Coletiva - SP inicia entrega de lote de 10 milhões de doses da vacina do Butantan aos brasileiros 20211407

De Infogov São Paulo
Revisão de 21h16min de 20 de julho de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP inicia entrega de lote de 10 milhões de doses da vacina do Butantan aos brasileiros 20211407

Local: Capital – Data: Julho 14/07/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia. Hoje, nesta manhã fria de quarta-feira, nós iniciamos uma nova etapa de entrega da vacina do Butantan, da vacina da vida, para o Ministério da Saúde, para o braço de todos os brasileiros. A partir de hoje, iniciamos a distribuição de 10 milhões de novas doses da vacina do Butantan, 10 milhões de novas doses para, repito, 10 milhões de braços de brasileiros em todo o país. Hoje e amanhã pela manhã estaremos entregando 1 milhão de doses, 800 mil embarcando agora, mais 200 mil amanhã pela manhã, 1 milhão de doses nesta nova etapa de 10 milhões de doses da vacina do Butantan. Com mais este 1 milhão de doses, nós vamos agora a 54.149.000 doses da vacina do Butantan já entregues para todo o Brasil. Repito: 54.149.000 doses entregues. E ao longo deste próximo mês de agosto vamos completar 100 milhões de doses da vacina do Butantan, um mês antes do prazo contratado, que era 30 de setembro. Portanto, 100 milhões de doses serão entregues até 30 de agosto, complementando a totalidade do contrato do Butantan com o Ministério da Saúde. Volto a reafirmar aqui o que falamos há cerca de dois meses, que São Paulo compraria, como de fato comprou, 30 milhões de doses adicionais da vacina do Butantan, para a vacinação dos paulistas, os brasileiros de São Paulo e dos estrangeiros que aqui residem. Nosso compromisso era concluir a entrega das vacinas contratadas pelo Ministério da Saúde, nós antecipamos em 30 dias e agora compramos a vacina para complementar o processo vacinal aqui em São Paulo. Também recebemos solicitações de outros estados, notadamente o estado do Ceará, através do governador Camilo Santana, para aquisição de mais vacinas para o seu estado, vacina do Butantan. O governador falou comigo no início da semana, depois falou com o Dr. Dimas Covas, a meu pedido, e nós encaminharemos também vacinas do Butantan adicionais ao estado do Ceará. Quantidade? [ininteligível] Solicitação inicial de 2 milhões, podendo chegar até 4 milhões de doses da vacina do Butantan, para o estado do Ceará. Ontem também o governador do estado do Espírito Santo, Renato Casagrande, fez uma solicitação também para a aquisição de vacinas adicionais para o seu estado. E tão logo tenhamos um número, vamos atender também. Todos os estados que desejarem vacinas adicionais a essas 100 milhões, que eram nosso compromisso com o Ministério da Saúde, nós atenderemos aqui pelo Instituto Butantan. Ao meu lado, Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde, e Regiane de Paula, coordenadora do PEI, Programa Estadual de Imunização. Vamos agora às perguntas, começando pelo Guilherme Balza, na sequência... Da Globo e GloboNews, na sequência Bruna Barbosa, da Rádio e TV Bandeirantes, Vitória Damaceno, da Folha de São Paulo. São os que estão hoje aqui inscritos. Guilherme, prazer em revê-lo, bom dia, sua pergunta, por favor.

GUILHERME BALZA, REPÓRTER: Prazer, governador, bom dia a todos. Bom, a primeira pergunta, sobre crianças e adolescentes. A Anvisa ontem soltou uma nota dizendo que não recebeu nenhum pedido do Butantan para aprovar a aplicação da Coronavac em adolescentes, de 12 a 17 anos. Como é que está essa questão? O que foi encaminhado pra Anvisa, tanto nesse grupo de 12 a 17 anos quanto no grupo de crianças de 3 a 12 anos? E outra questão: Esse pedido aí dos governadores do Ceará e do Espírito Santo, ele tem alguma relação com eventual necessidade de aplicação da terceira dose? Isso foi especificado?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Começando pela segunda questão, a primeira será respondida pelo Dimas Covas, e também poderá, evidentemente, comentar sobre a segunda. Não há nenhuma relação com terceira dose, nenhuma. Isso é a complementação vacinal que nós estamos fazendo aqui em São Paulo, e agora o estado do Ceará e o estado do Espírito Santo também solicitaram. Nenhuma relação, repito, com necessidade de terceira dose. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Guilherme, com relação ao trâmite para a inclusão na autorização emergencial, para uso em crianças, já foi fornecida à Anvisa parte da documentação, tem uma parte da documentação que está chegando da China, deve chegar ainda até esse fim de semana, e com isso a gente completa a formalização dessa inclusão. Na realidade, é uma inclusão na autorização de uso emergencial, e a faixa de 3 a 17 anos, que foi o que foi feito lá na China, o estudo que foi feito lá na China. Então, nós esperamos que, a partir daí a Anvisa analise a documentação e esperamos que seja suficiente apenas os dados que vêm da China, para que haja essa inclusão no pedido e na autorização de uso emergencial.

