Coletiva - GP São Paulo de Fórmula 1 terá prova extra e deve gerar 8 mil empregos 20211608

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - GP São Paulo de Fórmula 1 terá prova extra e deve gerar 8 mil empregos 20211608

Local: Capital – Data: Agosto 16/08/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olá, a todos. Boa tarde, muito obrigado pela presença. Hoje a nossa coletiva de imprensa é monotemática, o tema é o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, no próximo mês de novembro. Aqui ao nosso lado o prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes, a quem eu agradeço por estar aqui, e por sermos parceiros nessa iniciativa, capital de São Paulo, o governo do estado de São Paulo na realização do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Uma ação integrada desde o tempo do nosso saudoso Bruno Covas, e que demos continuidade com o Ricardo Nunes à frente da prefeitura da capital de São Paulo. Também aqui presente o Alan Adler, que é o diretor do Novo Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, representando aqui os novos proprietários dos direitos da Fórmula 1 no Brasil. Vinícius Lummertz, secretário de Turismo do estado de São Paulo. Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo. Aildo Ferreira, secretário de Esportes do estado de São Paulo. Rubens Rizek, secretário de governo da Prefeitura da capital de São Paulo. E Gustavo Junqueira, presidente da Invest SP. O Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1 será realizado agora em novembro, nos dias 6 e 7 de novembro, um sábado e um domingo. Há, no entanto, a possibilidade, e eu quero ressaltar, mas quem falará sobre isso será o Alan Adler, de realizarmos exatamente na semana seguinte à esta que está proposta nesse momento, face à uma solicitação que fizemos, o prefeito da capital de São Paulo e eu, ao Alan e à direção da Fórmula 1, da Inglaterra. Isso será avaliado e deliberado ao longo dos próximos dez dias, portanto, até o dia 26 de agosto nós teremos uma posição definitiva, portanto, com bastante antecedência em relação à data de realização do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. A primeira novidade, todos já perceberam, deixa de se chamar Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, para se chamar Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, como vários outros GPs tem o nome da cidade onde se realizam, e não necessariamente do país. E ademais, há um investimento feito pela Prefeitura da capital de São Paulo e do governo do estado de São Paulo, para a promoção turística do destino São Paulo, seja para os brasileiros, que aqui virão, para acompanhar a Fórmula 1, seja dos estrangeiros que se dirigirão à capital paulista para o acompanhamento deste grande evento, Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. A prova desse ano, também, pela primeira vez vai contar com o Sprint Race, uma corrida extra que acontece no sábado, e o Alan vai explicar para vocês como isso funciona, mas será absolutamente emocionante, porque pela primeira vez na história da Fórmula 1 aqui no Brasil, nós teremos o Sprint Race, ou seja, é uma corrida que acontece no sábado, antecedendo o GP no domingo, e nessa corrida de sábado é que se define o grid de largada para a corrida no domingo para o Grande Prêmio. Portanto, nós teremos, Ricardo, duas corridas, e isso acontece pela primeira vez na América Latina, e pela primeira vez aqui no Brasil. Portanto, são duas corridas e não uma, que estarão acontecendo no Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1 no próximo mês de novembro. Quero mencionar também que com o avanço da vacinação a capital de São Paulo, no estado de São Paulo, um novo lote de ingressos para o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, será liberado a partir do dia 27 de agosto, tornando possível a ocupação de até 100% das arquibancadas do Autódromo de Interlagos. Mas destaco desde já, inclusive aos torcedores e apaixonados pela Fórmula 1, que vieram assistir, vierem comparecer ao Autódromo de Interlagos, será obrigatório o uso de máscara para os treinos e para o Sprint Race e a corrida no domingo. Também a temperatura será medida de todas as pessoas, profissionais, técnicos, corredores, mecânicos, auxiliares, assim como evidentemente prestadores de serviços, e os que foram assistir e acompanhar os treinos, incluindo, obviamente, os jornalistas, será obrigatório a retirada de temperatura, o uso de álcool em gel será facultado gratuitamente em todas as áreas do Autódromo de Interlagos. E se necessário, alguma medida sanitária adicional, dado ao fato de que tanto a Prefeitura de São Paulo, a responsável pela vigilância sanitária do autódromo e da realização do evento, como também o governo do estado de São Paulo, vão monitorar o que nesse momento tem sido extremamente positivo, a evolução da vacinação na capital e no estado, e também o controle da pandeia, uma queda acentuada de casos, de internação, e felizmente também uma queda de óbitos. Se houver qualquer circunstância diferente deste movimento, obviamente a prefeitura e o governo do estado atuarão conjuntamente aos promotores da Fórmula 1, e poderemos ter mudanças. Esperamos que não, esperamos que as boas notícias que temos acumulado nas últimas semanas, de, repito, queda de