Coletiva - Governo SP confirma chegada de mais 5,5 milhões de doses da Coronavac no dia 24 20202112

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo SP confirma chegada de mais 5,5 milhões de doses da Coronavac no dia 24 20202112

Local: Capital - Data: Dezembro 21/12/2020

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, a todos. Vamos dar início a mais uma coletiva de imprensa aqui no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo. Desta feita, com a participação do presidente do Instituto Butantã, Dimas Covas; Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado de São Paulo; Coronel Álvaro Camilo, secretário executivo da Polícia Militar da Secretaria Segurança de São Paulo; Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia; Marco Vinholi secretário de Desenvolvimento Regional; E João Gabbardo, coordenador executivo do centro de contingência do COVID-19. A mensagem de hoje é uma homenagem aos profissionais médicos, enfermeiros, paramédicos, e os que mesmo não sendo médicos ou paramédicos atuam em centros de saúde públicos e privados. A luta pela vida continua, mas nós não podemos deixar de lembrar estes profissionais que em São Paulo e no Brasil ajudaram a salvar milhares de brasileiros, e continuam a ajudar. São os nossos heróis de 2020, se pudéssemos oferecer um grande prêmio a aqueles que se destacaram em 2020, esse destaque é paramédicos, enfermeiros e paramédicos do Brasil. Em São Paulo ajudaram a salvar mais de 800 mil vidas, mas 45 mil foram perdidas, 45 mil pessoas perderam suas vidas aqui no estado de São Paulo. Mais de 186 mil vidas foram perdidas no Brasil. A nossa gratidão a esses profissionais da medicina de todo o Brasil, e a nossa solidariedade a aqueles que perderam as suas vidas salvando vidas, foram centenas de profissionais de saúde em São Paulo e no Brasil, que se foram porque escolheram a profissão para salvar vidas, e fizeram de tudo para salvar a vida de muitos brasileiros. E salvaram, e pagaram com as suas próprias vidas. Quero também reconhecer e agradecer o trabalho dos médicos do centro de contingência do COVID-19, são 20 médicos especialistas em infectologia, epidemiologia, que trabalham gratuitamente desde o dia 26 de fevereiro para orientar todas as ações do governo do estado de São Paulo. Continuamos com todos eles, atuando, se dedicando e se esforçando além das suas atividades acadêmicas e médicas para salvar vidas em São Paulo, orientando todas as ações do governo do estado de São Paulo. Em nome do Jean Gorinchteyn, do Dimas Covas, do João Gabbardo, três dos 20 integrantes deste comitê que aqui estão, muito obrigado. Obrigado pelo esforço, pela dedicação, pelo desprendimento, ao lado de outros 17 heróis que nos ajudam ao longo desses dez meses, e continuarão a nos ajudar ao longo dos próximos meses, até que tenhamos a plena vacinação de todos os brasileiros. Hoje nós temos três informações aos jornalistas que aqui estão, a primeira sobre a vacina, São Paulo recebe no próximo dia 24 de dezembro, véspera do Natal, mais 5,500 milhões de doses da vacina do Butantã. Matéria-prima para 5,5 milhões de doses chegará em mais um voo vindo da Sinovac, em Pequim, representando o maior lote de vacinas já desembarcado no Brasil, e também no continente latino-americano, até então tínhamos recebido um lote maior, 2 milhões de doses da vacina, agora 5,5 milhões de doses da vacina chegam a São Paulo no próximo dia 24, véspera do Natal. Hoje já temos aqui em solo brasileiro 3,120 milhões de doses armazenadas em segurança no Instituto Butantan. Com a chegada desse novo lote de vacinas, o Instituto Butantan já terá aqui em São Paulo 8,800 milhões de doses da vacina contra a COVID-19. Mas temos mais dois carregamentos de vacinas que chegarão a São Paulo ainda este ano, antes do dia 31 de dezembro, 400 mil doses no próximo dia 28 de dezembro, e 1,600 milhão de doses no dia 30 de dezembro. Com isso, São Paulo terá até 31 de dezembro, portanto, ainda este ano, 10,800 milhões de doses da vacina do Butantan, da vacina contra a COVID-19 em solo brasileiro. Segunda informação de hoje sobre seringas e agulhas. São Paulo está adicionando mais 100 milhões de seringas e 100 milhões de agulhas ao seu estoque para a vacinação contra COVID-19, iniciamos o processo de compra de 100 milhões de seringas e 100 milhões de agulhas para a aplicação da vacina do Butantan, adicionalmente ao estoque já disponível na Secretaria de Saúde do estado de São Paulo. Nós estamos ampliando o estoque para termos certeza, convicção de que nenhum insumo faltará para o sistema médico do estado de São Paulo, para atender à população na vacinação que começa, repito, no dia 25 de janeiro aqui no estado de São Paulo. As seringas, as agulhas, assim como os EPIs − Equipamentos de Proteção Individual, serão distribuídos nos 645 municípios do estado de São Paulo em um sistema de abastecimento dentro do Programa Estadual de Imunização, para que tudo possa começar conforme planejado e organizado no dia 25 de janeiro. Terceira e última informação de hoje, não é de saúde, mas é de segurança pública. O governo de São Paulo contrata mais 2.500 câmeras corporais dentro do programa denominado Olho Vivo. Na semana passada recebemos as 20 primeiras viaturas blindadas da Polícia Militar, de um total de 300 veículos blindados que serão entregues ao longo de 2021, tanto para a Polícia Civil, quanto para a Polícia Militar. É o maior contingente de veículos blindados em qualquer polícia no Brasil, em qualquer tempo. E agora estamos contratando mais 2.500 câmeras corporais, as chamadas body cams. Com isso, São Paulo passará a ter mais de 3 mil câmeras corporais para os seus policiais militares, com um investimento de R$ 36 milhões. Vocês conhecerão hoje aqui o sistema que será apresentado pelo Coronel Camilo, e por oficiais da Polícia Militar do estado de São Paulo, como funciona o sistema denominado Olho Vivo, que terá acionamento remoto, portanto, o controle não será obrigatoriamente e exclusivamente do policial, e si do COPOM - Centro de Comando de Operações da Polícia Militar. Todo o conteúdo será armazenado em nuvem, e teremos transmissão em tempo real. É a mais moderna e atual tecnologia do mundo disponível aqui para a Polícia Militar do estado de São Paulo. Isso vai permitir, por óbvio, o acompanhamento instantâneo das ações dos policiais em qualquer região do estado de São Paulo. O equipamento também possui GPS, que permite a localização imediata de cada policial, aonde ele estiver em território do estado de São Paulo. Qual o objetivo? Melhorar a qualidade do atendimento das ações de pronta-resposta da polícia do estado de São Paulo, garantindo transparência, maior proteção à população, e também a convicção de que nós estaremos com isso, atendendo a maioria expressiva dos bons policiais do estado de São Paulo, que podem e estarão utilizando as suas câmeras corporais para defender vida dos brasileiros que vivem em nosso estado. Bem, vamos ao primeiro tema, que é o tema da chegada de mais vacinas em território brasileiro, com o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Boa tarde, governador. Se o senhor me permite, além das vacinas, eu gostaria de fazer nessa uma das últimas coletivas do ano, um pequeno resumo das atividades que nós fizemos nesse