GUILHERME BALZA, REPÓRTER: Já foi entregue uma parte, vai vir o complemento, é isso?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Sim, sim. Alguma informação adicional que está vindo, e isso também se completa com a publicação que foi feita semana passada desses dados, é uma publicação num jornal importante, de grande circulação e de grande prestígio. Obrigado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Guilherme, obrigado, Dimas. Vamos agora à Bruna Barbosa, depois Vitória Damaceno. Vou homenagear você, Maria Manso, embora você não esteja aqui na relação, como são quatro perguntas, dado ao fato de que... Posso estar enganado, mas acho que todas as coletivas aqui você participou. Então, Bruna Barbosa, bom dia. Cadê a Bruna? Está aqui, mais uma vez bom dia, sua pergunta, por favor, Bruna.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Bom dia, governador, bom dia a todos. Sobre essa questão do Ceará, eu queria saber quando é que essas vacinas vão ser disponibilizadas ao estado, se já tem uma programação para isso, Tocantins também. E aproveitando a pergunta do Balza sobre essa questão da Anvisa, com crianças e adolescentes, a antecipação que o governo do estado fez para vacinar essa faixa etária também conta com essa aprovação da Coronavac? Ou a princípio vocês só estão pensando em Pfizer, que hoje é a única vacina aplicada nesse público? Se não tiver essa aprovação da Coronavac, se a Anvisa continuar fazendo outros questionamentos, a gente tem como vacinar esse grupo só com Pfizer no calendário divulgado? Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bruna, obrigado pelas duas perguntas. Apenas na primeira, uma correção: não é Tocantins, é Espírito Santo. É o estado do Ceará e o estado do Espírito Santo. Dimas Covas vai responder, e responderá também sobre a vacina do Butantan para as crianças, dado ao fato de que o primeiro protocolo de fato, atendendo inclusive à primeira pergunta feita aqui, foi realizado junto à Anvisa, mas informações complementares foram solicitadas e estão sendo encaminhadas. Da nossa parte, vemos com bastante, com muito boa perspectiva a aprovação da vacina do Butantan também para adolescentes, nessa faixa de 12 a 18 anos, inicialmente, que é a faixa prevista para a vacinação a partir do dia 23 de agosto. E após, Bruna, a complementação que será feita pelo Dimas Covas, vou pedir a intervenção da Dra. Regiane de Paula, que é a coordenadora de todo o programa de imunização aqui em São Paulo. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Nós recebemos já a partir de dezembro do ano passado várias solicitações de vacinas, de vários estados e municípios. Então, esse processo, ele está aguardando a complementação do contrato com o Ministério da Saúde, e a partir daí todos os estados que manifestaram interesse anteriormente poderão, de novo, voltar a fazer esses entendimentos com o Butantan. Os dois primeiros, o Ceará e o Espírito Santo, mas todos os que já manifestaram interesse anteriormente serão oportunamente instados a se manifestar novamente, do seu interesse. Da mesma forma, com os municípios, foram muitos municípios que mostraram interesse, e também os países aqui da América Latina, que nós temos negociação em andamento. Então, nós pretendemos aí fazer um grande esforço para atender, além do Ministério, e as 30 milhões de doses do estado de São Paulo, os demais estados e os países vizinhos aqui do Brasil.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Bom dia, Bruna, bom dia a todos e todas. Quando nós apresentamos, domingo, o calendário de 12 a 17 anos, de adolescentes, nós trabalhamos com a vacina da Pfizer. Então, isso nada muda. Agora, claro que, a partir do momento que a gente tem a inclusão da vacina do Butantan para as crianças e adolescentes também, a gente vai rever o nosso calendário e poderemos trabalhar com isso. Nesse momento, a vacina da Pfizer é aquela que foi feita para o calendário, e nós seguimos aquele cronograma que está já descrito como foi no domingo. Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Obrigado, Bruna. Vamos agora com a Vitória Damaceno, da Folha de São Paulo. Vitória, muito obrigado por estar aqui conosco, bom dia, sua pergunta, por favor.