casos, queda de internações, e queda de óbitos, prossiga, assim como o aumento da vacinação. O prefeito Ricardo Nunes vai falar sobre a evolução e os excelentes resultados obtidos até ontem à noite, com 99% da população adulta na capital de São Paulo já vacinada. Aliás, parabéns, Ricardo, a você, e ao secretário da Saúde, Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde. E aqui em São Paulo, hoje, até o final do dia, este será o número, entre 98% e 99% também da população de todo o estado de São Paulo, com mais de 18 anos, e que pode ser vacinada, também com a vacina no braço, a primeira dose. Por fim, levantamento da Fundação Getúlio Vargas, a realização do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, deve gerar 8 mil empregos, empregos temporários, mas diante de uma circunstância de muitos desempregados aqui na capital e no estado de São Paulo, esse é um número bastante alvissareiro, são 8 mil famílias, são cerca de 40 mil pessoas no total, que terão o benefício direto de geração de renda e empregabilidade na Fórmula 1, e entorno da Fórmula 1 aqui em São Paulo. E um impacto de R$ 670 milhões para a cidade de São Paulo, pelos cálculos da Fundação Getúlio Vargas. E agora vamos na sequência ouvir o prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes. Ricardo.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Agradeço. Boa tarde, a todos. Governador João Doria, o senhor agora deu os parabéns a mim, e ao secretário Edson Aparecido, estendendo esses parabéns à toda equipe da prefeitura, logicamente, mas eu compartilho contigo, porque se não tivesse a vacina a gente não poderia ter feito a Virada da Vacina. Então os parabéns é para todos que acreditam, acreditaram na vacina, e isso é muito importante. Realmente a Virada da Vacina foi um sucesso espetacular, a adesão da população da cidade de São Paulo muito grande, 99,2% da população acima de 18 anos vacinada, a gente ainda precisa melhorar um pouquinho na população de 18, 19 anos, já estamos fazendo isso. E a gente vai, com certeza, melhorar ainda mais esses índices altamente positivos. O senhor falou muito bem, governador, com relação à questão da geração de empregos, 8.500 mil empregos, com a realização da Fórmula 1, é de fundamental importância nesse momento da retomada econômica, aonde aqui na cidade de São Paulo e no Brasil inteiro, e todos os países houve o aumento da pobreza, o aumento das pessoas de vulnerabilidade, por conta das restrições impostas pela pandemia. Então 8.500 mil empregos é algo fundamental. Lembro também, governador João Doria, que o estudo da FGV estima uma movimentação financeira de R$ 539 milhões na cidade, aonde isso reverbera na economia local, gerando inclusive os empregos indiretos, que é de fundamental importância. Nós estamos bastante tranquilos com relação à realização do evento. Lembrando que evidentemente o secretário Jean vai poder falar melhor aqui, mas seguirá os protocolos da vigilância sanitária municipal do estado. Obviamente que só poderá participar quem tiver vacinado, então a vacina além de ser um passaporte para salvar a vida da pessoa e da coletividade, também para poder participar das atividades aqui na cidade de São Paulo. Portanto, da nossa parte da prefeitura, estamos muito contentes com toda a evolução do trabalho, várias reuniões, o Alan desenvolvido muito bem, escutado bem, o governador João Doria coordena os trabalhos, da nossa parte nós estamos muito tranquilos, otimistas com um grande evento, inclusive com a repercussão da geração da imagem da marca da cidade de São Paulo, estimada em R$ 1,6 bilhão, de forma positiva. Muito obrigado, e vamos em frente, e ter aqui um grande evento de Fórmula 1 com segurança, salvando vidas, geração de emprego, trazendo receita para a cidade.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito. Antes de passar para o Alan, eu gostaria de perguntar aqui para a técnica se nós temos o vídeo da Fórmula 1, se temos, está no ponto, tem áudio, está tudo funcionando direitinho? Então, Alan, antes de passar a palavra a você, ia mostrar aos meus colegas jornalistas que aqui estão, aliás, deixa eu cumprimentar mais uma vez, e agradecendo a presença, assim como dos cinegrafistas e fotógrafos que aqui estão, e os nossos convidados especiais que estão aqui ao lado, para mostrar a vocês o vídeo que a Prefeitura de São Paulo, e o governo do estado de São Paulo, fizeram para a promoção deste evento, e também para a captação das cotas de patrocínio, que aliás, vão indo muito bem. Diga, Ricardo.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Governador, rapidinho, eu só gostaria nessa data de hoje, prestar uma homenagem ao Bruno Covas, hoje completa, governador, três meses da perda do nosso querido Bruno Covas, que participou ao seu lado ativamente, e junto com o Alan e todos aqui da Fórmula 1, nesse processo de trazer a Fórmula 1 aqui para a cidade de São Paulo. Então vou fazer aqui a minha homenagem, tenho certeza que ele está feliz por ter dado tudo certo, as coisas estão caminhando bem, estar só essa a observação.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, muito bem lembrado, aliás, o Bruno sempre um entusiasta da sua cidade, só seu estado, do seu país, e também da Fórmula 1. Então vamos então exibir esse vídeo, e aí damos sequência na coletiva.

