Discurso - Implantação da Operação do Sistema Ponto a Ponto na SP 75 - 20121106

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição do discurso na Implantação da Operação do Sistema Ponto a Ponto na SP 75

Local: Indaiatuba - Data: 11/06/2012


MESTRE DE CERIMÔNIA: Governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Bom dia a todas e a todos. Estimado prefeito anfitrião, Reinaldo Nogueira. Dona Enides Nogueira, presidente do nosso Fundo Social de Solidariedade. Vice-prefeito Antônio Carlos Pinheiro. Secretário de Estado de Logística e Transporte, Dr. Saulo de Castro Abreu Filho. Deputado Davi Zaia, Secretário de Estado de Gestão Pública. Deputados Rogério Nogueira e Célia Leão. Meu xará Geraldo Garcia, prefeito de Salto. Karla Bertocco, diretora geral da ARTESP. Clodoaldo Pelissioni, o superintendente do DER. Reinaldo Bertin, presidente do Grupo Bertin. José Renato [ininteligível] presidente da concessionária Rodovia das Colinas. Linomar Deroldo, presidente das concessionárias paulistas, Autovia, Centrovias, Intervias e Vianorte. Carlos Alberto Felizola Freire, secretário executivo da ABCR. O coronel Benedito Costa Júnior, nosso comandante. Norival de Almeida Silva. O Norival tá aí? Cadê o Norival? Tá lá atrás? Norival preside a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas do nosso estado. Amigas e amigos. São três questões importantes aí, Reinaldo. A primeira uma reforma de Estado. O Governo não tem dinheiro para tudo e não deve ser executor de tudo. Uma reforma importante. São Paulo foi como sempre vanguarda, saiu na frente, onde o Governo deixa de ser o provedor, os investimentos são investimentos feitos pela concessão e foram investimentos vultosos em todo o estado de São Paulo. E o Governo passa a ter um papel regulador e fiscalizador. Aliás, o Governo fazer estrada a Iniciativa Privada faz e o Governo regula e fiscaliza. Aí a criação das agências. Isso valeu no Brasil pra telefonia, pra energia elétrica, pra petróleo e aqui em São Paulo para as estradas e a ARTESP. Então uma mudança importante. Isso permitiu a São Paulo construir as melhores autoestradas do Brasil. O último levantamento feito no Brasil; das 20 melhores estradas do país, 19 estão no estado de São Paulo. Quem vem de outro estado para cá vê as nossas autoestradas e tem uma bela surpresa, impressão com rodovias, autoestradas que não deixa a desejar nenhuma rodovia do mundo. Isso tem um papel, primeiro, de saúde. A Célia Leão colocou bem. A maior causa hoje de causa externa de morte não é mais homicídio, é acidente rodoviário. Então, é segurança, é preservar a integridade física, a saúde das pessoas e desenvolvimento. Não é por acaso que a região de Campinas é essa megalópole, né? A força da região. A região metropolitana de Campinas tem PIB de país, né? E a logística e a infraestrutura é fundamental para esse desenvolvimento. A segunda é a justiça tributária. Você faz uma obra, quem paga é o povo. Pode pagar para fazer a nova Imigrantes, que vai para Santos para a praia. Pode pagar quem usa, que é o correto. A nova Imigrantes, a mais moderna rodovia do país, tem 10 km em túnel. Você vai mais em túnel do que em estrada. São três tuneis e três e poucos quilômetros cada um. Não teve um centavo de dinheiro do Governo. Foi pago integralmente pela concessionária, ou seja, pelo o usuário da estrada. Muito mais justo do que a Dona Maria que não tem carro, que é pobre, que ganha um salário mínimo, através dos impostos indiretos. Porque o Brasil é campeão de imposto indireto. Comprou uma roupa, paga imposto, comprou um relógio paga imposto, comprou uma bicicleta, paga imposto, pois gasolina paga imposto. Está tudo embutido diferentemente dos países mais desenvolvidos no mundo que os impostos são diretos, aqui tudo é indireto; a pessoa não percebe. Então, você tem um critério de justiça tributária, mais justo, faz mais depressa, conserva melhor. E o conceito de rodovia viva, ou seja, não é só fazer uma estrada e ir embora. É operar uma autoestrada com atendimento ao usuário, atendimento mecânico que tá incluído, guincho, atendimento médico, ambulância, UTI, tudo incluído também, monitoramento das estradas, telefone, contato. Enfim, todo um conceito de rodovia viva e a operação das autoestradas também incluída. Aí vem uma primeira questão. Vamos avançar para o pedágio eletrônico. Porque não tem sentido a pessoa ter que parar em cada barreira, ora rola a carteira, pedir troco, para a viagem, interrompe a viagem... Vamos avançar com o pedágio eletrônico, então surgiu lá atrás o Sem Parar. Aí o que é que nós estamos