Discurso - Novas medidas de política salarial para a Educação 20131704

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Novas medidas de política salarial para a Educação

Local: Capital - Data:17/04/2013

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Boa tarde a todas e a todos! Quero saudar o presidente da assembleia legislativa, o deputado Samuel Moreira, Professor Hermann Voorwald, secretário do Estado da Educação, deputados Welson Gasparini, João Caramez, Beto Trícoli, os prefeitos: Santana do Parnaíba, o Antônio Marmo Cézar; de Itararé, a Cristina Ghizzi; de Itapeva, o José Roberto Comeron; de Registro, Gilson Fantin; de Juquiá, o Merci; a Kátia, professora Kátia Machado Magalhães, professora da Escola Estadual Capitão Bernardo Ferreira Machado do Jacupiranga; dirigentes; supervisores de ensino; professores; amigas e amigos: Hoje nós estamos assinando dois projetos de lei para a Assembleia: Um que cria 818 cargos, 418 de analista administrativo e 400 de analista de tecnologia. Então duas áreas importantes para o bom funcionamento das nossas escolas. E o outro projeto de lei dando reajuste maior do que aquele previsto na lei inicial, para que a gente possa então, ter nesse período 45,1% de reajuste, incluindo já o ano que vem. Tenho certeza que a Assembleia vai aprovar rápido, porque esse aumento já é a partir de 1º de julho, então tem que aprovar antes dessa data. Nós sempre estamos procurando dar aumentos maiores do que a inflação para estabelecer ganhos reais. Eu participo de reuniões com governadores do Brasil todo, em Brasília, e sempre a luta é derrubar o piso nacional do professor. São Paulo está 44% acima do piso nacional. O governo federal tem uma coisa chamada DRU, o que quê é DRU? DRU é Desvinculação das Receitas da União. Ou seja, é desvincular, tirar dinheiro daquilo que é vinculado. Tem uma receita vinculada que é Educação, é a única que tem vinculação, porque Saúde é uma vinculação mais ou menos, ela estabelece um percentual sobre o crescimento do PIB. Então se o PIB o ano passado cresceu 0,9%, você não considera o crescimento da inflação que foi quase 6,5 IPCA, IGP-DI 8, você leva em consideração o crescimento do PIB. Então praticamente não tem vinculação, o que tem é educação. Então a DRU o que quê é? É só não cumprir os 18%, é desvincular, tirar uma parte. Os estados querem a mesma coisa: A DRE, que é a Desvinculação das Receitas do Estado, e eles investem 25%. Tem um estado no Brasil que investe 30%, e não vai ter DRE nenhuma, pode aprovar o que quiserem, que aqui ninguém investe um centavo a menos. Então nós podemos nos orgulhar de ser... Eram dois entes federativos, a cidade de São Paulo e o estado de São Paulo. A Constituição Paulista estabelece 30% de educação e a Lei Orgânica do município de São Paulo. A capital mudou, incluiu toda a parte social, portanto baixou pra 25%, e nós somos hoje o único do Brasil que investe 30% em educação. Investimento muito bom, muito positivo para nossa população. Aliás, 31, se a gente for incluir a Fapesp, que é toda parte de pesquisa e inovação tecnológica. Outro aspecto importante é que esses aumentos, eles são extensivos a aposentados e pensionistas, então ninguém fica de fora, quer dizer, então todo mundo que é aposentado, pensionista, está incluído no programa. E também aumentamos a gratificação para aqueles que são mais responsáveis pela questão da gestão das escolas, aumentamos a gratificação para diretor, vice-diretor, supervisor e coordenador pedagógico. E como queremos caminhar para escolas em tempo integral, nossa meta já é chegar a 1000 escolas em tempo integral, os professores em tempo integral, 75% a mais do que se estabelece. Enfim, um esforço grande cujo objetivo é melhorar a aprendizagem. As nossas crianças alfabetizadas na idade certa, os nossos alunos terminando o Ensino Fundamental com uma boa aprendizagem e ao Ensino Médio também com bons resultados. E uma vez eu fui conhecer escolas da periferia de Nova York e tive na época, aliás, é o mesmo prefeito hoje, o... Como que é o nome dele? Bloomberg. Bloomberg! E o Bloomberg me disse o seguinte: “Olha, aqui pagamento é resultado. Aqui ter mestrado, doutorado, curso, nada! Aqui é resultado do aluno, aprendizagem do aluno.” Ou seja: o aluno ser beneficiado, o aluno aprender, o aluno com o seu aprendizado poder caminhar. Então acho que esse foco na questão do aprendizado, do fazer o aluno aprender e não é uma tarefa, uma tarefa fácil, ainda mais hoje que a juventude dispersa, não é? As vezes ela não é tão focada. Eu fui professor de Química Orgânica e era uma luta. Porque o cursinho ficava em cima no prédio, sobreloja, e embaixo uma lanchonete chamada ‘Minhocão’, em Taubaté, no centro de Taubaté, e a... No Minhocão ficavam as meninas bonitas da cidade e eu disputava então com as meninas bonitas embaixo, eu dando aula de Química Orgânica. Como é que eu vou segurar esse pessoal aqui, não é? Você tinha que fazer mágica! Aliás, esse segredo da comunicação, eu selecionava professor no cursinho. Chegava um professor para ser contratado de física, do ITA, gênio: “Dispensado, pessoal vai tudo dormir na aula dele”. Vinha um de Medicina, não sabia nada de Física, eu falei “Esse cara aprende em 2 meses. Eu dou as apostilas para ele, em 2 meses ele sabe tudo e vai ser uma aula que todo mundo vai adorar”. Eu fui aluno no Objetivo, primeira turma da paulista, do Clésio Morandini: Showman! Como é que se prende 200 alunos em uma sala? 200 alunos e todo mundo prestando atenção. Sujeito só faltava dar pirueta! Heródoto Barbeiro, professor de História; Paulo Kobayashi, professor de Geografia. Era tudo Showman, não é? Então tornar essa arte de ensinar e de aprender, uma coisa gostosa, uma coisa agradável, conquistar, é uma tarefa dificílima, mas é uma tarefa, ao mesmo tempo, apaixonante. E também com a humildade de que muitas vezes a gente aprender não só na escola. Eu me lembro que português eu aprendi com meu pai na hora do almoço. Eu falava “Eu fui de encontro” “Oh, de encontro! Por amor de Deus, é ao encontro!’ “Passagem a nível...” “Nossa senhora, sacrilégio! passagem é em nível”, então a cada momento ele… De uma frase errada ele já corrigia: você nunca mais aquilo, repete. Aliás, o que mostra que aprendizado não é prédio. Prédio bom é ótimo, mas prédio não ensina ninguém, você pode ter ótimos prédios e péssimas escolas. O que faz a diferença é essa paixão ao ensinar. Cora Coralina dizia: “Quem nunca teve um professor com que se emocionou, nunca teve um professor”. Professor mexe com a vida da gente. Ele emociona, ele muda a vida da gente! E nós queremos... Nós queremos os melhores professores, as melhores escolas, e os melhores alunos. Porque nós somos servidores públicos, nós estamos servindo, servindo, servindo e servindo da melhor maneira possível. E a melhor maneira de servir o futuro da nossa juventude é exatamente através do aprendizado através das nossas escolas. Sempre nós estamos devendo, sempre nós estamos devendo porque as necessidades são muito maiores do que as possibilidades que a gente tem, mas é o esforço permanente que a gente está fazendo no sentido de poder avançar mais e fazer a diferença na área da educação. Muito obrigado!