período. Governador, o Butantan nunca foi tão desafiado na sua história, desde o começo desse ano já com o aparecimento da gravidade da pandemia em várias regiões do mundo, nós começamos a nos preparar porque sabíamos que esse desafio poderia ser talvez o maior de nossa história. E assim foi feito, governador, o Butantan desde o começo do ano tomou uma série de iniciativas que hoje se mostraram que foram fundamentais. Assim nós montamos no começo do ano a rede estadual de laboratórios para o teste do Coronavírus, a rede hoje que realiza mais de 12 mil exames por dia, em associação com universidades, e associação com laboratórios públicos e privados. Um grande exemplo, governador, um grande exemplo de compromisso dessas instituições, mais de 28 instituições participando desse esforço, ajudando o estado no combate dessa terrível pandemia. Fizemos também, governador, a reunião de um grupo de epidemiologistas que montou um time de modelagem, e esse time de modelagem tem fornecido os dados, os dados que nos permite acompanhar a evolução da epidemia, e esses dados tem se mostrado fundamentais para a tomada de decisões do centro de contingencia. Então gostaria também de agradecer a esses epidemiologistas que trabalham de forma abnegada, sem remuneração, mas que fornecem os dados que são fundamentais. Também, governador, nós no começo do ano acionamos a área de soros e vacinas do Butantã, e esse grupo de pessoas, um time grande, larga experiência, desde o começo do ano tem se dedicado a esses dois temas. E hoje, governador, nós temos um soro anticoronavírus pronto, nós temos 3 mil ampolas desses soros pronto, esperando autorização da ANVISA para iniciar estudos clínicos. E soro, diferente de vacina, é tratamento. Então brevemente poderemos iniciar um estudo clínico no Brasil capitaneado aqui pelo estado de São Paulo na área de tratamento da doença com soro heterólogo altamente potente. Na área de vacinas, o grupo de vacinas do Butantã prospectou vacinas no mundo inteiro, e chegou em um determinado momento à conclusão de que essa parceria com a China, com a Sinovac, era a parceria mais promissora, era a parceria que poderia trazer uma vacina para o Brasil, mais rapidamente. No dia 10 de junho o senhor anunciou o acordo, a assinatura do acordo. Passados seis meses, nós temos a vacina sendo produzida, nós temos vacinas em estoque para atender o Brasil. Anunciei aqui nesse espaço governador, por várias vezes, às vezes, com descrédito que muitos que nos assistiam, que essa poderia ser a primeira vacina do Brasil. Felizmente acho que acertamos e estamos muito próximos de ver essa vacina ser usada em massa pela primeira vez aqui no Brasil, muito brevemente. Governador, eu preciso agradecer, nesse momento, a cada um dos 2.600 funcionários do Butantan, pessoas que se desdobraram, que se desdobram dia e noite pra que esse conjunto de ações possa continuar acontecendo, eles são heróis, governador, são heróis, ficam na retaguarda, mas eles são responsáveis por tudo isso que está acontecendo. Então, se o senhor me permite, governador, eu gostaria de agradecer publicamente aos funcionários, aos 2.600 funcionários do Butantan, né, e tenho a impressão que esse é o momento muito apropriado para fazer isso, obrigado de coração, pessoal, obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan. Agora, o tema da saúde com o nosso secretário de saúde do Estado de São Paulo, médico infectologista do Hospital Emílio Ribas, do Complexo Hospital das Clínicas e secretário de saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn. O Jean coordena todo o grupo de trabalho do sistema estadual de imunização, que tomou a iniciativa e o cuidado de ampliar a disponibilidade em estoque de seringas e agulhas, além de equipamentos de proteção individual, para assegurar total controle sobre todo processo de vacinação aqui no Estado de São Paulo, adicionando mais produtos, seringas e também as agulhas, além dos EPIs, ao estoque que São Paulo já tinha. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, governador, boa tarde a todos, estamos na 52ª semana epidemiológica, e temos que estar atentos, o vírus está cada vez mais próximo de todos nós, tenho a certeza que todos que aqui estão ou nos assistem, estão com algum amigo, um parente, um conhecido que tiveram seu diagnóstico, ou internaram, ou, infelizmente, morreram em decorrência da Covid nas últimas semanas. Precisamos respeitar a quarentena, estamos esgotados, porém a pandemia continua com força total, ainda continuamos elevando os índices da saúde. Em relação a última semana epidemiológica, tivemos um aumento de 3% no número de casos, 6% no número de óbitos e uma queda muito discreta, de 1%, no número de internações. A ocupação dos leitos de unidade de terapia intensiva mostraram, no Estado de São Paulo, uma taxa de ocupação de 61,8%, enquanto que na grande São Paulo esse índice ainda foi maior, de 66,8%. Se nós fizermos uma análise das últimas quatro semanas epidemiológicas, ou seja, da 48ª a 51ª, nós tivemos um aumento de 54% no número de casos, 34% no número de óbitos, e tiveram também um incremento de 13% no número de internação, estamos reforçando os leitos de UTI, estamos reforçando os leitos nas unidades de enfermaria em todo estado, estamos nos esforçando muito, porém precisamos do apoio de toda a população nos ouvindo nos apelos de colaborar no seguimento das regras sanitárias. As aglomerações em praias, festividades, clubes, encontros, são cenários de risco para uma maior circulação de pessoas e, com elas, também a circulação do vírus. Falta pouco, muito pouco, vamos aguardar que, em breve, teremos a vacina, que estará podendo nos remeter ao nosso novo normal. Enquanto isso, precisamos de cada um de vocês, de cada um pra que não haja a sobrecarga do nosso sistema de saúde, hoje não temos só o Covid para dar assistência, temos, além do Covid, outras doenças, aquelas doenças que nós pedíamos pras pessoas ficarem em casa e que acabaram se agravando, muitos infartaram, muitos tiveram derrame cerebral, as atividades voltaram e, com elas, os acidentes e eles também ocupam as unidades de terapia intensiva. Então, desta maneira, nós precisamos a colaboração de todos. Primeiro slide, por favor. Nós temos hoje, no Estado de São Paulo, um milhão 388 mil e 43 casos, infelizmente 45.136 pessoas perderam as suas vidas. Próximo. Na média diária de novos casos, nós tivemos o incremento de 3% do número de casos. Próximo. Nas novas internações, uma ligeira queda de 1%. Próximo. E no número de óbitos, 6% em relação à semana epidemiológica anterior. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Dr. Jean Gorinchteyn, secretário da saúde do Estado de São Paulo. Agora, virando para o tema de segurança pública, vamos ouvir o Coronel Álvaro Camilo, que é o secretário executivo da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, e que, com a colaboração do Coronel [ininteligível] e o Coronel Cabana, vai apresentar a vocês aquilo que nós prometemos aqui ainda no primeiro semestre deste ano, equipar a polícia do Estado de São Paulo com as body cams, um sistema moderno de tecnologia, com transmissão de imagens ao vivo e que faz parte da polícia americana, polícia japonesa, polícia inglesa, agora também na polícia de São Paulo. Coronel Camilo.

