Coletiva - SP apresenta novo calendário para vacinar toda a população adulta até 15 de setembro 20211306

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP apresenta novo calendário para vacinar toda a população adulta até 15 de setembro 20211306

Local: Capital – Data: Junho 13/06/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olá, boa tarde. Muito obrigado, pela presença de todos. Hoje, domingo, dia da família, nós temos uma notícia muito importante, muito significativa para as famílias do Brasil, para as famílias aqui de São Paulo. Ao meu lado Mônica Calazans, enfermeira, e a primeira brasileira a receber a vacina, a vacina do Butantan, a Coronavac, no seu braço, às 15h17min, do dia 17 de janeiro, a primeira brasileira a ser vacinada foi uma mulher negra, enfermeira, linha de frente. E eu a convidei para estar aqui hoje nesse anúncio. Também a Regiane de Paula, que é a nossa coordenadora, doutora Regiane, que é a coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização, e coordena também o PNI aqui em São Paulo. Cíntia Luci, que é diretora de projetos estratégicos do Instituto Butantan. Tatiane D'Agostini, que é diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Saúde do estado de São Paulo. E também Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo. Eduardo Ribeiro, secretário executivo da Saúde. Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan. João Gabbardo, coordenador executivo do centro de contingência do Covid-19, ao lado do doutor Paulo Meneses. E a boa notícia, São Paulo antecipa em 30 dias a sua vacinação contra a Covid-19, agora até 15 de setembro, todos os paulistas, brasileiros e estrangeiros, residentes em São Paulo, já estarão vacinados, pelo menos, com a primeira dose da vacina. Antecipamos, portanto, em 30 dias o prazo de vacinação em São Paulo. Essa é uma grande notícia para todos os brasileiros paulistas e residentes aqui em São Paulo, com idade cima de 18 anos. Os adultos estarão vacinados até 15 de setembro. Essas pessoas estarão protegidas com, pelo menos, a primeira dose da vacina, lembrando que há vacinas, como a vacina do Butantan, que são 28 dias o prazo entre a primeira e a segunda dose. E há outras vacinas que estabelecem 90 dias, ou 60 dias. Essa antecipação significa mais de 7,450 milhões de pessoas na faixa etária entre 40 e 59 anos, que entram imediatamente no programa de vacinação já nesse mês de junho. Repetindo, pessoas na faixa etária de 40 a 59 anos, que seriam vacinadas apenas no mês de julho, agora serão vacinadas no mês de junho. É sem dúvida o maior avanço no PEI - Programa Estadual de Imunização desde o início da vacinação, no dia 17 de janeiro deste ano. Isso é fruto de trabalho, planejamento e logística do sistema de saúde pública do estado de São Paulo. A meu pedido à equipe do PEI - Programa Estadual de Imunização, trabalhou intensamente nos últimos dias, planejando, adequando e confirmando o resultado que foi concluído, e agora estamos anunciando aqui. São Paulo será o primeiro estado do Brasil a imunizar totalmente a sua população. É uma vitória do trabalho e da ciência, de respeito à saúde e à vida, e senso de urgência para proteger vidas. A vacina vai vencer o vírus, a saúde vai vencer o negacionismo, e nós aqui em São Paulo estamos ao lado da ciência, da saúde e da vida. Dia 15 de setembro pode ser considerado como o dia da esperança, o dia da mudança, gradual, mas segura mudança. Estamos há três meses do dia da esperança, certamente ao falar de esperança, tenho confiança de que nesse Natal as famílias estarão reunidas, os amigos poderão se abraçar, as pessoas poderão voltar a viver, com cautela, com cuidado, sempre se protegendo e protegendo aos demais, mas a história começa a mudar. E a esperança começa a chegar definitivamente ao Brasil. Mas eu lamento muito, que quase 500 mil brasileiros, 486.272 mil brasileiros não terão a oportunidade para celebrar, nós temos que chorar a morte de quase 0,5 milhão de brasileiros. Quantos poderiam ter sido salvos se tivéssemos comprado mais vacinas, e tivéssemos iniciado mais cedo a vacinação, como nós sempre apregoamos aqui em São Paulo? Já em outubro tínhamos 6 milhões de doses da vacina, a vacina do Butantan, poderíamos ter iniciado no final de outubro, ou no mais tardar em início de novembro. Quantas vacinas o Brasil deixou de comprar, e quanto retardo implicou no atraso da vacinação, e vidas que foram perdidas. Quero reconhecer aqui o trabalho, Mônica, dos profissionais da linha de frente, como você, enfermeiros, médicos, paramédicos, motoristas de ambulância, profissionais de manutenção, limpeza, de hospitais, prontos-socorros, serviços de atendimento que salvaram, salvam e continuarão a salvar milhões de