APRESENTAÇÃO DE VÍDEO: "Sem falas".

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito obrigado. Agora sim, com você, Alan Adler, promotor do Novo Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Alan.

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Obrigado, governador. Obrigado, prefeito. Boa tarde, a todos. Queria começar dizendo que é uma enorme alegria estar aqui nesse momento anunciando mais um Grande Prêmio de Fórmula 1, em São Paulo. A gente tem que fazer agora em nome de todos os brasileiros, um agradecimento especial ao governador, ao prefeito, a todo o governo do estado, à Prefeitura de São Paulo, a manter a Fórmula 1 no Brasil. É um agradecimento especial de todos os brasileiros, porque a gente correu o risco de não ter Fórmula 1 no Brasil. Então se não fosse o esforço conjunto do governador, da sua equipe, do prefeito, e muito bem citado o prefeito Bruno Covas, com o seu secretariado, especial, o Orlando Faria, queria fazer aqui uma homenagem, participou ativamente dessa batalha, de manter a Fórmula 1 no Brasil e em São Paulo, não teria acontecido, não teria, governador. Esse comprometimento de São Paulo, com um dos eventos maiores e mais importantes da América do Sul, a Fórmula 1 é hoje o evento, com certeza, de maior impacto financeiro em uma cidade, em um estado, ele é recorrente, ele acontece todos os anos, não é como uma olimpíada que vem em 100 anos, 80 anos, nenhuma Copa do Mundo, ele está aqui todo ano. E ano que vem vai fazer 50 anos do primeiro Grande Prêmio de Fórmula 1 no Brasil. Então eu queria muito realmente agradecer. E aproveitar, também parabenizar essa prefeitura, em seu nome, Ricardo Nunes, esse governo, governador João Doria, pelo sucesso na campanha de vacinação. Graças a vocês a gente tem esperança, esperança é tudo na vida, a gente está precisando de esperança, precisando de trabalho, são 14 milhões de desempregados, e a Fórmula 1 traz tudo isso, ela traz esperança, traz trabalho, e traz, acima de tudo, um símbolo de que deu certo, de que o trabalho mostrou que deu certo. E por que vamos fazer diferente? A gente tem olhado grandes prêmios acontecendo, com um público lindo, as pessoas felizes, todo mundo vacinado, todo mundo testado, a gente espera que em novembro vamos estar vivenciando isso aqui em São Paulo. O governador mencionou a Sprint Race, a gente mais uma vez tem que agradecer, porque Interlagos foi escolhido dentro das três únicas provas esse ano, a receber um Sprint Race. Vamos ter duas corridas, como o governador falou. O Sprint Race passar a definir o grid de largada no domingo. Então a gente vai ter muita emoção sexta, sábado e domingo para o nosso público, e para todo mundo que é fã da Fórmula 1. Sobre a data, o governador fez um pedido, nós vamos levar adiante, se é possível estender uma semana a data do GP. A Fórmula 1 com certeza vai avaliar com todo carinho, sabe o apoio que está recebendo de São Paulo. E como o governador também mencionou, nós vamos reabrir as vendas de ingresso agora no dia 27, para pelo menos, mais 20 mil ingressos. E é isso, estamos trabalhando muito duro, um evento muito complexo, uma logística enorme, uma responsabilidade muito grande, muito feliz de estar à frente de um evento desse tão importante para o Brasil e para São Paulo. E mais uma vez obrigado pelo apoio de todos vocês aqui, porque sem vocês esse evento é impossível de acontecer, um evento dessa grandeza é impossível de acontecer sem apoio da prefeitura e do governo do estado. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Alan, muito obrigado. O Alan, obviamente, estará à disposição para as perguntas na sequência. Antes de passar ao Vinícius Lummertz, queria agradecer muito a presença do Caio Luiz de Carvalho, o Caíto, ex-secretário estadual de Turismo, ex-presidente da Embratur, ex-ministro do Turismo, é o atual diretor da Band, aliás, emissora relatório pela transmissão da Fórmula 1 no Brasil, de todos os GPs, e particularmente do GPs São Paulo de Fórmula 1. Não tenho dúvida que a Band vai dar mais um show, como tem dado, eu tenho assistido várias transmissões da Band, dando um show de profissionalismo, de imagens e de emoção, e vai repetir, com certeza, no GP São Paulo de Fórmula 1. Obrigado, Caíto. Vinícius Lummertz.