CORONEL ÁLVARO CAMILO, SECRETÁRIO EXECUTIVO DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO: Governador, boa tarde, boa tarde a todos. A segurança continua avançando em São Paulo, poderíamos falar aí dos indicadores, temos os melhores indicadores do Brasil, de longe, e todos os indicadores de São Paulo estão em queda, isso é fruto das operações Mais Seguro, São Paulo Mais Seguro, Interior Mais Seguro, Rodovia Mais Seguro, tudo isso tem trazido um bom resultado, graças também aos nossos policiais, que estão na ponta da linha, executando esse serviço. E além das inovações, governador, BAEP, DEICs regionais, delegacias eletrônicas 24 horas, delegacias da mulher, né, 24 horas, eu vou me focar só na tecnologia, começamos lá atrás, com o SOS Mulher, fazendo diferença na proteção da mulher, caminhamos nessa linha, dois COPOMs estão sendo construídos, né, com nova tecnologia, em São José e Ribeirão Preto, e também nessa linha colocamos aí em funcionamento a maior, e talvez a primeira divisão de tecnologia de crimes cibernéticos da América Latina, inaugurada semana passada com a nossa Polícia Civil. Agora, vamos falar do tema de hoje, que são as câmeras, começamos lá com 85 câmeras, ainda [ininteligível], não tinha gravação em nuvem, aí fruto dessas reuniões semanais de discussão com o governador, fizemos uma parceria e trouxemos mais 500 câmeras, aí contratamos, né, por uma parceria, mais 500 câmeras, essas, sim, já com gravação, já com tecnologia, porém ainda aquém do que o Governo do Estado precisava, que era a gravação ininterrupta de tudo que acontece com o policial no seu dia a dia, mostrando a boa ação do policial de São Paulo. Então, estamos fazendo, hoje, essa semana, contratação dessas 2.500 câmeras com uma nova tecnologia, que o Coronel Cabanas vai demonstrar pra nós agora. Por favor, Cabanas.

CORONEL CABANAS: Boa tarde, governador, boa tarde a todos. A Polícia Militar há anos vem estudando e testando vários sistemas e equipamentos, o programa Olho Vivo, ele veio pra consolidar esse estudo, e já em primeiro de agosto iniciamos com 585 câmeras um sistema, que é o sistema adotado pelas principais e mais desenvolvidas cidades do mundo, posso citar aqui Los Angeles, Nova Iorque, Londres, Berlim, é o sistema que estamos utilizando hoje, o novo sistema, por favor, próximo slide, o novo sistema, ele vai mais longe, ele busca uma inovação em que no mundo ainda não se pratica, nós colocamos pras empresas a necessidade de nós avançarmos na tecnologia, e elas aceitaram o desafio, e esse é o sistema que nós vamos implantar na Polícia Militar, é o sistema de gravação contínua, o policial, quando ele entra de serviço, ele recebe o equipamento e passa a gravar todo o turno de serviço, essa câmera permite acionamento remoto, não só pelo COPOM, mas por qualquer imóvel da Polícia Militar, qualquer, inclusive viaturas móveis, mas que tenham conectividade, é possível fazer o acionamento desse equipamento. Também é possível fazer o live streaming, que é uma transmissão ao vivo pra qualquer lugar em que seja necessário, potencializando as ações da Polícia Militar em grandes eventos, em gerenciamento de crises, em que a transmissão da imagem é fundamental pra tomada de decisão. E um outro requisito e esse trabalha muito na segurança do policial, governador, é o posicionamento global por satélite, mas ativo, porque essa câmera, agora, em conectividade, a internet das coisas tá chegando, e como a câmera tem conectividade, é possível que nós possamos encontrar o policial em qualquer lugar que ele esteja, porque, até então, as polícias no mundo utilizam GPS nos veículos, mas todos sabem que os policiais não atendem ocorrência nos veículos e sim em vários locais. Então, nós estamos ampliando muito a segurança dos policiais. Por favor. Já pra 2021, nós esperamos, então, ter dez mil câmeras em funcionamento, porque nós já vamos lançar um edital agora em janeiro para mais sete mil câmeras nessa mesma sistemática. Por favor. Muito obrigado, governador. Obrigado a todos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Coronel Cabanas, lembrando que esse sistema, chamado Olho Vivo, é o que há de mais moderno, repito, na tecnologia do mundo, é equivalente a tecnologia utilizada pela polícia japonesa, sul-coreana, norte-americana e a polícia inglesa, não há no país nenhuma Polícia Militar com sistema semelhante, e nós temos esse serviço, inclusive com treinamento dos policiais, sob o comando do Coronel Cabanas, Coronel [ininteligível], ambos estão aqui, podem atender vocês depois, se necessário. Parabéns, Camilo, parabéns ao General João Campos, General João Campos estão em férias por alguns dias, mas está nos assistindo aqui da sua cidade, General, parabéns, mais um passo na tecnologia da polícia de São Paulo, e inauguramos também, falando em polícia, na semana passada, a primeira delegacia de crimes cibernéticos do país, instalada aqui no centro da cidade, no Palácio da Polícia, com altíssima tecnologia, operada pela Polícia Civil do Estado de São Paulo, são mais de 100 policiais treinados para o atendimento vinculado a tentativas de crimes cibernéticos aqui no Estado de São Paulo, também é a primeira polícia do Brasil a ter uma delegacia inteiramente especializada, com mais de 100 policiais, a crimes cibernéticos. Bem, feitas essas três informações, que havíamos anunciado para a imprensa, vamos atender aos jornalistas que aqui estão, eu preciso só da lista dos jornalistas, que eu não recebi, se alguém puder me trazer, aqui, obrigado, Jean. Então, vamos começar com, vou seguir a ordem que está aqui, Marcos dos Anjos, da TV Globo, Globo News, depois Luciana Magalhães, do The Wall Street Jornal, depois da Phoenix TV, da China, [ininteligível], depois a Record TV, com Daniela Salerno, na sequência TV Cultura, com Adriana [ininteligível], Rádio Bandeirantes e Rádio Band News FM com o jornalista Lucas Josino, Rádio Jovem Pan, com Nani Cox, e a Carolina Riguengo da RedeTV. Então, tem uma pequena alteração, começando com o The Wall Street Jornal, com a Luciana Magalhães, que já está aqui conosco. Luciana, muito obrigado, é a primeira vez que, pessoalmente, você participa, virtualmente você, como correspondente do The Wall Street Jornal, já participou, mas, presencialmente, é a primeira vez, bem-vinda, sua pergunta, por favor.

