Discurso - Fórum de São Paulo da "Global Cities Initiative" - 20123011

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Fórum de São Paulo da "Global Cities Initiative"

Local: Capital - Data: 30/11/2012

GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, GERALDO ALCKMIN: Quero cumprimentar o presidente Fernando Henrique Cardoso, dizer da alegria de participar aqui deste encontro, esta iniciativa de cidades globais. Cumprimentar o embaixador dos Estados Unidos, Thomas Shannon. Richard Delay, Presidente da Global Cities Iniciative; ex-prefeito de Chicago, Bruce Katz, diretor da Global Cities Initiative, Luiz Felipe D’Ávila, amigo muito fraterno. O nosso secretário da Fazenda, Andrea Calabi. Edson Aparecido, Michael Colemam, prefeito de Colombo [ininteligível]. Dizer da alegria de participar aqui desde encontro, que já sei foi muito proveitoso aqui nesses dias e um tema tão importante. São Paulo mostra bem a velocidade da mudança que nós vivemos. Há 100 anos atrás, a nossa cidade tinha 70 mil habitantes, hoje tem 11 milhões de habitantes e a região metropolitana, a Grande São Paulo... A Grande São Paulo 20 milhões de habitantes num período curto. 100 anos atrás de cada 10 pessoas, duas viviam na cidade. Hoje de cada 10, sete vivem nas cidades. São Paulo, mais de oito vivem nas cidades. Tá uma tendência de vida urbana e metropolitana. O Estado de São Paulo tem 258 mil quilômetros quadrados, 42 milhões de pessoas, metade aqui na região metropolitana em 8 mil quilômetros quadrado. E a outra metade em 250 mil quilômetros quadrados. Isso se repete, É uma tendência de mega cidade... A Grande Tóquio, Grande Nova York, Cidade do México, Mumbai, Shanghai, enfim, grandes cidades e os seus desafios e aqui eu destaco a importância da federação, porque entre o Governo Federal e as cidades, é importante a articulação dos estados para as Políticas Públicas. E numa visão ainda mais moderna, não só o estado, mas essa integração metropolitana. Por isso aqui em São Paulo, nós já temos quatro regiões metropolitanas com autority nessas regiões metropolitanas: São Paulo, Vale do Paraíba, Campinas e Santos. E está macro metrópole engloba mais de 70% da população do Estado de São Paulo e mais de 80% do PIB estadual. Então, eu quero destacar aqui a importância desta questão. Aqui se colocou a questão educacional e a questão do emprego. Então, São Paulo é também um exemplo da mudança e da velocidade da mudança. A cidade era a mais industrial da América Latina, manufatura, indústrias. As indústrias caminham para outras regiões. Nova York também não tem mais tanta indústria, a indústria sai das grandes cidades, elas vão passando a ser cidades de serviços. E nós estamos aqui em São Paulo licitado nessa semana o primeiro parque tecnológico, Ou seja, nós queremos a pesquisa da área industrial. Então unindo as universidades, as universidades, os institutos de pesquisa e a Iniciativa Privada, no mesmo site, no mesmo lócus pra atividades de ponta. Então, pesquisa na área de bioenergia, pesquisa na área de saúde, pesquisa na área de tecnologia de informação, enfim, eu diria que é uma mudança de que não fica a manufatura na grande cidade, mas fica a parte de ponta que une institutos de pesquisa, laboratórios, enfim, empregos de renda mais alta, mais exigentes nessas grandes cidades. Eu também destacaria uma outra mudança que é a mudança demográfica... O Brasil, por exemplo, que era um país jovem hoje é um país maduro e caminha para ser um país idoso, então nós aqui no Brasil estamos saindo de uma eleição municipal nos 6 mil quase cidades brasileiras e o primeiro item das pequenas, médias e grandes cidades foi saúde, assim disparado, primeiro item, antigamente nas pequenas cidades o problema nas pesquisas era emprego e nas grandes cidades segurança, hoje é pequena média e grande saúde, porque a população envelheceu, a medicina mais cara e um grande problema de financiamento, então nós temos uma questão, as mudanças demográficas levam a essa mudança também importante que merece hoje um destaque no caso nosso especifico do Brasil um grave problema de financiamento. Uma grande oportunidade na área educacional, reduz em São Paulo 2% o número de