brasileiros. Mas quero também fazer aqui uma homenagem aos meus colegas jornalistas, os que estão aqui presencialmente, os que estão virtualmente, e aqueles que mesmo não podendo estar merecem a minha homenagem. E a nossa homenagem vai em nome, em especial, do Domingos Fraga, que eu conheci, um jornalista brilhante, diretor da TV Record, uma figura querida no mundo do jornalismo, não apenas em São Paulo, mas em todo o Brasil. Fraga, descanse em paz, você foi mais uma vítima da Covid-19, mais uma vítima do negacionismo, mais uma vítima daqueles que negam a pandemia, daqueles que pregam o ódio, e daqueles que se distanciam da compaixão, da vida e do amor. Quantos jornalistas, como você, Fraga, perderam suas vidas ao longo desses 18 meses? Quero, ao concluir, dizer que em um país contaminado pelas fake news, o trabalho de vocês, jornalistas, desde março do ano passado, têm sido fundamental para salvar vidas, oferecendo informações corretas, precisas, combatendo fake news, mentiras, inverdades, condenado atos, atitudes, iniciativas, gestos, posturas e palavras contra a vida e contra a existência. Que triste é o país que tem que combater o Coronavírus, e que tem que combater também o vírus da displicência e do negacionismo. Neste domingo, dia da família, eu quero concluir aqui a minha mensagem, com palavras do Papa Francisco, disse recentemente em uma pequena cerimônia no Vaticano, o Papa Francisco: "Fraternidade de esperança são remédios que o mundo precisa tanto quanto as vacinas". Preparem o braço, em São Paulo nós vamos vacinar, aqui não é a terra da Cloroquina, aqui é a terra da vacina. Nós vamos começar agora com as informações completas, sobre essa antecipação de 30 dias na vacinação, com a doutora Regiane de Paula, coordenadora geral do nosso PEI - Programa Estadual de Imunização. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigada, governador. Boa tarde, a todos e todas. Hoje, domingo, 13 de junho, também é um dia para entrar na história, com a sua coordenação e com toda a equipe que trabalhamos, governador, podemos trazer agora essa antecipação desse cronograma de vacinação, em até 30 dias. O trabalho tem sido contínuo, os esforços também. Então aqui nós mostramos quais são os públicos-alvo, e quem estamos antecipando. Então adultos sem comorbidades, de 50 a 59 anos, 16 de junho, iniciamos a vacinação de 3 milhões de pessoas. Adultos sem comorbidades, de 43 a 49 anos, 23 de junho, 3 milhões de pessoas. E adultos sem comorbidades, de 40 a 42 anos, dia 30 de junho, 1,45 milhão de pessoas. Lembrando, governador, que esse é o maior avanço em toda nossa campanha nesse momento, quase 7,5 milhões de pessoas serão vacinados em um mês, no estado de São Paulo. O avanço é planejado, com base em remessas de vacinas previstas pelo Programa Nacional de Imunizações. Então estamos trabalhando muito forte, para que a gente possa levar aos brasileiros de São Paulo, a vacina, como o senhor diz, para o braço de todos eles, nesse momento no mês de junho. Em 15 dias vacinaremos 7,5 milhões de pessoas. A projeção do novo calendário de vacinação para o estado de São Paulo então fica da seguinte maneira, de 16 a 22/6, de 50 a 59 anos, de 23 a 29/6, a população de 43 a 49 anos. 30/6 a 14/7, de 40 a 42 anos. Em julho nós já iniciamos a população no dia 15, de 35 a 39 anos. E completaremos no dia 30/7 a 15/8, de 30 a 34 anos. No dia 16 de agosto, nós começamos com a população de 25 a 29 anos, e do dia 1 de setembro a 15/9, de 18 a 24 anos. Então levando em conta novamente as entregas de vacina do Ministério da Saúde, mas nós temos esse calendário forte, preciso. E vamos trabalhar com toda a nossa energia, para que todos estejam vacinados nessa data, com a primeira dose da vacina. Nesse momento nós temos no vacinômetro 19 milhões de doses aplicadas, 19.328.586 milhões de doses aplicadas, sendo de primeira dose, 13.374.086 milhões de doses. E completando o esquema vacinal, com a segunda dose, 5.994.500 milhões de pessoas, o que corresponde a 12,86% da população do estado de São Paulo, que já tomou a segunda dose. E lembrando, que o Dia D, o dia da esperança, é o dia 15 de setembro. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Antes de passar às perguntas, eu quero agradecer às emissoras que estão transmitindo ao vivo, começar pela TV Cultura, para todo o estado de São Paulo, mas também a Record News, a Band News, o SBT News, a CNN Brasil. Também os sites IG, Estadão, UOL, Cidade ON, as Rádios CBN e Jovem Pan. Nós vamos começar com o SBT, na sequência o The Wall Street Jornal, TV Globo, Globo News, CNN Brasil, TV Cultura e Rádio CBN. Começando então com o SBT, com você, Daniele Brand. Obrigado por ter vindo. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