LUCIANA MAGALHÃES, REPÓRTER: Muito obrigada, governador, boa tarde, boa tarde a todos. Minha pergunta é com relação ao comitê internacional independente, que está acompanhando os estudos da Coronavac, feitos pelo Butantan, eu gostaria de saber exatamente quantos membros compõe esse comitê, de que países são esses membros, e como é que esse comitê foi formado, quem indicou esses membros? Partiu de vocês? Partiu de uma entidade internacional? Essa é minha pergunta, muito obrigada a todos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Luciana, muito obrigado a você pela pergunta, e o Dr. Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, responderá. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Bem, esse comitê é o comitê de acompanhamento de segurança e de eficácia da vacina, ele é composto por cinco membros, especialistas da área e são convidados especialmente para essa função, não são remunerados, absolutamente voluntário, com a concorrência das instituições a que eles pertencem. Esse comitê é independente, quer dizer, ele recebe os dados de forma possível de análise, com todos os cálculos estatísticos, e eles emitem a sua opinião independentemente de qualquer ligação. Os membros não são nem do Brasil e nem da China, são membros do mundo, infelizmente não posso revelar a você, porque isso é objeto de sigilo. Então esses membros eles têm essa característica. Absoluta independência em relação à análise dos dados.

REPÓRTER: Qual o critério para formação? Quem indicou esses membros?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Eles são escolhidos primeiro pela especialização na área, quer dizer, eles têm que ter currículo, tem que participar de importantes órgãos relacionados à vacina no mundo inteiro, portanto, são os melhores especialistas nessa área. E que já tenham tido trabalhos assemelhados em outras situações com outras vacinas.

REPÓRTER: Obrigada, doutor Dimas. Obrigada, governador. Boa tarde.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigada, Luciana, uma boa tarde a você. Obrigado, Dimas Covas. Agora sim vamos à TV Globo, Globo News, com o jornalista Marcos dos Anjos. Boa tarde, bem-vindo mais uma vez. Sua pergunta, por favor.

MARCOS DOS ANJOS, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Tudo bom? Pergunto a você, também ao secretário de Saúde, doutor Jean Gorinchteyn, a respeito do cronograma que estava mantido para o dia 23, saber se esse cronograma está mantido? E também a respeito do sistema SIVEP, se enfim, ele ontem apresentou falha, e se comprometeu a atualização dos dados? Se esse problema, enfim, está afetando vocês hoje também?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Marcos, vou dividir a resposta, são duas perguntas em uma, a primeira parte da sua pergunta será respondida pelo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantã, pelo doutor Dimas Covas. E na sequência o doutor Jean Gorinchteyn, a segunda parte da sua pergunta. Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Marcos, o estudo clínico ele foi encerrado com mais de 13 mil participantes incluídos, e os dados desse estudo foram então submetidos à análise que envolvem aí a decisão, vamos dizer assim, a recomendação final e apresentação dos dados pelo comitê internacional. Isso vai acontecer no dia 23, a data está mantida.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. A segunda parte da pergunta, do Marcos.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE SO ESTADO DE SÃO PAULO: Marcos, obrigado pela pergunta. Extremamente importante. Nós tivemos na semana passada, especificamente na quarta-feira e ontem, uma instabilidade novamente do sistema SIVEP-Gripe. Dessa vez não foi só São Paulo que apresentou problemas, mas nós também tivemos problemas para o estado de Goiás. A questão existe a possibilidade de serem inseridos os dados, mas esses dados para serem resgatados para gerarem a produção de relatórios para que possamos saber número de óbitos e de casos, acabou tendo dificuldade. Felizmente hoje nós já aportamos nos dados que já foram relacionados e referidos, esses dados que haviam sido represados nos últimos dias, mas que ali estão compondo os números de forma totalmente atualizada.

MARCOS DOS ANJOS, REPÓRTER: Esses dados que o senhor apresentou hoje já são os mais novos?

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Os que foram apresentados hoje eles já contemplam todas as dificuldades de acesso do domingo. Portanto, eles já estão computados.

