Coletiva-Apresentação das Unidades Móveis do Via Rápida Emprego-20123101

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Apresentação das Unidades Móveis do Via Rápida Emprego

Local: Capital - Data: 31/01/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o Via Rápida para o emprego, são cursos de 80 horas, 100 horas, 120 horas, cursos de um mês, de 40 dias. Quem estiver desempregado, o governo paga, dá uma bolsa, incluindo o vale-transporte de R$ 330 para pessoa poder se dedicar. Nós temos uma rede de Via Rápida localizada nas nossas ETECs, FATECs, Sistema S e o Instituto Federal. E além da rede própria, temos as carretas. Serão 12 carretas, quatro já começam a percorrer o estado. Então a carreta de soldagem, vai para o ABC, São Bernardo, Mauá, vai para Santos, que tem Petrobras, vai pra Guaratinguetá, Vale do Paraíba. Indústria metalomecânica, enfim, Sorocaba. A de confecção vai para Ibitinga, vai para Americana, vai pra regiões de São Paulo que tem bastante confecção. A de hotelaria vai pra Campos do Jordão, águas de Lindóia, vai para São Vicente, São Sebastião. Então, vai até a cidade, e com turmas de manhã, de tarde e de noite. E naquilo que nós mais precisamos, confecção, imagem pessoal, cabeleireira, manicure, pedicure; professores muito bem orientados, capacitados. 80% das pessoas que estão fazendo o curso estão desempregadas, mais de 80% desempregadas, 70% mulheres, todas as idades, pessoa de qualquer idade pode fazer. E ela se emprega rapidamente ou monta o seu negócio, vira uma pequena empreendedora. Vai ter um salão de beleza, vai fazer Buffet, vai fazer pão. Enfim, ela consegue um trabalho. Então um programa importante. Não precisa ter ensino médio completo, não tem vestibular, é para todo mundo que precisa. O ano passado foram 35 mil pela Secretaria de Desenvolvimento e 22 mil pela Secretaria do Emprego. 57 mil trabalhadores e trabalhadoras qualificados.


REPÓRTER: Como é que funciona o acordo entre ETECs, FATECs, Senai, para saber quem fica com o quê?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Então, nós, o Centro Paula Souza, é que coordena todo esse trabalho. Então, faz as matrículas, abre as inscrições, as inscrições podem ser feitas pela internet ou procurar as nossas escolas. A internet é viarapida... É viarapida.sp.gov.br. As pessoas se inscrevem, quem tiver desempregado e não tiver recebendo o seguro desemprego passa a receber uma bolsa, aquele mês que ele está estudando ou até dois meses, dependo do curso, para ele poder se dedicar. Tem uma rede em todo o estado já funcionando, e tem as carretas, que vão para os municípios que não têm esse tipo de escola. E, muitas mulheres, quantos por cento de mulheres?


ORADORANÃO IDENTIFICADA: Cerca de 70%.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 70% são mulheres. E desempregados?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: 80%.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 80% desempregados, que aí recebe também a bolsa. E todas as idades, nós temos desde jovens até pessoas bem maduras.


REPÓRTER: Tem uma pesquisa... Emprego, o que abre [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Aí, o secretário Paulo Barbosa e a professora Laura podem detalhar melhor. Mas, a proposta, qual é? Universidade pública e gratuita, USP, Unesp, Unicamp, faculdades isoladas, que é o terceiro grau; Fatecs, que é o tecnólogo, curso mais rápido, três anos; 80% deles, alunos de escola pública; ETEC, que é o curso de um ano e meio, pós-médio; e, agora, o integrado, ele faz junto com o Ensino Médio e sai com os dois diplomas, é a escola de tempo integral no Ensino Médio. É um currículo só, um currículo moderno. Ele tem, em um período, o Ensino Médio e, no outro, o técnico integrado. E para todas as idades e cursos, o Via Rápida. E, quando a pessoa vem fazer o Via Rápida e ela não tem diploma, a gente já encaminha para o EJA, já orienta para que ela procure o EJA, a escola de jovens e adultos, para tirar o diploma. Quem não tem da nona série, tirar do Ensino Fundamental, faz o EJA, antigo supletivo; quem não tem de Ensino Médio, faz, também, o EJA do Ensino Médio.


REPÓRTER: Governador, ontem, o prefeito de São Paulo, após uma reunião do PSD, ele que é presidente do PSD, disse que as conversas com o PSDB para uma composição aqui em São Paulo estão encerradas. O PSDB vai insistir ou já jogou a toalha de uma composição com o PSD?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, imagine. No que depender de nós, estaremos juntos para servir a população, servir a cidade de São Paulo. Essas conversas, não são de Governo, elas são partidárias. E no que depender de nós, vamos fazer um esforço pra construirmos aí uma proposta em comum e estarmos juntos.


