Coletiva-Lançamento do programa Sorria Mais São Paulo-20120102

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva de Lançamento do programa Sorria Mais São Paulo

Local: Capital - Data: 01/02/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, três programas importantes para a saúde bucal. Primeiro: o aumento do número de municípios que vão receber o repasse do governo para o atendimento a saúde bucal, de 199 para 350 municípios. Os municípios com menor índice paulista de responsabilidade social. Então, primeiro 199 para 350 cidades no nosso programa de saúde bucal. Segundo: a fluoretação da água. Faltam só 40 cidades para gente chegar a 645 municípios com água fluoretada, evitando cárie. E o terceiro, um grande programa de odontologia hospitalar. A presença do cirurgião dentista nas UTIs, nos tratamentos oncológicos, cardiológicos, nas clínicas cirúrgicas, nas enfermarias, enfim, evitando infecção, evitando o uso maior de antibióticos, cuidando da saúde da população e da população mais debilitada. A população que está hospitalizada. Nós já fizemos um projeto piloto no hospital de Santo André e agora vamos estendê-lo, terminaremos o ano com 18 hospitais no programa de odontologia hospitalar. E já criamos um grupo de trabalho, Saúde e Educação, para a saúde bucal escolar. Nós temos cinco milhões de alunos, as crianças em razão da fluoretação têm menos cáries, mas ainda tem uma demanda importante.


REPÓRTER: 2014, a meta [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Sim, mas este ano nós já teremos 18 já no programa de odontologia hospitalar.


REPÓRTER: Um exemplo desse tipo de tratamento pode ser de crianças que passam por quimioterapia e que tenha a dentição prejudicada?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a saúde bucal está ligada a toda saúde. Por exemplo, paciente com câncer que tem que ter às vezes quimioterapia, radioterapia ou até cirurgia, você tem muito problema de ulceração de mucosa bucal. Questões cardiológicas, muito problema de infecção que leva a estenose mitral, problemas de válvulas, são infecções que estão na boca. O número de bactérias na boca é muito grande. Então vai desde um trabalho de higiene bucal até tratamento. Tratamento de cárie, próteses. Depois a questão buco-maxilo, às vezes a pessoa tem um problema de dor de dente e começa a mastigar do outro lado e acaba tendo problema de articulação, tempero-mandibular. Então, área cirúrgica, levar um paciente a cirurgia com foco bacteriano na boca. Problemas de otorrino. Às vezes a pessoa tem sinusite, tem amidalite de repetição, tem renite, otite e o foco é dente. Então, vão ser todas as áreas, vão estar ligadas. Então a odontologia hospitalar vai aproximar a odontologia de todo trabalho dos hospitais e da saúde como um todo.


REPÓRTER: Por que um prazo de mais de dois anos, governador, se, no ano passado, já foi feita toda a articulação e em 2006 que começou. Qual que é a dificuldade para levar para todo o estado?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós estamos começando cobrindo todo o Estado de São Paulo com hospitais polos e com a universidade pública, junto com as faculdades de odontologia, para você ter um trabalho bem feito, para você ter o cirurgião dentista dentro de uma equipe, trabalhando de forma integrada, mas a ideia é levar para os 81 hospitais no estado.


REPÓRTER: Mas isso vai levar... Não tem como antecipar esse prazo? Por que o prazo de mais dois anos?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, no mínimo, 18, esse ano, no mínimo; podendo, vamos antecipar mais. O importante é o projeto ser bem feito, e o projeto feito em Santo André, no Hospital Mário Covas, trouxe excelentes resultados.


REPÓRTER: Qual vai ser o investimento para esses 18?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: O professor Giovanni Cerri pode detalhar melhor valores, profissionais, ter um resumo melhor.


REPÓRTER: Governador, algumas críticas que vinham sendo feitas de maneira informal, nos bastidores, sobre a desapropriação em Pinheirinho foram oficializadas pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Secretaria de Direitos Humanos da presidência. Qual que é a avaliação do senhor a respeito dessas criticas que foram feitas sobre violações dos direitos humanos?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o governo cumpriu ordem judicial e todas as famílias estão sendo e serão amparadas. Quem está trabalhando é o governo do estado e a prefeitura. O aluguel social já começou, as famílias terão o apoio. Que é o que nós pagamos nas regiões metropolitanas, de R$ 500, aluguel social. E nós vamos acelerar as construções de habitação popular. São Paulo é o único estado brasileiro que coloca 1% do ICMS. Esse ano nós vamos investir R$ 1,5 bilhão para proporcionar casa própria pra quem ganha um salário mínimo, dois salários, três salários. Para quem ganha um salário mínimo a prestação é de R$ 96. E você possibilita a família de menor renda ter casa própria.

