rima do túnel Santos-Guarujá

Local: Capital - Data:03/09/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos! Quero cumprimentar os nossos secretários: chefe da Casa Civil, deputado Edson Aparecido; secretário de Logística e Transporte, Dr. Saulo de Castro Abreu Filho; secretário do Meio Ambiente, deputado Bruno Covas; os nossos secretários, de Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita; Turismo, Claudio Valverde; Assuntos Estratégicos, Dr. João Carlos de Souza Meirelles; prefeita do Guarujá, a Maria Antonieta de Brito; prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa; Zé Luís, prefeito de Salmourão, que está aqui também conosco; deputada federal Elaine Abissamra; deputados estaduais: João Caramez, que preside a Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa; deputado Roberto Moraes; deputado Carlão Pignatari; deputado Osvaldo Verginio; nossa sempre deputada, Maria Ângela Duarte; Laurence Casagrande, presidente da Dersa; Otávio Okano, presidente da Cetesb; Marcelo Bueno, nosso diretor da Agência Metropolitana, da Agem; o Dr. Pedro da Silva, diretor de engenharia da Dersa; Alexandre Modonezi, presidente do Ipem; Bechara Abdala, presidente do Conselho da Autoridade Portuária do Porto de Santos; dirigentes colaboradores da Dersa; secretários municipais; representantes da área de logística e transporte; representantes da Sociedade Civil; lideranças da nossa comunidade; amigas e amigos! Hoje é uma grande, um dia histórico! O Paulinho, o Paulo Alexandre Barbosa me deu aqui um presente, um livro do engenheiro e arquiteto Francisco... Engenheiro civil e arquiteto Francisco Prestes Maia. E ele aqui na página 175, que é de 1947, diz o seguinte: “Túnel sob o estuário com quatro filas carroçáveis em dois tubos, duas filas em cada sentido podendo-se deixar um para a etapa mais remota, tais sejam as condições de solo e do projeto. Notar que sempre supomos a travessia do estuário em ponto médio e não na ponta da praia”, isso é de 1947. Todos os estudos que foram feitos sete décadas depois, foram exatamente nesse mesmo sentido. Eu acho que nós vamos ligar duas ilhas maravilhosas: a Ilha de São Vicente, que é Santos e São Vicente, e a Ilha de Santo Amaro, a Pérola do Atlântico. Esta ligação seca há tanto tempo aguardada, aqui foi bem colocado, vai melhorar a qualidade de vida da população, uma travessia de 43 quilômetros se reduz a 600 metros, um minuto e quarenta e dois segundos para atravessar. Prevendo ciclovia para poder passar de bicicleta: ciclovia; a pé: pedestres; automóvel; ônibus; caminhão e até o VLT, que está em obra, vai ser entregue o ano que vem, o Veículo Leve sobre Trilho que não é poluente, ele é elétrico, não tem nenhuma poluição, silencioso, elétrico, confortável, ambientalmente correto, também melhorando a vida na região metropolitana de Santos. Nós estamos cumprindo hoje aqui uma agenda metropolitana, uma região com grande crescimento, porto, turismo, construção civil, comércio, serviços, universidades, hospitais, polo industrial, Pré-Sal.. Tem todas as condições para um grande desenvolvimento e procurando melhorar a logística da região. Essa volta que chama, esse vira, dá 43 quilômetros passa a ser resolvido praticamente com 600 metros e atendendo as duas cidades, não destruindo a arquitetura das cidades, fazendo um “monstrengo”, não é? Mas se adequando e preservando a arquitetura e melhorando o viário das cidades. E de outro lado, tirando uma travessia marítima, que eu acho que é uma das maiores do mundo. Quantas pessoas transitam na balsa lá? 21 mil veículos por dia, veja o risco disso, além da dificuldade crescente, que cada vez tem mais navio, é o maior porto do país e o maior porto da América do Sul! E crescente, com novos terminais privados, eficientes, cada vez mais navio. E como é que se faz uma travessia marítima dessa? Então, a ligação seca ela é um sonho e com uma tecnologia nova, um grande ganho para a engenharia brasileira, de vanguarda do ponto de vista tecnológico. O Mário Covas que era um engenheiro politécnico, não é Bruno? Ele brincava, Dr. Meirelles, dizia: “Olha, a salvação do governo são os engenheiros”. Aí ele para dar um agrado, dizia: “É, e os médicos também, não e”? Mas ele tinha um apreço. Porque nós estamos, falando de qualidade de vida das pessoas; de segurança, diminuindo o problema de trânsito; de emprego; de desenvolvimento; de logística, coisas extremamente positivas. É uma tarefa árdua, estamos dando hoje um passo marcante. Hoje está protocolado desde o dia 28 de agosto na Cetesb, o EIA-RIMA, então já foi protocolado. E hoje entregamos formalmente as duas prefeituras; Santos e Guarujá, que também têm que se pronunciar. Em 15 de setembro teremos a chamada central de relacionamento que é a consulta, fica aberto o EIA-RIMA para a consulta, o Bruno Covas já marcou, 11 e 12 de novembro, audiência pública, uma no Guarujá, outra em Santos. Para ganhar tempo, em dezembro a Dersa já com a licença, ela já abre o edital de pré- qualificação já pra ganhar tempo. Em março a gente espera ter a licença prévia e com isso lançamos o edital da obra comercial e se correr tudo bem, licitação uma coisa que pode ter fato superveniente, mas se correr tudo bem, em julho nós temos a licença de instalação e as obras se iniciam. Então esse é o roteiro, no sentido de nós... Vamos, estamos trabalhando arduamente para cumpri-lo integralmente. Isso é uma tarefa coletiva, onde todo mundo soma aí um grande esforço para a gente poder avançar. Mas quero aqui, em nome do doutor Saulo, de tudo equipe da Secretária de Transportes e logística em nome do Bruno e toda equipe do meio ambiente, da CETESB, do Edson Aparecido em nome de todos aqui, os secretário dos parlamentares e dos nossos prefeitos, esses sortudos: Eu não contei para eles ainda que desapropriação é por conta deles, não é? [RISOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: É, nós vamos investir... É, é brincadeira viu? Nós vamos, nós vamos - senão, eles enfartam também - nós vamos investir em cada cidade meio bilhão, não é no túnel, porque isso não... Tem que ter um, tem que ter um.. Não pode destruir a cidade, tem que estar adequado a realidade entre desapropriações, obras, adequações, sistema viário... Enfim, muito emprego também na região. Mas a alegria de recebê-los e convidá-los aqui para um café! Muito obrigado!

[APLAUSOS] Capital