fazendo? A primeira medida que eu queria destacar: foi feita agora a um mês não é Saulo? Um mês. Como é que funcionava o Sem Parar? E eu falei o tempo inteiro: “Olha, eu vou lutar para melhorar isso e para ser mais barato e todo mundo poder ter no carro”. Então o Sem parar era R$ 66,72 para adesão, para o “tagzinho” R$ 66,72 para renovar depois de cinco anos pagava de novo; R$ 44,00 para transferência, trocou de carro, mais R$ 44,00 e R$ 11,90 de mensalidade. Então nós fomos para cima: “Não, não, vamos corrigir isso daí. Vamos aperfeiçoar para todo mundo poder ter”. Então entrou uma nova operadora: A DBTrans Auto Expresso, a adesão R$ 57,12; renovação zero; taxa de transferência zero; mensalidade R$ 6,00. Aí o Sem Parar apresentou um novo plano, olha como a concorrência é importante: adesão zero; renovação, zero; taxa de transferência, zero; mensalidade R$ 8,00. Já demos um grande passo. Agora estamos corrigindo outra questão que já tem, nós comentávamos no carro com o Reinaldo e o Rogério, 14 anos. Porque a localização de algumas praças de pedágio acabou causando algumas injustiças: quem estava muito perto percorre um trechinho de estrada e paga tarifa cheia, tarifa cheia. Nós estamos corrigindo todas essas injustiças. Já fizemos em Itatiba-Jundiaí, SP-360. Hoje, Santos Dumont, SP-75. Vamos fazer Jaguariúna, que é SP-340. Então vejam aqui dá para ver bem. Passou aqui na praça 10h10. Então quem saía de Indaiatuba e ia para Campinas pagava R$ 10,10 para ir e R$ 10,10 para voltar. Agora, a partir de hoje, quem já se cadastrou e já pegou o TAG, pôs no carro, passou no pórtico, já está registrado. A partir de hoje já tá valendo. Então, quem sai de Indaiatuba e vem para Campinas, de R$ 10,10 passa para R$ 4, uma redução de 60%. Quem sai de Indaiatuba e vai pegar a Rodovia dos Bandeirantes, de R$ 10,10, cai para R$ 2,60, redução de 74%. E quem sai de Indaiatuba em vem para Viracopos de R$ 10,10, cai para R$ 1,80, redução de 82%. Então o que nós estamos procurando fazer é corrigir. Já corrigimos lá Jundiaí/Itatiba, sucesso total. E a adesão é voluntária. Como nós estamos em teste, nós estamos testando pórticos novos, tecnologia nova, pra poder implantar no estado inteiro. Então como nós estamos em teste, é voluntário, ninguém é obrigado, e é tudo de graça. Não paga o TAG, não paga mensalidade, não paga nada e só um pré-pago. Por quê? Por causa da inadimplência. Então se alguém passa e depois não paga, aí você tem a inadimplência. É que nem pré-pago: você enche o cartão e vai usando, não paga nem a mensalidade, nem o TAG. Então queria destacar, e acho que nós estamos avançando. Primeiro, nos grandes investimentos no Estado de São Paulo de forma mais justa. Segundo, corrigindo, e o caminho do Ponto a Ponto, é a justiça perfeita, porque percorreu um percurso maior paga mais, percorreu um trecho menor paga menos. Então ele é extremamente justo. E tudo aquilo que, se por ventura, tiver uma arrecadação maior, será revertido para redução tarifária. Então está aqui a ARTESP e a Secretaria dos Transportes, para fazer essa redução tarifária. Trabalhamos, suamos a camisa para poder trazer novas operadoras para o pedágio eletrônico. Estamos avançando para o pedágio eletrônico ser próximo de zero, ser o mais barato possível, para todo mundo ter no carro, para não precisar estar parando em barreira. Que redução de velocidade às vezes traz problema de acidente. A viagem fica mais rápida e mais confortável e, com o pedágio eletrônico os pórticos... No futuro nem vai ter barreira de pedágios, essas barreiras de concreto saem tudo, será tudo eletrônico, só aquele pórtico. Você nem percebe que passou. Passou, registrou, usou um trecho pequeno, pagou um trecho pequeno, usou um trecho maior, paga um trecho maior. Então, Indaiatuba, que é essa grande cidade, e eu fico feliz de vir aqui em Indaiatuba, Pindamonhangaba que se cuide, não é? Uma bela de uma cidade, não é, próspera, forte, economia pujante, e com qualidade de vida. Com qualidade de vida. Mas tinha uma barreira aí que era o problema do pedágio há 14 anos, não é Reinaldo? E que agora se buscou uma solução justa e eu tenho certeza que vai ser um sucesso como foi lá em Itatiba. E o Dr. Saulo e a Karla já estão correndo para a gente, em seguida, fazer também Jaguariúna, e nós vamos corrigindo todas essas questões regionais e avançando para um sistema ainda melhor. Mas eu quero aqui também dizer que temos aqui uma obra lá do acesso ao Distrito Industrial, que está praticamente pronta e que está terminando, o Reinaldo falta só uma complementação que é da Prefeitura, foram