Coletiva - Anúncio da nova fábrica da Randon em Araraquara - 20121012

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Anúncio da nova fábrica da Randon em Araraquara

Local: Araraquara - Data: 10/12/2012


REPÓRTER: Governador, dois grandes investimentos em Araraquara num curto período. A que o senhor atribuiu esse desenvolvimento da cidade e esses investimentos?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A gente fica muito feliz. Araraquara liderando investimentos produtivos, investimentos geradores de emprego, de renda, agora este da Random ao longo de quatro anos, quase meio bilhão de reais, chegando a perto de dois mil empregos. Uma empresa com a credibilidade, com a excelência que é a Random na área ferroviária. Araraquara sempre foi um entroncamento ferroviário importante desde a época da Rio Clarense, no século 19, a Araraquarense até as barrancas do rio Paraná no século 20 e agora uma nova indústria para construir vagões na área de carga e semi-reboque. São Paulo é o maior produtor de cana-de-açúcar do país e do mundo e a indústria vem também trazer aí uma produção importante nessa área de logística do setor sucroalcooleiro. Então, quando me procurou o Marcelo Barbiere, disse a ele que nós daríamos todo o apoio, inclusive ajudando a Prefeitura na questão dos acessos. A agência Investe São Paulo verificou a questão fiscal, incluiu o investimento no nosso programa pró-veículos, semi-reboque nós, para operações internas no estado estamos reduzindo para 12%. Enfim, procuramos fazer todas as medidas para consolidar o investimento em Araraquara. Num momento em que a economia brasileira está mais fraca, é uma grande prova de confiança na economia, prova de confiança no Brasil e eu não tenho dúvidas de que o setor de ferrovia de trilhos vai crescer muito aqui em São Paulo.

REPÓRTER: Qual o importância desse setor, mesmo? O setor rodoviário já está um pouco afogado, como é que o senhor vê isso, Governador? A importância desse modal ferroviário aí no estado de São Paulo e também no Brasil?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu vejo uma grande importância no transporte de carga. Já está crescendo o transporte de carga por ferrovia e para isso nós vamos fazer com o Governo Federal, o ferroanel norte e o ferroanel Sul, porque hoje o trem de carga passa dentro da cidade pela estação da Luz. Então, fechamos um entendimento com o Governo Federal para fazer o ferroanel norte saindo lá de Jundiaí vindo para Perus e estação Manuel Feio em Itaquaquecetuba, e o ferroanel Sul, ligando Ribeirão Pires até Embu-Guaçu. Então, os dois ferroanéis, norte e sul, nós vamos fortalecer ainda mais a ferrovia-carga, transporte de carga. A outra, passageiros nas regiões metropolitanas. Em São Paulo já estamos transportando sete e meio milhões de passageiros/dia entre metrô e trem. Então, a indústria ferroviária está renascendo com força e ela vai prosperar muito e é muito bom para o desenvolvimento do estado e do país.

REPÓRTER: Os investimentos da empresa só devem começar o ano que vem. A questão do acesso que o município precisa da ajuda do estado para concluir, já é possível traçar um cronograma de investimento?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O município terá o apoio do estado. A prefeitura levanta o orçamento direitinho, nós vamos fazer um convênio, vamos apoiar porque é necessário. São Paulo é parceiro de quem investe no estado, de quem gera emprego no estado e quem ajuda o desenvolvimento do estado.

REPÓRTER: Quais são os incentivos fiscais que o Governo do Estado vai dar para Random se instalar?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É o Programa Pró-Veículo, nós já temos esse programa, com ele nós já trouxemos para São Paulo Toyota, Hyundai, Cherry, Comil, JBC, Danghzu... enfim, inúmeras empresas.

REPÓRTER: O que ele contempla?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ele contempla a questão basicamente, do ICMS, de importação quando você não tem similar nacional, diferimento de ICMS para bens e capital, você tem um conjunto de medidas.

REPÓRTER: Governador, falando um pouquinho de segurança pública. Dois incidentes nesse final de semana envolvendo (…)da PM paulista, um deles um caso em que um policial teria ateado fogo a um suposto suspeito. Como é que o senhor avalia a ação da polícia nesses dois casos?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós temos 135 mil policiais; entre a Polícia Militar, 95 mil; Polícia Científica, quatro mil e Polícia Civil. Então, são casos excepcionais. Imediatamente foi preso o policial, aliás, nos dois casos. A ação foi imediata, tolerância zero. Já houve a prisão, não há nenhuma hipótese de impunidade. Mas quero destacar o esforço que está sendo feito, eu acho que nós estamos vivendo já um outro momento. O Secretário da Segurança Pública, Dr. Fernando Grella, está indo muito bem; o comandante-geral, o novo comandante, o coronel Meira também; o delegado-geral Dr. Blazeck: polícia unida! Científica: nós vamos valorizar muito perícia, toda a parte criminalística, civil, inteligência policial; inclusive, estamos lançando um programa chamado 48 Horas, que é, você agindo rápido nas primeiras 48 horas, você elucida mais casos e prende os criminosos. E a militar: polícia ostensiva, preventiva, repressiva para proteger a população.

REPÓRTER: Os policiais vão ser orientados? Porque uma ação como essa gera mais violência, não é, governador?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É exceção, não se pode generalizar, não é? E a punição é imediata. Para isso há uma corregedoria atuando permanentemente.

REPÓRTER: Governador, a questão do aeroporto em Araraquara; dá para se dizer que as concluem no ano que vem?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Duas boas notícias: o aeroporto, se Deus quiser em janeiro, se tiver pronto, já será inaugurado; e a Fatec. A prefeitura já está nos viabilizando lá um prédio, e nós que já temos em Araraquara Via Rápida para o emprego, temos Etec, temos a Unesp, faltava a Fatec. Agora terá o curso de tecnólogo superior gratuito, faculdade três anos. 92% de empregabilidade. 92%.

REPÓRTER: O senhor tem uma data prevista para...

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: E sem cota, 75% alunos de escola pública, a média nossa nas Fatecs. Conseguindo o prédio, nós vamos fazer os laboratórios, as adaptações, enfim, é o mais rápido possível. Está bom?

REPÓRTER: E em relação à Furp?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A Furp é Américo Brasiliense. Estamos fechando a PPP, Parceria Público-Privada, então ela deverá ser operada pela iniciativa privada, que fará os últimos investimentos, equipamentos e a parte das moléculas, que é o credenciamento para a produção de medicamentos. Vai ser uma das grandes fábricas do estado. Guarulhos, e, agora, Américo Brasiliense, junto com a iniciativa privada.

REPÓRTER: Tem previsão para essa PPP sair, governador?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Fevereiro. Eu acho que fevereiro nós lançamos o edital da PPP; terminou o edital, assina contrato.

REPÓRTER: É o novo modelo da administração da Furp?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, nós não vamos mexer em Guarulhos. Guarulhos continua o modelo atual. Mas a nova fábrica já entra no modelo que vai dar muito mais dinamismo, junto com a iniciativa privada; através de parceria público-privada. Está bom?