VINÍCIUS LUMMERTZ, SECRETÁRIO DE TURISMO: Obrigado, governador. Saudar o prefeito Ricardo Nunes, o Alan, a Band, pelo Caíto de Carvalho, a todos os secretários municipais, e aos nossos colegas secretários estaduais. Como foi dito aqui, eu vou fazer um reforço e passar algumas projeções, a primeira grande vitória é ter o Grande Prêmio em São Paulo, essa é a primeira grande vitória, ter porque nós temos vacinas, e nós poderemos mostrar isso ao mundo, retomando as campanhas do São Paulo Para Todos, que havíamos iniciado em 2019, e que colocou São Paulo no segundo lugar de maior crescimento de buscas no Google, com a campanha internacional. Que vai retornar, bem como as campanhas nacionais retornarão nesse segundo semestre, por conta, evidentemente, da posição vacinal de São Paulo, que permite esse posicionamento de São Paulo como um dos eventos mais aguardados do ano, com visibilidade no Brasil e no mundo, representando o Brasil lá fora, e sendo a única cidade da América do Sul a promover um Grande Prêmio de Fórmula 1, e agora com o nome, como é Dubai, com um nome como é Monaco, e agora São Paulo. E uma das três também, da Sprint Race, como Monza e Silverstone. A vitória de São Paulo também é importante, à medida que consolida interlagos, consolida São Paulo, e aqui eu brindo também ao nosso Bruno Covas, que não está mais conosco, mas que foi com o governador João Doria quem fez essa parceria possível, em nível internacional, e que nos dá uma grande visibilidade internacional. E aí vocês estão vendo a estimativa de valor de exposição de mídia para São Paulo, de R$ 1,6 bilhão. Isso é dinheiro, impacto econômico financeiro. Mas o impacto de imagem é, sobretudo, o maior, à medida em que a imagem do Brasil lá fora não está clara em relação à normalidade, que São Paulo traz para o cenário com vacinas, e com um grande evento que ajuda a retomar o turismo, que crescerá cerca de 9% esse ano, terá crescimento de dois dígitos no segundo semestre. Deverá recuperar na média 10 mil empregos por mês. A coroação vai estar no final do ano com a vacinação total, e esse evento simbólico como um dos três esportes mais queridos do Brasil, um esporte que tem crescido na internet, tem crescido muito no público jovem, até porque, os pilotos vocês viram aqui, estão conversando, são jovens, estão conversando direto com a população, e isso ajuda muito a importância das marcas que serão parceiras aqui no Brasil. A importância do impacto direto, peço para voltar só uma transparência ali muito rapidamente. Essa proposta de impacto ela está muito ligada a 2019, uma postura muito conservadora da Fundação Getúlio Vargas, mas com o que se imagina seja essa febre de retomada, nós podemos ousar que com a Sprint Race nós tenhamos, governador, 20%, 25%, quem sabe até 30%. Isso é previsão, mas isso aqui é o que nós temos garantido, e muitos tributos que fazem rodar a economia e os empregos. Podemos seguir. Esse ano nós vamos ter, pelo o que indicam as vendas já feitas, de ingresso, mais de 70% em população de fora de São Paulo, 76%, e 55% já desses turistas visitavam em 2019, museus, parques, gastronomia, compras e, entretanto. Proximamente. O governador está chamando uma reunião com todos esses setores, para nós maximizarmos essa comunicação no estado de São Paulo. E finalmente podemos passar adiante. Aí está a informação que eu passei, ingressos foram vendidos em três dias, o que no passado era feito em seis meses, o que já foi colocado e o que foi anunciado pelo governador, deverá ocorrer da mesma forma. E aí então já fica a dica, quem quiser comprar, o Alan está vendendo, né, Alan? Ingressos para a Fórmula 1. Podemos seguir. Essas são as 23 cidades, são 23 países em cinco continentes, esses números vão estar à disposição também pela comunicação da SECOM, 23 cidades, 23 países, cinco continentes, e olha a posição de São Paulo e do Brasil, São Paulo que traz uma imagem positiva nesse evento para o planeta, em nome do Brasil. Pode passar, a última transparência. Transmissão para 200 países, audição acumulada de 2 bilhões de pessoas, 500 milhões de fãs no mundo, e um por que anual de 4,2 milhões de pessoas. Então face um país, face também uma cidade, com um grande evento, prefeito Ricardo, governador João Doria, meus parabéns pela tenacidade, pela coragem de ultrapassar fake news de outros lugares, outras pistas. E o Alan está certo, se nós não tivéssemos tomado a precaução das vacinas, essa prova teria ido para outro lugar, fora da América do Sul. É claro que eles queriam fazer na América do Sul, governador, mas só se tivesse condições. Então saúdo o governador, o prefeito, à toda a saúde de São Paulo, por nos permitir esse momento de alegria após essa longa pandemia. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Vinícius Lummertz. Antes de passar ao Jean Gorinchteyn, eu não posso aqui deixar de ter dos meus colegas jornalistas um pouquinho de bom humor, na lembrança e na memória, estou tentando até localizar aqui a cena do nosso Presidente da República, no seu gabinete dizendo: "O Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 vai sair de São Paulo. O Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 vai para o Rio de Janeiro, 99,9% já acertado que o Grande Prêmio vai sair de São Paulo e vai para o Rio de Janeiro". E aí quase que batia no peito com orgulho, dizendo que nós perderíamos o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1. Então bem humoradamente, Presidente, venha assistir o Grande Prêmio de Fórmula 1 em São Paulo, o senhor é o nosso convidado para vir aqui, pode até vir de motociclista, desde que o senhor use máscara, passe álcool em gel na sua mão e tire a temperatura, o senhor será bem-vindo para assistir. E esteja vacinado também. E possa assistir a Fórmula 1 em São Paulo, onde o senhor tinha dito que perderíamos a Fórmula 1, nos próximos dez anos seria no Rio de Janeiro, nada contra o Rio, o Rio é uma cidade linda, maravilhosa, cidade do meu amigo Eduardo Paez, por quem tenho especial estima, mas de São Paulo a Fórmula 1 não sairá. Vamos então ao Jean Gorinchteyn, pelo prisma da saúde, para que o Jean possa dar algumas informações adicionais a vocês.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Boa tarde, governador. Boa tarde, prefeito Ricardo Nunes. É uma grande alegria para o estado de São Paulo poder receber o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, esse também será um evento seguro, evento esse que além de acontecer em ambiente aberto, ar livre, ele terá todos os ambientes de acesso controlados, e mais do que isso, a vacinação, nós estamos em ritmo de vacinação bastante célere, e na oportunidade desse evento teremos grande parte desse público vacinado com a segunda dose. Além do que são espaços que terão como garantia não só a dispensação de álcool em gel, da obrigatoriedade que foi por decreto do governador João Doria, da utilização do uso de máscaras, o acesso que será avaliado no que tange tanto aferição de temperatura, mas também outras estratégias que serão, e já estão em discussão, como exigência de vacina, testagem em 48 horas antes do acesso. Então dessa maneira é um ambiente que traz segurança para quem vai assistir, e para todos aqueles que lá estiverem trabalhando. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Jean Gorinchteyn. Agora sim podemos iniciar as perguntas, nós temos aqui pela ordem, e na sequência iniciaremos, a Band Sports, da TV Band e Band News, também fala em nome das rádios. Na sequência, Motor Esporte, online. O Portal UOL, presencial. Globo Esporte, online. E a CNN, presencialmente. Então começando com a Luiza Oliveira, da Band Sports, TV Band, Band News, e Rádios Bandeirantes. Bem-vinda, Luiza. Boa tarde. Sua pergunta, por favor.

