Coletiva - Entrega da Creche Escola Professora Sueli Simões Pimentel 20163003

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega da Creche Escola Professora Sueli Simões Pimentel

Local: [[]] - Data:Março 30/03/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olha, aqui na região de São José do Rio Preto, nós estamos entregando hoje a 12ª Creche-Escola. Então, é ensino infantil, crianças de zero a cinco anos de idade, inclui o berçário I, berçário II e a Emei, que é a pré-escola. Para as mamães é uma ótima notícia, porque a criança com cinco anos, ela já depois entra no ensino fundamental alfabetizada, praticamente. Então, entregamos 12, hoje duas na região, uma em Araraquara e outra aqui em Pindorama. Temos mais 57 em obra aqui só nesta região. É uma conquista importante para o ensino infantil de zero a cinco anos de idade.

REPÓRTER: Governador, a respeito do bônus dos professores. O pessoal tá nervoso com o senhor.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olha, nós temos R$ 500 milhões, meio bilhão de reais para pagar de bônus. Então, nós temos R$ 500 milhões reservados para pagamento de bônus. Todo ano a gente paga o bônus, é chamada a meritocracia. Então, é baseado na note de português e matemática dos alunos, o aprendizado dos alunos, e baseado também na assiduidade dos professores, diretores, enfim, do corpo da escola. Este ano, excepcionalmente, nós recebemos um pedido do Apeoesp pedindo para que fosse convertido em reajuste salarial. Pela dificuldade... Pela dificuldade financeira que nós estamos passando no Brasil, este ano, ao invés de pagar o bônus, pega esses 500 milhões e dar um reajuste geral. Não dá muito, mas todos receberiam, inclusive os aposentados. Nós recebemos essa proposta e vamos estudar. Nós temos R$ 500 milhões, podemos pagar o bônus ou podemos dar um reajuste geral desde que seja dentro desse valor.

REPÓRTER: Agora falando de H1N1. A região vive uma situação muito preocupante, tanto é que o senhor antecipou a vacinação para 67 cidades. Essas cidades estão recebendo lote de 2015 ainda, não é? 2014. Mas a grande São Paulo já recebeu um lote atualizado. Por que isso? Em algumas cidades da região também dizem que estão com casos de H1N1, mas não receberam a vacina.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: É o seguinte, quem distribui a vacina é o Ministério da Saúde. É ele que é autoriza a vacina. Tanto é que quando nós pedimos lá atrás, o Ministério da Saúde diz que não. Porque realmente a vacinação é mais pra frente. Geralmente a vacina é para o inverno. Então, um pouquinho antes no inverno é feita a vacinação. Como nós tivemos muitos casos na região do Rio Preto, nós antecipamos e já começamos quarta-feira passada. Então, aqui é a única região do estado que a vacinação já começou. Aí vamos começar agora na primeira semana de abril, capital e região metropolitana, e depois vem pra cá também. Então, a região... A região terá duas vacinações. Ela já está recebendo a vacina que já existia e vai receber a vacina nova, porque cada ano tem uma mutação genética, então você tem novas cepas de vírus. E quem é a prioridade? A prioridade são as crianças de seis meses até cinco anos de idade, os profissionais de saúde, as gestantes e os idosos acima de 60 anos de idade. Está é a prioridade. A única região do estado que já está recebendo a vacina, é a região do Rio Preto. Então, ela terá direito a uma segunda vacina quando chegar o último lote de produção.

REPÓRTER: A vacina da Dengue como é que tá?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: A Dengue, a vacina ainda pode levar um ano, um ano e meio pra terminar a fase de teste de eficácia e segurança. Então, por enquanto só tem um caminho, é combater o criadouro do mosquito. A boa notícia é que a Dengue é que, no estado de São Paulo, como um todo, ela reduziu comparado ao ano passado. A grande preocupação é o Zika Vírus, então especialmente as mulheres grávidas, então todo o combate ao criadouro. Como as prefeituras estão com dificuldade, nós estamos pagando R$ 120 por sábado para os agentes de saúde das prefeituras, pra gente ter todos, além de segunda a sexta, ter todo sábado mutirão de casa em casa, pra checar o vaso, pneu, latinha, quintal, calha do telhado, atrás da geladeira, eles já sabem o que fazer, vão casa por casa. Então, estamos pagando R$ 120, nós vamos gastar mais de R$ 35 milhões. Em todo o estado de São Paulo, estamos chegando a 38 mil agentes comunitários de saúde, todo sábado fazendo mutirão.

REPÓRTER: Como é que o senhor avalia a segunda fase da Operação Alba Branca?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olha, nós é que fizemos a investigação. O que é importante destacar? Existe uma lei federal que obriga você comprar de agricultura familiar, é obrigado a comprar 30%. Então, abrimos, em cinco anos, três chamadas, três licitações. Houve disputa, quem ganhou foi o menor preço e o produto foi entregue. Depois se descobriu, foi à própria polícia que descobriu, que essa cooperativa era mentirosa, era estelionatária. Porque o produto que ela entregava não era de agricultura familiar. Foram presos, isso está sendo investigado e a punição será exemplar.

REPÓRTER: Essas duas prisões já foram um avanço?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Claro que são. Aí é a justiça que determina. O Estado colabora, participa e vai punir. O Estado não teve prejuízo, o Estado abriu uma licitação, o menor preço ganhou e o produto foi entregue. O que existe é que a fraude foi na cooperativa. Ela quem entregou esse produto, não era da agricultura familiar, ela usou de uma fraude pra poder vender numa chamada especifica. E os diretores da empresa vão responder criminalmente. Tá bom? Categoria 30 de março de 2016 [[]]