Discurso - Solenidade de abertura da Agrishow 2016 20162504

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Solenidade de abertura da Agrishow 2016

Local: [[]] - Data:Abril 25/04/2016

[aplausos].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Amigas e amigos, até pelo adiantado da hora, eu vou abreviar aqui as citações, saudando a todos na pessoa do Dr. Fábio Meirelles, presidente da nossa Agrishow, saudando aqui a Ivelle Meireles; o Maurílio Biagi Filho, presidente da honra da Agrishow; ministro da Defesa, Aldo Rebelo; prefeita anfitriã, Dárcy Vera; o deputado federal Jerônimo Goergen, saudando todos os parlamentares; os homenageados aqui dessa 23ª feira, o Rubens Dias de Moraes, 80 anos da Jumil; os irmãos Armando e Luiz Marchezan, 70 anos da Marchezan; e o Ronaldo Nogueira da Cruz, 50 anos da KO Máquinas Agrícolas; e o engenheiro agrônomo e pesquisador, Dr. Eliseu, que foi presidente da Embrapa, e hoje aqui também com o prêmio da agrociência; realizadores, patrocinadores, expositores, amigas e amigos. Dizer da alegria de primeiro vir a Ribeirão Preto, esta capital do alimento, da agroenergia. Nós estamos, em seguida aqui à Agrishow, entregando, com o secretário Alexandre Moraes, o novo prédio do Corpo de Bombeiros que vai atender à região, Ribeirão Preto e região, e também a primeira Fatec, Faculdade de Tecnologia de Ribeirão Preto, muito voltada também a sistemas, à área de tecnologia. Aliás, é impressionante a mudança e a velocidade da mudança. O estado de São Paulo é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, o nosso estado, do mundo. E o que nós vemos? Tínhamos o cortador de cana, tínhamos o cortador de cana, hoje está mecanizada, mecanizado a cana. Então, substituímos...

[aplausos].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Substituímos. Com a cana toda mecanizada, nós temos hoje uma Fatec, onde nós temos o tecnólogo em mecânica de agricultura de precisão. Então, tecnólogo em mecânica de agricultura de precisão. E destacar a inovação. O secretário Arnaldo Jardim está aqui, estamos lançando os novos cultivares na área de feijão e também estamos em um dos mais importantes centros de cana que é exatamente onde estamos, aqui em Ribeirão Preto. E aqui deixo uma palavra para as nossas entidades aqui presentes, todos nós cobrarmos mais agilidade na aprovação de novas moléculas pela Anvisa e pelos órgãos federais, para a gente não ter a morosidade nesses avanços que a ciência dos traz. Uma boa notícia na área de logística, nós tivemos uma grande seca aqui no estado de São Paulo, na Região Sudeste, há dois anos atrás, interrompeu a Hidrovia Tietê-Paraná, mas ela voltou, já há dois meses, Dr. Fábio, e já estamos com longo curso à navegação, desde São Simão, em Goiás, até Pederneiras, onde a produção passa para o trem e vai até o Porto de Santos sem um caminhão. E o grande obstáculo da hidrovia, o grande problema da hidrovia é o pedral de Nova Avanhandava. É uma região de dez quilômetros onde ali é um gargalo, quando a chuva reduz, reduz o nível do rio e aí fecha a hidrovia de longo curso. Nós assinamos um convênio com o governo federal, ministro Aldo, e já licitamos a obra de implosão de todo o pedral de Nova Avanhandava, todo, todo o pedral de Nova Avanhandava, para garantir a permanência da hidrovia. Também a dutovia, retiramos o ICMS para todo o álcool, o lastro da dutovia que já chegou a Ribeirão Preto, de Paulinha até aqui, já chegou em Uberaba e que irá para e que irá para Itumbiara, até em Goiás, melhorando também logística e reduzindo custos. Mas quero dizer da alegria de estar aqui nessa 23ª Agrishow, que é um exemplo de sucesso. Quando começou, há 23 anos, era pequeninha, hoje é a maior da América Latina, a segunda ou terceira maior do mundo, com 160 mil visitantes que devem passar aqui, 800 marcas, pequenos, médios e grandes agricultores, que é quem está segurando a lavoura. Nós estamos passando pela maior recessão dos últimos 80 anos. A economia derrete, é uma coisa de uma gravidade jamais vista. O agronegócio é quem está conseguindo segurar o emprego. E o nosso pesquisador hoje aqui homenageado lembrou muito bem a importância da política externa, do comércio exterior, de acordos internacionais, o Brasil não ficar isolado no mundo, mas fazer acordos para poder ter, através do comércio exterior, poder dar ainda mais um grande passo. Mas quero fazer aqui uma observação que acho de caráter mais geral, até para encerrar. O mundo que cresce, ele tem política fiscal dura, imposto baixo, política monetária, juros baixos, aliás, hoje até juros negativos, e política cambial, câmbio competitivo. O Brasil sempre teve política fiscal frouxa, chegamos a 37% do PIB de carga tributária, e tem uma cultura de que o governo deve fazer tudo, é responsável por tudo, deve bancar tudo. Nós precisamos mudar essa cultura, porque todo dia, todo dia o corporativismo, e nós vivemos o ápice do corporativismo do Brasil, o corporativismo quer pôr um andar no prédio, mais prédio, mais gente, mais gasto, é óbvio que vai ter que ter mais imposto. É preciso mudar a cultura e ter uma política fiscal dura. Política monetária, o Brasil parece que vive uma patologia, é o segundo juros maior do mundo. O povo brasileiro é trabalhador, mas nós não podemos ter política para rentista, para quem quer viver do capital e não arriscar acordar cedo, trabalhar. Não é razoável você ter uma política monetária nesse patamar de juros, onde o melhor é não fazer nada e ganhar 14,25% ao ano sem trabalho e sem ter problema. E, de outro lado, política cambial. O mundo que cresce tem câmbio competitivo, para você poder exportar e ter comércio exterior significativo. Nós vamos passar por tempos difíceis. Hoje é dia de esperança, estamos virando uma página e vamos ter toda a força para poder superar as dificuldades, mas elas só serão superadas com reformas estruturantes, com mudança cultural, com enfrentamento das questões corporativas, em um trabalho de evangelização quase diário para mostrar. Isso é custo Brasil, custo Brasil é menos emprego, é salário mais baixo, é país que não cresce. Então, eu acho que nós temos aqui um setor que é campeão em termos de competitividade, Dr. Fábio, a mais eficiente agricultura dos trópicos, que é o agronegócio, a agropecuária brasileira, dar esse exemplo e somarmos os esforços para que o Brasil possa realizar o seu grande destino. Parabéns e bom trabalho!

[aplausos] [[]]