MARCOS DOS ANJOS, REPÓRTER: Maravilha. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, a você, Marcos. Obrigado, doutor Dimas Covas. Obrigado, doutor Jean Gorinchteyn. Agora sim, da Fenix TV, da China, a jornalista Lyn [Ininteligível]. Muito obrigado por estar aqui entre nós, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

LYN, REPÓRTER: Boa tarde. Obrigada, governador. Eu vou voltar ao Coronavac. A China usará o Coronavac para vacinar a população, e a zona administrativa especial de Hong Kong vai vacinar grande parte da população com a Coronavac. Existe uma expectativa muito grande com esse estudo que foi feito no Brasil. Em que pé está? E se vai ser anunciado mesmo no dia 23?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Lyn. Doutor Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Lyn, a sua pergunta é muito oportuna, essa é uma vacina mundial, e o anúncio será feito em conjunto com o Brasil/China no dia 23, em um horário que seja compatível com as duas cronologias. Na China o órgão regulatório receberá os dados, ao mesmo tempo que a nossa ANVISA também receberá esses dados, e o órgão regulatório chinês poderá rapidamente dar o registro dessa vacina. E com isso se dispara o registro em todos os países que já tem a vacina, e que estão aguardando exatamente esse registro para poder iniciar a vacinação. Na China, certamente, já existem muitas pessoas vacinadas com essa vacina, e agora com a perspectiva de vacinação em massa utilizando não só essa, mas também as demais vacinas em andamento lá na China.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, doutor Dimas. Lyn [Ininteligível], da Fenix TV, da China, obrigado pela sua participação. Agora sim, a Record TV, com a Daniela Salerno. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

DANIELA SALERNO, REPÓRTER: Boa tarde, a todos. Doutor Jean, o senhor fez um apelo aqui a respeito de aglomeração, e o que a gente vê dia após dia, não só aqui na capital, como nas praias, é aglomeração. Eu queria entender o que vocês estão imaginando que aconteça, ou se preparando, como estão se preparando para o início do ano, já que essas aglomerações não estão parando, né? E se a taxa de isolamento ainda imagino que esteja sendo medida, se a gente tem esses números, como que está o isolamento no estado e na capital, por gentileza. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Daniela. Doutor Jean Gorinchteyn.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Daniela, nós preciosismos mais do que nunca, do apoio das municipalidades, dos prefeitos, das vigilâncias sanitárias locais que vão nos ajudar a fazer uma fiscalização muito mais austera. Nós aumentamos a fiscalização, a quantidade de fiscais já há três semanas. Nós tínhamos no estado de São Paulo 200 fiscais, hoje quintuplicamos, chegando a mil fiscais que façam essa abordagem, mas nós precisamos da ação dos municípios, são eles que vão realmente nos ajudar. Mas por mais que nós façamos essas avaliações, essas fiscalizações, nós temos que entender que muitas dessas aglomerações só acontecem dentro das casas, em ambientes privados, em que qualquer fiscalização ou qualquer acesso da polícia, por exemplo, não teria qualquer sentido, uma vez que as pessoas ali estão, mas acabam se aglomerando, sem uso de máscara, retiram naturalmente a máscara para beberem, para comerem, para rirem. E isso é um cenário de risco. Nós temos que entender que não é momento mais para que as pessoas estejam se aglomerando, pelo menos, nesse momento, falta muito pouco, nós estamos aí no segundo tempo, quase passando os 40 minutos, e é isso que é importante, não vamos perder o jogo agora. E nós não podemos. Então precisamos que realmente haja um apelo que eu faço, e retomo esse apelo, para que a população esteja conosco, esteja entendendo que o distanciamento é fundamental. Com relação àquelas taxas que nós tínhamos de isolamento, e que nós tínhamos especialmente o acompanhamento através dos celulares, deixou de acontecer já há várias semanas. E essa é uma das discussões que nós estamos tendo para começar a monitorar de uma forma muito mais próxima, o quanto nós temos de isolamento. A última que nós tivemos tínhamos aproximadamente 38% de distanciamento. Isso é muito pouco para aquilo que nós imaginávamos, pelo menos, acima de 50%.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Doutor Jean Gorinchteyn, temos uma boa notícia, desde ontem nós reiniciamos o programa de monitoramento, Daniela, e foi o primeiro dia desta nova fase. É uma tecnologia, que aliás, foi iniciada aqui em São Paulo, esse é outro registro importante, nenhum outro estado brasileiro fazia o monitoramento eletrônico tomando como referência as operadoras de telefonia celular, São Paulo foi o primeiro estado nessa inovação tecnológica. E ontem foi retomado. Eu vou passar exatamente à Patrícia Ellen, que é a secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, para que ela possa expor e também fazer um apelo para que as empresas operadoras de telefonia possam seguir realizando este serviço que é gratuito, nada cobram, oferecem isso em caráter humanitário para ajudar o monitoramento do centro de contingência do COVID-19. Patrícia.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigada, governador. As duas informações estão corretas, nós mantivemos o acompanhamento através de metodologia de celulares, e passamos a acompanhar, como o secretário falou, em novos formatos, também aglomerações através de dados de duas ferramentas diferentes baseadas em geolocalização de empresas voltadas a dados, à internet. O dado típico que você perguntou, Daniela, de fato, teve uma queda importante, então nós tivemos no sábado 41% no estado, 39% na capital, 45% no domingo no estado, 44% na capital. Lembrando que os níveis pré-pandemia eram entre 25% e 30%, então ainda temos um contingente expressivo de pessoas que estão em casa, que estão respeitando o isolamento, mas precisamos sim reforçar essa mensagem especial no final do ano, por todas as informações que já foram passadas pelo secretário Jean. Eu queria aproveitar a oportunidade para fazer esse apelo às operadoras de telefonia, que a princípio o contrato de acompanhamento, essa doação de serviço que foi feito por todas elas, iria até o final desse ano, e nós vimos que infelizmente precisamos ainda acompanhar essas informações. Então hoje mesmo a gente está entrando com um pedido formal para renovação desse acompanhamento, e é muito importante, obviamente não depende do governo do estado, depende dos dados disponibilizados pelas operadoras. Queria somente finalizar reforçando essa mensagem que foi passada, além de desejar um feliz Natal a todos. O mais importante é que tenhamos vida e saúde para começarmos 2021 com muita esperança. Então reforço nosso apelo para que todos, na medida do possível, fiquem em casa, se precisarem sair, se precisarem se locomover que o façam com muita responsabilidade, usando máscaras, e também respeitando as regras de distanciamento. Muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Daniela, obrigado pela pergunta. Vamos agora à TV Cultura, com Adriana Simino. Adriana, mais uma vez, boa tarde. Bem-vinda. Sua pergunta, por favor.

