Discurso - São Paulo amplia ações de combate à violência contra a mulher 20132608

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - São Paulo amplia ações de combate à violência contra a mulher

Local: Capital - Data:26/08/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Quero cumprimentar a ministra Eleonora Menicucci, a mais paulista das mineiras! Dizer que todos nós vamos cumprir com absoluto rigor aqui tudo o que foi assinado! Presidente e desembargador, Ivan Sartori; prefeito da capital, Fernando Haddad; Dra. Ana Estela Haddad; Dr. Márcio Elias Rosa, procurador-geral; Dra. Daniela Cembranelli, defensora pública geral; deputados federais Janete Pietá e Iara Bernardi; deputados estaduais Carlos Bezerra Júnior, Luiz Cláudio Marcolino e Regina Gonçalves; secretário da Justiça, Luiz Arruda; desembargadora Angélica de Maria Mello de Almeida; Denise Dao; prefeitos: o Almeida, de Guarulhos e o Márcio, de Guararema; vereadores, o Reis, vereadora Patrícia Bezerra e Juliana Cardoso; Rosmary Corrêa, presidente do Conselho da Condição Feminina; subprefeitos; lideranças aqui presentes; amigas e amigos! Uma palavra breve: Primeiro, o Haddad tem uma campanha contra as nominatas, não é? E... Só abaixar um pouquinho aqui. E tem uma história muito boa do governador, Ministra, da Paraíba, já há muitos anos, que tinha um prefeito no interior que fazia muitas citações. Aí o governador chamou e falou: “Prefeito, economia processual: sempre duas. Você vai em um hospital: 'profissionais de saúde e pacientes'; você vai em uma escola: 'professores e alunos'; você vai em um local com muita gente: 'senhoras e senhores'. Olha, duas só. Vamos ganhar tempo”. Aí, passado uns meses, houve uma solenidade no cemitério municipal e a secretária já trouxe lá o pacote de 50 fichas e tal. Aí ele pensou, pensou, pensou, guardou as fichas e falou: “Meus conterrâneos e meus subterrâneos!”

[RISOS E APLAUSOS]

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Amigas e amigos, eu quero dizer da alegria de estarmos juntos hoje aqui. A ministra Eleonora é craque: Ela uniu todo mundo, não é? Aqui estão todos os poderes: Judiciário, Legislativo, Executivo, Ministério Público, Defensoria, toda a federação, o governo federal, estadual, municipais, sociedade civil organizada, organizações da sociedade civil. E, quando todos se unem, o Brasil se fortalece, a sociedade ganha. Então, nós estamos muito felizes aqui em assinarmos a repactuação. Agradecer as duas unidades móveis que já estão chegando, que vão possibilitar, Eloísa, o trabalho em todos os rincões do estado e a boa parceria com a prefeitura da capital e o governo federal para, no Cambuci, no Programa Mulher - Viver Sem Violência, a Casa da Mulher Brasileira. E trazendo para dentro da Casa, o Poder Judiciário, o Ministério Público. Se nós queremos acabar com a violência, tem que acabar com a impunidade, porque é a impunidade que estimula a violência. Então, eu acho que nós vamos dar bons passos aí! E dizer do compromisso de São Paulo, que, lá no governo Montoro, na década de 70, 80, comecinho da década de 80, estabeleceu aqui a primeira Delegacia da Mulher. Aliás, a primeira delegada foi a Dra. Rose, que preside. Hoje, nós temos 129 delegacias. A 130ª será a da Casa da Mulher Brasileira, que terá lá a Delegacia da Defesa da Mulher. O Montoro criou, lá atrás, o Conselho da Condição Feminina, que teve um papel importantíssimo na articulação de políticas públicas, depois criamos aqui em São Paulo, o Programa Bem-Me-Quer, no Hospital Pérola Byington, que é o hospital da mulher, unindo o atendimento médico, de Justiça, a PGE, Secretaria de Justiça, Defensoria, psicológico, social, as casas de abrigo e esse Programa Bem-Me-Quer, expandimos para Rio Preto, no Hospital das Clínicas, Ribeiro Preto, Hospital das Clínicas, Campinas, o Caism e Santos, o Guilherme Álvaro. E agora, Almeida, com o Hospital Geral de Guarulhos, irá também para Guarulhos. Esse trabalho... Hoje, dos 27 estados brasileiros, São Paulo é o segundo em menor índice de homicídios de mulheres, 3,2 mulheres por 100 mil mulheres/ano. E a cidade de São Paulo, Haddad, é a também é o segundo menor índice das capitais, menor ainda: 2,8. E nesse primeiro semestre de 2013, comparado ao primeiro semestre do ano passado - acabamos de fechar os números ontem - reduziu 32% os homicídios de mulheres e também uma queda de quase 30% em estupros também aqui no estado de São Paulo. Mas a nossa palavra é de agradecimento! Contem conosco para a gente somar esforços com a Casa da Mulher Brasileira, essa cobertura, como disse a Ministra Eleonora, integral para o atendimento às mulheres e principalmente, um combate permanente à toda forma de violência e à impunidade que é o que estimula a violência. Conte conosco! Vamos cumprir rigorosamente o pacto! Muito obrigado! Capital