Discurso - Inauguração do AME e da Unidade de Reabilitação Lucy Montoro; descerramento de placas de inauguração de obras da defesa civil e da nova sede da Delegacia de Defesa da Mulher - 20122906

De Infogov São Paulo
Revisão de 14h56min de 16 de julho de 2012 por Biacotrim (discussão | contribs) (Criou página com ''''Transcrição do discurso da Inauguração do AME e da Unidade de Reabilitação Lucy Montoro; descerramento de placas de inauguração de obras da Defesa Civil e da nova sede…')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição do discurso da Inauguração do AME e da Unidade de Reabilitação Lucy Montoro; descerramento de placas de inauguração de obras da Defesa Civil e da nova sede da Delegacia de Defesa da Mulher

Local: Fernandópolis - Data: 29/06/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Muito bom dia a todas e a todos. Prefeito de Fernandópolis, Luiz Vilar; D. Isabel, presidente do Fundo Social de Solidariedade; vice-prefeito, Paulo Barone; Presidente da Câmara Creusa Nossa, cumprimentado todos os vereadores; Dra. Luciana, Dra. Luciana [ininteligível]; Dr. Heitor Miura, juízes de direito; Dr. Denis Henrique Silva - promotor de Justiça; secretários de estado: Linamara Rizzo Battistella, Giovani Guido Cerri, Saulo de Castro Abreu Filho, Davi Zaia; deputados: Itamar Borges e Carlão Pignatari; prefeitos de Votuporanga, o Junior; de estrela do Oeste a Ana, D. Ana; São João das Duas Pontes, a Nilza; Macedônia, o Sebastião; Mira Estrela, o Márcio; meu xará Geraldo Silva de Carvalho, provedor da nossa Santa Casa e nossa Os aqui no AME na rede Lucy Montoro; a Lucimeire Marques Domingues, gerente do AME, Regina [ininteligível], diretora da unidade da rede Lucy Montoro; o Celso [ininteligível] Reinaldo, da rede Lucy Montoro; Dr. João Pedro de Arruda, delegado de polícia; Dr. Orestes Carósio Neto; delegada Dra. Eda Leci Honorato, da delegacia de defesa da Mulher; coronel Ivano; Major Carlos Lamin; o Nourival Pântano Junior, representando o Rodrigo Garcia; queria saudar também aqui está o nosso prefeito de Ouro Oeste o Sebastião Geraldo da Silva, vice-prefeitos, secretários, lideranças da comunidade. Hoje é 29 de junho, dia de São Pedro. Então nós podíamos dizer, Vilar, que 29 de junho é o dia da saúde de Fernandópolis, tais são os investimento e como eles são importante aqui. Primeiro a rede Lucy Montoro, cadê a Linamara? Tá aqui a Linamara - a rede Lucy Montoro, nós temos hoje sete bilhões de pessoas no mundo, um bilhão com deficiência ou intelectual, ou física, ou visual ou auditiva. O Brasil tem mais de 40 milhões, o Estado de São Paulo tem quase nove milhões e vai aumentar porque graças a Deus as pessoas estão vivendo mais. O Brasil que era um país jovem hoje já é um país maduro e vai ser rapidamente o país idoso, então nós queremos São Paulo um Estado amigo do idoso, então nós vamos fazer aqui uma união da saúde, Professor Giovanni Cerri lançou um grande programa de saúde para os idosos, aliás, de política pública, não só isso saúde, saúde, turismo, ginástica, renda, um conjunto de políticas públicas e nós queremos fazer um projeto piloto aqui em Fernandópolis, unindo a Secretaria de Saúde, que está no lado no Ame, dois irmãos aqui gêmeos, e a rede Lucy Montoro para gente ter um projeto exemplar pro Brasil, de política de saúde para o idoso e pra pessoa com deficiência. A outra é, além da rede Lucy Montoro, e é uma expectativa de nós termos aqui, hoje já estamos fazendo três mil atendimento mês, e nós vamos chegar a oito mil atendimentos mês, Fernandópolis e região. Depois temos o Ame, esse é um gargalo importante a ser resolvido, tem uma unidade básica de saúde no bairro, médico de família e tem um hospital e aí quando o médico de família não resolve precisa de um exame, uma coisa, um especialista acaba indo para o hospital e os hospitais ficam sobrecarregados; então o atendimento primário são as unidades básicas de saúde, o atendimento secundário são as especialidades, mais de dez especialidades com exame, com aparelhos, com equipamentos para poder ajudar a diagnóstico e tratamento; aí só vai para o hospital aquele caso que precisa operar ou uma internação, o restante é pra resolver tudo. Nós não podemos ter uma visão hospitalocêntrica, que tudo tem que ir pro hospital, hospital é quando