Parque Várzeas do Tietê

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar
Atualizado em: 17 de junho de 2013


Quando começou: 2011

Objetivo: reestabelecer a função das várzeas para o amortecimento de cheias, por meio de ações voltadas à proteção e à recuperação do ambiente natural, bem como melhorar as condições de moradia e de vida da população, além de funcionar como um regulador de enchentes, salvando vidas e o patrimônio das pessoas.

Características: com 75 km de extensão e 107 km² de área, implantado ao longo do rio Tietê, unindo o Parque Ecológico do Tietê (localizado na Penha) e o Parque Nascentes do Tietê (localizado em Salesópolis)

Projeto: o projeto foi apresentado pelo DAEE em 20 de julho de 2010 e teve início em 2011.

Obras: nas várzeas do Alto do Tietê serão formadas grandes piscinas naturais, que amortecerão as cheias e serão fundamentais para complementar o efeito das obras de aprofundamento da calha do Tietê (41 km) desde a barragem da Penha até a usina Edgard de Souza. Quando concluído será o maior parque linear do mundo.

Beneficiários: 3 milhões de pessoas

Jardins das marginais do Tietê

Trata-se de um espaço com 350 mil m², equivalentes a 50 campos de futebol e conta com aproximadamente 40 mil árvores - entre aroeiras, quaresmeiras, paus-brasis, palmeiras, jatobás, ipês, chorões, manacás-da-serra, cerejeiras – arbustos de 70 espécies diferentes, com porte de até 30cm de altura, além de forração de grama amendoim, esmeralda e vedélia.

Primeira etapa: a primeira etapa será feita em 25 km de extensão às margens do rio Tietê da barragem da Penha até a divisa com o município de Itaquaquecetuba, contemplando os municípios de São Paulo e Guarulhos. A conclusão dessa etapa está prevista para 2016.

No dia 03 de agosto de 2013, foi iniciada às obras de construção de 23 quilômetros de ciclovia e Via Parque ao longo da margem direita do rio Tietê. O trecho, receberá investimentos de R$ 35,5 milhões e será entre a Barragem da Penha com a divisa de São Paulo e Itaquaquecetuba. A ciclovia terá 3 metros de largura e, a Via Parque, 7.

Segunda etapa: já a segunda fase, com 11,3 km, abrange a várzea do rio em Itaquaquecetuba, Poá e Suzano, com previsão de término em 2018.

Terceira etapa: o trecho de 38,7 km, que vai de Suzano até a nascente do Tietê, em Salesópolis, deverá ficar pronta em 2020. Nessa parte final, também estão os municípios de Mogi das Cruzes e Biritiba Mirim. O empreendimento terá estrutura de lazer, ao mesmo tempo em que vai recuperar e preservar a várzea natural do rio, além de reduzir os riscos de enchente na região metropolitana de São Paulo.

Investimentos:

  • R$ 1,7 bilhão - total estimado em 3 etapas (2010 a 2020)
  • R$ 45,8 milhões (em 2010, exceto recursos das compensações ambientais)
  • R$ 1,1 bilhão (2011-2016); e R$ 554 milhões (2016-2020).

Projeto Parque Várzeas do Tietê contempla uma gigantesca área de lazer para a população:

  • 33 núcleos de lazer, esportes e cultura (O primeiro dos 33 núcleos foi entregue em março de 2010. A última etapa está prevista para 2016.)
  • 77 campos de futebol
  • 129 quadras poliesportivas
  • 7 polos de turismo
  • ciclovia com 230 km de extensão
  • recomposição de mata ciliar, equivalente a 360 campos de futebol
  • construção de 230 km de Via Parque, para acesso de carro a todos os núcleos
  • passeios arborizados
  • controle de enchentes, que vai beneficiar toda a população ao longo das marginais do Tietê
  • reordenação da ocupação das margens
  • recuperação e preservação do meio ambiente
  • despoluição de córregos
  • redução de 3.800 milhões m³ em perdas de água
  • manutenção e preservação das várzeas do Tietê
  • 3 milhões de pessoas diretamente envolvidas.