alunos por ano, porque a nossa taxa de natalidade é 1.7, então as escolas vão ficando vazias, vai sobrando prédio, sobrando espaço porque nasce menos criança o que nos permite caminhando para escolas de tempo integral, onde o jovem pode ficar e deve ficar o dia todo na escola. Aqui bem se lembrou a internet há um estudo que em 20 anos, mais da metade dos alunos do ensino superior do mundo devem estudar, deverão estar estudando pela internet, então nós criamos em São Paulo a quarta universidade paulista, a universidade virtual do Estado de São Paulo a Univesp para o ensino à distância, poder levar o ensino à distância às regiões mais distantes da capital, a todas as regiões do Estado de São Paulo e temos o grande desafio das mega cidades, da mobilidade urbana, o Estado de São Paulo tinha há 10 anos 12 milhões de veículo, a nossa frota, hoje temos 23,5 milhões de veículos, dobrou a frota de veículos em 10 anos dobrou, então eu fui prefeito da minha cidade Natal, Pindamonhangaba, uma cidade do interior em Pindamonhangaba sábado de manhã, presidente Fernando Henrique, tem congestionamento, trava de tanto carro, então a questão de mobilidade urbana, nós transportamos hoje, está aqui o secretário de transporte metropolitano, o Portela, nós transportamos hoje de trem e metrô,7,5 milhões de passageiros dia, quando o sindicato anuncia que vai ter greve, ninguém dorme de noite, são 7,5 milhões de passageiros dia, a nossa rede ainda é pequena no caso do metrô, não do trem. Estamos rapidamente procurando expandi-la e essa integração ela é fundamental, criarmos autoridades metropolitanas integradas, temos avanços, aqui em São Paulo o bilhete, nós temos o bilhete único, o bilhete vale para o ônibus, pneu ônibus da prefeitura municipal, para o metrô e para o trem e para o ônibus intermunicipal do estado, então essa integração com câmaras de compensação entre estado e prefeituras, a região metropolitana tem 39 cidades, agora estamos trabalhando, Edson Aparecido, para integrar um bilhete só pras 39 cidades, envolvendo ônibus, trem, metrô, enfim grandes desafios. E quero dizer do meu entusiasmo no sentido de fortalecermos as cidades porque eu fui prefeito na década de 70 no Brasil e naquele tempo, um dia eu disse em um programa de rádio que tinha sido eleito para administrar para o automóvel porque tudo que se referisse às pessoas o município não tinha competência, a saúde era do estado e da União – INAMPS, as escolas todas do estado, todas, prefeitura só tinha creche e pré-escola, rede de ensino fundamental era toda do estado, a prefeitura é proibida de agir em segurança, ela só pode ter guarda para zelar pelo prédio, mas não pode ter poder de polícia. O saneamento básico toda a parte de água e esgoto todinha do estado, pouquíssimos municípios têm rede de água e rede de esgoto, a empresa estadual a Sabesp é a maior empresa de saneamento do mundo, ou seja, municípios fracos, federação fraca, você liga a televisão e o dia inteiro é Brasília, Brasília, Brasília, uma herança centralizadora e uma Federação frágil, frágil. A Constituição de 1988, Assembleia Nacional Constituinte começou a mudar na qual o presidente Fernando Henrique como constituinte teve um papel central, começou a mudar no sentido ido Brasil ser uma República federativa de verdade e principalmente fortalecendo governos locais, hoje saúde é município e um pouco estado, educação é município e um pouco o estado, segurança pública ainda não, é mais o estado, mas é uma era é área que cada vez mais nós vamos devemos fazer convênios para poder avançar saneamento, mobilidade, enfim esta integração entre os entes federados. Mas eu quero deixar um grande abraço aqui no Luiz Felipe Dávila, cumprimentar aqui a todos dizer que São Paulo se sentiu muito honrado, o nosso estado em recebê-los aqui pra esses dias de reflexão e trabalho, aqui é um bom local de reflexão, nós temos Borá, o município com 800 habitantes, temos uma cidade com oitocentos habitantes chama-se Borá, um município aliás, até muito gostoso e temos São Paulo com onze milhões de pessoas e o governo das cidades que é o governo que mais pode rapidamente melhorar a qualidade de vida da nossa população. Bom trabalho a todos.