Coletiva - Lançamento da Rota da Luz SP 20160304

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Lançamento da Rota da Luz SP

Local: [[]] - Data:Abril 03/04/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Hoje começa a Rota da Luz, onde os peregrinos poderão ir até Aparecida, que é o maior Centro de Peregrinação Religiosa da América Latina, com mais segurança. Uma viagem exterior, muito bonita, fazendas de café, fazendas de leite, cachoeiras, matas, flora, fauna; 194 quilômetros de caminhadas, por estradas vicinais ou estradas rurais. E uma viagem interior, de reflexão, de oração, de meditação, de fortalecimento da fé. E não há necessidade de fazer de uma vez, quem não puder tirar uma semana, são 194 quilômetros, pode fazê-lo em etapas. Então, a pessoa recebe este certificado, ela preenche aqui o certificado, é sinalizado em cada cidade, Mogi, Guararema, Santa Branca, Paraibuna, Redenção, Taubaté, Pinda, Roseira até Aparecida, e aqui ela carimba. Então, ela pode fazer um dia por semana, pode fazer um fim de semana por mês, ela pode fazer em várias etapas, com bastante segurança, fora da Dutra, fora da Ayrton Senna. O ano que vem faz 300 anos, que a imagem de Nossa Senhora foi encontrada do Rio Paraíba do Sul, deve vir até Aparecida, o Papa Francisco. Então, um momento muito especial. E a Rota da Luz, eu tenho certeza também, através do turismo religioso, vai reativar a economia de muitas dessas cidades, da zona rural, gerando emprego, postos de trabalho.

REPÓRTER: [pronunciamento fora do microfone].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O investimento é muito pequeno, porque a estrada já existe, ela já existe. É só o certificado, e tudo é feito pela iniciativa privada, não tenho dúvida daqui alguns anos, nós vamos ter muito mais hotéis, pousadas, lanchonetes, restaurantes. A pessoa pode fazer a pé, de bicicleta, a cavalo, como quiser, de motocicleta.

REPÓRTER: Governador, agora falando de política

REPÓRTER: Tem algum motivo especial para ter começado hoje essa rota, hein, Dona Lu?

SRA. LU ALCKMIN: Oi?

REPÓRTER: Tem algum motivo especial para ter começado hoje essa rota?

SRA. LU ALCKMIN: Sim. Tem um motivo, que desde 2001, eu sou madrinha da Travessia da Fé, e sempre os peregrinos me pediam que tivesse um caminho mais seguro. Então, graças a Deus, graças a toda equipe que trabalhou nessa busca desse caminho mais seguro, então, hoje a gente está inaugurando. Esse é o motivo. E eu, lógico, vou caminhar aí 194 quilômetros, em honra a meu filho Thomaz, e muito feliz, porque eu falava dessa rota para ele, e ele falava para mim: “Mãe, quando ficar pronta essa rota, eu vou ou de moto, ou a cavalo, mas ele vai no meu coração. Não vai de moto, nem a cavalo, mas vai no meu coração”.

REPÓRTER: Hoje, a senhora vai até Guararema?

SRA. LU ALCKMIN: Não. Eu vou a caminha inteirinha até Aparecida, chego em Aparecida no sábado, ao meio-dia, se Deus quiser.

REPÓRTER: E o governador vai acompanhar? O senhor vai até Guararema?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: A Lu está mais em forma do que eu. Eu vou até Luís Cláudio.

REPÓRTER: Vai até Luís Carlos.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Luís Carlos.

REPÓRTER: Carlos.

REPÓRTER: É uma demanda antiga, não é isso, dos romenos? Fala um pouquinho sobre. Já é uma demanda antiga, é questão mais de segurança mesmo, que vinha sendo solicitada, não é?

SRA. LU ALCKMIN: É. Porque eles iam à beira da Dutra, e agora vão por essas estradas que já existem, que agora estão sinalizadas, e nós vamos passar por nove cidades, a nona cidade é Aparecida. Então--

REPÓRTER: A senhora se preparou fisicamente?