DANIELE BRAND, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Bom, a minha pergunta é a seguinte, a gente sabe que os testes da vacina Butanvac já foram autorizados pela ANVISA, inclusive o governador já durante essa tarde afirmou que os testes começam amanhã em Ribeirão Preto. E tradicionalmente os testes clínicos de uma vacina percorrem as fases um, dois e três, até chegarem à aplicação na população geral. Nesse caso da Butanvac, optou-se a unir as fases um e dois. A nossa pergunta é a seguinte, isso pode comprometer a comprovação na eficácia dos testes, governador?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Daniele, vou pedir ao Dimas Covas, exatamente o presidente do Instituto Butantan, médico cientista, e que comandou desde o início a elaboração dessa vacina brasileira, que é a Butanvac. Importante a sua pergunta. Felizes com a autorização emitida pela ANVISA, na quinta-feira à noite, para a autorização aos estudos para essa vacina. E felizes também com a perspectiva que essa vacina nos traz para um novo campo de vacinação o ano que vem. Não é uma vacina para ser utilizada imediatamente, mas nós teremos que nos vacinar todos os anos, assim como fazemos com a vacina contra a Gripe, nós teremos que nos vacinar contra a COVID-19 anualmente. A vantagem da Butanvac é uma vacina brasileira, uma vacina produzida integralmente aqui com insumos, envase, e com a logística facilitada e o custo reduzido. Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Daniele, os testes não começam amanhã, quer dizer, na realidade, houve a autorização da ANVISA para o início do estudo clínico. Essa semana ainda nós temos a fase de aprovação ética, os comitês de pesquisa têm que aprovar, tanto lá de Ribeirão Preto, como aqui de São Paulo, e posteriormente a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Então essa semana está previsto começar o pré-cadastro dos voluntários. É um estudo, nesse momento, de fase um, significa avaliar a segurança da vacina. Serão inicialmente 400 voluntários. Então essas informações serão divulgadas ainda essa semana, com relação a esse pré-cadastro, será divulgado um site, aonde será permitido às pessoas se pré-cadastrarem. E oportunamente será anunciado aí sim o início do programa do estudo clínico, mas não será essa semana. Ok?

DANIELE BRAND, REPÓRTER: A quantidade de pessoas que vão participar desse estudo clínico já foi definido? Desse pré-cadastro, né?