ADRIANA SIMINO, REPÓRTER: Boa tarde, a todos. Bom, primeiro eu gostaria, governador, que o senhor esclarecesse como que funciona esse termo de cooperação que foi assinado com o prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paez, uma vez que ele ainda não assumiu o posto, esse termo de cooperação em relação às vacinas. E também uma pergunta sobre uma informação que nós recebemos, de que amanhã seriam anunciadas novas medidas de contenção por conta do aumento dos casos aqui no estado. Eu gostaria de saber o que o senhor tem a falar sobre isso, e quais seriam essas medidas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Adriana, em relação ao tema do Rio de Janeiro, falará Dimas Covas, que é o presidente do Instituto Butantan, o termo de cooperação foi assinado com o Instituto Butantã, e não com o governo de São Paulo. Em relação a este segundo tema, amanhã teremos uma coletiva de imprensa no Instituto Butantã às 12h45min, do centro de contingência do COVID-19, com os seus membros, e precedendo esta coletiva teremos uma ampla reunião do centro, lá mesmo no Instituto Butantã. Portanto, amanhã, às 12h45min, convido você e os demais jornalistas, e os que nos acompanham aqui pela TV Cultura ao vivo, para acompanharem a coletiva de amanhã, 12h45min. No primeiro tema, Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Bem, Adriana, na realidade, é assinatura de um documento aonde as partes manifestam a intenção, e no caso do município do Rio de Janeiro essa intenção é para o ano que vem, à medida que as vacinas ficarem disponíveis, caso não ocorra disponibilização pelo Programa Nacional de Imunização. Quer dizer, é o mesmo tipo de acordo que foi feito já com mais de mil municípios, e já com 14 estados do Brasil. Então é uma manifestação de intenção, que no caso de haver a necessidade, as vacinas serão sim disponibilizadas aos municípios e aos estados, obedecendo a ordem inicial de atendimento aos trabalhadores da saúde. Esse é o teor do que foi acordado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, doutor Dimas. Adriana, obrigado, e até amanhã. Agora vamos à Rádio Bandeirantes, Rádio Band News, com o jornalista Lucas Josino. Obrigado pela sua presença. Boa tarde. Sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde a todos. Governador, secretário, a gente recebeu os números das últimas semanas, teve um aumento significativo de internações por Covid-19 na capital e também na Grande São Paulo. Aquela ideia de reabertura dos hospitais de campanha ganha mais força para o começo do ano?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Lucas. Responderá o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Dr. Jean Gorinchteyn.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO: Lucas, o que nós temos feito nesse momento é fazer um reforço das unidades hospitalares, tanto de unidades de terapia intensiva quanto aquelas que eram voltadas para as enfermarias, que foram desmobilizadas para atender outras doenças. Então, nosso apelo é para que todas as instituições então voltassem para aquele mesmo número de leitos que nós tínhamos anteriormente naquele período, em que nós tínhamos um descenso significativo de número de casos, internações e de óbitos. Ao mesmo tempo que isso vem acontecendo, nós estamos atentos à necessidade de abertura de novos leitos, se assim for necessário. Nós não descartamos nenhuma possibilidade ou nenhuma hipótese, mas estamos atentos. Nesse momento, isso não será necessário, neste momento, mas estamos atentos na eventual necessidade de assim fazermos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dr. Jean Gorinchteyn. Lucas, obrigado pela pergunta. Vamos agora à rádio Jovem Pan, com a Nanny Cox. Nanny, pode ajustar o microfone um pouquinho, vai ficar mais fácil pra você. Isso. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde para todos. Já vou pedir desculpa porque eu vou ter que fazer duas perguntas. Eu pago a multa depois. A primeira é em relação a esse processo de compra das agulhas, aqui do Estado de São Paulo são 100 milhões de agulhas e seringas, e ainda tem um outro edital também do Ministério da Saúde, para 300 milhões. Com a proximidade também de outras campanhas de vacinação, eu queria saber só se existe talvez o risco de ter um desabastecimento. Vocês já tinham comentado que a gente tem algumas aqui no estado, de estoque, mas queria saber se tem esse risco. E a outra pergunta é em relação a essa nova variante de Corona Vírus que tem circulado no Reino Unido, se tem esse monitoramento a respeito disso aqui em São Paulo, já que a pandemia começou também, chegou aqui pelo estado, por causa dos aeroportos, enfim, se tem essa fiscalização por aqui, se tem algum tipo de indício de que poderia estar chegando essa nova variante. Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Nanny. Como nós estamos no período do Natal, você vai ser dispensada da multa. Nós... As duas perguntas serão respondidas, a primeira pelo Jean Gorinchteyn, em relação a agulhas e seringas, mas eu já lhe antecipo: nenhum risco de desabastecimento em São Paulo. Nós estamos comprando mais para garantir com larga margem a necessidade, não apenas da vacinação contra a Covid-19, como os outros programas de imunização também. Eu aprendi com os médicos que uma seringa, uma agulha, tem validade de cinco anos. Portanto, é uma longa vida para um produto que pode ser perfeitamente estocado. Mas quem responderá sobre isso será o Jean Gorinchteyn. E a sua segunda pergunta será João Gabardo. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO: Muito bem, Nanny. Importante que a gente não tenha, realmente, nenhum desabastecimento. Por isso nós estamos nos antecipando, uma vez que o mundo vai ter corrida para a vacina, e nós temos que nos preocupar não somente na vacinação para Corona Vírus, como todo o nosso programa de imunização a ser feito, para outras vacinas. Então, dessa maneira, já foi iniciada desde a semana passada uma campanha de licitação, são mais de 27 pregões para aquisição exatamente dessas 100 milhões de doses de vacina... Desculpa, de seringas e agulhas, que estarão então sendo contempladas, e para os programas de imunização. Lembro que, na nossa primeira fase do programa estadual de imunização, que já está programado agora para dia 25 de janeiro, nós já temos estas vacinas. Então, esses 100 milhões, fora aqueles 21 milhões de agulhas e seringas que já estão no nosso estoque.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dr. Jean Gorinchteyn. Agora, Dr. João Gabbardo.

