Discurso - Lu Alckmin - Inauguração do 8º Polo Regional da Escola de Moda da capital – Projeto Cultural e Educacional Novo Pantanal (PROCEDU) - 20121009

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição do discurso da primeira dama, Lu Alckmin, na Inauguração do 8º Polo Regional da Escola de Moda da capital – Projeto Cultural e Educacional Novo Pantanal (PROCEDU)

Local: Capital - Data: 10/09/2012

LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: Nove polos da escola de moda, esses polos são para capacitar as pessoas do entorno, as entidades e as pessoas que moram por aqui. E as entidades que se capacitarem aqui, vão receber a escola de moda, para ir lá, nessa entidade, também, ser um local para ensinar as pessoas que moram ali. Então, é isso o que nós queremos. Queria até dizer que nós começamos esse projeto da escola de moda o ano passado, quando o Geraldo Alckmin, que é o meu marido, ele foi reeleito. Assumiu em janeiro do ano passado, e ele sendo eleito, eu, como esposa dele, eu posso ser... Presidir o Fundo Social do estado. E aí, ser voluntária desse trabalho social que eu tanto amo. Porque é tão gostoso, não é? Poder ajudar meus semelhantes. Eu sempre digo que quando a gente morrer, todos nós, nenhum, aqui, vai ser diferente, todos vão virar pó. O que nós podemos levar dessa vida, levar perante a Deus? É o que a gente fez aqui, não o que nós temos de material, assim, o carro, a casa, nada disso nós vamos levar, nós vamos levar o bem que nós fizemos aqui na Terra, ajudando os nossos semelhantes, não é? E que ninguém pode ser feliz enquanto tiver pessoas na miséria, pessoas sofrendo... Então, até queria pedir a cada uma de vocês, que foram capacitadas aqui, que aprenderam, aprenderam muito bem aqui, então, que vocês, que cada uma de vocês saia daqui com aquela vontade de fazer uma corrente do bem. Se uma vizinha está com a roupa descosturada, oferecer sem cobrar, ajudar... Como é bom a gente poder ajudar alguém, não é? Então, se cada uma de nós fizer um bem para o próximo, o mundo pode ser melhor. E aí, quando ela te perguntar: “Quanto é?”, você fala: “Você sabe cozinhar?” faz um bolinho para aquela pessoa que está passando fome. O outro, você arrumou a calça daquele homem lá, que ele pediu, ele perguntar: “Quanto é?”, “Ah, o que o senhor pode ajudar outra pessoa? A mim não precisa pagar nada”. De repente, arrumar o carro, ele é mecânico, arrumar sem cobrar o carro do outro, não é mesmo? Eu acho que todos nós, ninguém é tão pobre que não possa dar, e nem tão rico que não possa receber. Eu acho que a gente pode sair daqui com essa mensagem, não é? Vocês saindo daqui capacitadas, preparadas, para ter uma renda melhor. E que vocês possam passar esse amor que vocês receberam, aqui, do padre, que receberam das professoras... Passar adiante essa corrente do bem. É lógico que vocês vão ter o seu... A renda de vocês, mas ficar naquele compromisso, fazer um ato de solidariedade para aquele que precisa, não é? Procurar saber, as vezes está... É tão fácil, e tem tanta gente que precisa, pode ser até falado: “Procura a entidade para ir lá se capacitar”. Não é mesmo?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Vai ser bem [ininteligível].


LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: É. E não é isso que a gente quer?



ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Costuma dizer, que a gente não vive sem o outro, a gente vive trocando...


LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: É, isso mesmo.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: (...) as pessoas trocam.


LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: (...) mais do que vocês, é lógico, que foi importante vocês capacitarem. Mais que isso, foi uma conhecer a outra, não é? São esses momentos que vocês nunca mais vão esquecer, tenho certeza que surgiram, daqui, grandes amizades, grandes amizades, muitas... Quem não tem problema, não é? Muitas que chegaram aqui tristes, às vezes com depressão e, aqui, junto com as outras, umas ouviram as outras, saíram melhores... Tanto é que não queriam que terminasse o curso, não é? De tão bom que foi, não é mesmo? Vai fazer falta, mas, aí, vocês tem que vir aqui visitar, vir aqui quando tiverem dúvida, vai ter o dia, o dia que vai poder estar aqui atendendo vocês para tirar as dúvidas. Então, dizer da minha alegria de estar aqui. Cada polo que eu tenho ido inaugurar, como eu disse, eu comecei o ano passado, nós começamos primeiro no Fundo Social a escola de moda, só começou em abril do ano passado porque, justamente, eu falei: “a gente, o Fundo Social é para atender aquelas pessoas carentes que às vezes não tiveram oportunidade, que muitas vezes não estudaram” não é? Como no caso dela, que está com uma roupa linda, olha aí!


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: A nossa modelo.


LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: A modelo aqui na turma, não é mesmo? Então, o que nós, até janeiro, nós chamamos pessoas técnicas para desenvolver uma maneira da gente ensinar, que a pessoa não precisasse saber ler. Porque do que adianta? Vai fazer escola depois vem aqui? Não, ela vai, ela está se capacitando aqui, no futuro ela também vai querer estudar, vai ser... Mas primeiro ela tem... Ela não pode estar passando fome, primeiro ela tem que ter a renda dela, se ela não tiver o dinheiro, como é que ela vai pensar em estudar, se ela não às vezes, nem o que comer? Não é mesmo? Então, nós começamos em abril, depois que foi desenvolvida essa técnica, lá no Fundo Social. O curso é de dois meses, três horas por dia e foi um sucesso tão grande que eu trabalho no interior do estado. São 644 municípios, e aí, o que é que eu fiz? Eu trabalho com as primeiras damas e presidentes de Fundos Municipais, que são as mulheres dos prefeitos, que, também, como eu, são voluntárias, e aí, elas pediram para levar a escola de moda para o interior. Então, nós, em julho do ano passado, escolhemos 28 cidades do Estado de São Paulo e 28 entidades da capital, e as entidades foram escolhidas, visitadas pelas técnicas do Fundo Social, entidades sérias [ininteligível], como a que eu estou aqui, como as 28 entidades aqui da capital, 28 no interior... O primeiro semestre desse ano eu inaugurei 28, em 28 cidades, dessas 28 cidades, 119 cidades do entorno já se capacitaram. Já assinamos o convênio da escola de moda nessas cidades e a mesma coisa, aqui, na capital. Então, são 28 polos, aqui, na capital, e vamos capacitar as entidades do entorno, e essas entidades também vão receber as máquinas para ser um polo, um polo não, uma escola de moda. A escola de moda, são três máquinas de costurar reta, uma overloque e 300 metros de tecidos que vão, também, capacitar as pessoas do entorno. Mas eu falei tudo isso porque, assim, tem sido melhor do que eu pensava. Nunca ia imaginar, nos lugares que eu tenho ido, mas em todos lugares que eu tenho ido, é tudo muito bem acabado, é gente sabendo que está faltando costureira, pessoas capacitadas mesmo. Por isso que nas lojas, a gente vê roupa mal acabada, porque não tem quem faz. Agora vai ter. E serão tantas pessoas, não é? Então, e aqui na zona leste são nove polos, não é? Hoje, nós inauguramos, nesse momento, o oitavo. São nove, só falta mais um, aqui, na zona leste. Aí eu já vou para outra região e sempre nessa busca de qualificar as pessoas. Então, dizer da minha alegria, não é? E pedir a Deus que esteja na família de cada um vocês, no coração de cada de vocês, porque sem Deus nós não somos nada e com Deus nós podemos tudo. E a gente ver aqui vocês felizes, lindas, porque a beleza vem de dentro... Então, a gente vê na carinha de cada um de vocês que, realmente, vocês estão felizes porque vocês realmente conquistaram espaço, não é?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Eu acho que elas vão ficar mais felizes porque tem o reforço agora, Dona Lú.


LU ALCKMIN, PRESIDENTE DO FUSSESP: Ah, é?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Elas ficaram me olhando assim: “você não me falou”.