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: São pessoas com idade superior a 18 anos, e aí tem vários grupos, tem o grupo que não teve contato com o vírus, tem o grupo que já teve a doença, que já teve o contato, e tem o grupo que já foi vacinado. Então são essas três categorias, e aí cada um desses grupos vai ter uma aproximação específica em relação ao estudo. Quer dizer, cada um com um objetivo.

DANIELE BRAND, REPÓRTER: Tá joia, muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Daniel. Mas o importante é que amanhã o cronômetro começa a rodar, da Butanvac, aqui em São Paulo, e para o Brasil. Essa é a boa notícia. Obrigado, Daniele, mais uma vez. Vamos agora com a Samanta Person, do The Wall Street Jornal, ela está aqui online conosco. Já em tela, Samanta, boa tarde. Bom domingo para você. Sua pergunta, por favor.

SAMANTA PERSON, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Qual vai ser o impacto desse adiamento do cronograma na pressão da economia em São Paulo e também no Brasil? Por favor, obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Samanta, boa pergunta. O impacto muito grande, a retomada econômica está diretamente atrelada à vacinação, à imunização dos brasileiros, São Paulo lidera o PIB do país, e nesse momento São Paulo já tem um crescimento estimado de 7,6% para esse ano de 2021, também São Paulo acumula um crescimento que permite chegar entre 34% a 36% de toda a economia do país. Se São Paulo cresce, se São Paulo avança, ajuda o Brasil a avançar, ajuda o Brasil a crescer. Portanto, a imunização dos que vivem aqui em São Paulo, sejam paulistas, sejam brasileiros de outros estados, sejam estrangeiros que residem aqui, contribui muito para o ânimo, a esperança e a ativação econômica de todos os setores da economia no estado de São Paulo, e consequentemente no Brasil, indústria, comércio, serviços, o agronegócio, setor de ciência, tecnologia, inovação, a economia criativa, bares e restaurantes, as atividades culturais retomadas e fortalecidas com a população imunizada. Já a partir do final desse ano, Samanta, temos a esperança de que gradualmente, e de forma segura, estaremos permitindo e conseguindo ativar novamente a economia de São Paulo e do Brasil. Mas isso não vai nos liberar do uso de máscara, não vai nos liberar de cuidados e cautelas necessárias, como lavar as mãos, utilizar álcool em gel. Se possível, fazer o distanciamento social, e sempre utilizar as máscaras. Nós ainda dependeremos dos nossos cuidados, e obviamente da vacina no Brasil, para crescermos e ativarmos novamente a economia do Brasil. Mas eu estou confiante. Obrigado, Samanta. Vamos agora à Gabriela Brid, TV Globo, Globo News. Bem-vinda, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

GABRIELA BRID, REPÓRTER: Boa tarde. O número de pessoas que ainda não foi tomar a segunda dose é muito alta, e eu queria saber se diante da baixa adesão no primeiro Dia D, se vocês pensam em fazer um segundo evento de Dia D, ou outras ações nesse sentido para atrair essas pessoas que perderam o prazo? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Gabriela. Vou pedir à doutora Regiane de Paula, que é a coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização, e coordena também o Programa Nacional de Imunização em São Paulo, para responder à sua importante pergunta.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, Gabriela. Obrigada, pela pergunta. Hoje, entorno de 400 mil pessoas não voltaram para tomar a segunda dose da vacina, ou seja, não completaram o seu esquema vacinal, o que é muito importante. Então aqui fica novamente a nossa solicitação, o nosso pedido para as pessoas que não retornaram e não tomaram a segunda dose que o façam, independente do tempo em que elas deixaram de fazer, seja 28 dias para a vacina do Butantan, ou 12 semanas para a vacina principalmente da Fiocruz, que é a que mais está número nosso número de faltosos nesse momento. Nós temos conversado com o governador, inclusive, todas as quintas-feiras nós temos uma reunião colegiada do PEI - Programa Estadual de Imunização, e nós pensamos sim em trabalhar, talvez não um Dia D, mas uma estratégia diferenciada, com 645 municípios, podendo levar as pessoas para tomarem a segunda dose da vacina, e também uma estratégia em que todos se vacinem com a primeira dose. Então pensamos nisso, estamos organizando, e talvez na próxima coletiva, não, é, governador, nós teremos mais novidades para que a gente possa falar sobre isso. Mas esse grande movimento com 645 municípios e o estado de São Paulo, está sim sendo pensado, em breve teremos notícias. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Gabriela, muito obrigado. Lembrando que quarta-feira teremos mais uma coletiva aqui, este será um dos assuntos da coletiva da próxima quarta-feira. Agora vamos para a CNN Brasil, com a Soraia Laund. Soraia, muito obrigado por estar aqui conosco. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

