Discurso - Abertura do Congresso Brasileiro de Agronegócio 20130508

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Abertura do Congresso Brasileiro de Agronegócio

Local: Capital - Data:05/08/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos. Quero saudar o Ricardo Carvalho, presidente do bairro. José [ininteligível] representando o ministro da Agricultura, ministro Antônio Andrade. Deputado federal Duarte Nogueira. Deputado [ininteligível] Dilator Borges. Secretária Mônika Bergamaschi; Dr. João Carlos Meirelles; ministro Roberto Rodrigues; João Sampaio; Bernardo Figueiredo, presidente da EPL. [ininteligível] Antônio Lopes, presidente da Embrapa. Luiz Carlos Ribeira [ininteligível] da Câmara Temática de Infraestrutura do Ministério. Empresários, todo o setor aqui do agronegócio, palestrantes, amigas e amigos. Primeiro fazer uma saudação aqui ao setor importantíssimo pra São Paulo e pro Brasil [ininteligível] agronegócio, é o Negócio de São Paulo e pro Brasil, que tem ajudado enormemente nossa balança comercial, mudando a economia e uma [ininteligível] extremamente eficiente [ininteligível] sobre a agricultura do século XXI aqui no Brasil [ininteligível] nós alimentamos quase 1 bilhão de pessoas. E além de alimentos, energia, fibra, nichos específicos, então um setor importantíssimo. E que pra ganhar mais competitividade, melhorar a logística, vai reduzir custos e nós vamos ter um ganho importante, ainda mais num país das dimensões continentais do Brasil. Então aqui em São Paulo nós demos um passo importante, iniciativa privada através do alcoolduto. Nós transportávamos todo o álcool e somos o maior produtor do mundo de álcool através de caminhão e já está pronto. Tiramos o ICMS para o lastro do alcoolduto entre Ribeirão Preto até a Paulínia. E esse alcoolduto ainda vai ser expandido fortemente, que vai melhorar muito a logística de um setor extremamente importante. Além do apoio ao alcoolduto, queria trazer uma palavra sobre a hidrovia Tietê-Paraná. Nós temos 2.400km de hidrovia, importante pra São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais. Estava aumentado o transporte pela hidrovia, passou de 3,9 milhões pra 6,2 milhões, aumentou 50% e nós temos uma expectativa de chegar há 12 milhões de toneladas. Ela transporta soja, farinha de soja, milho, cana de açúcar. E tende a crescer. Assinamos com a presidente Dilma no ano retrasado, 1,5 bilhão de investimento; 900 milhões do Governo Federal, 600 milhões do Governo do Estado. (ininteligível) pra estender a hidrovia até Piracicaba (ininteligível) a barragem de Santa Maria da Serra, e alargamento das pontes, várias delas já foram alargadas para marcar essa passagem direto e não precisar parar em conluio pra passar com mão dupla. Da nossa parte dos 600 milhões nós já investimos 90 milhões, da parte do governo federal, de 900 milhões, foi investido três milhões, nós já investimos 90 e o governo federal três, mas estamos lá em cima do DNIT pra gente tentar agilizar ao máximo as minerações pra poder correr mais depressa com as obras que serão fundamentais. Depois queria trazer uma palavra sobre ferrovia, o grande modal que já pode fazer uma enorme diferença. A partir de 2015 , no máximo 2016, não tem mais como trem de carga passar por São Paulo. Nós transportávamos há 15 anos atrás 600 mil passageiros/dia na CPTM, transportamos hoje 2,8 milhões de passageiros/dia, o intervalo era de cinco minutos entre trens e hoje é de três minutos. O horário da madrugada cada vez diminui mais, como é que vai passar trem de carga? Além do que destrói a ferrovia, muitos problemas que nós temos as vezes com ferrovia é em razão do tamanho da carga que precisa ser separada através do ferroanel. Então nós tivemos trabalhando pra fazer a asa norte do Ferroanel junto com o Rodoanel, acontece que as coisas não andam e o Rodoanel já está muito lá, nós vamos entregar o Rodoanel Leste no primeiro semestre do ano que vem, ele vem do Mauá passando na Ayrton Senna até a Dutra, chegando a Dutra/Guarulhos, no norte estamos com oito frentes de trabalho simultâneas chegando no aeroporto de Cumbica, Fernão Dias e integrando de novo a Bandeirantes. E se demorar pra fazer a terraplanagem aí pode custar 1,5 bilhão a mais na construção do ferroanel norte. Nós temos feito o maior esforço junto ao governo federal para que o DNIT faça esse junto com a