Discurso - Entrega do restauro e conservação no Monumento do mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco) 20140912

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Entrega do restauro e conservação no Monumento do mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco)

Local: Capital - Data:Dezembro 09/12/2014

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito bom dia a todos e a todos. Quero cumprimentar o Dr. Fernando Grella, Secretário de Estado de Segurança Pública; Deputado Pedro Tobias, deputado eleito; Coronel Camilo; Sérgio Tiezzi, Secretário Adjunto de Cultura; Coronel Benedito Roberto Meira, Comandante Geral da Polícia Militar de São Paulo; Coronel Mário Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32, MMDC; Dr. Maurício Blazeck, Delegado Geral; Dr. Norma Bonaccorso, Superintendente da Polícia Técnico Científica; Tenente-Coronel Elaine Lodi, Chefe do Centro Integrado de Apoio Patrimonial da Polícia Militar; Capitão de Fragata, Rafael Simões; Antonio Lívio Abraços Jorge, Comandante Honorário do Exército Constitucionalista, Presidente da União dos Escoteiros do Brasil; Comendador De Rose, Vice-presidente do Núcleo MMDC Ibirapuera; Ronaldo Ricci, Diretor Comercial da Concrejato, empresa responsável pela obra; Fernanda Lapo, arquiteta responsável; oficiais e praças da Polícia Militar. Saudar aqui todos da Polícia Civil, Científica, e muito especialmente os voluntários e os nossos familiares dos heróis da Revolução de 32. E uma saudação também carinhosa aos escoteiros que nos alegram aqui com sua presença. Este mausoléu está fechado, para visitação, desde 2002. Com inúmeras infiltrações, problemas aqui estruturais, que punham até em risco esse grande monumento, que é o segundo maior do mundo. Apenas menor que o Taj Mahal, na Índia. Nós investimos aqui, o Governo do Estado de São Paulo, R$ 11,4 milhões. O prazo da empresa era dia 12 de dezembro, e hoje, dia 9, estamos entregando aqui todo o restauro. Tivemos um investimento grande aqui, corrigindo todas as infiltrações aqui na obra. Tivemos remoções de infiltrações, impermeabilização, recomposição de esculturas de mármore, construção de mais 432 cinerários, sanitários acessíveis, instalação de rampas, bombas permanentes de drenagem do solo e subsolo, enfim, todo um trabalho feito com absoluto cuidado, na medida em que, inclusive a obra, o mausoléu é tombado. Esta é uma das solenidades mais significativas do Governo do Estado de São Paulo. Devolve-se restaurado aos brasileiros de São Paulo o Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932. Com ele é resgatado um dos monumentos mais fundamentais da história dos paulistas. Aquele em que com o próprio sangue foi firmada a aliança perpétua entre o nosso povo e o regime democrático. Maior monumento da cidade. Sua grandeza não é dada apenas pelos seus 1.932m de área ou pelos 72m de seu obelisco, mas sim pela grandeza dos ideais que uniu e mobilizou todos os paulistas, independentemente das diferenças de raça e de classe social. O que motivou aqueles que encontraram aqui a última morada não foi o desejo de glória ou honrarias, mas sim o anseio de liberdade e de justiça. Os homens eminentes tem por túmulos a terra inteira. Essas palavras estão na célebre oração fúnebre pronunciada pelo ateniense Péricles, quando do sepultamento de guerreiros mortos na defesa da democracia em uma das batalhas da Guerra do Peloponeso, no século V. a. C. E referindo-se às honrarias que lhe seriam devidas, observou que sua memória persistiria, não pelas grandes inscrições nas pedras, mas por sua conservação no pensamento. Pelos valores que defenderam, pelo sacrifício que fizeram, os heróis sepultados aqui transformaram-se também em homens notórios, em que pese a modéstia e o anonimato de muito de suas vidas. Por essa razão, a semelhança daqueles soldados gregos, eles merecem homenagens na terra inteira. Porém, mais do que ter sua memória conservada apenas no pensamento, eles a tem sempre viva nos corações de milhões de pessoas. Que o exemplo que deram e que de certa forma este mausoléu sintetiza, continue a iluminar os paulistas e brasileiros.

Muito obrigado.

[APLAUSOS] Capital