SORAIA LAUND, REPÓRTER: Boa tarde, a todos. Boa tarde, governador. Bom, com essa antecipação da vacinação, e a gente na semana passada já tem visto o início da vacinação dos profissionais de saúde, 18 mais, já existe aí uma expectativa para o retorno das aulas presenciais? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado. Vou pedir ao nosso Jean Gorinchteyn, nosso secretário da Saúde, hoje ele cedeu lugar aqui para as mulheres, mas ele está aqui à minha esquerda, direita de vocês. Nós temos as nossas reuniões do PEI - Programa Estadual de Imunização, ela é integrada também pelo nosso secretário Rossieli Soares, que é o secretário de Educação, para permitir uma ação integrada, alinhada e rápida. E é sobre isso que falará Jean Gorinchteyn, você, Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Nós temos evoluído no programa de vacinação, que irá sim imunizar e proteger um grande contingente da nossa população. A nossa população estimada e elegível para vacinação são aproximadamente 35 milhões de pessoas. Estaremos com isso vacinando 23 milhões dessas pessoas até o final do mês de junho, que dá um total de 66% dessa população. Isso é algo extremamente importante. Mas de toda forma, enquanto ainda não progredirmos, as escolas, especialmente a educação infantil, ela segue todos os critérios de segurança com a limitação de número de ocupação, com todos os ritos e proteções que são dadas, garantindo ali um cenário de absoluta segurança. À medida que progredirmos, portanto, na imunização, na proteção, estaremos aí discutindo com a secretaria, especialmente a Secretaria de Educação, com o secretário Rossieli Soares, para definir novas estratégias que poderão ser tomadas na evolução.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn. Soraia, obrigado pela pergunta. Vamos agora à Maiana Leocádio, de TV Cultura. Maiana, bem-vinda. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

MAIANA LEOCÁDIO, REPÓRTER: Olá, boa tarde, a todos. Com essa antecipação da imunização aqui em São Paulo, eu queria saber quais são as vacinas que estarão disponíveis? E qual é a importância de cada um tomar a vacina que está disponível, e não escolhê-la?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, boa pergunta também. A doutora Regiane vai responder, mas eu me permito aqui sugerir que os que estão nos assistindo agora pelas emissoras que transmitem essa coletiva, tomem a vacina que estiver disponível no Posto de Saúde, de acordo com a sua faixa etária. Toda vacina é boa vacina, com exceção daquelas circunstâncias muito especais de gestantes, puérperas, e aqueles que por orientação médica devem ter uma atenção específica em relação à vacinação, todos devem se vacinar, e não escolher a vacina. Lembrar também daquelas vacinas que precisam de duas doses, tomarem a segunda dose. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigada. Nós temos hoje, aqui no território já, a vacina do Butantan, a vacina da Fiocruz, e temos a vacina da Pfizer, aguardamos uma chegada da vacina da Janssen, que deveria chegar entre ontem e hoje, não chegou, e deve estar chegando nas próximas 24 horas. Então hoje no território nós teremos quatro vacinas a partir de amanhã. E lembrando que para as grávidas é a vacina do Butantan, e a vacina da Pfizer que está disponibilizada, para as outras faixas etárias essas vacinas estarão disponibilizadas a partir dessa semana. Como o governador disse, todas as vacinas são boas, excelentes, e precisam, não há porquê escolher, nós só podemos fazer essa escolha para gestantes, e toda população deve tomar a vacina no momento que chegar no posto, a que estiver disponível. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Obrigado, Maiana, pelas perguntas. Vamos agora concluindo, com o Maicon Mendes, da Rádio Jovem Pan. Muito obrigado por estar aqui conosco nessa tarde de domingo. Sua pergunta, por favor.

