Coletiva - Entrega de obras de duplicação e outras melhorias em Severínia 20161905

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de obras de duplicação e outras melhorias em Severínia

Local: [[]] - Data:Maio 19/05/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, nós estamos entregando hoje uma obra importante. Estamos entregando hoje uma obra importante que é a SP-322 entre Bebedouro até Olímpia, ligando a rodovia, chegando à Assis Chateaubriand. E ela continua. Então, nós estamos entregando esse trecho, 115 milhões de reais. Duplicação próxima à Bebedouro, duplicação em frente às cidades, terceira faixa e acostamento em toda a rodovia, e recuperação. E ela continua até a divisa com Minas Gerais, até Icém. São dois lotes de Olímpia até... Guaraci. Até Guaraci. Já está 76% a obra pronta e de Guaraci até Icém, 77% a obra p ronta. Então, n&oacute ;s teremos desde Bebedouro até Minas Gerais, até Icém, a Rodovia Armando Salles de Oliveira modernizada, ampliada e trechos de duplicação.

REPÓRTER: A SP [ininteligível] vai ficar pronta quando?

ENGENHEIRA ELIANE RODRIGUES: Qual? 322? Fim de julho.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Fim de?

ENGENHEIRA ELIANE RODRIGUES: Julho.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Agora?

ENGENHEIRA ELIANE RODRIGUES: Isso. Seu Deus quiser.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu achei que era mais no segundo semestre. Mas a nossa engenheira Eliane está dizendo que mais 90 dias estará totalmente pronta, concluída a obra da Armando Salles de Oliveira, SP-322, até Icém, divisa lá com Minas Gerais.

REPÓRTER: Agora vamos para um outro assunto agora. Tivemos um protesto ontem em São Paulo entre estudantes e a Polícia Militar se confrontou com esses jovens, não é? Houve bombas de gás lacrimogênio e também cassetetes. O que é que o senhor acha, o que é que o governo acha dessa atuação da polícia?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, a Secretaria de Segurança Pública vai se pronunciar.

REPÓRTER: O Tribunal de Contas apontou algumas irregularidades, não é, na manutenção dos trens, no caso seria do metrô. Qual seria a opinião no senhor?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Na manutenção?

REPÓRTER: Manutenção dos trens usados no metrô em São Paulo.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, eu não vi a manifestação. Vamos verificar direitinho antes, está?

REPÓRTER: Não, mas foi o Tribunal de Contas que apontou algumas irregularidades.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu não vi a manifestação.

REPÓRTER: Ah, entendi. Em relação à...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Deixa eu dar uma boa notícia aqui para a região. Nós estamos entregando até o fim do ano mais uma creche aqui no município de Severínia para as mamães, crianças de zero até cinco anos de idade, a creche e a pré-escola, que é a Emei. Então, nós vamos fazendo um programa em todo o Estado de São Paulo. Já temos praticamente 100 entregues e 380 em obra em todo o estado. Então, isso vai ser conquista aí importante. E também para a região, nós, na segunda-feira, todos os municípios que assinaram convênio terão ordem de serviço das obras já para iniciar a construção das casas da CDHU . Eu vou pedir à Isabe la que passe para vocês toda a região, as cidades e o número de casas que terão a ordem de serviço já de obra, já na segunda-feira. E em junho nós vamos assinar o convênio para o... o convênio com municípios que ainda não assinaram. Serão em Severínia aqui 185 casas; Cajobi, 137; Palmares Paulista; 180 e Terra Roxa, 86 unidades. Hoje há uma grande dificuldade de emprego no Brasil, a crise é grave. Então, nós estamos ajudando a recuperar o emprego no Estado de São Paulo. E a construção civil, ela emprega muita gente. Você quando faz obra, seja estrada, seja casa, contrata engenheiro, secretária, pedreiro, servente, eletricista, encanador, movimenta a economia e gera bastante emprego. Então, segunda-feira damos a ordem de serviço para quem já tinha assinado o convênio e em junho assinaremos os no vos convênios de construção de casa para quem não tem casa poder sair do aluguel ou morar com parente, enfim, realizar o sonho da casa própria, está bom?