Dersa ao menos a terraplanagem do Ferroanel norte pra não perder aí o grande sinergia entre asa norte e Rodoanel e asa norte do Ferroanel. Depois queria trazer uma palavra sobre os portos. Nós temos um porto único, porto do estado, operado pelo estado, que é o porto de São Sebastião e vive um grande problema que não tem ferrovia... Então nós estamos duplicando a Tamoios, em dezembro será entregue a duplicação da Tamoios até no alto da serra, são 50km, do contorno de Caraguatatuba, Ubatuba (ininteligível) até dentro do porto de São Sebastião, a obra começa em 15 dias e o trecho da serra que será uma nova autoestrada como a imigrantes, ela que será PPP, o edital deve ser lançado em 45 dias. O porto de Santos é federal, nós duplicamos a imigrantes e terminamos o Rodoanel oeste e sul, e terminando leste e norte nós vamos fechar o 178km do Rodoanel metropolitano de São Paulo. Temos um grande problema (ininteligível) liberamos 182 milhões pra fazer aquele Trevão e o anel viário da Anchieta. Com tanta freada de caminhão, está tudo cheio de borracha ali, então uma grande obra sendo feita já para ser entregue em etapas e toda ela até o final do ano que vem. E a ampliação da Cônego Domenico Rangoni, vai melhorar o acesso ao porto de Santos. Queria também dizer que nós estamos terminando o projeto executivo para licitar o Túnel Santos/Guarujá, hoje nós temos uma das maiores barcaças do mundo, é como se fosse uma travessia marítima entre Guarujá e Santos, e cada vez mais navio no canal, é praticamente impossível. Aí se resolver fazer uma ponte, a ponte feita no começo do canal iria limitar o porto, porque os navios são cada vez maiores, e você faz uma ponte e ele fica (ininteligível), se faz uma ponte muito alta afeta as cidades, então nós vamos fazer um túnel que passa a pé, bicicleta, moto, carro, caminhão, ônibus e trem, que já está em construção o VLT (veículo leve sobre trilho) na baixada santista entre Santos e São Vicente, e a Praia Grande terá também (ininteligível). Então previsto (ininteligível) o que deve melhorar também a logística lá do túnel que (ininteligível) Santos. Depois o conjunto das rodovias de São Paulo, quase todas delas sendo duplicadas, posso citar uma que pega lá na divisa com Mato Grosso do Sul em Santa Fé do Sul e vem até São José do Rio Preto. Praticamente todas essas grandes rodovias de São Paulo estão sendo, estão em fase de projeto para serem duplicadas. As estradas vicinais, de apenas quatro mil quilômetros, e as novas concessões rodoviária nós incluímos no acesso as estradas vicinais, então a concessão como Marechal Rondon, como Raposo Tavares, o concessionário tem que manter o eixo que é a autoestrada... Marechal Rondon com a Raposo, mantendo o acesso a cidade que ela passa e as vicinais asfaltadas da cidade, por 30 anos, isso vai mudar também o escoamento da produção, as estradas vicinais, além do melhor caminho da Codasp, também procurando ajudar essa malha grande que nós temos no interior pra escoamento da nossa produção. E os aeroportos, o aeroporto de Ribeirão Preto que tá terminando o terminal alfandegário, então não vai precisar mais ir pra Guarulhos, você tem toda a parte alfandegada e pode também numas áreas que tem uma demanda de logística, como também em Bauru, grandes aeroportos, bem no coração do estado, a tendência é ser aeroporto internacional também alfandegário. E essa boa integração dos moldais. Mas eu diria que o maior desafio além do porto, é o ferroviário, esse é que é o empenho que nós vamos ter, que aí acho que se nós conseguirmos desatar o nó do Ferroanel, dessa transposição da metrópole, São Paulo tem 22 milhões de pessoas e oito mil quilômetros quadrados, é a terceira megalópole do mundo, só perde pra grande Tóquio e Nova Deli, na Índia. Xangai, maior que Nova York, Cidade do México, Mumbai na Índia. Então, atravessar São Paulo é uma tarefa dura. O Rodoanel fechando ali um ano e meio, no máximo dois anos, vai ajudar muito, o Ferroanel, aí nós vamos poder ter um ganho de logística muito grande, além de alcooduto, hidrovia, aerovia e essa integração [ininteligível]. Mas quero saudar aqui a [ininteligível], desejar a todos aí um ótimo começo. Obrigado.

Ver também[editar]

CPTM

Ferroanel

Rodoanel

Túnel Santos/Guarujá

Links externos[editar]

Secretaria de Transportes Metropolitanos

Artesp

Dersa

Codasp

Secretaria de Agricultura