LUIZA OLIVEIRA, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Eu queria perguntar o que representa esse retorno do público com a capacidade de 100% do autódromo, como o senhor comentou? E também qual é a tendência para definição da data, o porquê desse pedido de adiamento do governo? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Luiz, primeiro obrigado por estar aqui, parabéns à Band por liderar a Fórmula 1 agora nos próximo dez anos, começando pelos grandes prêmios deste ano, e pelo primeiro Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Quero lembrar que nós assinamos um contrato, Prefeitura de São Paulo e o governo do estado de São Paulo, por dez anos, com os promotores da Fórmula 1. O pedido que foi feito ao Alan, e também à direção internacional, foi feito para permitir que nós, pelo fato de termos o feriado de 15 de novembro e a Fórmula 1, não sabia que 15 de novembro e Fórmula 1, internacional, era um feriado nacional aqui no Brasil, e para nós isso aumenta muito o ingresso de receita na cidade e no estado. Um número maior de visitantes, um número maior do potencial de vendas, do comércio varejista, no setor de alimentação, setor de bebidas, setor de transportes, taxis, aplicativos, transporte aéreo, amplia-se o número que foi apresentado aqui pelo secretário Vinícius Lummertz, poderá ter uma expansão de até 25%, e isso significa que nós podemos chegar a mais R$ 100 milhões, R$ 140 milhões de ingressos na cidade, portanto, no estado de São Paulo. Isso faz diferença. E também com isso gerar mais empregos aqui no nosso estado. O Alan, que representa a Fórmula 1 aqui, foi sensível, aliás, fez a defesa, formulou a defesa, nós estamos aguardando apenas a decisão. Porque como nós teremos dois GPs na América Latina, do México e de São Paulo, nossa proposta foi trocar com o México, o México faria exatamente nessas datas, 7 e 8, e nós faríamos 12 e 13 de novembro. E aí um feriado prolongado, e isso representa uma ocupação hoteleira muito maior, e a utilização dos serviços da cidade e do estado de São Paulo, porque quem vem para cá pode depois estender a sua permanência, pode ir para o litoral, litoral Sul, Baixada Santista, litoral Norte, ter outros programas de lazer a programas de compras e consumo aqui, essa foi a razão principal. Alan, quer complementar?

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Está perfeito, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado. Então, Luiza, muito obrigado. Agora vamos ao Erik dos Santos, da Motors Esporte, que está online. Erik, você já está online, sua imagem já está aqui presente. Boa tarde, sua pergunta, preparativo.

ERIK DOS SANTOS, REPÓRTER: Boa tarde, governador. A minha dúvida são pequenas dúvidas em uma pergunta só. Hoje, de zero a dez quais são as chances dessa mudança de data? E até por conta das restrições impostas pelo governo inglês, se ainda há alguma chance de cancelamento do GP de São Paulo? E aproveitar também uma dúvida, a partir do GP de São Paulo, as categorias brasileiras também poderão contar com público no Autódromo de Interlagos?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bem, vamos por partes, vocês vez aí quatro perguntas em uma, mas todas vinculadas, portanto, nenhuma queixa em relação a isso. Eu você pedir para o Alan responder as três primeiras perguntas, e depois eu vou pedir ao Aildo Rodrigues, que aqui está, e se necessário com a intervenção do prefeito Ricardo Nunes, em relação à sua última pergunta, relativa às outras categorias. Alan.

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Obrigado. Em relação à proporcionalidade, eu diria que seria um 50/50, em relação à mudança de data, é um quebra...

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não é tucano, imagina se fosse tucano, 50/50, qual a probabilidade, meio a meio. Fala.

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Enfim, é um quebra-cabeça, mas a gente vai lutar por isso. A sua segunda pergunta, se existe alguma chance de cancelar o GP de São Paulo, não, ela é 0%, o GP está confirmado. E a terceira pergunta, eu acredito que sim, voltando à Fórmula 1 com público em Interlagos, nada impede que as outras categorias também vão poder realizar as suas provas com público. Desde que, lógico, sigam os protocolos sanitários determinados pelas autoridades.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Perfeito, praticamente respondeu todas as perguntas. Aildo, quer fazer alguma complementação? Por favor. O prefeito diz que não precisa, dele, mas se você quiser, por favor.