interna e opera, o restante tem que funcionar fora, que é o atendimento, o atendimento para as especialidades e de novo vai atender à região, então vai consolidando, Vilar, Fernandópolis como grande polo de saúde. Então, primeiro a rede e, olha, fazer prédio é fácil, o duro é custeio, custeio, você quando entrega o asfalto, acabou a despesa; quando você faz uma unidade de saúde começou a despesa, o hospital que custa R$ 50 milhões ele custa R$ 40 milhões por ano só para manter, só para manter e o SUS cada vez reduz mais o dinheiro, tudo isso aqui não tem um centavo do Sistema Único de Saúde federal, nenhum centavo, todos os AMES, dinheiro do estado, rede Lucy Montoro, dinheiro do estado; Santas Casas eu não conheço uma que não esteja quebrada, todas em dificuldades, por quê, porque atendem o SUS e o que o SUS paga não cobre 40% do custo, do procedimento seja cirúrgico, seja..., então São Paulo está fazendo o maior esforço possível. O terceiro, o centro diagnóstico do câncer. Já liberamos três milhões de Reais pra poder terminar o antigo AV, AVCC para também ter um centro de tratamento de câncer. A outra é a delegacia de defesa da mulher, saindo daqui depois de visitar aqui, o Ame e a rede Lucy Montoro nós vamos lá; é de novo saúde porque é para evitar violência contra as mulheres, então a delegacia de defesa de mulher nós vamos inaugurar lá o prédio, equipes completas para não ter violência. A outra, saindo daqui, nós estamos indo para Jales, vamos inaugurar o Hospital do Câncer, toda a parte cirúrgica, UTI e leitos de ambulatórios, leitos de internação, são 30 leitos clínicos, 10 leitos de UTI, e toda a parte cirúrgica, quatro centros cirúrgicos. Então o que não resolver mais aqui, não precisa ir mais para Barretos, vai para Jales, aqui do lado, nós vamos melhorando a resolutividade. Então nós vamos a Santa Fé do Sul, o prazo para entregar a Rodovia eu Euclides da Cunha, assinado no contrato, é uma das grandes obras do estado, 171 quilômetros de duplicação e mais 20 quilômetros que vai ser recuperado. Vai ficar novinha desde Rio Preto até a Ponte, Rubineia, até o Rio Paraná. Não terá nenhum pedágio, tudo feito com recurso do governo. O prazo era setembro do ano que vem, nós estamos entregando hoje o lote oito e a parte já do lote sete. Estamos entregando mais de um ano de antecedência e estamos acelerando as obras. Existe o problema ambiental, problema de desapropriação, mas ela tá indo no ritmo muito bom. E é de novo saúde. Qual é a primeira causa de morte no Brasil? Não. A primeira é coração e grandes vasos, segunda é câncer, terceira é acidente. Não é doença, é causa externa. Principalmente jovem, motocicleta, carro, violência. E antigamente a maior causa de violência, causa externa era homicídio, era arma de fogo. Isso São Paulo tinha 13.000 homicídios por ano. Baixou para 12, 11, 10, 9, 8, 7, 6, 5. O ano passado foi 4.000 homicídios; 4.000. A maior causa, hoje, externa é acidente rodoviário, rodoviário. Então uma boa estrada duplicada sem passagem e nível, viadutos, obras de arte, segurança é uma vacina contra morte, contra morte. Então também uma obra de saúde. Então uma grande alegria e assinamos aqui a creche, porque criança pequena a gente precisa ter de novo muito cuidado. Eu tive aqui, há um ano atrás, Luiz Vilar, no dia em que nasceram os meus netos, gêmeos, dois meninos. Vê que o avô não é fraco não, né? E o meu filho mora no México, já há três anos. Casou com uma mexicana. E nasceram os dois gêmeos. Aí eu fui agora esse fim de semana anterior, eu fui a Washington assinar o contrato do BID para terminar o Rodoanel Metropolitano de São Paulo. E na volta parei no México, no sábado para visitar o filhão e os netinhos. Aí ele saiu com a esposa Carla. “Olha, pai, eu vou ao supermercado, o senhor toma conta dos dois domingo?” Ah, avô é pra isso, deixa por minha conta. Aí os dois lá, tem um ano de idade. Eu abri o computador lá na sala, pus os dois sentadinhos no tapete. Agora eles vão ficar quietinho aí e eu aqui trabalhando no computador. O primeiro já engatilhou foi no armário e puxou a gaveta. Eu falei: nossa vai cair no pé dele a gaveta. Aí corri lá e salvei. Aí daqui a pouco o outro puxou o telefone, eu corri lá e salvei de novo. Aí vi dois carrinhos. Tudo que é de gêmeos é de dois. Dois carrinhos. Eu falei: pronto, tá aqui a salvação. Ponho um no carrinho, o outro no outro e eles ficam aí sem problema. Daqui a pouco um correu com o carrinho, trombou na mesa, o vaso caiu em cima dele. Molhou o moleque inteiro, né? Então criança pequena precisa de cuidado, precisa de cuidado. Não há investimento melhor do que a creche. Há um provérbio árabe que perguntaram a uma mãe qual dos filhos ela mais amava. E ela respondeu. Ela disse: o pequenino até que cresça, o doente até que sare, o ausente até que volte. Pequenino até que cresça. Quanto menorzinho, mais cuidado precisa ter. Então vamos fazer sim a nossa creche, hein, Luiz Vilar, para você poder atender. Um fato interessante. Cadê os nossos diretores do AME e da Rede do Lucy Montoro? Você é a... Lucineide. Ela é a... O Celso. Celso. É o Celso, a Lucineide a Regina não é isso. Esse é um fato também interessante. As mulheres tomaram conta da saúde, né? Ô, Celso, nós vamos ter que ter cota pra nós, viu? Porque tomaram conta. Por isso que a saúde melhorou, né? E hoje as mamães querem trabalhar, com que deixa a criança? Então nem toda família tem o avô para tomar conta, né? Então precisa ter a creche. Então queria também dizer aqui do melhor caminho que já foi feito. 54 km de melhor caminho para a zona rural, que é atividade agrícola. As obras da Defesa Civil das pontes, de encostas. A Delegacia da Defesa da Mulher. E nós vamos avaliar sim a questão da Santa Casa e da Av. Raul Gonçalves Jr. Mas eu quero deixar um grande abraço. O Júlio Semeghini vinha com a gente, mas São Paulo vai ter a abertura da Copa do Mundo. Quantas seleções vão disputar a Copa do Mundo? Quantas? 32. Vamos tirar a Seleção Brasileira que já é de casa, então nós vamos ter 31 seleções de fora do Brasil. Que vem com uma estrutura enorme, ficar aqui um mês. Então pra onde elas vão? São os chamados centros de treinamento, inclusive o interior precisa ter aeroporto, precisa ter hotel, precisa ter área de esporte. Nós estamos trabalhando para das 31 seleções, metade ficar no Estado de São Paulo, metade. Então, hoje tem uma reunião... Isso vai ativar a economia que gera muita renda. Então hoje tem uma reunião importante da Copa do Mundo, aí o Júlio ficou por que ele é o presidente do Comitê da Copa do Mundo, como secretário do Planejamento. Mas quero aqui trazer um abraço em nome do Júlio. Da deputada Analice Fernandes, que tive também com ela agora à noite. Agradecer ao Itamar Borges e o Carlão Pignatari que nós ajuda muito lá na Assembleia Legislativa de São Paulo. Agradecer ao professor Giovanni Cerri, que dirige... A USP é a melhor cidade da América Latina. E dentro da USP, o top é a faculdade de Medicina. Ele é o diretor da faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Agradecer ao professor Giovanni. Agradecer a Linamara Battistella, apaixonada pela causa das pessoas com deficiência. Belíssimo trabalho. Davi Zaia. Cadê o Davi? Davi Zaia. Ontem nós lançamos em São Paulo o grande programa chamado Cidade Digital. Vamos colocar internet gratuita e rápida em municípios menores para dar uma grande cobertura para a pessoa ter acesso à internet gratuita. O Dr. Saulo. Cadê o Saulo? Vem aqui Saulo. Saulo que é um craque. Tá fazendo a obra e quantos por cento mais barata? 20% mais barata a obra, dentro do prazo e com qualidade. E estamos trazendo para Rubinéia. Estamos trazendo pra Rubinéia um grande porto. Ia ter um porto no Mato Grosso do Sul, nós puxamos para cá. Então, Rubinéia vai ter um grande porto. Nós vamos fazer o atracadouro pelo departamento hidroviário e a pista ligando na SP-320, que é aí a Euclides da Cunha. Então vai ter a pista, vai ter o atracadouro e nós vamos ter um grande porto para recebe álcool. E o álcool todo ir pela hidrovia até a Anhembi. Em Anhembi entra na rodovia e vai para Paulínia e distribui para o estado de São Paulo. E temos a ciclovia... Aí é Santa Fé. Ok. E daqui nós estamos indo para Jales e finalmente indo para Santa Fé do Sul. Agradecer também ao Rodrigo Garcia aqui representado pelo trabalho aí da creche. O professor Herman. Deixar um abraço aqui muito afetivo ao Luiz Vilar, nosso grande parceiro. E quando a gente soma os esforços, quem ganha é a população. Porque dá para fazer mais, dá pra fazer melhore a gente consegue avançar mais. Parabéns a todos. E muito obrigado.