REPÓRTER: Governador, sobre a vacinação contra a gripe. Várias cidades aqui na nossa região estão sem a vacina já, e nem cumpriram totalmente a meta. E o Ministério da Saúde disse que não vai mais mandar vacina porque mandou para o Estado de São Paulo até um 1 milhão a mais de doses do que o ano passado. Por que é que está havendo essa falta da vacina?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, toda a vacina que nós recebemos do Ministério da Saúde, ela foi entregue, toda, toda ela. Quem é a população prioritária? São as crianças de zero a seis meses, as gestantes, as pessoas acima de 60 anos de idade, os doentes crônicos, os imunodeprimidos e os profissionais de saúde, quem trabalha com a saúde. Como a demanda foi muito grande, então nós estamos com o dinheiro do estado comprando mais 1 milhão de doses, que começam a chegar agora na segunda-feira. Então, nós teremos além do que o Ministério da Saúde mandou e que foi todo ele distribuído, mas 1 milhão de doses que o próprio Governo do Estado comprou do Institut o Butantan e começa a distribuir a partir de segunda-feira.

REPÓRTER: Essas doses são para qual região?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, elas vão para todo o estado, para onde estiver tendo falta. À rigor, a população de risco chamada, toda ela precisa ser vacinada, que são aquelas crianças de seis meses a cinco anos, gestante, idosos, imunodeprimidos, doentes crônicos e profissionais de saúde. A vacina é duplamente importante, primeiro porque ela diminui a incidência da gripe, a proteção, ela passa de 85%. E segundo, quem pegar a gripe, a gripe é mais fraca porque ela diminui a viremia, a quantidade de vírus no sangue. Então, ela duplamente, ela beneficia porque ela evita de a pessoa pegar gripe. Mas nenhuma vacina é 100%, então quem pegar ela também terá ; uma virulência menor , está bom?

REPÓRTER: Governador, antes do [ininteligível] a vacina até sobrava, não é? Mas por causa do H1N1 houve procura pela vacina, não é? Tem como controlar também nas UBS's, quem tem doença crônica, quem não tem, porque qualquer pessoa que está chegando lá [ininteligível] prescrição médica que é doente crônico está tomando a vacina. Mas será que tem algum controle para saber se realmente eles precisam?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Por isso que nós compramos mais um milhão de doses, porque à rigor, a vacina enviada pelo Ministério da Saúde, ela seria suficiente. Mas como não foi, nós estamos adquirindo mais 1 milhão de doses. Aí cabe ao médico, não é, dizer se o doente é crônico ou não, se ele é imunodeprimido ou não. A gente tem que confiar aí nos médicos porque a prioridade é essa faixa, idosos, crianças pequenas, gestantes, imunodeprimidos, doentes crônicos e profissionais de saúde, está bom?

REPÓRTER: Governador, jornal local Notícias e Negócios. Me desculpe, eu vou tirar um pouco o foco da entrevista. Nós estamos passando por uma crise política, econômica, e, de repente, tem gente do seu partido envolvida, há rumores aí de que estariam na Lava Jato. O cenário político é praticamente destroçado, sobraram poucos e bons próceres entre os quais o senhor é um deles. Eu uma vez lhe fiz essa pergunta em Umbaúba, eu não sei se o senhor se lembra disso: o senhor vai para a Presidência da República, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, primeiro, investigação é para todos, não é? E punição. Então, nós somos total defensores da Lava Jato, total defensores de não ter a impunidade no Brasil. Em relação à candidatura, como é que é esse eu nome?

REPÓRTER: Nereu.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Nereu. Então, quero responder ao Nereu e a todos vocês que sou candidatíssimo a presidente do Santos Futebol Clube.

[risos].

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Obrigada, gente. Categoria 19 de maio de 2016 [[]]