AILDO FERREIRA, SECRETÁRIO DE ESPORTES DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não, exatamente isso, as outras categorias após a análise dos eventos modelo, de presença de público, como a categoria de corrida já é autorizada sem a presença de público, e avaliação da presença desse público através da análise dos eventos modelo, perfeitamente cabível, desde que autorizados os protocolos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito bem. Então vamos agora ao Flávio Latif, do Portal UOL, e mais especificamente o Portal UOL Esporte. Flávio, bem-vindo. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

FLÁVIO LATIF, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. O Alan comentou que não existe a chance de cancelar o GP no Brasil, mas caso ocorra, existe alguma compensação financeira, caso não ocorra? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom, Flávio, não tem caso, não há possibilidade de cancelamento, só se tivermos uma situação catastrófica, mas nós estamos olhando pelo lado positivo das coisas, se for assim a gente nem sai de casa, então não vou sair de casa amanhã porque pode cair o meu edifício, enfim, pode ter uma tempestade de granizo, pode ter uma situação dramática. Então não há essa expectativa nenhuma, você ouviu aqui do promotor da Fórmula 1. Eu falei, inclusive com o diretor geral da Fórmula 1, aliás, eu e o Ricardo Nunes, nenhuma possibilidade, nenhuma, só se tivermos uma situação completamente inesperada em todos os sentidos. Mas aí o problema não é só de São Paulo, passa a ser um problema muito maior do que um problema de São Paulo, e muito maior do que o problema de Fórmula 1. Então, Flávio, estamos muito tranquilos em relação à realização da Fórmula 1. E teremos essa confirmação, apenas a data. Por enquanto a data é 7 e 8 de novembro, o pleito até o dia 26 de agosto será analisado pela Fórmula 1, tem um entendimento com o México que precisa ser feito. Mas eu sou otimista sempre, então eu prefiro acreditar que nós vamos conseguir ter essa mudança, essa alteração. E aí faremos uma nova coletiva aqui para confirmar. Mas novembro será o mês do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, isso já está absolutamente seguro e tranquilo na nossa perspectiva. Flávio, obrigado. Vamos agora com a Bruna Rodrigues, da TV Globo, Globo News, e especificamente do Globo Esporte. Bruna, boa tarde. Você já está em tela, bem-vinda. Sua pergunta, por favor.

BRUNA RODRIGUES, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Eu queria saber, as consequências da pandemia elas provocaram cancelamento de etapas, como Canadá, Turquia, Austrália e Singapura. Então por serem as precauções da própria Fórmula 1 com a segurança dos pilotos, equipes e do público, questões de logística, além da taxa de vacinação da segunda dose no Brasil ainda estar um pouco abaixo do ideal pelos especialistas, e também o avanço da variante delta aqui no país, eu queria saber de que modo se deu a negociação, o processo para garantir a realização da etapa em conjunto com a gestão da Fórmula 1?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito bem, Bruna, vamos dividir a pergunta com respostas do Alan, do prefeito Ricardo Nunes, e do Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde. Evidentemente que nós temos essa preocupação, nós não permitiríamos a realização de um evento como a Fórmula 1, o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, ainda mais na dimensão que ele possui, e na sua internacionalização, quantos países estarão assistindo a transmissão feita pela Band, para mundialmente, Alan?

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: São 200 países.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Duzentos países. Então nós, evidentemente, todo o cuidado, todo o zelo para a realização deste evento, e a confirmação da sua realização. O que eu posso assegurar é que até o final de outubro toda a população em São Paulo terá recebido duas doses da vacina no braço, e eu estou afirmando isso, eu não estou supondo, até porque, se o Ministério da Saúde continuar sendo ineficiente, incapaz de fornecer vacinas para São Paulo, São Paulo comprará mais vacinas, e vai vacinar toda a população de São Paulo aqui com as duas doses no braço. Independentemente de Queiroga, de Beiroga, de governo negacionista, o governo que esconde vacina, o governo que não entrega vacina, nós vamos vacinar todas as pessoas em São Paulo com duas doses até o final do mês de outubro, incluindo os jovens na faixa de 11 a 17 anos. Agora vamos ouvir o Alan, depois vamos ouvir o Ricardo, e finalizando com a saúde com o Jean Gorinchteyn. Alan.

