Discurso - Posse coletiva de 442 novos Agentes Fiscais de Rendas 20131709

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Posse coletiva de 442 novos Agentes Fiscais de Rendas

Local: Capital - Data:17/09/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde a todas e a todos! Quero dizer da alegria de recebê-los aqui, todos os ficais de renda que estão sendo aqui empossados, seus familiares, amigos, estamos felizes e honrados em tê-los aqui, nesta posse. Quero cumprimentar o Dr. Andrea Calabi, Secretário de Estado da Fazenda; deputado federal e fiscal de renda, João Dado; deputados estaduais, ambos fiscais de renda: o Orlando Boyzone e o Vitor Sapienza; também aqui conosco, o Roberto Massafera; o nosso deputado federal constituinte, Hélio César Rosa também fiscal de renda. Coordenadores da Secretaria da Fazenda: da Administração Tributária, Dr. José Clóvis Cabrera; da Administração Geral, Dr. Humberto Baptistella Filho; Dr. Afonso Quintã Serrano, presidente da Comissão do Concurso de Ingresso; Dra. Miriam Arado, presidente do Sinafresp - Sindicato dos Agentes Fiscais de Renda do Estado; Dr. Teruo Massita, presidente da Afresp - Associação dos Fiscais de Renda do Estado; o Lucas Doraciotto, primeiro colocado que falou em nome de seus colegas, fiscais de renda aqui hoje empossados, seus familiares, amigos, dizer da alegria desta posse! O primeiro, parabéns, são todos craques, né, aqui só tem Neymar, né? Trinta e cinco mil inscritos, concurso dificílimo nacional, temos aqui tomando posse, brasileiros de muitos estados do país que nos alegra muito. Dr. Calabi mencionou que muitos têm menos de 30 anos de idade, que são menores de idade, né? Não se preocupem que a pouca idade, o tempo cura, né? Mas dar boas vindas a todos vocês, dizer que vocês estão ingressando numa das mais importantes carreiras de estado! Nós todos, aqui: eu, Calabi, os parlamentares, somos todos passageiros, vocês ingressão numa carreira de estado, fizeram um projeto de vida, e uma carreira de estado superimportante! Primeiro, porque são os homens e mulheres da lei, e o Lucas foi muito feliz quando falou do sentido ético da profissão, né? O profundo sentido ético, o comprimento da lei em benefício da coletividade, num estado que tem tamanho de país. O PIB, o Produto Interno Bruto no Estado de São Paulo é de quase U$S 800 bilhões é o dobro do segundo país da América Latina que é a Argentina, o estado de São Paulo são duas Argentinas em termos de produção de riqueza. Uma área que é a Secretaria da Fazenda, os fiscais de renda de excelência técnica! Excelência técnica, e ao mesmo tempo a essência do bom funcionamento do governo, de um lado da despesa a qualidade no gasto público; de outro lado da receita, o que faz o governo poder trabalhar. O Mário Covas dizia de que o ajuste fiscal não é uma visão economicista, é uma visão social, porque sem ele, não tem hospital, não tem escola, não tem segurança, não tem saneamento, não tem logística, nada existe, né? Prioridade sem orçamento é discurso, não vira nada, é preciso ter capacidade de investimento para que as coisas saiam do papel, e que elas possam acontecer em benefício da coletividade. Hoje, se discute quanto vai crescer o Brasil? Vai crescer 2%? Vai crescer 3%? Vai crescer como a China? Vai crescer pouquinho, que nem a Europa? Depende da questão fiscal, aí está o nó da questão, se tiver uma solução fiscal melhor, o país cresce mais, tem mais segurança, investimento, emprego. O Papa João XXIII dizia que o desenvolvimento é o novo nome da paz! Porque não há paz verdadeira onde não tem emprego, onde não tem oportunidade para as pessoas; e desenvolvimento não é mágica, é fruto de trabalho, de eficiência, de competitividade, e o sentido ético ao que Lucas se referiu, porque se essa empresa sonegadora, ela fecha a empresa séria, ela causa uma concorrência desleal, desleal. Então, o cumprimento da lei, da regra que vale para todos, ela é essencial no regime democrático de uma sociedade civilizada onde a convivência em sociedade ela é central. Eu quero aqui agradecer ao Dr. Andrea Calabi, uma das pessoas com maior autoridade, experiência, espírito público; agradecer a ele, agradecer a sua equipe, a todo o time da Secretaria da Fazenda, aos nossos parlamentares; uma alegria rever o meu conterrâneo de Pindamonhangaba, o Hélio César Rosas. O Hélio César Rosas, meu pai dizia, Calabi, que era uma das pessoas mais inteligentes que ele já conheceu. O Hélio fez um livro chamado “O cérebro, este abandonado.” Então, ele diz o seguinte: que hoje todo mundo faz ginástica, aeróbica, musculação, alongamento, mas ninguém mais resolve problema. Ninguém mais exercita o cérebro. Então, é o cérebro, este abandonado; é tudo maquininha. E ele propõe 20 problemas de matemática, e um dos problemas meu pai que deu ao Hélio, era uma pesagem para o livro do Hélio, e o estudante que acertasse o problema mais difícil, ele dava uma bolsa de estudos para estudante. O Hélio é uma mente brilhante, fiscal de renda constituinte do nosso país e fico feliz de vê-lo cada vez mais jovem, mais broto e aqui conosco, viu, Hélio? E trazer um abraço aqui a Jovem Guarda; a vocês que estão assumindo, podem ter certeza que estarão em uma escola de administração pública que é a Secretaria de Fazenda de São Paulo. E vocês vão trazer todo o seu idealismo, todo o seu espírito público, capacidade técnica comprovada num concurso desta importância. Nós, todos brasileiros de São Paulo, estamos muito felizes. Bom trabalho. Capital