REPÓRTER: O senhor acha que essas manifestações de rua, no caso do Pinheirinho e tal, já tem como motivação o ano eleitoral, governador? É um ano mais complicado?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, sempre é, não é? Ano de eleição é sempre mais agitado. Mas isso é normal, isso é assim mesmo.


REPÓRTER: Essa aproximação com o PT preocupa o Governo do Estado, com o Kassab?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Não. Eleição municipal, cada cidade tem a sua singularidade, tem as suas características. São 645 municípios. E no que depender de nós, vamos, sim, os partidos aliados, coligados das últimas eleições, nos mantermos juntos. Então essa é a nossa disposição.


REPÓRTER: Quando que serão divulgadas as... O bônus para o professor, desse ano?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Última semana de março.


REPÓRTER: Quais são os critérios socioeconômicos que vão ser levados em conta? Já tem?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ele pega e te passa direitinho.


REPÓRTER: O PSDB aceitaria em uma composição aí com o PSD, o PSD entrar com composição de chapa como cabeça de chave ou não?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, é óbvio que é natural que o PSDB queira ter o candidato a prefeito, o PSD também. Então é tudo fruto de entendimento, de conversa, de aproximação.


REPÓRTER: Mas o senhor não descarta essa hipótese, o PSD poderia ter uma...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nenhuma hipótese pode ser descartada em uma conversa. Agora, é natural que o PSDB, um partido grande, um partido que tem presença nacional, queira ter na maior cidade brasileira o candidato ao cargo majoritário. Mas acho quando se faz um entendimento, todas as possibilidades são discutidas.


REPÓRTER: O vice do senhor tem alguma pretensão, o senhor conversa com ele?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Guilherme Afif é um grande nome, tem serviços prestados a São Paulo, ao país, é um grande nome, então um nome preparado para responsabilidades importantes.


REPÓRTER: Governador, quando o seu secretário deixará o Governo, agora em março, já para concorrer a Santos? O Governo já estuda algum outro nome para substituí-lo?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O Paulo Alexandre Barbosa?


REPÓRTER: Isso.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, quando a Lei determinar, eu não sei se é quatro ou seis meses, mas se for candidato a prefeito de Santos, é uma pessoa extremamente preparada, deputado eleito, reeleito, secretário do Estado, dos mais votados do estado de São Paulo, torcedor do Peixe, tem muitas qualidade, não é?


REPÓRTER: Tem se falado no nome de Alberto Goldman para substituí-lo, o Governo estuda isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, ainda não, ainda não discutimos.


REPÓRTER: Governador, voltando um pouco ao assunto, da onde surgiu a ideia de colocar unidades móveis no Via Rápida, foi algum estudo, e quais são as vantagens dessas unidades?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, a vantagem é o seguinte, você tem mais agilidade e rapidez. Você fazer uma escola fixa às vezes em uma cidade você preparou 60 soldadores, não tem necessidade de continuar mais tempo, então você migra para uma outra cidade. Nas grandes cidades, Campinas, São Paulo, elas terão as fixas, agora as cidades médias, você vai, faz um curso, capacita 20, 40, 60 pessoas, aí você atende ali o mercado de trabalho e vai andando, vai caminhando. Quer dizer, essa é a vantagem desta mobilidade. E cursos de qualidade. Pode ter coisa igual, mas melhor do que está sendo feito aqui pela Paula Souza não tem, então você tem qualidade nesse atendimento. E você preparar para o que o mercado de trabalho precisa, porque às vezes há descasamento entre a formação profissional e o mercado de trabalho, a pessoa está estudando para um emprego que não existe e existe um emprego esperando pessoa qualificada e não consegue ser preenchido por falta de qualificação. Então o Emprega São Paulo orienta onde é que estão as necessidades maiores de formação profissional, quais são esses profissionais. Então nós vamos formar para indústria, para construção civil, para os serviços, para o turismo, a gente vai detectando e vai montando as carreiras.


REPÓRTER: Governador o senhor falou sobre a singularidade da política municipal. Isso explica, em parte, que o atual prefeito, que foi vice de José Serra, possa apoiar o candidato petista à Prefeitura de São Paulo?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu vejo que a carreta que vocês estão mais interessados é a do comício, não é? Mas tudo tem o seu tempo. Tem o café aí, viu?