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Bruna, obrigado pela pergunta. Eu gostaria de esclarecer que o que a Fórmula 1 ela enxergou em São Paulo para confirmar o Grande Prêmio, para garantir, como você perguntou, foi a seriedade que o governo e a prefeitura passaram para a presidência da Fórmula 1, no seu plano de vacinação. Eles confiaram, acreditaram, e hoje estão felizes porque realmente o programa de vacinação é que vai permitir, e que deu essa garantia para a Fórmula 1 confirmar. Quando você citou casos de Canadá e Turquia, Canadá foi muito antes, Canadá não tinha nem começado, acho, o programa de vacinação, estava muito... Talvez 10% da população, 12%, eu não me lembro. E a Turquia lá atrás realmente tinha o problema de não poder, as equipes, os pilotos voltarem para a Inglaterra também naquela ocasião. Hoje é um cenário muito diferente, e principalmente que o Brasil está vivendo, e isso deu então a garantia para a Fórmula 1 de confirmar o Grande Prêmio de São Paulo.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Alan. Prefeito Ricardo Nunes.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Bruna, uma questão importante que eu queria compartilhar com você, é de que nós temos plena confiança nas áreas técnicas, eu tenho plena confiança na nossa vigilância sanitária, por isso quando nós fizemos aqui o trabalho de atingir 70% das pessoas vacinadas com primeira dose, foi aberto à Paulista das 8h às 12h, e Anhangabaú. Depois o Anhangabaú com 80%. Então a gente foi fazendo as etapas, todas as ações da prefeitura foram feitas junto com a vigilância sanitária, que tem uma equipe técnica muito comprometida, muito capaz. O Alan falou bem, quando iniciou-se as conversas, a própria organização da Fórmula 1 tinha uma grande preocupação, que era com relação à essa questão da capacidade de vacinação e da cidade fazer a segurança sanitária. Então da nossa parte está tranquilo, relembrando, nós atingimos ontem, 99,2% da população aqui vacinada. Nós temos um protocolo bastante rígido, que vai ser apresentado com relação à realização do evento. Então da nossa parte eu tenho muita tranquilidade, com relação ao protocolo que a vigilância sanitária municipal irá colocar, e a população de São Paulo, e todos os outros que vierem aqui assistir a Fórmula 1 podem ter muita tranquilidade, que realmente é de altíssima competência a equipe, com muita seriedade, e eles trabalham de uma forma muito independente, cabe ao prefeito seguir as orientações da vigilância, que é o que a gente tem feito, o Bruno fazia e eu continuo fazendo.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Ricardo. Agora é com o Jean Gorinchteyn.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Todos os protocolos de segurança serão seguidos, estão sendo definidos pelas vigilâncias sanitárias, para serem de forma efetiva executados, e garantirem para os pilotos, para os colaboradores, aqueles que estiverem ali trabalhando, e para toda a população que lá for, um ambiente absolutamente seguro. Nós temos uma campanha vacinal bastante acelerada, o estado de São Paulo tem 44 milhões de doses da vacina ministradas para a sua população, com 92% da população alvo, ou seja, acima de 18 anos, já com a primeira dose da vacina ministrada. São Paulo, a grande São Paulo, uma das áreas mais demográficas, com 99,2% desse público vacinado, e nós temos 69,90% da população de todo o estado, de todas as faixas etárias também imunizadas. Nós superamos a vacinação da França, da Itália, do Reino Unido, de Israel, e também a vacinação dos Estados Unidos. E teremos, na oportunidade, do evento da corrida, a segunda dose em grande parte desse público. Ou seja, criando ambiente seguro, de acesso seguro, de disponibilização de álcool em gel, obrigatoriedade do uso de máscara, algo que muitos países não fazem essa exigência em suas corridas, além do que testagem, exigência de vacinação criará um ambiente absolutamente seguro para todos aqueles que lá forem para assistir.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito obrigado. Bruna, apenas para complementar, acho que temos aí um conjunto de boas informações para você, mas também o futebol, terá, que aliás, a TV Globo transmite, terá também o seu protocolo, com a liberação dos estádios em São Paulo, a partir de 1 de novembro, com protocolos, assim como a Fórmula 1, para garantir a volta gradual e segura das torcidas aos estádios de futebol. Oportunamente divulgaremos isso em conjunto com a Federação Paulista de Futebol, com a CBF. Então obrigado, Bruna. Vamos agora à Soraya Lauand. É assim que pronuncio corretamente? Ou Laund? Da CNN. Lauand. Desculpa. Soraya, bem-vinda. Boa tarde. A Soraia é da CNN. Sua pergunta, por favor.

SORAYA LAUAND, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Prefeito retornar um pouco nessa questão de protocolos e segurança, hoje é o último dia das restrições do plano São Paulo, amanhã já volta então para essa retomada segura, com a Fórmula 1 marcando aí oficialmente essa retomada do turismo também, e da economia na cidade, no país. Os eventos sociais, comércios e serviços, a dúvida, a grande dúvida, já que não há restrição de ocupação, mais permaneça a necessidade do distanciamento, aquele cálculo de ocupação precisa ainda ser realizado, como que vai funcionar essa questão de fiscalização? E, governador, se o senhor poderia falar um pouco sobre essa carta, que foi divulgada, dos 13 governadores em apoio aí em solidariedade, em defesa da democracia, em solidariedade ao STF. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Soraya. Vou começar pela última questão, e depois a primeira vou dividir com Ricardo Nunes, prefeito da capital de São Paulo. O governo do estado de São Paulo foi o segundo a assinar a carta, quando fui convidado a fazê-lo, pelo Fórum de Governadores, que tem a coordenação de Wellington Dias, governador do estado do Piauí, com a consciência de que a Corte Suprema do Brasil, o Supremo Tribunal Federal, faz a defesa da Constituição, e mantém-se firme na defesa da democracia tão ameaçada no nosso país nesses dois anos e meio de mandato de governo Bolsonaro. É lamentável que tenhamos que ficar e acreditar que a Suprema Corte seja a última instância para proteção da democracia no país, isso não deveria ocorrer jamais, esse flerte com a ditadura, com autoritarismo do governo Bolsonaro, é lamentável, é triste, para não dizer um crime com a democracia do Brasil, depois de termos enfrentando uma ditadura militar, que ele saúda e eu condeno. Portanto, eu assinarei, assim como qualquer outro movimento popular, da sociedade civil, de associações, de sindicatos e dos governadores, para proteger a democracia, contém com São Paulo, São Paulo defende a liberdade, e defende a democracia. Ricardo, no primeiro tema, da fiscalização, na pergunta feita pela Soraya.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Soraya, os dados que a gente tem até o presente momento eles são muito importantes, para nos dar uma diretriz de como agir, e de como fazer a abordagem, a orientação a todos aqui na cidade de São Paulo. Hoje nós estamos com 46% dos nossos leitos de UTI ocupados, 23% dos leitos de enfermaria, portanto, em uma situação que ainda requer atenção, mas de muito mais tranquilidade do que era há dois meses atrás. Então é muito nítido que com o aumento da vacinação, das pessoas vacinadas, nós vamos tendo redução significativa do número de óbitos, do número de internações, em UTI e nas enfermarias. Então nos vai dando segurança para ir avançando na retomada econômica. Nós estamos fazendo algumas experiências com locais abertos, como a Paulista, monitorando, fazendo o monitoramento diário, com relação ao comportamento da COVID-19, inclusive da variante delta, a gente hoje sai um novo resultado, toda segunda-feira a gente tem o resultado dos exames que a gente envia para fazer o sequenciamento genético, até então nós estamos com 149 pessoas, se você fizer uma comparação do mundo, é um número que a gente tem que ficar atento, mas não há ainda motivo de entrar em um estado de alerta de grande preocupação. Não que não seja preocupante, digo de grande preocupação. Estamos monitorando, todas as pessoas que foram detectadas aqui, a vigilância sanitária está monitorando. Então a situação é tranquila. Lembrando que, ao que parece, pela tendência mundial, você pega os Estados Unidos, muitos países da Europa, o delta já tem 80% das pessoas lá com essa variante. Aqui em São Paulo nós temos uma situação de bastante controle, eu acho que não existe motivo no momento, para alguma preocupação, e a gente consegue dessa forma, com muita segurança, com muita tranquilidade, ir avançando com relação à retomada econômica, que é fundamental para a gente diminuir a pobreza e a desigualdade social, que se agravou demais, por conta da pandemia.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Ricardo. Soraya, muito obrigado, respondida, acho, que as suas duas questões. Antes de terminar, o Alan Adler quer acrescentar uma informação, creio que com respeito à venda de ingressos, é isso, Alan?