VITÓRIA DAMACENO, REPÓRTER: Bom dia, governador, bom dia a todos. Eu queria resgatar uma fala que o senhor deu no domingo, que o senhor disse que provavelmente o Brasil deverá iniciar um novo ciclo de vacinação a partir de janeiro, através do Ministério da Saúde, e então eu queria confirmar: O senhor disse que tem esperança que o Ministério da Saúde cumpra com isso, então eu queria confirmar se o governo estadual vai iniciar a revacinação a partir de janeiro de 2022.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vitória, eu vou dividir a resposta com o Jean Gorinchteyn, médico infectologista, e também secretário da Saúde do estado de São Paulo. O que eu mencionei é aquilo que aprendi com os médicos infectologistas e epidemiologistas: que, a partir de agora, todos os anos teremos que nos vacinar também contra a Covid-19, assim como nos vacinamos contra a gripe, vamos ter que tomar a vacina contra a Covid-19. E isso será feito todos os anos, esse foi o aprendizado que tive daqueles que são especialistas nisso. E lembro que a primeira etapa da vacinação no Brasil começou exatamente em janeiro deste ano, aliás, precisamente no dia 17 de janeiro. Portanto, as pessoas que foram vacinadas neste ano deverão, no ano que vem, serem novamente vacinadas. Mas quem vai explicar e dar mais detalhes sobre isso é o médico infectologista Jean Gorinchteyn.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE: Nós entendemos que o Corona Vírus veio para ficar. Assim como em 2009 o H1N1, que foi o vírus da gripe, também veio e ficou, anualmente nós precisamos fazer uma dose adicional, normalmente assim é feito, anualmente. Por se tratar de um vírus respiratório, um vírus que vai ser mantido endêmico na nossa comunidade, para que nós não tenhamos riscos de novas epidemias, a vacinação é a única forma de mantermos a proteção, a imunologia das pessoas elevada, para que não haja nenhuma recorrência da doença no nosso meio.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean, obrigado, Vitória. Agora, Maria Manso, da TV Cultura. Maria, mais uma vez bom dia. Está aqui, pode usar esse microfone.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Bom dia. Pegando o gancho então dessa vacinação anual, eu queria saber como é que estão as pesquisas da Butanvac, que vai unir também a vacina contra a gripe. Isso já está lá na Anvisa ou vai ser numa segunda etapa, Dr. Dimas?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Maria. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Essa é uma pesquisa em andamento, quer dizer, a associação das duas, na realidade serão quatro vacinas, né? Porque a gripe são três vacinas, são três vírus diferentes, mais o vírus para o Corona Vírus, então serão quatro vírus na mesma vacina. Isso está em desenvolvimento nesse momento, ainda em pesquisa, mas nós pretendemos o mais rapidamente possível fazer essa avaliação, para poder já pensar no futuro. O futuro é esse mesmo, uma vacina tetravalente, já com a vacina para a Covid.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Maria, obrigado, Dimas. Bem, pessoal, assim encerramos a coletiva agora pela manhã. Hoje às 12h45 estaremos lá no Palácio dos Bandeirantes, todos aqui muito felizes em podermos adicionar mais 1 milhão de doses de hoje até amanhã pela manhã ao Programa Nacional de Imunização, nessas 10 milhões de novas doses da vacina do Butantan, que serão entregues a partir de hoje. Muito obrigado pela presença de todos, por favor se protejam. Diga, Guilherme. Precisa dar o microfone para ele, só para os demais poderem acompanhar. Eu estou ouvindo, mas é só para que os demais possam acompanhar. Só um minutinho, Guilherme.

GUILHERME BALZA, REPÓRTER: Sobre o home office, saiu ontem na coluna do painel que foi suspenso o home office aqui no governo do estado. Queria entender por que dessa decisão, como é que vai funcionar isso.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Foi, de fato, a partir de agora nós suspendemos o home office, exceto para aquelas pessoas que, por circunstâncias, estejam sob tratamento e seja da Covid ou seja de qualquer outra natureza. Fora disso, é voltar ao trabalho, voltar à normalidade, com a obediência dos critérios sanitários recomendados: álcool em gel, temperatura, nos deslocamentos, uso de máscara, mas vamos voltar ao trabalho. Nós estamos tendo uma redução acentuada do número de casos, de internações e, felizmente, de óbitos. Então, o governo do estado de São Paulo, dando o exemplo para que os seus servidores possam voltar ao trabalho presencial, resguardados os devidos cuidados. Mas a indicação clara da queda, repito, no número de casos, da queda de internações e queda de óbitos nos permite tomar essa decisão, com absoluta segurança.

GUILHERME BALZA, REPÓRTER: Inclusive para aqueles que não tomaram a vacina ainda? Essa regra vale? Como é que está?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Essa regra vale para todos que estejam em condições físicas adequadas. Os que não tomaram a vacina deverão apresentar a sua testagem e entrarem dentro do programa de vacinação, que está acelerado, e até o dia 20 de agosto todos os brasileiros que residem em São Paulo, paulistas, brasileiros que aqui residem e estrangeiros, já terão recebido pelo menos uma dose da vacina, e complementarão seu processo vacinal. Gradualmente, a vida está retornando à normalidade e nós estamos confiantes. Muito obrigado, bom dia e até mais tarde. Obrigado, pessoal.