R$ 12 milhões de investimento e também vai reduzir acidentes e vai trazer mais segurança e desenvolvimento para a cidade e fortalecer a logística do Distrito Industrial. Queria aqui agradecer ao Dr. Saulo, que é um craque. O Saulo assumiu a antiga FEBEM, hoje Fundação Casa, situação dramática, deixou arrumada. Assumiu a Secretaria de Segurança Pública com dois sequestros por dia, 60 por mês; entregou quase zero; e homicídios de 13 mil trouxe para 5 mil. E eu, quando eu levei o Saulo para a Secretaria e Transportes eu falei: “Olha, você tem uma tarefa: nós vamos ampliar muito, não só rodovia, hidrovia...”, estamos estourando todas as pontes para fazer vão largo, não é, fizemos a primeira lá em Pongaí, para hidrovia. Queremos triplicar o volume de carga pela hidrovia Tietê-Paraná, estamos trabalhando firmemente para a questão do Ferroanel; expansão do Porto de Santos e toda a logística de transporte, de acesso, controle de Caraguá, Tamoios, duplicações, obras importantes; redes de dutos também importantes, então um investimento de logística e eu falei: “Olha, e vamos procurar um modelo que foi bem sucedido em São Paulo...” [ininteligível] ser mais justo, temos vários desafios e estamos um por um procurando resolver e avançar. E hoje ficamos felizes de vir aqui à Indaiatuba, Reinaldo, na sua cidade, e daqui a pouco nós vamos ter que voltar para entregar aqui outras obras. Na última vez, inauguramos aqui uma escola de tempo integral, nós estamos avançando rápido para todas as nossas escolas serem de tempo integral que vai dar um grande salto na questão da educação. Conheci lá o centro... FIEC, que é uma beleza de trabalho de formação profissional. Agradecer a Karla Bertocco, que preside a nossa Agência de Transportes, a Artesp, tem uma carinha de anjo, mas é dura, viu? As mulheres são craques, não é? Um dia desses eu encontrei com um amigo e falei para ele: “Olha, você já ganhou muito dinheiro na iniciativa privada, agora precisa retribuir à sociedade. Vem ajudar aqui o Governo, põe a sua inteligência e o seu espírito público para ajudar São Paulo”, ele falou: “Não, estou me preparando. Daqui um ano eu acho que eu posso ir trabalhar para o Governo. Eu tenho doze empresas, já coloquei doze executivos, estou fazendo a transição para daqui um ano eu poder sair”. Doze mulheres. Aí ele fez um discurso de meia hora sobre as mulheres, não é? Então, a Karla é craque, viu? E o Saulo é durão ali, tomando conta lá. Aliás, essa é uma questão importante. Quando perguntam: concessão é bom ou é ruim? Depende. Depende. Se for em boa regulação e fiscalização, é ótimo. Se não tiver boa regulação e nem fiscalização, é pior do que o Governo. Então é óbvio. Esse é um segredo da gente poder avançar. E tem pessoas com uma... A política é uma atividade essencialmente ética, não tem política sem ética, ela pressupõe valores, não é, justiça, critério, honestidade, espírito público. Ela é essencialmente uma atividade ética. Por isso a gente fica feliz aqui de agradecer. E não é fácil trabalhar em serviço público, não é fácil, é uma tarefa dura, e fico feliz de poder aqui cumprimentar dois servidores de São Paulo que é o Saulo e a Karla, e em nome deles toda a equipe aí da Secretaria e da Artesp, um grande grupo de pessoas aqui trabalhando. Saudar o nosso prefeito de Salto. Nós vamos uma, inaugurar a estrada. E é a Salto - Itu, nós vamos inaugurar a duplicação e fazer uma nova ponte sobre o Rio Tietê. Uma ponte estaiada, uma ponte..., impressionante a ponte. E eu brinquei com o meu xará que o Papa é chamado de Pontífice, porque ele constrói pontes, é um pontífice entre a terra e o céu. Então nós vamos lançar a Ponte Geraldo I, pontífice, construtor de pontes. Mas, agradecer aos nossos deputados, querida Celinha que faz um trabalho espetacular lá na Assembleia de São Paulo. O Rogério Nogueira, deputado de Indaiatuba, da região, do estado, nosso parceiro lá na Assembleia Legislativa. O Davi Zaia, que é também da região, deputado, secretário de estado, de uma pasta importantíssima, que é de Gestão Pública. Cumprimentar aqui os nossos parceiros da Concessionária Colinas. E é muito importante a participação da iniciativa privada na ampliação da infraestrutura de São Paulo e do Brasil, e na qualidade dos serviços que são prestados à nossa população. E cumprimentar o nosso prefeito anfitrião, o Reinaldo. Pelo seu trabalho, a gente fica entusiasmado aqui em Indaiatuba, em ver a cidade progredindo, com qualidade de vida, avançando na área social e se desenvolvendo, gerando emprego e riqueza para a população. Um grande abraço a todos.