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: É rápido, obrigado, governador. Nós estaremos abrindo uma lista de espera para os interessados em comprar os ingressos, no site www.f1saopaulo.com.br, até o dia 27. Então só queria passar essa informação. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Aproveitando para dar uma informação, cumprimentar a vocês também, Alan, em quanto tempo foram vendidos os ingressos até aqui colocados à venda, em qual tempo as vendas foram realizadas? Vocês vão se surpreender. Alan.

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Foram em nove horas, o que não se vendia em seis meses, realmente uma demanda reprimida muito grande.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Em nove horas foram vendidos quantos ingressos, Alan?

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Próximo de 40 mil ingressos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: qual o preço médio do ingresso?

ALAN ADLER, PROMOTOR DO NOVO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: O mais barato é R$ 610, então entorno de R$ 900.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Estou no meu papel de jornalista aqui, viu, Maria Manso? Estou voltando aqui à minha função do passado. Para vocês terem uma ideia da importância disso, e da dimensão econômica, e do entusiasmo que gera a Fórmula 1 para todos os brasileiros, e principalmente para nós aqui em São Paulo, não é, Ricardo? Nós estamos seguros de estarmos fazendo um golaço pelo Brasil, pela imagem da cidade de São Paulo, do estado de São Paulo, para a geração de emprego, geração de renda, a capitação do turismo e a volta gradual e segura do normal. Soraya, apenas para voltar a dizer a você, é uma volta gradual, nós não temos a liberação geral no estado, nem na cidade, nem no estado, a partir de amanhã, é uma liberação a flexibilização gradual e segura, como sempre fizemos, aqui continuará mandando a ciência, a saúde e a vida, aqui a ignorância não manda, porque a ignorância mata e a ciência salva. E queria por último mostrar para vocês a campanha que começa hoje à noite em todo o país, uma campanha de promoção do turismo, repito, com os protocolos, mas já com a possibilidade de reativarmos um setor que sofreu muito ao longo desses 18 meses, assim como o setor de gastronomia, o setor de eventos, o setor de shows, espetáculos, as atividades culturais, que voltarão gradualmente, repito, de forma segura e com protocolos. Mas voltando, e retomando. E vacinando, minha gente, que é o que nós vamos fazer aqui, mais do que nunca é vacinar, nós batemos três recordes em uma semana de vacinação no estado de São Paulo, e o mesmo aconteceu aqui na capital. Na sexta-feira vacinamos 717 mil pessoas, um recorde histórico, desde o início da vacinação contra a COVID-19, em São Paulo, para vocês terem uma ideia, isso representou quase 50% de toda a vacinação no Brasil, foi feita aqui em São Paulo. Eu queria mostrar para vocês então nesses 60 segundos, nesse um minuto, o filme que nós estaremos veiculando, e espero que em todas as emissoras de televisão, sem exceção, e particularmente na Band, que vai transmitir o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Vamos lá.

APRESENTAÇÃO DE VÍDEO: "São muitos lugares em um só lugar, campo, cidade, montanha, Sol e Mar. Tantos sabores para experimentar, São Paulo para Todos. São Paulo está com muita saúde de vocês, e sabe o principal motivo? São Paulo é para todos, São Paulo é um estado que acolhe todo o Brasil, que tem lugares espetaculares, é o estado do Butantan, que leva a esperança da vacina para todos. Respeitamos você, e todos os cuidados para te receber com toda hospitalidade, ainda com distância, mas de braços abertos. São Paulo para Todos. Governo de São Paulo, trabalho e respeito por você".

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É isso, obrigado, pessoal. Boa tarde, a todos. Quarta-feira estaremos juntos aqui na nova coletiva de imprensa. Fiquem bem, fiquem protegidos, fiquem com Deus. Obrigado, pessoal. Boa tarde, a todos.