REPÓRTER: Agora, esses problemas específicos relacionados à saúde, higiene, alimentação, o governo do estado identificou isso também depois que as pessoas deixaram a região do Pinheirinho?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, as pessoas terão o aluguel social e vão ter uma moradia digna. Muitas estavam em submoradias, em situação de grande insegurança, e cumprimento de ordem judicial. Eu acho que ordem judicial... Nós queremos viver em democracia, deve ser cumprida. É um dever de todos cumprir.


REPÓRTER: Governador, o ano começa hoje para a Assembleia Legislativa, o que o senhor vai... O documento que o secretário Beraldo vai entregar para os parlamentares.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós estamos fazendo um balanço na abertura do ano legislativo, reiterando os compromissos do governo do estado que estão na lei orçamentária e já mandamos um projeto de lei ontem, o primeiro, que é o que estabelece os pisos no estado. Então, R$ 690 o menor piso em São Paulo, a partir do dia 1º de março. Então, esperamos que a Assembleia aprove agora em fevereiro, por que já entra a vigência, o piso estadual de R$ 690, 1º de março. R$700 a segunda faixa, R$ 710 o piso para a terceira faixa e R$ 720 para o serviço público estadual. Nenhum servidor dor ativo ou inativo, pensionista vai poder ganhar menos de R$ 720.


REPÓRTER: Sobre a questão orçamentária governador, tem uma nota na Folha hoje dizendo que o estado arrecadou 10% a mais do que em 2010 em impostos, e que o superávit primário foi 44% acima do que o próprio governo previa. Qual que é a explicação pra isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, quando foi feito o orçamento, ele foi feito estimando ano passado, 5% do crescimento do PIB no Brasil e 4% de inflação. Então, 9% o aumento do orçamento. Infelizmente o Brasil não cresceu 5%, cresceu menos de 3% ano passado e a inflação foi mais de 6%. Então acabou chegando a 9,5%, inflação mais crescimento da economia, mas na realidade, mais pela inflação do que pelo crescimento da economia, o que não é bom. Então, vamos esperar que esse ano a inflação seja menor e o crescimento da economia seja maior. O estado tá absolutamente com as contas em dia, a dívida de São Paulo vem caindo fortemente. Nós tínhamos uma dívida 2,2 vezes a Receita Corrente Líquida, hoje ela é 1,4. Por isso que o estado teve autorização ano passado para contrair 7 bilhões de financiamentos novos: Banco Mundial, BID, Jaica... Novos financiamentos. Por que a relação entre a Receita e a dívida tá em uma forte curva de queda, o que é muito bom, mostra saúde financeira do estado de São Paulo.


REPÓRTER: Governador um vídeo mostrando uma detenta algemada em um hospital público, durante o trabalho parto e após o trabalho de parto. Alguma orientação do senhor a respeito disso? No passado, não previa mais esse tipo de medida. Há o que se fazer...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a Secretaria da Administração Penitenciária já respondeu, mas eu vou pedir ao Dr. Lourival Gomes, que está aqui, o secretário, para que responda.


REPÓRTER: Governador, o senhor tentar evitar que o seu vice saia para concorrer à Prefeitura de São Paulo? Ontem, ele declarou que... Confirmou que é pré-candidato.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu acho positivo que o PSD escolha o seu pré-candidato, o PSDB também vai escolher o seu pré-candidato em março. E as conversas caminham, no sentido de buscar aí um bom entendimento. Se depender de nós estaremos todos juntos para servir a São Paulo.


REPÓRTER: Então, o seu vice precisa arrumar um outro vice, que não seja o do PSDB.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, não, de jeito nenhum. O PSD escolhe o pré-candidato, nós escolhemos o nosso pré-candidato, e vamos conversando, nenhuma hipótese é descartada. O Brasil tem o quadro pluripartidário, eu diria até multipartidário. E as alianças são importantes, serem feitas em cima de programas, de propostas. Esse é o nosso objetivo, se depender de nós estaremos todos juntos para servir a população de São Paulo.


REPÓRTER: O senhor acho que o prefeito Kassab aguarda até março?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, eu acho que as conversas são permanentes e são importantes.


REPÓRTER: Qual a chance do PSDB...


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: [ininteligível].


REPÓRTER: Governador [ininteligível]...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Houve um acidente no pré-sal, na Bacia de Santos, então o Secretário do Meio Ambiente, o Bruno Covas, o Secretário de Energia, o José Aníbal, e as suas equipes estão procurando ter todas as informações para poder ter uma avaliação, verificar quais as medidas que precisam ser tomadas e como a gente fazer um trabalho em conjunto para evitar esses acidentes, preservar o meio ambiente e ter o conhecimento, as informações que são importantes.