JOÃO GABBARDO, COORDENADOR EXECUTIVO DO CENTRO DE CONTINGÊNCIA DO COVID-19: Boa tarde a todos. Claro que preocupa muito o aparecimento dessa variante que está ocorrendo no Reino Unido, vários países já estão com um programa de redução, impossibilitando voos que saem do Reino Unido, pessoas que estejam no Reino Unido para diversos países. Essa preocupação em relação ao Aeroporto de Guarulhos é extremamente importante, pelo volume de pessoas que desembarcam no Aeroporto de Guarulhos, mas essa é uma atribuição da Anvisa, que é responsável pelo controle dos portos, aeroportos do Brasil. Então, a gente espera que a Anvisa possa estar analisando essa situação e possa de alguma maneira estabelecer alguma orientação a ser cumprida, do tipo: Ministério da Saúde recentemente já publicou uma portaria exigindo que pessoas que embarcam para o Brasil devam fazer um teste antes da viagem, comprovar que não estão portadores do vírus. Se isso for cumprido rigorosamente, diminui bastante a possibilidade de nós termos pessoas vindo pra cá. Mas insisto que isso é uma preocupação que a Anvisa deve ter. O que se sabe até o momento é que essa variante, ela tem uma possibilidade de transmissibilidade maior do que nós estávamos enfrentando, mas não existe nenhum indicativo quanto à gravidade, de que os casos possam ser mais graves do que o do novo Corona Vírus. Também não existe nenhum indício de que as vacinas que estão sendo produzidas não possam nos assegurar defesa, imunidade contra essa variante. Até o momento, nós continuamos com as informações de que sim, a vacina, as vacinas que estão sendo produzidas, elas serão efetivas contra essa nova variante do vírus. Obrigado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dr. João Gabbardo. E agora, vamos à última pergunta da coletiva de hoje, com a jornalista Carolina Riguengo, da Rede TV. Carolina, obrigado por estar aqui mais uma vez. A Carolina talvez seja uma das jornalistas que mais vezes participou das coletivas de imprensa, aqui no Palácio dos Bandeirantes. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Boa tarde a todos. A minha primeira pergunta é em relação a esse crescimento de ocupações, de taxas de mortos e também de casos. Queria saber quais são as perspectivas pra gente regredir para a fase laranja ou para a fase vermelha, se isso pode interferir, até mesmo no cronograma das aulas, uma vez que as pessoas seguem se aglomerando, não depende apenas das medidas de vocês também, se tem mais alguma restrição. E dia 23 a entrega da documentação dos estudos clínicos e também o pedido de registro para a Anvisa. Uma vez que ele também é feito para a Anvisa chinesa e entregue para outras supostas 'anvisas', outros órgãos regulatórios, se a nossa Anvisa aqui, brasileira, apresentar qualquer tipo de objeção, uma vez que o Dr. Jean já disse que os estudos estão impecáveis... Mas digamos que eles arrumem alguma objeção. O fato das outras 'anvisas' mundiais terem aprovado, pra eles estarem tudo ok, pra nós também? Como é que fica? Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Carolina, obrigado pelas perguntas. Vamos começar com o Dr. Jean Gorinchteyn, no tema do aumento de casos, lembrando que amanhã, às 12h45, Carolina, teremos uma coletiva de imprensa do Centro de Contingência do Covid-19, na sede do Instituto Butantan, com transmissão ao vivo, por vários veículos de comunicação, em especial pela TV Cultura. E a segunda pergunta, sobre o pedido de registro, evidentemente, Dimas Covas fará a resposta. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO: Carolina, é importante que a gente sempre lembre que a população vai ter um papel fundamental no controle da pandemia, como sempre teve desde o início. Não vai ser diferente agora. Por isso nós conclamamos que as pessoas tenham a responsabilidade. Antes, nós dizíamos o seguinte: fique em casa enquanto arrumamos a saúde. Hoje, nós dizemos: procure ficar em casa, mas se você sair, saia com responsabilidade. Mas enquanto isso, nós estamos arrumando a saúde, ampliando leitos, seja de unidades de terapia intensiva, sejam leitos também de enfermaria, e habilitando novos profissionais que precisarão estar expostos para o atendimento de novos pacientes que ali precisarão. Então, dessa maneira, nós estamos fazendo uma melhoria, ampliando o número de leitos e do acesso desses pacientes, assim como aumentando a fiscalização. Mas se nós não tivermos o apoio da população, nós teremos problemas. Dessa forma, para que isso não ocorra, medidas deverão ser tomadas, e aí se saberá amanhã, junto com todos os outros jornalistas, na nossa coletiva, que acontecerá ao 12h45, no Instituto Butantan.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dr. Jean, muito obrigado. Antes de passar ao Dr. Dimas, já que a Carolina fez uma pergunta específica sobre escola, aulas, nós manteremos a posição já anunciada aqui pelo secretário de Educação do Estado de São Paulo, Dr. Rossieli Soares, professor Rossieli Soares, da volta às aulas em fevereiro, conforme anunciada. Esta posição está mantida e ratifico aqui que ela será cumprida, com todos os cuidados sanitários, todos os cuidados com professores, com servidores, com aqueles que atuam nas escolas públicas estaduais... O investimento foi enorme do Governo do Estado de São Paulo, para preparar as escolas para o retorno. Inclusive com reforma de banheiros, com as medidas sanitárias necessárias, dentro da recomendação do Centro de Contingência do Covid-19, a proteção aos professores e servidores nas escolas e, em especial, aos alunos e aos seus pais também. Agora sim, vamos ao Dr. Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Carolina, nós pretendemos dar início a três processos ao mesmo tempo, e que serão disparados agora a partir do dia 23. Um é o registro do produto na China, e isso é um ponto importante, porque, como eu mencionei, é uma vacina mundial, é uma vacina que, no primeiro semestre do ano que vem estará aí por volta de 500 milhões de doses disponíveis, para vários países, podendo chegar a 1 bilhão de doses até o final do ano. Então, a vacina é mundial e o estudo que nós realizamos aqui no Brasil é parte fundamental para o registro dessa vacina. Paralelamente a isso, iniciamos aqui no Brasil dois procedimentos: um é o procedimento de registro, visto que os dados do estudo de fase 3 são terminados, estão terminados, foram concluídos; e o pedido emergencial. O pedido emergencial decorre principalmente de uma regra que a Anvisa estabeleceu de se pronunciar em 10 dias, uma vez feito o pedido. Então, se nós vamos apresentar o pedido agora, no dia 23, vamos ter uma reunião com a Anvisa, nós aguardaremos aí 10 dias úteis para receber o retorno da Anvisa. E estamos muito confiantes, não só na qualidade dos dados que serão apresentados como também na interlocução que temos mantido com a Anvisa. Nós temos mantido várias reuniões e, nesse momento, o clima, em termos desses resultados, é muito positivo. Então, nós acreditamos que haverá, sim, uma, vamos dizer, aprovação dessa vacina, pelo tempo estabelecido pela própria Anvisa, para uso emergencial, e na sequência o registro. Isto não ocorrendo, veja, seria exceção agora, estamos trabalhando com a exceção, existe a possibilidade de usar o registro feito na China para solicitar aqui o reconhecimento da nossa Anvisa. É um procedimento que está previsto na legislação. Então, nós temos aí vários caminhos, mas o melhor caminho, sem dúvida nenhuma, aqui no Brasil, é a autorização para uso emergencial, num curto espaço de tempo.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dr. Dimas Covas, obrigado, Carolina Riguengo, da Rede TV. Antes do encerramento desta coletiva, quero informar que, a partir de amanhã, eu vou tirar 10 dias para o convívio com a minha família. Fiquei muito ausente da minha família ao longo deste ano e, durante 10 dias, estarei em convívio com a família. A partir de amanhã, o vice-governador do Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, assume o governo e fica no cargo até o meu retorno, no dia 3 de janeiro. Quero também registrar aqui, ao término dessa coletiva, uma homenagem especial, especial a vocês, jornalistas, aos que estão aqui, aos que participaram de dezenas e dezenas de coletivas ao longo deste ano e estarão certamente acompanhando as próximas coletivas, aos técnicos, aos cinegrafistas, aos fotógrafos, àqueles que, presencialmente, estão aqui, aos que já estiveram, aos que já participaram, aos que estão virtualmente nos acompanhando. E quero também fazer uma homenagem aos jornalistas que se foram, que sofreram, foram internados, tiveram COVID-19, e principalmente os que perderam suas vidas. Vários amigos, vários colegas foram vítimas da COVID-19 ao longo deste ano, sem contar aqueles que perderam seus empregos pela pandemia, e que foram dispensados dos seus veículos de comunicação, a minha solidariedade. Aos familiares dos que perderam a sua vida, grave, tristemente, e aqueles que perderam seus empregos também por força desta pandemia. E um agradecimento à imprensa brasileira, especialmente vocês que aqui estão, pela forma correta, pela postura nobre em defesa da vida e da ciência ao longo desses dez meses de pandemia, de março até aqui. A imprensa brasileira de maneira geral, e de forma quase que absoluta, assumiu um papel de grande importância na defesa da ciência, da vida, das medidas necessárias para preservarmos vidas e atendermos aquilo que a ciência determina. Eu como jornalista, me sinto orgulhoso de ter uma imprensa brasileira com essa estatura, com essa envergadura e com essa coragem. E gostaria de oferecer aos jornalistas que estão aqui, aos que estão nos acompanhando virtualmente, aqueles que embora não nos acompanhando possam ter a referência desta lembrança que vamos fazer agora com uma linda música, que foi a música que nós encerramos a última reunião de secretariado do governo do estado de São Paulo na última sexta-feira, composta por dois grandes amigos, Ivan Lins e Vitor Martins, dois brasileiros de alma e de coração, e que serão interpretados aqui pela Nicole Nisa, a vocalista, o Igor Guigo, no pandeiro, e o Luiz Morits, no violão, eles que são alunos da escola de Música Tom Jobim do estado de São Paulo. Por favor.