SRA. LU ALCKMIN: Não. Eu sempre gostei de andar, mas eu não sou uma atleta, mas eu acho que quando a gente tem Deus no nosso coração, quando a gente tem fé, a gente consegue. Então, Deus vai me dar forças, que é o mais importante, e é aquilo que eu falei, é Deus presente na nossa vida. E justamente nesse ano, que é o ano do Jubileu, eu estive com o Papa, ele abençoou esse caminho, eu contei para ele sobre esse caminho, eu contei para ele da importância também para o ano que vem os peregrinos participarem dessa rota, em vez de ir pela Dutra, então, é um ano especial, e é um ano extraordinário. E no momento que a gente pede, que o Papa Francisco pede que a gente perdoe as pessoas, que a gente ame o próximo, eu acho que é um recomeço. Esse Papa é maravilhoso. Mas não é somente para os católicos, é para todos peregrinos, porque Deus está em todos os lugares, em todas religiões, e é isso que a gente quer, dar oportunidade das pessoas refletirem, rezarem, estarem perto de Deus, e a natureza, quando eu olho, assim, um dia lindo, quando eu olho uma árvore, quando eu olho um passarinho, eu falo: “Obrigado meu Deus”, porque Deus nos dá tudo isso de graça, que a gente pode ver todos os dias da nossa vida. Não precisamos pagar para ver um passarinho, uma árvore, para tomar uma água. Então, quanta coisa que Deus nos dá, a gente tem que agradecer todos os dias da nossa vida.

REPÓRTER: Dona Lu, vai ser uma oportunidade também de conhecer um pouco mais da cultura das cidades, das histórias das pessoas. Fala um pouquinho sobre isso também.

SRA. LU ALCKMIN: Ah, com certeza, porque nós vamos... Hoje, nós vamos caminha durante o dia, nesse sol, mas a partir de amanhã, eu pretendo caminhar mais de madrugada, assim, muito cedo. Então, vai dar tempo de chegar às cidades, não pegar tanto sol, ir lá poder conversar com os habitantes, conhecer a cidade, conversar com as pessoas. Então, vai ser um momento maravilhoso, com certeza.

REPÓRTER: [pronunciamento fora do microfone].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom, eu acho que nós temos que primeiro cumprir a Constituição, ou seja, a Comissão Processante dado o seu parecer, depois a decisão do Plenário, depois a decisão do Senado Federal. O futuro governo é colocar o carro na frente do boi, agora não é hora de discutir o futuro governo. É hora de se aprofundar e discutir o impeachment. Importante deixar claro que impeachment não é golpe, aliás, o PT entrou com um pedido de impeachment contra o presidente Collor, contra o presidente Itamar Franco, mesmo naquele período pequeno, contra o presidente Fernando Henrique, no primeiro e no segundo mandato, só não entrou contra o Lula e a Dilma, porque eles são do PT. Isso está previsto na Constituição Brasileira. É cumprir a Constituição, é isso que todos nós queremos. Está bom?

REPÓRTER: [pronunciamento fora do microfone].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O PSDB aqui da cidade, ele decide, é um tema da cidade, um tema local. Nós sempre tivemos uma boa parceria com o prefeito Bertaiolli, que é um bom prefeito, que é um bom prefeito, aí o cabe o diretório local decidir.

REPÓRTER: [pronunciamento fora do microfone].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: As obras do Rio Tietê, nós já estamos fazendo o chamado Lote 5, que é o lote que vem de Salesópolis até Biritiba, já está sendo feita a dragagem já desse trabalho até para evitar aquelas enchentes que ocorreram em Biritiba. E o Lote 4, só estamos aguardando a licença ambiental da Cetesb do bota-fora, nós já temos a licença da dragagem, falta a licença do bota-fora, eu acho que a gente resolve mais em algumas semanas. E aí já começamos, o Lote 4 vai de Mogi até Itaqua, até o Córrego Três Pontas. O Lote 1 já está todo dragado e continua sendo feito, é de Edgard de Souza, Santana de Parnaíba até o Cebolão. O Lote 2 também já foi dragado e continua sendo feito, vai do Cebolão até Barragem da Penha. O Lote 3 é de Barragem da Penha até o Córrego Três Pontas, em Itaquaquecetuba, também grande parte já foi feita.

REPÓRTER: [pronunciamento fora do microfone].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu acho que deve melhorar a partir do segundo semestre, porque a inflação, ela tende a cair, a inflação foi muito câmbio, e o câmbio já subiu, a inflação foi muito preço administrado, especialmente de energia elétrica, e a energia elétrica tende a cair. Então, reduzindo a inflação, deve reduzir juros, isso ajuda a economia. O câmbio também ajuda a exportação, agronegócio também, a indústria demora mais [ininteligível – 00:00:50]. O problema nosso é uma crise de confiança, perda de confiança do governo é um grande problema, ainda mais no início do governo, mas acho que no meio do ano pode ter uma melhora. Categoria 03 de abril de 2016 [[]]