Coletiva-Entrega de ampliação do prédio da ETEC-20120802

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Entrega de ampliação do prédio da ETEC

Local: Tupã - Data: 08/02/2012

REPÓRTER: Governador, o Governo Estadual concluiu parceria junto ao Governo Federal para a construção de novas unidades habitacionais. Eu perguntaria se essa parceria se estenderia a outras ações de governo, e se também essa aproximação com o Governo Federal facilitaria o processo de reativação das nossas ferrovias.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós já celebramos uma primeira parceria unindo a Casa Paulista e a Minha Casa, Minha Vida. Então são cem mil unidades no estado de São Paulo, o limite do Minha Casa, Minha Vida é R$ 65 mil, mas com R$ 65 mil nas regiões metropolitana é difícil conseguir comprar terreno, fazer o apartamento, fazer a infraestrutura, então nós estamos colocando R$20 mil a mais, 100 mil unidades dá dois bilhões de reais para poder quem não tem casa poder ter acesso à casa própria, e dando preferência à famílias de menor rendo. A hidrovia Tietê-Paraná, nós temos um investimento de R$ 1,1 bilhão, o Governo do Estado e Governo Federal para fortalecer o transporte hidroviário, e o Rodoanel Metropolitano de São Paulo, já estamos licitando a Asa Norte. Então são três grandes parcerias. Mas aqui em Tupã eu queria destacar primeiro a ETEC, que está entre, tirou no IDETEC o primeiro lugar do estado dois anos consecutivos. A baixíssima evasão e a alta empregabilidade e ingresso dos alunos na universidade. Então expandindo aqui a ETEC, dez cursos hoje, mil e duzentos alunos e nós vamos expandir para a região mais ainda as ETECs e FATECs. Mais uma palavra sobre a universidade: nós fizemos uma proposta à universidade que vai ser analisada em março no Conselho Universitário da UNESP para as universidades onde nós temos uma faculdade só, ter um segundo curso e engenharias. Então a região seria beneficiada com Rosana, Dracena e Tupã, que passaria a ter aqui engenharia de biossistemas. Depois a rodovia Comandante João Ribeiro de Barros. Vamos abrir em março a licitação, noventa e nove milhões, praticamente cem milhões, de Adamantina até Tupi Paulista; e a segunda etapa, Tupi Paulista até a ponte sobre o Rio Paraná, em Panorama. Também liberamos os recursos do DADE. Tupã é uma estância turística, e através aqui do DADE os R$ 2,7 milhões serão para a reforma do mercadão, e também o recurso para o centro de exposições e o centro de exposição artística. Entregamos duas vicinais que foram recuperadas do Parnaso e de Tupã até Bastos, e vamos sim estudar uma parceria com a Cleauto para a vicinal que vai para o sentido de Rinópolis. Então são investimentos importantes aqui para a região.


REPÓRTER: Governador, esse curso da Unesp que o senhor anunciou para Tupã é o governo do estado, a prefeitura tem que dar uma contrapartida, como é que funciona?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, não tem contrapartida das prefeituras. É...


REPÓRTER: Laboratórios, tudo por conta do governo?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. Todos os prédios, as obras por conta do governo e também o custeio. Então, a Unesp nos devolve R$ 51 milhões por ano do Hospital de Botucatu da Faculdade de Medicina que o governo assumiu. Então, ela passou para nós o hospital e nos passou o recurso. A gente vai descontando ano a ano, de tal maneira que, o custo das novas faculdades serão arcados pelo estado.


REPÓRTER: Agora, o senhor falou sobre as vicinais que o senhor anunciou. Essa vicinal que liga a Tupã a Rinópolis que é um sonho antigo; e já vários governadores, inclusive ligaram máquinas, mas não chegaram a fazer essa estrada. O senhor acredita que ela possa, dentro de um curto prazo de tempo, ser viabilizada?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós vamos verificar com a Creauto o que é que ela pode estabelecer de parceria. Aí, se for possível, nós vamos executar o primeiro trecho que é a... São 15 km até extrema...


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Extrema [ininteligível].


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Extrema [ininteligível].


REPÓRTER: Governador, com relação à questão da sacolinha. A gente sabe que não é uma questão do Governo do Estado, é do APAS. Mas a população está meio confusa, se é lei, como é que funciona? Qual é a opinião do senhor sobre isso, do Governo do Estado sobre essa questão específica dessa crise?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, não é lei. Não tem nenhuma lei que proíba utilizar a sacola plástica. Mas acho que a iniciativa merece ser valorizada. Por quê? Porque o plástico leva dois séculos para poder degradar. Então, polui o meio ambiente, entope galeria, entope boca de lobo. O que se pretende? A velha sacola da vovó, aquela sacola que você vai no mercado, faz a compra e volta. É com ela. Reutiliza, reutiliza. Aí nós estamos ajudando o meio ambiente, evitando o plástico. Agora, isso não é lei, então, não é obrigatório. Quem quiser pode usar a sacola plástica, quem quiser pode distribuir. Não há nenhuma lei proibindo. Só um esforço de educação ambiental... Quem puder usar uma sacola permanente, reutilizável, é melhor.


REPÓRTER: Governador, aqui a região, como em outras regiões, tem enfrentado um problema de dificuldade para colocar o SAMU e a UPA em caráter regional específico, no caso de Tupã. Porque muitos municípios, no caso da nossa região, de 18 só 6 assumiram a sua parte nesse serviço. O Estado já tem conhecimento disso, já recebeu o pedido de ajuda, o que pode ser feito?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós temos uma... A parte do Estado é a parte do atendimento secundário e terciário, ou seja, a parte hospitalar. Então, o atendimento primário, emergência, é sempre das prefeituras. Nós ficamos com a parte hospitalar. Vamos ter grandes investimentos em Marília, na rede hospitalar do estado. Grandes investimentos em Bauru, também na rede hospitalar. Também na região nós vamos ter investimentos importantes que vão ajudar as prefeituras dos presídios. Nós vamos contratar médicos, dentistas, enfermeiras, auxiliares de enfermagem, de tal maneira que não precise levar o preso para as unidades da Prefeitura, porque acabam onerando a Prefeitura. Resolver na própria unidade prisional. A não ser caso de cirurgia, mas caso contrário você já resolve. Então, nós vamos ter um investimento grande. Estamos até prevendo passar o dinheiro para a Prefeitura para a Prefeitura contratar as equipes. A gente remunera até com valor alto como são as OSs, as Organizações Sociais. Está bom?


REPÓRTER: Obrigado, governador.