APRESENTAÇÃO DE MÚSICA: "No novo tempo, apesar dos castigos...

Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos...

Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer...

No novo tempo, apesar dos perigos...

Da força mais bruta, da noite que assusta, estamos na luta...

Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver...

Pra que nossa esperança seja mais que a vingança...

Seja sempre um caminho que se deixa de herança...

No novo tempo, apesar dos castigos...

De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga...

Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer...

No novo tempo, apesar dos perigos...

De todos os pecados, de todos enganos, estamos marcados...

Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver...

No novo tempo, apesar dos castigos...

Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas...

Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer...

No novo tempo, apesar dos perigos...

A gente se encontra cantando na praça, fazendo pirraça.

NICOLE NISA, CANTORA: Muito obrigado. Eu queria deixar um agradecimento aqui a todos vocês por nos conceder esse espaço de fala, e por mostrar o nosso trabalho. E queria fazer um convite também, nós temos um projeto de resgate da MPB, a música brasileira antiga. Então quem tiver interesse, quem quiser contribuir é só falar comigo ali no cantinho, e é isso. Muito obrigada. Não se esqueça, a gente é Trio Café, esqueci de falar.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vamos dar uma salva de palmas aos alunos da Escola de Música Tom Jobim, o Trio Café, com a Nicole, o Igor e o Luiz. Muito obrigado, a todos. Nós voltaremos a nos rever a partir do ano que vem, mas amanhã o centro de contingência estará fazendo uma nova coletiva de imprensa. Obrigado pelo apoio. Obrigado pelo esforço. Obrigado pela atitude de vocês em defesa da vida e da ciência. Muito obrigado, a todos que também nas suas casas estão atendendo ao apelo, como foi feito aqui para usarem máscara, fazerem o distanciamento social, utilizarem álcool em gel, e não participarem de aglomerações. A vacina vem aí, a vacina do Butantan, a vacina do Brasil. Muito obrigado, a todos. Bom Natal, boa passagem de ano. Obrigado.