Detecta

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar
Atualizado em: 25 de outubro de 2016

Quando surgiu: 16 de abril de 2014

O que é: é uma ferramenta de tecnologia de ponta que ajudará no patrulhamento, investigação, planejamento de combate a crimes e identificação dos padrões de delitos em cada localidade.

Parcerias: o Governo do Estado e a Microsoft terão a propriedade intelectual de todas as aplicações que forem desenvolvidas em São Paulo para o sistema.

Como funciona: o sistema realizará a indexação de grandes quantidades de informação policial e fará associações automáticas entre esses dados. Permitindo que as informações de diversos bancos de dados sejam filtradas por parâmetros pré-estabelecidos para que seja emitido um alerta sobre crimes.

Gerenciamento: O Detecta será gerenciado por três centrais, onde será visualizado em telões, sendo:

  • COPOM (Centro de Operações da Polícia Militar);
  • CEPOL (Centro de Comunicação e Operações da Polícia Civil); e
  • CIISP (Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública de São Paulo)

Benefícios: contribuirá com o planejamento das ações policiais, pois permitirá a identificação de padrões de crimes praticados em cada região, a partir dos registros realizados.

Praticidade: poderá ser utilizado em computadores, notebooks, tablets e smarthphones. Apesar de ser um sistema de alta tecnologia, sua operação será fácil para o usuário final

Investimento: R$ 9,7 milhões

Previsão de funcionamento: a previsão é que o sistema comece a funcionar em quatro meses e esteja em pleno operação em janeiro de 2015.

Integração ao Sistema de Monitoramento

  • Cerca de 130 câmeras da capital, de um total de 525 câmeras que a PM tem acesso na cidade, das 352 que são próprias da Polícia Militar e 173 da GCM;
  • Sistema do 190 (Polícia Militar) e do 193 (Bombeiros), o SIOPM;
  • Veículos de interesse: São veículos que não estão necessariamente envolvidos com algum crime, mas com uma investigação. Como, por exemplo, um veículo com suspeita de ter uma testemunha de um crime.
  • Pessoas de interesse: São pessoas que não têm mandados de prisão, mas que o policial tem interesse de acompanhar casos relacionados a elas;
  • Incidentes domésticos: como reclamações de barulho;
  • Relatórios administrativos, como o RAIA, com problemas de iluminação;

Próximos passos

Inclusão dos seguintes bancos de dados:

  • As 288 câmeras restantes da PM em todo o Estado;
  • RDO (Registro Digital de Ocorrência);
  • Fotocrim;
  • Pessoas procuradas/mandados de prisão;
  • Pessoas desaparecidas;
  • Detran: Câmeras OCR leitoras de placas e cadastro da CNH;
  • Registro de veículos;
  • Veículos furtados e roubados;
  • Registro criminal;
  • CET;
  • Câmeras de empresas privadas instaladas em locais públicos;
  • Câmeras de outros órgãos e empresas públicas, além de concessionárias.

Está em elaboração uma licitação para a aquisição de 600 câmeras com OCR – leitora de placas. Elas devem entrar em funcionamento em seis meses. Com isso, a cidade chegará a 952 câmeras da Polícia Militar na cidade de São Paulo e 1.125 câmeras na capital que a PM tem acesso, pois inclui as da GCM.

Também estão sendo realizadas tratativas para que seja possível utilizar os leitores de placas – radares de rodízio - e as câmeras da CET.


Dados[editar]

Atualizado em: 02 de maio de 2018

Em novembro de 2017, o sistema conta com 3.944 câmeras em mais de 1,5 mil pontos do estado.

Com o apoio dessa base de dados do Detecta, mais de 5 mil pessoas já foram presas em flagrante no estado.

Últimos Investimentos[editar]

- 18/10/16 - A partir de novembro deste ano, o Detecta, sistema de monitoramento inteligente implantado pelo Governo do Estado de São Paulo, vai incorporar mais 97 câmeras, instaladas pela prefeitura em todas as regiões da capital. Desde a assinatura do convênio entre o Estado e a prefeitura, em julho passado, já estão integradas ao Detecta 178 câmeras de monitoramento das 900 que se pretende agregar ao sistema, de forma progressiva.

2018[editar]

  • São Paulo firma parceria com Sergipe na área de Segurança Pública

Acordo possibilitará a integração e o compartilhamento de informações entre os Estados Os governos de São Paulo e Sergipe firmaram, na manhã desta quinta-feira (12), parceria para integração e compartilhamento de informações do sistema, que integra bancos de dados das polícias paulistas. Autoridades dos dois Estados estiveram presentes na assinatura do convênio. Com vigência até 1° de dezembro de 2018, podendo ser prorrogado até 60 meses, o acordo visa o compartilhamento de dados de interesse da Segurança Pública com o Estado de Sergipe, para a prevenção do crime e da violência e a atuação institucional de ambos. Implantado em 2014 em São Paulo, o sistema de prevenção e investigação criminal promove a integração de bancos de dados e câmeras de diferentes instituições para monitorar áreas específicas, veículos e suspeitos para auxiliar as polícias no combate ao crime em todo o Estado. No sistema, estão conectados dados do Registro Digital de Ocorrência (RDO), Instituto de Identificação (IIRGD), Sistema Operacional da Polícia Militar, Sistema de Fotos Criminais (Fotocrim), além de dados de veículos e de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Atualmente, há 5.600 leitores de placas em pelo menos 2.390 pontos de todo o Estado de São Paulo. Desse total, há 2.764 leitores de placas em ao menos 1.046 locais da Capital, onde a Secretaria da Segurança firmou parceria com a prefeitura para compartilhamento de dados de equipamentos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Outras parcerias Atualmente, há parceria com 56 municípios que integram o sistema no Estado de São Paulo. Também há mais três convênios com o Sindicato Empresas Compra Venda Locação Administração Imóveis SP (Secovi), Associação Alto de Pinheiros e Associação Comercial de Jundiaí. Além destes, no começo deste ano, o governo de Rondônia demonstrou interesse na integração e compartilhamento de informações do sistema, que também foi apresentado aos estados de Amazonas, Paraíba e Rio de Janeiro.

Ver também[editar]

Links externos[editar]