MAICON MENDES, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Maicon Mendes, da TV Jovem Pan News. São duas perguntas em uma, primeira, ontem o Presidente Jair Bolsonaro esteve aqui em São Paulo, e determinado momento ele voltou a dizer que tem ajudado o governo de São Paulo sobre o financiamento de liberar recursos para a vacina da Coronavac. Eu queria saber do senhor se existe mesmo essa possibilidade que o governo está ajudando o senhor com relação à liberação da vacina da Coronavac? Qual que o Governo Federal tem investido nesse programa? Ou se não está investindo? A última pergunta com relação à classe jornalística, perdemos mais um colega, são quase 200 jornalistas, chegando à essa marca imprescindível, estranha, absurda. E por que até hoje os jornalistas aqui do estado de São Paulo não entraram na lista de prioridade, já que está dentro de hospital, está na linha de frente, e até agora não tivemos uma resposta? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Maicon, começando pela segunda. A primeira será respondida pelo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan. Nós estamos vacinando todos, e é por isso que nós estamos anunciando hoje aqui que até 15 de setembro todo estarão vacinados, todos, sejam jornalistas, sejam garis, sejam funcionários públicos, sejam os que fazem o atendimento no Poupa Tempo, sejam as pessoas que fazem manutenção em edifícios, condomínios, todos, brancos e negros, mulatos, pardos, índios ou quilombolas, mais jovens ou menos jovens, homens e mulheres. Todos estarão vacinados até 15 de setembro. Em relação ao Presidente Jair Bolsonaro, e antes de passar a palavra para o Dimas Covas, eu quero esclarecer que o Presidente da República não ajuda São Paulo, nunca ajudou, ao longo dessa pandemia, só prejudicou, e não foi São Paulo, ele prejudicou o Brasil. E parte desses 200 jornalistas que perderam a vida, parte dos 486 mil brasileiros que perderam a vida, deve-se exatamente à atitude negacionista e criminosa do Presidente da República. O que fez sim foi o Ministério da Saúde, através do SUS, o que faz há 50 anos, que é comprar vacinas, e comprar vacinas não é nenhuma ajuda, é obrigação. Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Júlio, investimento do Governo Federal, do Ministério da Saúde no desenvolvimento da Coronavac é zero, zero, não houve um centavo de investimento no desenvolvimento dessa vacina. Mas recentemente temos tido um apoio do ministro França, em relação às conversas junto com as autoridades chinesas, sim, isso tem acontecido, mas é muito recente, foi após a posse do ministro França, que isso tem acontecido. E ele tem ajudado muito. O ministro França tem dado uma grande ajuda para que esses trâmites burocráticos sejam feitos muito rapidamente. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas Covas. Maicon, obrigado, me solidarizo com você, com os colegas da TV Record, com colegas de veículos aonde o Domingos Fraga atuou, e esses tantos jornalistas, inclusive vários amigos meus, em São Paulo, Rio de Janeiro e outras localidades, que perderam suas vidas tristemente para a Covid-19. Eu queria antes de encerrar a coletiva, pedir que nós pudéssemos exibir aqui mais uma vez o calendário de vacinação dos meses, isso, junho, julho, agosto e setembro. Tomar a liberdade de sugerir aos meus colegas cinegrafistas e fotógrafos que aqui estão, que possam sintonizar, para que você aí na sua casa, com o seu celular, fotografe a tela do celular nesse momento, com o seu celular, para que você na sua faixa etária, saiba exatamente quando você será vacinado, sabendo que até 15 de setembro, seguramente você estará com a vacina no braço. Essa é a esperança, essa é a grande importante notícia que nós tínhamos a comunicar hoje. A esperança de que tudo vai passar, tudo vai passar. Nós vamos superar essa fase triste e dolorosa da pandemia, com a vacina no braço, com a comida no prato e com esperança no coração. Muito obrigado, bom domingo a todos. Obrigado.