Parceria com os municípios: o parque será implantado por intermédio de uma parceria do Governo do Estado de São Paulo e DAEE, com as prefeituras de São Paulo, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Poá, Suzano, Mogi das Cruzes, Biritiba-Mirim e Salesópolis.

O Governo do Estado e as prefeituras atuarão em conjunto nas ações de preservação e manutenção da várzea, incluindo fiscalização e demais medidas para evitar novas ocupações irregulares, além da preparação de estudos e documentos necessários à obtenção de recursos para as obras.

Remoção de famílias: outra medida muito importante para a implementação do parque é a remoção das famílias que ocupam as APAs (Áreas de Preservação Ambiental), a cargo dos órgãos habitacionais do Estado e da prefeitura, proporcionando mais qualidade de vida a todos.


Projeto para execução dos 3 núcleos de lazer

  • No dia 13 de julho de 2011, foi assinado, um contrato de empréstimo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para implantação da primeira etapa do programa. O valor do financiamento foi de US$ 115,7 milhões.

Em 20 de março de 2013, foi aberta a licitação para desenvolvimento dos projetos executivos de três núcleos de lazer do parque. Os núcleos Jardim Helena, Itaim Biacica e Any Jaci integram a primeira etapa do parque que será feita em 25 quilômetros de extensão do rio Tietê, da barragem da Penha até a divisa de São Paulo e Guarulhos com o município de Itaquaquecetuba.

  • O Núcleo Jardim Helena será implantado em local que sofre constantes problemas de invasão (evitará reocupações); e deverá suprir uma carência da região que não conta com equipamentos públicos de lazer;
  • O Núcleo Itaim Biacica foi escolhido por estar parcialmente inserido em área tombada - Fazenda Biacica - e próximo à Estação Itaim Paulista da CPTM, permitindo boa acessibilidade;
  • Já o Núcleo Any Jaci, em Guarulhos, será implantado em área de fácil acesso - próximo à estrada do Capão Redondo e à Estrada do Itaim – e vai beneficiar a população mais carente de Guarulhos.

Levantamento topográfico

Foi iniciado em 28 de março de 2013, o processo de licitação para execução de um amplo levantamento planialtimétrico e geotécnico da área do PVT nos municípios de São Paulo e Guarulhos. O serviço deverá cobrir uma faixa de 25 quilômetros ao longo do rio Tietê, com uma área total de 21 quilômetros quadrados.

O investimento previsto é de R$ 970 mil no trabalho e a expectativa é concluí-lo em seis meses.

Cadastramento de imóveis

Em 2 de maio de 2013 foi iniciado o processo de licitação para cadastramento e avaliação dos imóveis localizados no Jardim Helena, da avenida Nitro Química ao Córrego Três Pontes, divisa de São Paulo com Itaquaquecetuba.

O investimento deverá ser de R$ 5,6 milhões no trabalho e a expectativa é concluí-lo em 24 meses.


Jardim Metropolitano

Em 27 de dezembro de 2012, foi inaugurado o Jardim Metropolitano, para promover o desenvolvimento ambiental sustentável, destacar a beleza natural e a recuperação de espaços degradados pelo crescimento urbano desordenado.

Objetivo: auxiliar na recuperação e preservação da várzea natural do rio Tietê.

Área: 380 mil m² na entrada da capital. A área recebeu o plantio de mil árvores e 218 mil mudas de espécies da flora da Mata Atlântica, entre elas a palmeira imperial, macaúba, ipê, quaresmeiras e jerivás além de arbustos como sálvia, bela Emília, jasmin-amarelo e ligustro.

São mais de 15 km de Jardim Metropolitano, que vão do Parque Ecológico do Tietê até o Aeroporto de Guarulhos.

Projeto paisagístico: investimentos de R$ 8,9 milhões.

Encabeçado pelo DAEE, que também administra o Parque Ecológico do Tietê (PET), integra o Projeto Parque Várzeas do Tietê.

Ver também

Links externos